2016 – Sonhos, colaboração e muito aprendizado!

Olá, pessoal!

Queremos compartilhar com vocês a alegria de termos passado todo ano trocando informações e somando conhecimentos.

Desejamos que todos/as continuem interagindo em nossas mídias, que essas despertem e agucem criticamente, cada dia mais, a curiosidade inerente a cada um/a, pois acreditamos que um mundo de possibilidades se revela para aqueles/as que buscam, no direito de aprender, a base para transformação do meio em que estão inseridos/as e evolução pessoal.

POW_2016ano-novo

Colocamo-nos à disposição e temos plena certeza de que é por meio de nossa interação que nascem os sonhos e ideias. Com o esforço mútuo conseguimos construir, inovar e vencer todos os impedimentos.

“Sonho que se sonha junto é realidade.”

(Raul Seixas)

Excelente 2016, comunidade escolar!

Anúncios

Gêneros e sexualidades em março

Olá, galera!

Março foi um mês bastante produtivo para nossas discussões, pois alinhamos mais nosso diálogo quanto aos assuntos que envolvem as relações de gêneros e sexualidades. Compartilhamos com vocês textos, filmes, vídeos e músicas que embalaram nossos diálogos em torno dos avanços conquistados, das lutas travadas, das buscas e dos entraves que ainda envolvem as diversidades de gêneros e sexualidades.

ÍndiceNosso propósito foi o de agregar o conhecimento dos temas transversais em torno de uma mesma causa, uma vez que a promoção do respeito às diversidades também envolve os processos educacionais. Com isso, agradecemos pela interação de todas/os que colaboraram neste sentido, visitaram nossos conteúdos e interagiram conosco através das redes sociais e de comentários.

Acreditamos que a prática da justiça é possível com a participação de todas/os, que as transformações sociais devem priorizar o respeito entre as pessoas e, sobretudo, que revolucionar é caminhar para construção participativa de um mundo cada vez mais acessível à vida coletiva. Os temas e discussões apresentados não podem ser só específicos de um mês, por isso consideramos que foi importante aprofundar algumas discussões específicas, mas elas não podem sair da pauta das discussões em nenhum momento. Assim, seguimos compartilhando e dialogando por meio do site temático “Gênero e Sexualidade”. Sinta-se à vontade para continuar acompanhando nossas conversas, interagir, sugerir, questionar, opinar, criticar e juntar -se a esta construção.

Continue conosco e até mais!

“O sonho da igualdade só cresce no terreno do respeito pelas diferenças.”
(Augusto Cury)

Já é carnaval cidade, acorda pra ver!

A maior festa popular de rua do mundo já começou. Muitas músicas e ritmos embalam as emoções; milhões de foliões nas ruas e avenidas enchendo de alegria a praça e o poeta. É o carnaval de Salvador. Que este ano homenageará os blocos afros com o tema “40 anos de Blocos Afro – É diferente. É de Salvador”. Então, vamos nessa conhecer essa história.

Os blocos afros são instituições carnavalescas composta majoritariamente pela população negra e afrodescendente. Surgidas ainda no final do século XIX, em Salvador desde os anos trinta, com o Afoxé Pai Burocô – 1935, criado por Mestre Didi, e o Filhos de Ghandy, em 1945, que até hoje estende o seu “tapete branco” por onde passa.

20140203041548_marca-carnaval

Você pode estar se perguntando, mas são quarenta anos de quê?’ E a resposta é simples. Na verdade, são quatro décadas de exaltação dos traços africanos, próprios da cultura, compondo a folia. Uma vez que, há quarenta anos, os blocos afros e afoxés passaram a fazer parte do circuito oficial do carnaval de Salvador; ou “mais que isto, a presença dos blocos afros no carnaval da Bahia foi um importante elemento na ampliação do combate ao racismo, valorização da cultura de origem negra, bem como da autoestima da sua juventude.” como relatou em seu artigo Zulu Araújo – Diretor da Casa da Cultura da América Latina/UnB. Logo estes blocos integrando o carnaval simbolizam a resistência dessa gente.“Lá vem a negrada que faz o astral da avenida, mas que coisa tão linda quando ela passa mim faz chorar”(Daniela Mercury).

