Radiola PW – Festival Anual da Canção Estudantil

marcaface2013

Olá, turma!

Vocês conhecem o Festival Anual da Canção Estudantil? Esse evento foi criado em 2008 com o intuito de promover a diversidade artística dos alunos da rede pública de ensino. É no FACE que os alunos mostram todo o talento com a música, transformando o festival numa interessante plataforma que dá visibilidade ao estudante-artista.

Em 2012, o FACE percorreu mais de mil escolas da rede estadual, prestando homenagem a diversos artistas regionais e tendo a participação de mais de 5.000 estudantes.

Mas se você ainda não teve a oportunidade de acompanhar o festival, a Radiola PW te dá uma ajuda. No soundcloud da Rádio Educação Bahia, você consegue ouvir uma playlist dos artistas que passaram pelo evento. Acesse: soundcloud.com/radioeducacaobahia/sets/face.

Melhor que uma indicação de um bom artista, é poder ouvir e ver o nascimento de vários deles. A Radiola PW faz um convite não só para prestigiar nossos artistas, mas também para acompanhar o festival até a calorosa final, que atualmente acontece no Encontro Estudantil.

Anúncios

Radiola PW – Gramofone

Por: Geize Gonçalves

Olá!

A estudante do Colégio Estadual Carlina Barbosa de Deus, Damilly Freires, participou da 5ª edição do FACE, onde apresentou a música de composição própria, Negro Menino. Por ser amante de poesia Damilly sempre gostou de participar dos projetos literários na escola. Após participar e ser premiada no TAL (Tempos de Artes Literárias), foi incentivada pelos professores e diretores da sua unidade escolar a se inscrever no FACE. E assim ela o fez. Vencendo as etapas Escolar e Regional, tornando-se uma das finalistas do festival em 2012. Apreciem! Cliquem na imagem para assisitir ao vídeo!

Screenshot from 2015-06-02 22:03:07

Radiola PW – Somos Tupinambá

Olá, galera esperta!

O Radiola PW indica hoje a música “Somos Tupinambá”. A canção, vencedora do FACE (Festival Anual da Canção Estudantil) de 2012, foi escrita por Lucas Santos Nascimento e Carlos Alberto Pereira de Araújo Júnior, de 13 e 12 anos, respectivamente. Oriundos do Colégio Estadual Indígena Tupinambá de Olivença – Ilhéus/Ba, esses dois jovens compositores reiteram em “Somos Tupinambá” a etnia indígena a qual pertencem. Uma letra que dialoga com a atual situação dos povos indígenas e os conflitos que os circundam.

O videoclipe da música foi produzido pelo coletivo Oca Digital, através de uma oficina ministrada pelo videodocumentarista Glauber Xavier.

As culturas indígenas estão há mais de cinco séculos lutando contra hegemonias que já passaram pelas monarquias ibéricas até a atual conjuntura capitalista. Portanto, toda manifestação artística, cultural e intelectual desses povos ganha enorme importância e precisa ser compartilhada com bastante zelo e atenção. Afinal, as culturas indígenas fazem parte de nossos hábitos, tradições e identidades.

Somos Tupinambá

É, Somos Tupinambá
É, Somos Tupinambá
Viemos pra essa luta e não vamos perder
Lutando todos juntos temos como vencer
É, Somos Tupinambá
É, Somos Tupinambá
A luta é grande
A luta é sagrada
Mas com fé em Tupã
Vencemos qualquer parada
É, Somos Tupinambá
É, Somos Tupinambá

Radiola PW -Baculejo

Olá, amig@s!

O Radiola PW, estreou no blog com o intuito de analisar músicas que podem ter uso pedagógico, trazendo sempre as temáticas e discussão destas letras. No 2º Encontro Estudantil tivemos a oportunidade de interagir e conversar com diversos estudantes, sendo um desses o Arthur César estudante da rede pública de Vitória da Conquista que participou do FACE em 2013.

Por valorizarmos o fomento e o compartilhamento de produções livres e independentes por parte dos autores inseridos nas escolas públicas baianas, a equipe inicia o Radiola PW de 2014 com uma contribuição escrita por Arthur com uma análise da música “Baculejo”, que compôs para participar do FACE 2013. Participe você também e fique a vontade para sugerir músicas, em especial as de sua autoria, para compartilharmos ao longo do ano por meio do Radiola PW. E agora, confiram o texto de Arthur.

