Línguas, Pra Que Te Quero?

placatrilingueabaete2

Fig. 1: Placa trilingue no Abaeté, em Salvador. Foto: Nildson B. Veloso

Olá! Você conhece os benefícios de aprender outros idiomas? Você sabia que as línguas, além de  facilitarem a comunicação com pessoas de diferentes nacionalidades e suas culturas, contribuem também para o crescimento do cérebro? Segundo estudos neurológicos mais recentes, estudar línguas deixa o cérebro em forma, além de atrasar os sintomas de Alzheimer!

Do ponto de vista pedagógico, por acessar muitas outras culturas,  podemos aprender mais sobre nós mesmos, enquanto povo, devendo ser este, também, o foco da aprendizagem. Além do código linguístico, devemos também atentar para o discurso que vem embutido nos livros, vídeos, excertos, etc. São modos de viver, de ser e de pensar próprios de cada cultura, que podem ser absorvidos, muitas vezes, sem a devida reflexão. Compreendo a aquisição de uma língua estrangeira, também, como possibilidade de falarmos de nós mesmos, para o mundo, diretamente, sem a intervenção de um tradutor.

Em reunião realizada com secretários de Educação, novembro passado, para se tratar da língua estrangeira em nossas escolas, a opinião de um estudante que trabalhava de garçom foi ouvida. Ele disse: “Vocês são as pessoas que estão escolhendo o futuro dos nossos filhos. A maioria das empresas não é gerenciada por brasileiros. Como vou tratar com um gerente se não falamos a mesma língua? Como vou mandar meu filho estudar fora se ele não fala inglês? E não posso ir junto, porque não falo […]. E se for esse inglês que está hoje na sala de aula, pode tirar, porque ninguém sai falando nada”. O evento ocorreu no Amapá, estado próximo às Guianas. Leia a reportagem completa.

Sobre esse lugar do estudo de línguas no mundo, podemos fazer comparações. Enquanto os Estados-Membros da União Europeia incentivam o multilinguismo,  com fluência em pelo menos duas línguas estrangeiras, aqui no Brasil aprendemos a nos conformar com o uso de um único idioma, embora sejamos consumidores de bens culturais e de outras naturezas importados de várias nações e línguas. Digo “aprendemos”, porque isso tem sido “ensinado”, ao longo do tempo, através de frases prontas repetidas à exaustão e de atitudes que não só atrapalham, como também nos desmotivam, resultando no quadro que temos que, inclusive, é mencionado nos PCNs para as Linguagens. Veja aqui a decisão da União Europeia sobre a necessidade de que seus cidadãos sejam multilíngues.

Como início de uma reflexão sobre esse assunto, sugiro o vídeo abaixo, intitulado Línguas pra quê? Na simulação de uma situação real, o vídeo sugere outros papéis para as línguas estrangeiras, para além do punhado de regras e tolas repetições.

E você? Qual a sua opinião sobre esse assunto como estudante e/ou como professor? Poste aqui seu comentário.

Geraldo Seara

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia 

Indústria da Beleza na RadiolaPW

Olá, pessoal!

Queremos com esse texto dialogar um pouco sobre a indústria da beleza, principalmente o que tange nossa cultura brasileira e os padrões impostos pela mídia, os quais invariavelmente condicionam a um consumo irresponsável. Segundo dados do Instituto Euromonitor, empresa mundial de pesquisa de mercado, o Brasil é, o terceiro maior consumidor de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos do mundo. Fica atrás apenas dos Estados Unidos e Japão.

É da natureza humana refletir que estar bem a partir de uma boa aparência física, essa temática nos conduz para uma abrangente discussão, onde aqui podemos destacar alguns pontos: a abertura global do comercio, onde proporciona a venda de um mesmo produto em lugares bem distintos do planeta, desconsiderando aspectos socioculturais e até financeiros; as sugestões das marcas para uso dos seus produtos e a sensação de status que imprimem em suas publicidades; o uso de animais em testes de cosméticos; o movimento pela diversidade cultural que está superando o clichê “padrão de beleza”; as diferentes áreas da indústria de cosméticos: maquiagem, higiene pessoal, dermocosméticos, dentre outros. Os ditos “padrões” são realmente impostos ou meramente copiados?.