Algumas destas instituições são bem conhecidos pelo povo, inclusive fora do Brasil. Estes blocos afros promovem atividades que se estendem para além do carnaval. A exemplo do Ilê Aiyê, Cortejo Afro, Olodum, Timbalada e Didá, que mantém em seus espaços projetos sociais em arte, cultura e educação atendendo a população de bairros periféricos do seu entorno, utilizando de metodologias que valorizam e empoderam integrantes e sociedade como um todo, quanto as riquezas afro-brasileiras.

É isso aí, bom carnaval, divirta-se e até mais!

A internet é uma cidade. Os internautas seus habitantes.

Olá, turma esperta!

 Vamos continuar nossa conversa sobre o uso seguro e consciente da internet?

Imagine uma cidade, onde habitam cidadãos com intenções e afinidades diversas… Esta cidade pode ser comparada à internet;

É como se passeássemos pela rua e encontrássemos com inúmeras pessoas, ao mesmo tempo que vemos o que os outros fazem, também somos vistos de imediato a cada postagem ou publicação de textos, fotos, vídeos… Eis os riscos que nos expomos ao navegar por esta extraordinária ferramenta!

Por isso, é preciso que você tome certos cuidados e fique atento ao comportamento das pessoas com as quais troca informações. Além dos cuidados com o fornecimento de dados pessoais, é preciso saber com quem conversamos, em que site estamos nos conectando e, sobretudo, que informação será compartilhada.

Não são poucos os casos de infrações e crimes cometidos em espaços digitais. Entre eles estão o aliciamento de menores, o uso inapropriado de conteúdos autorais e da imagem e a difamação!

Infelizmente, no Brasil, mesmo com a sanção da Lei 12,737/2012 não se consegue dar conta de todos os crimes praticados em ambiente digital. Isso porque o sistema legislativo brasileiro ainda não se adequou totalmente às práticas e formas de interação realizadas nestes espaços.

Portanto, seja bem consciente e cauteloso ao entrar nestes espaços. Eles podem e devem nos oferecer muitos benefícios, entretanto o uso irresponsável e desatento coloca nossa intimidade em risco. E isso não é “legal”!

É isso aí, galera. Valeu e até mais!

2014 com mais educação, tecnologia e interação

E ai, galera!!

 2013 foi um ano de muita interação, compartilhamento e contribuições para ampliar a rede do conhecimento, unindo educação e tecnologia de forma dinâmica e interativa. O blog ficou recheado de novidades. Fizemos algumas mudanças na estrutura e no layout para facilitar a busca aos conteúdos publicados e incorporamos os temas transversais nas discussões.

As semanas temáticas não ficaram de fora, onde abordamos a Semana da Mulher, Semana dos Povos IndígenasSemana do Meio Ambiente, Semana da Cultura Popular e as discussões do Novembro Negro, bem como os filmes discutidos no Cine PW.

 Por acreditarmos na produção livre e independente, também, iniciamos uma sequência de postagens sobre tecnologias, animação 3D, edição de vídeos e edição de imagens com suporte de softwares livres. Com isso, esperamos contribuir com o fortalecimento das comunidades de conhecimentos livres e a disseminação do seu uso nas escolas como opções viáveis e propositivas para a produção autoral de estudantes e professores da rede pública

 Estreamos também a seção Radiola PW, em que analisamos letras de músicas que podem ter uso pedagógico, pois trazem temáticas e assuntos pertinentes.

PW-Retro-2013-postagem

Não dá pra esquecer da recepção calorosa da comunidade escolar baiana durante o 2º Encontro Estudantil, na Tenda Digital, onde a interação e a alegria tomaram conta do palco livre.

Agradecemos a vocês pela participação, interação e por cada gesto de carinho ao longo de 2013.