Meu nome é Arthur César, sou músico e compositor, resolvi ser blogueiro há pouco tempo no endereço http://cafecomcordas.wordpress.com e atualmente vocalista e guitarrista da banda Margô , pouco divulgada por ser um projeto recente. Baculejo é um projeto que inicialmente foi desenvolvido para o FACE (Festival Anual da Canção Estudantil.) e surgiu na cidade de Vitória da Conquista. Na sombra de uma árvore do Colégio da Policia Militar Eraldo Tinoco pensava sobre o que escreveria para compor a música do festival, e impulsionado pelas manifestações que inundaram o Brasil, resolvi pegar a mesma “vibe”. Enfim, a meta era usar a música urbana e combinar ritmos, protestar e evidenciar as mazelas brasileiras, um protesto legítimo e com um objetivo, um Brasil melhor. A construção da música foi muito divertida, depois de pronta recebi o apoio de meus colegas e amigos, e principalmente de duas figuras ilustres, Jaciara Souto (que fez toda revisão gramatical) e Jonatan dos Santos (que me ajudou muito, dos back vocals a interpretação), ambos professores do CPM , lotados na DIREC 20 .

img_0023

O titulo da música, “Baculejo” gerou curiosidade e um pouco de polêmica. Será que tal ousadia de trazer a linguagem popular do povo baiano para música daria certo? Mas aos poucos, as pessoas foram se familiarizando, e ao mesmo tempo entendendo que o Brasil precisa sim de um Baculejo, precisa ser revistado, a fim de desmascarar os verdadeiros vilões e problemas que o assolam. A música em si passa uma mensagem de indignação, abordando temas como corrupção, preconceitos raciais, alienação e subordinação de classes, democracia ilusória, entre outros…

A importância de Baculejo para as escolas públicas é mostrar a cara do estudante, desmascarar o preconceito de que os jovens provenientes da rede pública não tem capacidade de exercer o senso crítico adormecido dentro de si. Mostrar que nós jovens temos sede de revolução, de mudança, de melhoras em nosso país, é com esse intuito que componho e tenho orgulho de dizer o nome do meu colégio, mesmo sabendo que não recebi o apoio de todos nessa jornada.

Finalizando, agradeço a Secretaria de Educação do Estado da Bahia , a SEC , por promover eventos como o FACE , TAL, AVE, JERP, que me ajudaram muito a ser o que sou hoje, desde o ano de 2011 participo ativamente, e sei que assim como eu , diversos jovens tiveram e terão a oportunidade de mostrar seus talentos, sua cultura, sua arte.

E ai que tal curtir o som do Baculejo? Confira o link abaixo:

http://www.4shared.com/mp3/cqjEFFI-/Baculejo-BandaPerfil.html

Abraços!

Hoje, é dia de fazer arte!

Oi, galerinha! Tudo bem?

 Hoje, 12 de agosto, é o Dia Nacional da Arte. A arte é importante para a formação cultural e política do ser humano. Tod@s nós temos, de certa forma, algum envolvimento com a arte. Mesmo que você não realize nenhuma atividade artística, as artes estão no seu cotidiano em forma de música, literatura, artes visuais, dança e teatro.

 A escolas estão se apropriando das linguagens artísticas com bastante intensidade. Na rede estadual de ensino da Bahia, várias iniciativas têm como objetivo fomentar, introduzir e potencializar as experiências artísticas dos estudantes. O FACE, o TAL, o AVE e o Prove são bons exemplos disso. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais: arte, documento do Ministério da Educação, o professor recebe orientações de como ensinar a disciplina em sala de aula e sobre qual é a importância de unir arte e conhecimento. De acordo com o texto, “a manifestação artística tem em comum com o conhecimento científico, técnico ou filosófico seu caráter de criação e inovação. Essencialmente, o ato criador, em qualquer dessas formas de conhecimento, estrutura e organiza o mundo, respondendo aos desafios que dele emanam, num constante processo de transformação do homem e da realidade circundante” (1997, p. 26).

 @ estudante pode ampliar os seus conhecimentos acerca de arte de diversas maneiras: lendo, visitando museus, indo aos espetáculos de artes cênicas e pesquisando na internet. O site da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) traz muitas informações sobre eventos artísticos, bem como anúncios de cursos de formação nas mais diferentes linguagens artísticas. Quando estiver acessando a página, não deixe de clicar no link da Agenda Cultural. Outra opção na rede, é o site da Fundação Nacional de Artes (Funarte). Nele, além de várias referências sobre o universo da arte, a gente encontra o link do portal “Brasil Memória das Artes”, no qual temos contato com um riquíssimo acervo digitalizado. E, como última dica, vale a pena navegar pelo site do Almanaque Brasil, iniciativa do artista plástico Elifas Andreato. Então, coloque mais arte na sua vida!

