Instituições de atenção às diversidades

Olá, pessoal.
No mês em que focamos a mulher, os gêneros e as sexualidades, não poderíamos deixar de falar de algumas ações promovidas em favor destes grupos. Catalogamos e compartilhamos com vocês uma séria de instituições, projetos e ações atuantes na nossa sociedade em favor da promoção de igualdade de direitos para e entre estes grupos.

Em nível federal, temos a Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), que é uma das comissões permanentes da Câmara dos Deputados do Brasil para analisar os assuntos e propostas legislativas a ela pertinentes cujas ações devem receber e investigar denúncias de violação desses direitos, bem como promover, avaliar, fiscalizar e preservar os direitos referentes às minorias étnicas e sociais. A Secretaria dos Diretos Humanos, está presente em quase todos os aspectos da vida pública e também lança seu olhar sobre os direitos das chamadas “minorias”, como LGBT.

Índice

Ainda nacionalmente, contamos com as ações da SPM – Secretaria de Políticas para as Mulheres, que se ramifica em nível estadual e, em Salvador por exemplo, conta com uma superintendência cujos objetivos e ações de intervenção são compartilhados por estas instâncias, entre eles, fazer valer as leis de incentivo ao respeito e equidade entre os gêneros e assegurar a participação feminina na construção/transformação social.

Para as relações educativas, existem ações e instituições que, além de debater e fomentar as discussões, trabalham assegurando a implantação de uma sociedade mais justa e igualitária para todas/os, através de capacitações e formações oferecidas a estudantes, educadores/as, militantes sociais e pessoas dos diversos setores da sociedade.

Entre estas oportunidades de educação para uma sociedade com igualdade de gêneros e respeito às sexualidades estão o Ser-tão – o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade da Universidade Federal de Goiás (UFG). Na Bahia contamos com o NEIM – Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher da Universidade Federal da Bahia e o DIADORIM – Núcleo de Estudo de Gênero e Sexualidade (NugSex, da Universidade de Estado da Bahia. Ambos oferecem cursos de extensão, formando especialistas em Políticas Públicas de Gênero e Raça, mestre e doutores na temática. Em 2009, um importante passo foi dado no sentido de assegurar equidade, pois o NEIM passou a oferecer o Bacharelado em Gênero e Diversidade, uma graduação que objetiva formar profissionais capazes de formular, acompanhar e monitorar projetos e ações de materialização de direitos, imbuídos de uma perspectiva crítica de gênero e diversidade.

Para uma afinidade internacional dos direitos das mulheres, promoção do respeito às diversidades e promoção da igualdade a Organização das Nações Unidas – ONU, possui entidades internas que focam suas ações neste sentido. Citamos duas delas: a ONU Mulheres, entidade para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres e o ACNUDH, Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, responsável pela promoção da igualdade de diretos entre todas as pessoas.

Enfim, existem várias ações e grupos que colaboram para a construção de uma sociedade mais justa, acessível à todos/as, respeitosa e igualitária. Certo que ainda há muito a ser feito e conquistado, para isso contamos com você. Seja um/a multiplicador/a e construtor/a da justiça. Colabore com essa ideia. Juntos somos mais!

Valeu e até a próxima!
Fontes: NEIM, DIADORIM, SPM, ONU e Ser-tão.

Anúncios

Por uma participação mais ativa!

Olá, amig@s!

As privações ocorridas durante o processo de lutas enfrentados nos sistemas econômicos, políticos, sociais e culturais, bem como a exclusão daqueles que não tinham participação ativa e voz na sociedade foram marcantes durante séculos.

São visíveis as conquistas decorrentes da árdua luta organizada por esses membros, que no decorrer do processo histórico tiveram reconhecimento do seu espaço na sociedade. Os esforços diante dos impedimentos dos direitos violados mostra que é preciso definir quais são os direitos e deveres desses indivíduos. É possível usar como referência o texto da Organização das Nações Unidas, que estabelece no artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos do Homem queTodos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.”

 É necessário ter clareza sobre o conceito de Justiça para transitar, sem muitos devaneios, por estes debates para estruturar e construir na sociedade a concepção desse instrumento, verificando as razões que influenciam e o proposito de solucionar problemas sociais no que se refere a questão ética e da liberdade, incluindo as relações com as razões humanas.

 A concepção de aplicar a justiça é instituído no sentido de se ter igualdade com base em uma cidadania plena e com o objetivo de manter uma equidade, preservando qualidades como honestidade, moral, razão e a própria justiça.

 Para tanto, houve a necessidade de incluir as relações a essas pessoas de exercer um papel mantenedor e decisivo, permeando a estabilidade e convívio, tendo eles o poder constante na formação com os seus deveres e obrigações.

No processo de construção da cidadania, os Direitos Humanos são definidos como direitos inerentes a todos os seres humanos, tendo um reconhecimento de igualdade e independente das condições sociais, nacionalidade, etnia e religião, constando uma importância na emancipação na luta pela transformação da sociedade.

Então turma, é imprescindível atentarmos para essas questões e promover discussões para termos conhecimentos dos nossos direitos quanto cidadãos, ideias e valores para tod@s termos uma sociedade igualitária e participativa.

Para um maior aprofundamento no assunto confiram um vídeo que retrata o papel da educação nos Direitos Humanos, cidadania e a importância de se discutir e implementar o tema no ambiente escolar.

Abraços e até mais!

Fonte: http://www.onu.org.br/

Dia Mundial do Meio Ambiente

Olá, galerinha!

Hoje é o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Esta data foi criada pela Organização das Nações Unidas – ONU, durante a Conferência de Estocolmo em 1972, para falar de questões ambientais e humanas.

Este é um tema que até hoje suscita muitas discussões, pois nunca deixou de ser atual. E no momento que todos os olhares se voltam para as questões envolvendo o destino do nosso planeta, queremos chamar a atenção de vocês para os cuidados que devemos ter com o Meio Ambiente para garantir o futuro das próximas gerações, tendo em vista a escassez dos recursos naturais.

É preciso mais do nunca, promovermos ações que contribuam para o bem do planeta e dos seres que nele vivem.

Confiram abaixo o vídeo que mostra como através da conscientização é possível adquirir novas posturas, colaborativas, como o combate ao desmatamento.

Clique aqui

Nós também somos do mato como o pato e o leão”

Refazenda – Gilberto Gil

Abraços, pessoal!!

Fonte: http://homologa.ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/1553