Como Funciona a Memória RAM?

E aí, galera! Beleza?

Vocês sabem o que é a memória RAM?

Fig.1- Alguns tipos de memórias RAM - By KB Alpha - CC BY 3.0

Fig.1- Alguns tipos de memórias RAM – By KB Alpha – CC BY 3.0

A memória RAM é um componente que auxilia diretamente o processador no gerenciamento dos softwares que são utilizados no computador. A sigla RAM significa Random Access Memory (Memória de Acesso Aleatório) devido ao seu método de armazenamento que é feito aleatoriamente, para que os arquivos possam ser acessados de forma mais rápida quando solicitados por outro componente.

A memória RAM é uma memória volátil, ou seja, ela perde todos os dados quando o computador é desligado. Por isso, algumas pessoas reiniciam o computador quando ele apresenta lentidões ou travamentos, que podem ser causadas por congestionamento na memória RAM.

Fig.2 - Duas memórias RAM sobrepostas - By No machine - Public Domain

Fig.2 – Duas memórias RAM sobrepostas – By No machine – Public Domain

A capacidade da memória é medida em Bytes(B). Mas ao adquirir uma memoria RAM, é preciso além da sua capacidade, considerar também a sua velocidade para carregar e descarregar os processos. Essa velocidade é medida em Hertz(Hz). Portanto, quantos maior a capacidade da memória, mais programas podem ser abertos simultaneamente e quanto mais velocidade ela tiver, menor será e perda de desempenho nesse processo.

 

Então, é isso aí, galera! Lembrem-se: antes de adquirir uma memória, pesquisem bastante, avaliem a finalidade que dará ao computador e adquiram uma memória que se encaixe melhor ao seu uso!

Bons estudos! Até a próxima!

Gabriel Luhan – Colaborador da Rede Anísio Teixeira

Anúncios

Rede Anísio Teixeira realiza formação em Vitória da Conquista

A Secretaria de Educação do Estado da Bahia, através do Instituto Anísio Teixeira (IAT), da Rede Anísio Teixeira (TV Anísio Teixeira) e do Centro Juvenil de Ciência e Cultura (CJCC) de Vitória da Conquista, em parceria com a Faculdade de Comunicação da Universidade Federal Bahia (Facom/UFBA), vai promover a formação Memórias e Identidades: produção formativa de vídeos educacionais, de 29 de abril a 17 de junho de 2016, sempre às sextas e aos sábados, no CJCC do Colégio Estadual Rafael Spínola. A carga horária é de 48 horas.

Fig. 1: Ascom/IAT

Fig. 1: Ascom/IAT

O objetivo é estimular o uso de softwares e de licenças livres na produção audiovisual, promover um diálogo sobre o uso ético e seguro das tecnologias da informação e da comunicação (TICs), incentivar a produção de vídeos por estudantes e professores da rede pública estadual de ensino, com o olhar voltado para a valorização e reafirmação das suas cultura, da memória social e das realidades das comunidades onde moram ou estudam. Nesse sentido, o estímulo à participação no PROVE (Produção de Vídeos Estudantis) e no EPA (Educação Patrimonial e Artística) será uma das tônicas da atividade.

Como fazer a inscrição

Apenas professores e estudantes da rede estadual de ensino poderão se inscrever na formação. Para isso, terão de seguir estes passos:

a) formar grupo de cinco pessoas (quatro estudantes e um professor)

b) assistir ao vídeo abaixo, no qual o professor José Roberto Severino (Facom/UFBA) explica a natureza da formação:

c) fazer a inscrição através deste link: http://bit.ly/memoriaseidentidadesAs inscrições estão abertas de 8 a 24 de abril de 2016.

O resultado da seleção será divulgado no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br), aqui no Blog do Professor Web (www.oprofessorweb.wordpress.com) e também através de contato via e-mail e/ou telefone, até o dia 26 de abril.

Os vídeos resultantes da formação serão disponibilizados no Ambiente Educacional Web do Portal da Educação. Acesse e conheça todas as nossas produções: ambiente.educacao.ba.gov.br.

Repente “Ditadura Militar: História/Memória/Resistência”

Olá, galera!

Você sabia que o golpe militar de 1964 derrubou o governo civil e instalou no Brasil a Ditadura Militar? Que o período mais repressivo da Ditadura ficou conhecido como Anos de Chumbo? Que o povo brasileiro, mesmo oprimido, torturado, lutou e fez resistência ao poder dos militares? Que houve censura aos meios de comunicação, à arte e à cultura? E que os militares, através de Atos Inconstitucionais, governaram o país praticamente por duas décadas?

Pois é! A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC-BA), através do projeto “Ditadura Militar direito à memória: 50 anos do golpe militar”, cria a possibilidade de conhecermos com detalhes um dos momentos mais marcantes de nossa história.  Abaixo, segue um repente que fala sobre a Ditadura. Reflita!

REPENTE – DITADURA MILITAR : História/Memória/Resistência

-Neste momento escrevo

Para a memória do povo refrescar

Quem viveu naquele época

Deve muito relembrar

O golpe de 1964 derrubou o governo civil

Instalou no Brasil a Ditadura Militar

-Afasta de todos esse “Cálice”

“Ação entre amigos”

Como “Cabra-cega” lutaram

Para a Democracia restaurar

Amor e paixão sob tortura

Na difícil luta contra a Ditadura, todos vieram se juntar

-Mas, não se engane meu irmão!

“Tempos de luta”, ”Gota d’ Água”

“Casa da Morte”, detenção

A população corajosa e resistente

Bradava insistente: Fora a Ditadura!

Abaixo a tortura ,fim à repressão!

-O povo brasileiro, forte e guerreiro

Não se deixou intimidar

Lutou bravamente por direitos

Para liberdade conquistar

E num “Batismo de Sangue”

A Ditadura veio derrubar.

(Ana Rita Medrado)

É isso aí, espero seu comentário! Até breve!

Saiba mais acessando: http://institucional.educacao.ba.gov.br/noticias/secretaria-lanca-projeto-ditadura-militar-direito-memoria-50-anos-do-golpe-militar-de-1964

Secretaria lança projeto Ditadura Militar direito à memória: 50 anos do golpe militar de 1964

Levar ao espaço escolar a memória da resistência à ditadura militar (1964-1985) no Brasil, assegurando ao estudante do ensino médio o direito à memória e ao conhecimento deste período da história. Este é o objetivo do projeto Ditadura Militar Direito à Memória: 50 anos do golpe militar de 1964, que a Secretaria da Educação do Estado da Bahia lança, nesta segunda-feira (22/07), às 14h, no auditório da instituição (Centro Administrativo da Bahia).

O evento vai socializar, para o conjunto dos servidores da Secretaria, as diversas ações previstas no projeto, como palestras, projeção de filmes, mostra de vídeos produzidos pelos estudantes, bate-papo com ex-presos políticos, familiares de desaparecidos e autores baianos de livros sobre a temática. Todas as ações vão acontecer até abril de 2014.

Para subsidiar estudantes e docentes, o Portal da Educação já disponibiliza um conjunto de conteúdos, incluindo bibliografias especializadas, biblioteca virtual, artigos, banco de questões do Enem e de vestibulares estaduais e federais, filmes e documentários, músicas, vídeos pedagógicos e galeria de fotos do período da ditadura militar. Acesse aqui>>

“A história da resistência à ditadura é um tema pouco discutido em sala de aula. Pesquisas revelam que é significativo o número de estudantes, tanto da rede pública como da privada, que concluem o ensino médio sem ter conhecimento da história recente do Brasil, especialmente sobre a ditadura militar. A Secretaria da Educação do Estado decidiu construir um projeto na rede, visando chamar a atenção para a história desse período, caminhando junto com a Comissão Nacional da Verdade”, afirma a professora de história e assessora do gabinete da Secretaria da Educação, Tânia Miranda.

Durante o lançamento do projeto, o chefe de gabinete da Secretaria da Educação, Paulo Pontes, ex-preso político, fará um depoimento sobre o tema Ser preso: as reivindicações da época, a vida na prisão. A pedagoga e técnica da Secretaria da Educação, Suzana Martins, também fará um depoimento sobre Ser irmã de um preso político: formas de tratamento na rua, na escola e nos locais de prisão. No encerramento do evento, a antológica canção Pra não dizer que não falei das flores será interpretada coletivamente.

Mostra de vídeos – De acordo com Tânia Miranda, a ideia é que estudantes e professores sejam os protagonistas das ações que serão realizadas, incluindo a produção de vídeos em sala de aula e outros espaços, que serão exibidos na mostra agendada para os dias 2, 3 e 4 de abril de 2014. Estudantes e docentes podem apresentar vídeos de produções artístico-literárias, incluindo peças teatrais, textos, música, poesia, pintura, desenho, charges e cordel. Os critérios para seleção passam pela adequação linguística, conteúdo compatível ao tema proposto, correção gramatical, criatividade, estilo, estrutura textual, vocabulário e qualidade literária.

Outro registro em vídeo permitido refere-se à visitação em espaços públicos que foram utilizados como centro de prisão e de tortura. A outra modalidade de vídeo consiste na gravação de depoimentos e entrevistas com ex-presos políticos e familiares. Em ambas, serão avaliadas a qualidade artística, fílmica e visual da proposta, além da originalidade e pertinência da temática.

Fonte: http://institucional.educacao.ba.gov.br/noticias/secretaria-lanca-projeto-ditadura-militar-direito-memoria-50-anos-do-golpe-militar-de-1964

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos – Fé e resistência

 

Olá, pessoal!                        

Foto: Carol Garcia / SECOM

Feita por negros escravos no período colonial, época em que estes eram proibidos de frequentar os espaços destinados aos brancos, a igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos tem uma enorme relevância para o cenário cultural brasileiro, sendo uma das mais antigas irmandades de negros do país, em que diversos grupos se organizavam para cultuar Nossa Senhora do Rosário e outros santos católicos, também para gerir o auto fortalecimento. Levando cerca de 100 anos para ser concluída, em 1781, pois muitos de seus/suas fiés só podiam contribuir durante a folga, quando dedicavam o tempo livre para ajudar na construção do templo, e mesmo com poucos recursos eles (as) não deixaram de ter fé e determinação naquele que era um propósito maior.

Já erguida, ela possui uma estrutura que envolve vários estilos clássicos como rococó, neoclássico, além de traços indianos. Em 1938 foi tombada pelo Patrimônio Nacional.

Há dois anos atrás passou por uma grande reforma em que foram restauradas tanto a estrutura física como de algumas imagens de santos, tornando-se uma das principais estruturas do Centro Histórico de Salvador.

Os cultos religiosos são uma grande demonstração de luta pela preservação de valores históricos e culturais, celebrados com cânticos em ritmos africanos, ao som de tamborins, atabaques e repiques, que ajudam a manter vivas as raízes dos afrodescendentes com a cultura de matriz africana.

Quem visita o Pelourinho não consegue sair sem conhecer de perto esse importante monumento, que ajuda a preservar a história e memória da Bahia e dos baianos numa prova de devoção e perseverança.

Confiram as fotos da festa de reinauguração da Igreja que ocorreu em abril deste ano – Clique aqui!

Falou, galera. Abraços!

Fonte\Fotos: Carol Garcia / SECOM

EDUFBA lança o livro “Música e ancestralidade na Quixabeira”, de Sandro Santana, em Salvador (27/07/2012)

Entendendo a importância da memória coletiva, Sandro Santana apresenta o livroMúsica e ancestralidade na Quixabeira, da Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), no dia 27 de julho, sexta-feira, a partir das 20 horas, na Midialouca, Rio Vermelho, em Salvador. Na ocasião, o autor recebe o público para autógrafos e umpocket-show de samba de roda anima a noite.

O acompanhamento de manifestações culturais do autor serviu como ponto de partida para o trabalho de pesquisa que originou esta obra. O objetivo é passar ao leitor uma análise crítica e reflexões sobre as tradições musicais em Lagoa da Camisa, comunidade onde os sambas de roda possuem um papel estratégico na sociabilidade e na transmissão cultural.

Este livro é fruto de projeto homônimo contemplado pela Fundação Nacional de Artes, no edital Bolsa Funarte de Produção Crítica sobre as Interfaces dos Conteúdos Artísticos e Culturas Populares (2009). O autor, Sandro Santana, é produtor, pesquisador e mestre em Cultura e Sociedade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Serviço
O quê: Lançamento de Música e ancestralidade na Quixabeira, de Sandro Santana
Quando: 27 de julho, sexta-feira, às 20 horas
Onde: Midialouca (Rua Fonte do Boi, 81, Rio Vermelho – Salvador, Bahia)
Preço especial de lançamento do livro: 20,00

Informações adicionais sobre este livro
ISBN: 978-85-232-0869-1
Número de páginas: 134
Formato: 16 x 23 cm
Ano: 2012

 

Fonte: http://www.edufba.ufba.br/2012/07/edufba-lanca-o-livro-musica-e-ancestralidade-na-quixabeira-de-sandro-santana-em-salvador-27072012/

Biblioteca Virtual 02 de Julho – preservando a memória da Bahia

Fala, pessoal!

Já pensou em ir à biblioteca sem precisar sair de casa?

Legal, não é? Imaginem então ter acesso a conteúdos históricos que ajudam a preservar a memória do povo baiano…

Estamos falando da Biblioteca Virtual 02 de Julho. Lá vocês vão encontrar um vasto acervo disponível, através do qual é possível conhecer melhor a História da Bahia, além de possibilitar um alcance maior no número de pessoas, o que é fundamental para que se tenha uma compreensão coletiva sobre acontecimentos memoráveis da nossa terra.

São materiais que estão sob o domínio público e podem ser baixados livremente.

A importância desta biblioteca é sobretudo porque ela contribui para preservar a memória do povo baiano, garantindo que este conhecimento esteja a disposição de todas as pessoas. O acesso a estes documentos é uma forma de conscientizar as pessoas e contribuir com reflexões sobre o seu passado, além de possibilitar uma ponte com o presente, de forma que haja sempre um legado histórico para as gerações futuras.

Estamos vivendo e construindo a história que as futuras gerações irão contar sobre o nosso tempo. Que história você quer escrever ou que seja escrita nos futuros livros?

É isso aí, galera: conhecer a nossa história é manter vivo nosso maior patrimônio, a memória de todos(as) nós!

Visitem a biblioteca e descubram o que ela tem pra contar sobre a Bahia e os(as) baianos(as).

Abraços!!