Copiar não é legal!

Oi, pessoal! Tudo bem?

 O ambiente virtual é um mundo cheio de possibilidades. Nele, podemos conhecer outros lugares e acessar informações com apenas um clique. A produção de conteúdo na Web é intensa e todo internauta pode ser autor: basta criar uma página, como um blog, e compartilhar suas ideias. Contudo, é preciso ter cuidado para não cair na armadilha do plágio; que, segundo a legislação brasileira, pode ser julgado como crime.

 O plágio consiste em usar uma obra intelectual, como texto, música, poema e desenho, sem fazer a devida referência ao criador; assumindo, dessa forma, a autoria. Toda produção do Professor Web é feita através de licenças livres. Contudo, ao utilizar as produções daqui, é importante que as pessoas façam a devida referência.

 As escolas públicas do estado da Bahia promovem, anualmente, o TAL(Tempos de Arte Literária), o AVE (Artes Visuais na Escola), o FACE (Festival Anual da Canção Estudantil) e o PROVE(Produções de Vídeos Estudantis). Esses projetos exigem que os estudantes criem obras artísticas e, por isso, eles devem ficar atentos para o aspecto do direito autoral. Em trabalhos escolares, quando tiver a necessidade de utilizar algum trecho de um texto, o aluno deve usar as aspas para indicar que aquele conteúdo não foi ideia dele e citar o autor original.

 Então, é isso aí, galerinha! Fiquem atentos e tenham cuidado ao citar as obras de outras pessoas!Mencionar o autor nas referências é papel de qualquer cidadão.

Exposição do AVE homenageia os 10 anos da lei que garante o ensino da história e cultura afro-brasileira

Aberta à comunidade em geral, a exposição do projeto Artes Visuais Estudantis (AVE), criado pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia, pode ser visitada até sexta-feira (05/04), na Escola Parque (Caixa D´Água). A mostra marca a abertura do ano letivo 2013 na rede pública e faz uma homenagem aos dez anos da Lei Federal nº 10.639/2003, que garante a obrigatoriedade da História e Cultura Afro-brasileira no currículo oficial da rede de ensino.

As 31 obras de arte que compõem a mostra foram elaboradas por alunos das escolas estaduais da Bahia, por meio do AVE, em 2012, e têm em comum o tema da cultura afro-brasileira. Temas como mulher negra, africanidade baiana, diversidade brasileira, grito étnico e orixás são traduzidos, em tintas e pincéis, nas telas dos estudantes.

Essa exposição é um fragmento da VI mostra do AVE e traz os olhares dos estudantes sobre a cultura afro. A partir dessas obras, abre-se a discussão sobre questões fundamentais, como a beleza negra, o preconceito racial e a infância perdida”, ressalta a coordenadora de Projetos Especiais da Secretaria da Educação, Nide Nobre.

 

Fonte: http://estudantes.educacao.ba.gov.br/noticias/exposicao-do-ave-homenageia-os-dez-anos-da-lei-que-garante-o-ensino-da-historia-e-cultura-a

Talento estudantil – Faça Acontecer

Olá, pessoal!

Do despertar da curiosidade ao talento descoberto e incentivado, respeito às diferenças e habilidades que nos completam e formam o todo que somos. O ambiente escolar, além de proporcionar crescimento educacional, influi em diversos aspectos na vida dos sujeitos que dele são partícipes.

Não temos dúvidas de que colaboradores, professores e estudantes são artífices da construção dos saberes que também constituem a dinâmica social.

Hoje, compartilhamos com vocês um belo exemplo de talento, superação e aptidão – a série de documentários Faça Acontecer, realizada pela TV Anísio Teixeira que de maneira singular mostra conquistas estudantis e “tem como objetivo valorizar a capacidade intelectual, artística e esportiva dos estudantes da Rede Pública de Ensino da Bahia, a partir de depoimentos deles mesmos, dos seus familiares, professores e amigos.”

Confiram no Ambiente Educacional Web os episódios da série – Cliquem aqui!

Comp 1 (0-00-15-23)

Realizações como essas nos deixam cada dia mais confiantes de que por meio da educação um mundo de possibilidades se abre quando fazemos acontecer.

“Se a educação sozinha não pode transformar a sociedade, tampouco sem ela a sociedade muda.”

(Paulo Freire)

Abraços, amig@s!

