Jornada Pedagógica 2013

Olá, educadores(as) e amig@s!

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia realiza a Jornada Pedagógica 2013 em todas as unidades escolares da rede, entre os dias 1º e 2 de abril, nos turnos diurno e noturno, sob o tema “Fortalecer as Aprendizagens com a Articulação dos Projetos Estruturantes. A Jornada reúne os educadores nas suas respectivas unidades, constituindo um espaço coletivo de organização do trabalho pedagógico. O objetivo é consolidar o planejamento para o ano letivo de 2013, a partir da reflexão sobre o desempenho da escola e do estabelecimento de ações e metas para melhoria dos processos de ensino e de aprendizagem dos estudantes.

PW-Jornada-Pedagogica-2013-POST

O planejamento para o ano letivo definido na Jornada Pedagógica será acompanhado pelo Projeto de Monitoramento, Acompanhamento, Avaliação e Intervenção Pedagógica (Paip), que estrutura a gestão pedagógica colaborativa e faz o acompanhamento às unidades escolares (por meio dos Nupaip Regionais de todas as Diretorias Regionais de Educação).

Programação completa e mais informações da Jornada Pedagógica 2013, acessem o Portal da Educação da Bahia – Cliquem aqui!

Fonte: http://www.educacao.ba.gov.br/

Anúncios

Secretário apresenta plano de ações da Educação

O secretário da Educação da Bahia, Osvaldo Barreto, reuniu cerca de 300 diretores, coordenadores e superintendentes de todo o Estado para apresentar o Plano de Ação 2011-2014. Durante o encontro, realizado no Instituto Anísio Teixeira (IAT), Barreto mostrou as ações previstas para os quatro anos dessa nova gestão. Entre elas está o Pacto pela Educação, programa que prevê a união de esforços com os municípios para elevar a qualidade do ensino no Estado.

Veja os 10 compromissos para fortalecer a educação

O secretário defende que, para melhorar a educação pública na Bahia, é necessário que haja um regime de colaboração e articulação entre os entes federados. Por isso, o plano de ação prevê um pacto entre estado e municípios. Embora por lei seja compromisso dos municípios ofertarem a educação infantil e as primeiras séries do ensino fundamental, o esforço da Secretaria da Educação, em parceria com os municípios, é no sentido de garantir uma educação de qualidade nas séries iniciais para que, ao longo do percurso estudantil, os alunos não venham a ter dificuldades. Para isso, é fundamental que haja um envolvimento não só dos órgãos públicos, como também da sociedade, incluindo a família.

“Nossa intenção é envolver todos os segmentos da sociedade no intuito de atingir os compromissos. Se quisermos mudar a educação na Bahia, tem que haver articulação”, informa Barreto. Entre as metas da Secretaria da Educação estão o compromisso de alfabetizar as crianças até os 8 anos de idade e extinguir o analfabetismo na escola, fortalecer a inclusão educacional, ampliar o acesso à educação integral, combater a repetência e o abandono escolar e fortalecer a gestão democrática e participativa na rede de ensino.

“Nossa visão é de que todos nós temos que dar as mãos pela escola. A estrutura da Secretaria tem que estar toda alinhada para servir a escola. É preciso tratar a educação como um direito tão importante como o de comer, o de respirar…”, defendeu o secretário Osvaldo Barreto. Inovar os currículos escolares, promovendo o acesso dos estudantes ao conhecimento científico, às artes e à cultura, estimular as inovações e o uso das tecnologias como instrumentos pedagógico e de gestão escolar e garantir o desenvolvimento dos jovens para uma inserção cidadã na vida social e no mundo do trabalho também estão entre os compromissos.

Metas – O Pacto pela Educação coloca ainda entre suas metas elevar o índice de aprovação para, no mínimo, 90% nas séries iniciais, 85% nas séries finais do ensino fundamental e 80% no ensino médio. Outro desafio é assegurar que as escolas dos municípios baianos e do Estado alcancem, no mínimo, os padrões do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) estabelecidos pelo Ministério da Educação. “O pacto é uma decisão de governo que foi tomada para acelerar o ritmo dos nossos resultados educacionais. Na educação, é necessário trabalhar com resultados. Nossas crianças têm que ter direito a uma escola que tenha bons resultados”, ressalta Osvaldo Barreto.

Fonte: http://www.educacao.institucional.ba.gov.br/node/2236