Imagem: Mem Costa

Imagem: Mem Costa

Pois bem, apresentamos a musica e o videoclipe Nouveau Parfum ou Novo Perfume, da cantora húngara Boglárka Csemer, artisticamente conhecida como Boggie. Ela canta em francês e faz uma crítica ao monopólio mundial da indústria da moda e da ditadura da beleza, intencionalmente direcionada às mulheres e atualmente em franco crescimento no âmbito masculino. Na sequência do videoclipe, ela, numa edição de filmagem é completamente transfigurada para aquilo que os meios de comunicação condicionam como “expressão máxima do estilo, corpo e aparência ideal”.

Questionamos, qual o padrão de beleza ideal?. Até podemos sugerir uma resposta: Seja como você é, com a beleza que você tem, sem que seja produto de ninguém.

Segue letra da música na versão em francês e tradução para o português.

Nouveau Parfum

Soit Prada, Hugo Boss, Chanel, Giorgio Armani

Cartier, Azarro, Sisley, Escada, Gucci Naf Naf

Nina Ricci, Lancôme, Kenzo

Et encore en plus encore, encore

                    Soit Bruno Banani, La Bastidane,  Estée Lauder

Guerlain, Burberry et Thierry Mugler, Bourjois

Chloé, Jean-Paul Gautier, Valentino et je n’en sais plus

Lequel je choisis?

Pourquoi je choisis?

Qui veut que je choisisse?

Je ne suis pas leur produit

De beauté, d’préciosité

Ils ne peuvent pas me changer

Sans pareille, nonpareille Le nouveau parfum, c’est moi-même,le nouveau parfum, c’est moi

Nouveau parfum

Nouveau parfum

Soit Roberto Cavalli, Bulgari, Givengi

Dolce & Gabana, Paco rabana, soit Lacoste

Tommy Hilfiger, Yves Saint Laurent et je n’en sais plus

Lequel je choisis?

Pourquoi je choisis?

Qui veut que je choisisse?

Je ne suis pas leur produit

De beauté, d’préciosité

Ils ne peuvent pas me changer

Sans pareille, nonpareille Le nouveau parfum, c’est moi-même, le nouveau parfum, c’est moi

nouveau parfum

De beauté, d’préciosité

Ils ne peuvent pas me changer

Sans pareille, nonpareille Le nouveau parfum, c’est moi-même, le nouveau parfum, c’est moi

nouveau parfum

Nouveau parfum. (x2)

Novo Perfume

Sou Prada, Hugo Boss, Chanel, Giorgio Armani

Cartier Azarro, Sisley, Escada, Gucci Naf Naf

Nina Ricci, Lancôme, Kenzo

E ainda mais, mesmo

Sou de Bruno Banani, The Bastidane,            Estee Lauder

Guerlain, Burberry e Thierry Mugler, Bourjois

Chloe, Jean Paul Gautier, Valentino e eu não sei mais

O que eu escolho?

Por que eu escolho?

Quem quer que eu escolha?

Eu não sou seu produto

Da beleza, da preciosidade

Eles não podem me mudar

Incomparável, única O novo perfume sou eu mesma, o novo perfume, sou eu

Novo Perfume

Novo Perfume

Sou Roberto Cavalli, Bulgari, Givengi

Dolce & Gabana, Paco Rabana ou Lacoste

Tommy Hilfiger, Yves Saint Laurent e eu não sei mais

O que eu escolho?

Por que eu escolho?

Quem quer que eu escolha?

Eu não sou seu produto

Da beleza, da preciosidade

Eles não podem me mudar

Incomparável, única O novo perfume sou eu mesma, o novo perfume, sou eu

Novo Perfume

Da beleza, da preciosidade

Eles não podem me mudar

Incomparável, única O novo perfume sou eu mesma, o novo perfume, sou eu

Novo Perfume

Novo Perfume. (x2)

 
Fontes: