Escritores Baianos, Aqui e Acolá

Abril. Abre-se, em nosso blog, um espaço maior para a literatura. Nossa escolha é dar visibilidade à produção literária do estado da Bahia e estimular a apreciação estética das obras destes novos escritores. Ao mesmo tempo, realizaremos uma conversa entre a literatura e outras linguagens artísticas aqui produzidas, como teatro, dança, música e audiovisual.

Durante o ensino médio, nas aulas de Literatura, há a recomendação ou exigência da leitura de vários livros clássicos, de autores brasileiros ou portugueses. Para a maioria dos estudantes, essa atividade é extremamente desafiadora: ler livros que foram escritos há séculos, com uma linguagem bastante diferente da nossa, descrevendo uma realidade aparentemente muito distante.

Respeitando os direitos imprescritíveis do leitor, como sugere Daniel Penac, …

O direito de não ler;  de pular as páginas; de não terminar de ler o livro; de reler; de ler no importa o quê; o direito ao “bovarysmo”; de ler não importa onde; o direito de “colher aqui e acolá”; o direito de ler em voz alta;  de se calar.”

… em algum momento haverá o reconhecimento de que esses textos da escrita universal permitem ao leitor descobrir mais sobre a alma, o mundo e os recursos estilísticos da língua. Seus autores são verdadeiros artistas, são artistas da palavra: esculpem a língua com cuidado e estilo e põem em evidência os principais conflitos da existência humana.

Desta vez, no Blog queremos dar espaço aos novos escritores. Na última década houve uma diversificada atividade literária com produção de livros de novos autores que, infelizmente, por circunstâncias de distribuição, não chegaram às livrarias do país. Esta é uma boa ocasião para apresentar escritores que estão aqui – os que nasceram, residem e produzem em sua própria terra – bem mais perto que imaginam. Não digo apenas dos escritores de obras consagradas,  nascidas em terras nossas, digo mesmo dos contemporâneos escritores.

Entre 2015 e 2016, num projeto denominado Mapa da Palavrafoi constituída uma chamada pública para a seleção de produções artísticas e literárias realizadas em nosso estado. Resultado: duzentos e setenta e cinco artistas da palavra se cadastraram e tiveram suas obras publicadas em plataforma virtual ou em versão impressa. Teremos aqui no blog, na TV e na nossa Rádio Anísio Teixeira grandes encontros e conversas com escritores da nossa Bahia.

De abril em diante, algumas postagens estarão aqui para “degustação”. Aguardem! Enquanto isso, podem ir se deleitando com o que a Rede Anísio Teixeira produziu no quadro “Poesia de Cada Dia” com textos de poetas brasileiros. Aqui, apenas um dos muitos que vocês podem acessar no Ambiente Educacional Web.

Até mais!

Lilia Rezende

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino

 

 

Anúncios

Literatura no Mapa

Oi! Tudo bem? Você quer colocar mais literatura na sua vida? Se respondeu “sim” à pergunta, uma ótima dica é conferir a revista CartoGRAFIAS, publicada pelo projeto Mapa da Palavra.BA, uma ação da Coordenação de Literatura e da Diretoria das Artes da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB). O projeto é resultado de um levantamento de dados sobre a literatura produzida na Bahia e tem como objetivo servir de base para o planejamento de programas e ações que incentivem o desenvolvimento das letras no estado.

Imagem: captura de tela do site Mapa da Palavra

Imagem: captura de tela do site Mapa da Palavra

A revista é composta por quatro volumes e reúne textos de autores contemporâneos da Bahia. Tais autores contemplam os 27 territórios de identidades do estado. O projeto teve a participação de mais de cinquenta municípios  e as edições da revista estão disponíveis para download gratuito, o que pode ser feito no site do Mapa da Palavra, através deste link: http://mapadapalavra.ba.gov.br/publicacoes/.

Quem gosta de ler, vai encontrar uma infinidade de motivos para fazê-lo. Na CartoGRAFIAS, figuram gêneros textuais como contos, crônicas, poesia e cordel. É possível também conhecer um pouco sobre a vida de cada autor, pois há uma minibografia no final das obras.

Os textos de cada edição da revista abordam todo tipo de tema e, obviamente, dialogam com questões da atualidade. O leitor vai se deparar com poema concreto que fala de solidão e com cordel que critica o discurso de pessoas que querem separar o Nordeste do resto do Brasil. No poema Pintando o Sete, de Ze Walter, um convite estimulante para a gente pensar em toda mística que ronda o número sete:

Hoje vou pintar o 7

Falando deste algarismo

Chamado de cabalístico

Coberto de misticismo

Que vem desde a antiguidade

Como curiosidade

E complexo simbolismo

[…]”

Acesse o site do projeto Mapa da Palavra.BA, leia os textos e coloque mais literatura no seu caminho! Não importa qual direção você vai tomar, a certeza é de que vai chegar longe com isso!

Até o próximo!

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia