Cine PW: Yoani Sánchez x Soy Cuba

Salve, salve, turma!

Recebida em meio a vaias e aplausos, Yoani Sánchez tem dividido opiniões entre os que se dizem “esquerdistas” e “direitistas” ao relatar as relações políticas e sociais em Cuba, aliado às acusações de a blogueira ser financiada pela C.I.A. e outras instituições burguesas que visam derrubar o governo Castrista.

Em 2007 Yoani cria o blog Generación Y, onde são publicadas críticas ao governo dos irmãos Castro, mostrando uma Cuba muito diferente dos sonhos de Ernesto Che Guevara ou dos relatos de Fernando Morais no livro “A Ilha” (período em que Cuba recebia a “mesada” do governo soviético).

A realidade apresentada no Generación Y é de uma ilha subjugada a uma ditadura socialista que se estende a mais de 50 anos, no entanto a história não nos deixa esquecer a ditadura econômica do imperialismo capitalista, imposto pelos E.U.A. com a Ementa Platt, pela qual a ilha perdia sua condição jurídica soberana e concedia à nação estadunidense o direito de intervir nos assuntos da política interna cubana. No período de dominação dos E.U.A., Cuba deixou de ser uma nação para se tornar a “ilha dos prazeres” de muitos estadunidenses e outros turistas. Um dos responsáveis por essa transformação foi o ditador (ou “testa de ferro” dos E.U.A) Fulgêncio Batista, que montou uma infraestrutura voltada para os turistas oferecendo cassinos, incentivo à prostituição e uso indiscriminado de drogas, além dos altos índices de corrupção que mergulharam a sociedade cubana numa profunda crise estrutural.

Ao tomar conhecimento dos textos de Yoani Sánchez o governo cubano não demorou em tomar a decisão de cercear a sua liberdade de expressão implementando, em 2008, um bloqueio ao Generación Y .

Com apoio de parceiros Yoani Sánchez mantém o blog relatando as contradições no cotidiano dos cubanos, que apesar de possuírem um bom sistema público de saúde e educação sobrevivem com baixos salários ao passo em que o governo se beneficia em acordos com empresas privadas, criando uma espécie de capitalismo estatal. Outra problemática apontada por Yoani é o acesso precário a internet e a telecomunicação, além da crise econômica enfrentada desde o fim da U.R.S.S., que tem sido amenizada com o apoio do governo venezuelano de Hugo Chávez.

Um fato inegável é o de que a sociedade cubana vive um momento crucial na sua história e Yoani Sánchez é uma das pontas do grande e enigmático iceberg que é Cuba. Sobre esse contexto surgem inúmeras dúvidas e especulações, mas há duas interrogações unanimes: Cuba vive uma abertura político-econômica ou sofre mais uma investida do capitalismo global? Será que a “ilha” não é mais a mesma?

Yoani Sánchez e o seu blog nos colocam diante do legado da Guerra fria e do cruel modelo de Globalização que mantém e legitima sistemas de expropriação e outras contradições próprias do capitalismo. E nos fazem refletir sobre como um blog, uma rede social, um celular ou qualquer outra tecnologia de comunicação tem um papel importante na busca por transformações sociais, culturais, políticas e econômicas, seja na comunidade, na escola ou num país.

Com a palavra Yoani Sánchez 

Bloco 2, Bloco 3 e Bloco 4

Com a palavra a Revolução Cubana

Confiram o olhar do russo Mikhail Kalatozov sobre a transição do regime de Fulgêncio Batista para a Revolução Cubana.

Sinopse

Quatro histórias ambientadas na Cuba pré-revolucionária. Em Havana, Maria envergonha-se quando o homem de quem gosta descobre como ela ganha a vida. Pedro, um camponês idoso, descobre que a terra que cultiva foi vendida a uma empresa. Um universitário vê seus amigos serem atacados pela polícia quando distribuíam panfletos a favor de Fidel Castro. Por fim, uma família de camponeses é ameaçada pelas forças de Batista.

Ótima sessão!

Anúncios

CORDEL PELO MARCO REGULATÓRIO DAS COMUNICAÇÕES NO BRASIL

Salve, turma!

Vocês sabem o que são as concessões públicas de rádio e TV? Fazem ideia de quem define – e como define – a programação que chega em nossas casas todos os dias?

Hoje queremos convidá-los(as) a fazer uma reflexão muito importante não só para os rumos da comunicação e das suas plataformas midiáticas – como o rádio, a televisão e a internet, por exemplo – mas principalmente para a liberdade de expressão no Brasil: estamos falando do Marco Regulatório das Comunicações, documento construído após décadas de discussões e que sugere um conjunto de leis e orientações para o controle e a fiscalização dos setores de comunicação no Brasil, de forma a garantir a defesa dos direitos e interesses da sociedade civil e, ao mesmo tempo, promover as condições de atuação dos grupos detentores de concessão pública para a exploração destes serviços.

Em 2011 foi realizada no Rio de Janeiro a I Conferência Nacional de Comunicação (CONFECOM), que ajudou a criar o texto consolidado sobre o tema, mediante consulta pública. Confiram aqui a Plataforma para o Marco Regulatório das Comunicações e suas diretrizes fundamentais.

Deixamos também como indicação para entender melhor o assunto o vídeo baseado no cordel da “Peleja de Marco Regulatório e Concessão Pública na Terra sem Lei dos Coronéis Eletrônicos”.

http://www.ebc.com.br/noticias/brasil/galeria/videos/2012/08/cordel-pelo-marco-regulatorio-das-comunicacoes

É isso aí, galera! Discutam sobre o tema com seus/suas colegas, amigos(as), familiares e professores(as), pois estão em jogo a qualidade da programação midiática que teremos em nossas casas, além de um bem preciosíssimo conquistado com a participação e luta do povo brasileiro: a liberdade de expressão!

Até a próxima!