Acessibilidade, Matemática e Tecnologia

A acessibilidade ainda é um grande problema nos grandes centros urbanos. Trafegando pelas ruas, encontramos facilmente vagas especiais ocupadas irregularmente, rampas de acesso projetadas fora das especificações técnicas, ausências de banheiros adaptados, entre outros problemas. Conversando com um aluno portador de deficiência, ele me relatou que a maior dificuldade encontrada estava relacionada às rampas de acesso. Segundo ele, muitas delas são construídas de forma inadequada. Do bate-papo, surgiram alguns questionamentos: “Será que as rampas de acesso presentes em espaços públicos, repartições e escolas estão adequadas para os portadores de deficiência? Como saber se um local é ou não acessível? De que forma a Matemática ensinada nas escolas poderia ajudar essas pessoas?”.

A Matemática está presente em quase tudo. É possível encontrá-la nos códigos de barras, nas contas de luz, água e telefone, nas complexas equações que regem o nosso Universo e também nos projetos de rampas de acesso. Atualmente, segundo o IBGE, a cidade de Salvador possui mais de 600 mil portadores de deficiência, o que representa aproximadamente 20% dos mais de 2,8 milhões de habitantes da capital baiana.  Ainda que a Lei 5.296/04, que regulamenta a legislação da acessibilidade, garanta a inclusão dos portadores de deficiência na sociedade, percebemos que muitos espaços públicos não possuem rampas de acesso ou a construção adequada delas. Isso indica que a legislação não vem sendo cumprida, prejudicando o direito de ir e vir destes cidadãos.

A construção de rampas segue normas que são regulamentadas pela NBR 9050. Existem regras a serem seguidas na hora de determinar a inclinação de uma rampa. Esse quesito é muito importante, tendo em vista que o esforço físico dispensado por um cadeirante deve ser o mínimo possível. Segundo a Mecânica newtoniana quanto maior a inclinação da rampa, maior será a força necessária para equilibrarmos e deslocarmos um corpo sobre ela. Para a NBR 9050, o valor da inclinação da rampa é a razão entre a altura e o comprimento dela, expresso em porcentagem. Ou seja:

André Soledade. IAT

André Soledade. IAT

André Soledade. IAT

André Soledade. IAT

Por exemplo: uma rampa com 8% de inclinação é aquela em que o valor da altura corresponde a 8% do valor do comprimento. Então, quando se tem um rampa de 2m de comprimento, o desnível ou altura dela será 8% de 2m. A operação fica assim: 0,08 x 2 = 0,16m de desnível.

Muito bem, mas como saber qual é a inclinação necessária para vencer o desnível entre a rua e o acesso a uma loja, por exemplo, quando conhecemos o valor do desnível? É aí que entra a norma NBR 9050. Vejamos o que ela diz acerca da inclinação:

tabela NBR

Como podemos notar, quanto maior for a altura que se quer vencer, mais suave deverá ser a inclinação da rampa para que portadores de deficiência possam acessá-la sem dificuldade. O que justifica a dificuldade que muitos deles vivenciam ao tentarem subir rampas que não obedecem as normas da NBR 9050.

Tomemos um outro exemplo, para melhorar nossa compreensão: um estabelecimento ou mesmo uma calçada, cujo desnível é 20 cm, terá, segundo a tabela acima, uma inclinação de 8,33%. Efetuando os cálculos:

cálculos

Ao concluir os cálculos, percebemos que a rampa é muito comprida, o que pode ser comprometido pela falta de espaço para que ela seja contínua.

Para resolver esse problema, podemos trabalhar a rampa de acesso em segmentos, sempre colocando patamares entre eles. Assim, cada segmento vence um desnível menor do que o desnível total a ser vencido, e por isso pode ter uma inclinação um pouco maior, ocupando menos espaço. Observe que essa solução, além de resolver a questão do espaço ocupado pela rampa, possibilita ao cadeirante repousar entre um segmento e outro dela.

A Matemática por trás do projeto de rampas de acesso nos mostra que as aplicações da geometria plana vão muito além dos problemas de sala de aula, e que podemos, através de conceitos básicos, melhorar a vida de quem precisa enfrentar diariamente ausência de rampas em calçadas, prédios, escolas, repartições públicas, cinemas e teatros. Também é necessário estar atento às normas e especificações técnicas na hora de construi-las. Foi pensando nestes problemas, que o ativista  alemão Raul Krauthausen, criou o Wheelmap, site e aplicativo para smartphones que mapeia a acessibilidade de locais para cadeirantes, classificando-os em verdes, quando os locais são acessíveis; amarelos, quando são parcialmente acessíveis; vermelhos, quando não são acessíveis e cinza, indicando que não existem informações sobre o local, deixando que as pessoas os classifiquem, em acessíveis ou não. Uma iniciativa inédita, que visa informar quais locais públicos estão preparados para receber os portadores de deficiência.

Acessando recentemente o mapa de Salvador através do aplicativo, descobrimos que muitos locais são marcados como cinza, o que significa que nós não temos informações sobre eles, mas pode-se adicioná-las facilmente. E você vai fazer a sua parte? Baixe o aplicativo no seu smartphone ou acesse o site, e contribua com informações sobre locais públicos da nossa cidade!

Um abraço e até o próximo Matemática e cotidiano!

André Luiz Santos da Soledade

Professor de Matemática da Rede Pública Estadual

 

Referências:

http://atarde.uol.com.br/noticias/5834170, acessado em 09/01/2014

http://www.arquitetonico.ufsc.br/como-projetar-rampas, acessado em 09/01/2014

http://wheelmap.org/en/, acessado em 06/08/2014

http://tvbrasil.ebc.com.br/programaespecial/episodio/programa-especial-revela-iniciativas-de-apoio-a-acessibilidade#media-youtube-1, acessado em 06/08/2014

Anúncios

Biblioteca Anísio Teixeira realiza seminário voltado para o público Surdo

O evento é uma homenagem ao Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, comemorado em 21 de setembro

Referência no atendimento aos surdos, a Biblioteca Anísio Teixeira (BAT), na Ladeira de São Bento, promoverá no dia 22 de setembro (quinta-feira), das 8h30 às 17h30, o II seminário A importância da Biblioteca na vida sociocultural do Surdo. O evento abordará a necessidade do surdo em aprender a ler e escrever a Língua Portuguesa e participar ativamente das atividades oferecidas na Biblioteca. Inscrição gratuita através dos números: 71 3117-6337/6339. As vagas são limitadas.

A programação iniciará às 8h30, com café da manhã, e em seguida abertura oficial com Ubiratan Castro de Araujo, diretor geral da Fundação Pedro Calmon/SecultBA. Às 9h40, haverá apresentação do Teatro de Literatura: O patinho feio, com o elenco formado por alunos do Curso de LIBRAS da BAT. A interpretação ficar por conta de Marguerita Fialho Cunha da Silva, a interprete oficial do seminário.

Ainda pela manhã, às 10h, Anselmo de Jesus relatará sua experiência de viver com a surdez, com a participação da intérprete Isabela Miranda. Para finalizar o período da manhã, às 11h, a biblioteca apresentará a palestra A Literatura Surda e o Português como segunda língua, com a professora de LIBRAS, Aline Porto.

À tarde, a programação recomeça a partir das 14h, com apresentação da Banda Batuque de Surdos, seguido das palestras A Importância da Língua de Sinais para o Letramento do Surdo, com a fonoaudióloga da Associação Som do Silêncio – AESOS, Adriana Dantas e Interação da Biblioteca Anísio Teixeira com a comunidade surda, com o instrutor de LIBRAS, Caio César Gondim Santos, que contará com interpretação de Tais Nogueira.

Às 16h30, acontecerá apresentação dos resultados iniciais do projeto Aplicação Pedagógica de Semiótico da Imagem para Ensino de Crianças e Adolescentes Surdos e não Surdos, com Lídia Brandão, professora Doutora do Instituto de Ciências da                Informação – ICI/UFBA. O encerramento do seminário será com apresentação musical É Preciso Muitas Mãos, com a pedagoga e interprete de LIBRAS, Isabela Miranda.

Acesso para todos – Desde o ano de 2006, a Biblioteca Anísio Teixeira promove o Curso de Noções Básicas de Libras, visando formar pessoas habilitadas para o atendimento aos surdos. A BAT vem incentivando, desde então, a inclusão do surdo de várias formas. Dentre elas, destaca-se, por exemplo, a exibição de filmes nacionais com legendas em português e a presença de um funcionário capacitado para dialogar através das LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) com os frequentadores.

Através do Setor de Atendimento à Criança e ao Adolescente Surdo – SACAS, a Biblioteca desenvolve atividades especiais voltadas para a pessoa Surda, destacando a importância do aprendizado a partir da comunicação, utilizando a língua dos sinais ou a própria língua falada.

Serviço:

O quê: Seminário A importância da Biblioteca na vida sociocultural do Surdo

Onde: Biblioteca Anísio Teixeira – Ladeira de São Bento

Quando: Dia 22, das 8h30 às 17h30.

Quanto: Grátis

Contato: 71 3117-6339 /6337

Fonte: http://www.cultura.ba.gov.br/2011/09/20/biblioteca-anisio-teixeira-realiza-seminario-voltado-para-o-publico-surdo/