Videotutoriais – Blender

Captura de tela - 30-01-2014 - 16:14:22

Olá, pessoal!

Vocês já devem ter visto alguns textos sobre modelagem e animação em 3D aqui no blog. Em geral, ao publicarmos nossos textos, costumamos recomendar vídeos sobre produção em 3D, e, na maioria dos vídeos que recomendamos, o software utilizado é o Blender, que também já mencionamos em nossos posts.

Pois bem, estamos iniciando uma série de videotutoriais sobre o Blender, que auxiliará o usuário na utilização dessa ferramenta tão poderosa. Inicialmente, mostraremos como fazer o download do Blender, falaremos sobre as aplicações de um programa de produção em 3D e a constituição de uma cena. Em seguida apresentaremos os objetos tridimensionais e suas transformações básicas. Trabalharemos também com polígonos e as principais ferramentas de modelagem poligonal. Por fim, desenvolveremos um modelo para exercitar os recursos apresentados nos tutoriais anteriores.

Caso tenha interesse em saber um pouco mais, sugerimos que dê uma olhada nos vídeos. Esses tutoriais trazem um conteúdo básico de maneira genérica, pra que o usuário tenha autonomia para construir seu próprio estilo de trabalho. Contamos com comentários e sugestões para os próximos tutoriais.

Links para acesso direto:

– Youtube –

– AEW –

– PW –

Anúncios

Criando relevo com imagens – Mapas de Impacto

Olá, pessoal.

Se observarmos atentamente as superfícies à nossa volta, muitas delas apresentam as mais variadas rugosidades e deformações, se tornando muito difícil e, em algumas situações, impossível, modelarmos em 3D.

Exemplo disso, são os poros da pele humana, a rugosidade da casca de uma laranja, o relevo de uma rua de paralelepípedo, entre outros.

Como trabalhamos com polígonos e a manipulação de pontos, se fôssemos criar esse relevo com vértices, seria necessário um para cada elevação, a malha ficaria com excesso de vértices, tornando impossível a manipulação do arquivo. Para resolver esse problema, surgiram os bump maps também conhecidos como mapas de impacto.

Os programas de 3D são munidos de recursos próprios para a realização desses efeitos. O processo é baseado na utilização das informações de cores dos mapas (imagens) para produzir perturbações nos pixels do objeto que está sendo renderizado. A texturização de um muro de tijolos é um exemplo muito interessante, que contribui consideravelmente com o entendimento. Nesse caso, são utilizadas duas imagens iguais, uma colorida e outra preta e branca. Essas imagens são aplicadas ao objeto e configuradas em seus respectivos canais. A colorida no canal de cor e a preta e branca no canal Bump Map.

A imagem colorida dará a cor à superfície, e a imagem preta e branca contém as informações de relevo. Toda a parte clara terá altura e toda a parte escura terá profundidade.

O vídeo a seguir mostra todo o processo. Vale destacar que a narração está em inglês.

Até a próxima!

Escultura Digital

Olá, turma! Tudo bem?

Como foi dito em textos anteriores, é possível desenvolver qualquer forma que se queira em um ambiente de modelagem 3D. A modelagem orgânica, uma das mais almejadas por aqueles que desejam ingressar no mundo da Computação Gráfica, nos prova isso. Ela está entre as mais complexas e impressionantes desse universo, nos permitindo desenvolver objetos que simulam organismos como pessoas, animais, plantas e etc.

Essa é uma modelagem ousada, que exige experiência e habilidade. Artistas esculpem estátuas, monumentos e outras formas exóticas. Assim como no mundo real, no virtual também é possível esculpir modelos inusitados e formas orgânicas com vários níveis de elevações em suas superfícies.

Sem Título-1

Nos programas de modelagem e animação em 3D, há uma modalidade de trabalho conhecida como sculpt (escultura). Nesse ambiente, o usuário tem à sua disposição, ferramentas que simulam os mais variados acessórios de uma escultura real. São os chamados brushes (pincéis).

Além de um banco variado de brushes, há também a possibilidade de configurá-los de maneira a ampliar sua área de influência, bem como peso e sensibilidade ao toque.

Por ser um trabalho desenvolvido com polígonos, as ferramentas atuam basicamente puxando e empurrando vértices, para cima e para baixo, para frente e para trás, para direita e para esquerda. A rugosidade aplicada à superfície depende do tipo de brush escolhido.

O vídeo a seguir mostra um excelente exemplo dessa modalidade de trabalho.

Até mais!