Em 2014, temos um reencontro nesse espaço. Desejamos a tod@s um ano repleto de realizações, com o ideal da busca de uma educação pública de qualidade, e com isso finalizamos o ano com as palavras de Nelson Mandela “ Educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo!”

Saudações colaborativ@s!

Concurso Cultural “Todo livro começa com uma frase”

Oi, pessoal! Tudo bem? A Bienal do Livro Bahia 2013 começou na semana passada e a equipe do Professor Web marcará presença no evento! Nesta quinta-feira, 14 de novembro, vamos participar da sessão Blog, a nova literatura online/Literatura e mídias digitais na educação, dentro da programação do Território Jovem. E você, que é o nosso convidado especial, poderá participar também! Por isso, estamos lançando o concurso cultural Todo livro começa com uma frase. O concurso é voltado para estudantes da rede estadual de ensino e funcionará da seguinte maneira:

  • @ estudante interessad@ em participar do concurso deverá criar uma frase em que una as palavras Bienal, leitura e Professor Web e enviar para o e-mail professorweb2010@gmail.com até às 14h desta quarta-feira, 13 de novembro;

  • No e-mail, o estudante deve colocar o seu nome e endereço completos, a série que cursa e a escola onde estuda;

  • A frase deve respeitar as regras gramaticais da língua portuguesa do Brasil;

  • Uma equipe formada por educadores da rede estadual de ensino escolherá a as duas frases mais criativas;

  • As frases devem ser originais. Caso alguém use frase de terceiros como se fosse de sua autoria, a participação no concurso será imediatamente cancelada.

@s don@s das duas frases escolhidas vão ganhar, cada um, um par de ingressos para participar da sessão Blog, a nova literatura online no Território Jovem da Bienal do Livro 2013;

O resultado será divulgado aqui e nas nossas redes sociais, nesta quarta-feira, 13 de novembro, a partir das 18h.

ATENÇÃO: A retirada dos ingressos deverá ser feita no portão de entrada da Bienal do Livro Bahia 2013, na quinta-feira, 14, no Centro de Convenções da Bahia, às 13h30.

Não deixe de participar!

Consciência para além de negra

Olá, turma esperta!

Mais um novembro começando e com ele ampliam-se as discussões acerca dos povos negros e de suas conquistas até aqui. É o mês para debatermos, de maneira mais aprofundada, questões sobre como tem sido a inserção de negr@s na vida social, quais os caminhos trilhados para uma inclusão de forma justa e livre de preconceitos. É válida também a crítica de quem acredita que a discussão a respeito dos povos negros não deve se restringir a um curto período, mas ser forte o ano inteiro. Porém, também consideramos essencial aproveitar a oportunidade em que tantas ações convergem para essa discussão no intuito de promover aproximação de pessoas e coletivos para ações além novembro.

Este ano, temos razões de sobra para nos questionarmos sobre os avanços desta questão, pois a Lei 10.639/03 completa dez anos de sanção. É hora de avaliarmos o quanto esse passo foi importante para assegurar o direito à cidadania, educação, saúde e vida social dos povos negros.

Propomos aqui, uma reflexão sobre os aspectos relacionados aos negros, no século em que estamos e diante de todos os problemas que ainda temos; sobre como interferir numa sociedade que carrega preconceitos infundados e limitadores, instigando um olhar crítico acerca de questões da atualidade que são  indispensáveis para que a transformação aconteça.

Portanto, entre nesta corrente, colabore conosco, exponha sua opinião, contribua e sugira. Afinal, contamos com a participação de tod@s para que este canal também seja um espaço de construção da realidade, de forma a garantir o trato igualitário entre tod@s os partícipes de um mundo que é de tod@s e que deve proporcionar a participação justa de tod@s. Cremos que com diálogo, troca de experiências e com a parceria de vocês seremos capazes de sugerir e conquistar melhoras.

E você, vai ficar de fora desta proposta? Não deixe de interagir. Juntos somos mais!