Fonte: http://educadores.educacao.ba.gov.br; http://ambiente.educacao.ba.gov.br/

Convite Especial – I Encontro Estudantil de Ciência, Arte e Cultura

Olá, amig@!

Que tal participar do I Encontro Estudantil de Ciência, Arte e Cultura?

Então agende-se, pois a abertura oficial é hoje, dia 26 de novembro, com “a inauguração do Centro Juvenil de Ciência e Cultura (CJCC), no Colégio Central (Nazaré). O encerramento será no dia 30, com a grande final do Festival Anual da Canção Estudantil (Face), na Concha Acústica do TCA, quando são esperados cerca de 5 mil estudantes vindos de todos os territórios da Bahia. O Encontro conta, ainda, com a II Feira de Ciências da Bahia, VII Feira Baiana de Matemática, os projetos Tempos de Arte Literária (TAL), Artes Visuais Estudantis (AVE), Educação Patrimonial e Artística (EPA) e Produção de Vídeos Estudantis (Prove), todos desenvolvidos pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia nas escolas públicas estaduais.

As atividades do I Encontro Estudantil de Ciência, Arte e Cultura acontecem em espaços como o Palácio da Aclamação, Passeio Público, Largo do Pelourinho, Centro de Cultura da Câmara Municipal, Praça Thomé de Souza e Concha Acústica do Teatro Castro Alves. Além de demonstrar seus conhecimentos, expressões, criatividade e talentos, os estudantes participam de expedições a museus, ateliês de arte, monumentos históricos e compartilham ideias e experiências em conferências, palestras e debates.”

Mais informações no hotsite do evento : clique aqui!

Fonte: http://www.educacao.ba.gov.br/encontroestudantil

Cinco obras do projeto Artes Visuais Estudantis são premiadas

Os estudantes finalistas do Artes Visuais Estudantis (AVE) viveram, na quinta-feira (1º/12), momentos de muita expectativa e euforia. No Palácio Rio Branco, na Praça Thomé de Souza, em Salvador, cinco obras de alunos foram premiadas, entre as 99 que chegaram à final do projeto, realizado pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia. A mostra reuniu 99 obras, das quais cinco foram premiadas. A mostra fica aberta à visitação pública e gratuita até 15 de dezembro, no local.

As cinco obras premiadas foram: A catadeira, de Alex Sauro Rodrigues de Oliveira, do Colégio Estadual Horácio de Matos,  município de Piatã (Direc 27); Caos Social, de Maruzan Pereira Porto, do Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, de Guanambi (Direc 30); O que fazer, de Carina Porto, do Colégio Cândido Silveira Santos, de Aracatu (Direc 19); Irmã Dulce, de Denival Ventura dos Santos, do Colégio Estadual Helena Celestina Magalhães, de Salvador (Direc 1A) e Retrato de Helio de La Pena, de Possidônio Carvalho dos Santos, do Colégio Estadual Felicidade de Jesus Magalhães, de Jacobina (Direc 16).

Além destes, foram contemplados com menções honrosas os estudantes: Leila Gomes Souza, do Colégio Dr. Antônio Carlos Magalhães, de Alagoinhas (Direc 3), com a obra A leitura; Gabriel Leandro Gomes, do Colégio Estadual Dr. Antônio Ricaldi, de Porto Seguro (Direc 8), com o quadro Pintura negativa, e Bismark Aráujo Barbosa, do Colégio Estadual Olavo Alves Pinto, de Retirolândia (Direc 10), com a pintura Lenda urbana.

O Artes Visuais Estudantis propõe estimular a criação de obras visuais no ambiente escolar, buscando compreender a obra de arte como objeto de ampliação do conhecimento, assim como instrumento de mudanças e possibilidade de interação com outras culturas. “O AVE é um projeto importante da Secretaria porque promove o diálogo entre a arte e a educação, potencializando o currículo do estudante da rede estadual de ensino”, enfatizou Amélia Maraux, coordenadora da Superintendência de Desenvolvimento da Educação Básica, da Secretaria.

Começo despretensioso – Apresentadas por diversos temas, como natureza morta, nordeste, globalização, vida urbana, desmatamento, entre outros tantos, as obras foram julgadas pelos renomados artistas plásticos Fernando Obrlaender, Ângelo Roberto, Graça Ramos, Edvaldo Gato, Luiz Freire e Aldo Tripodi.

“O AVE é um começo despretensioso superválido para esses estudantes, que já mostram uma boa intenção em seus trabalhos. É um projeto de incentivo às artes e isso é muito importante”, comentou Fernando Obrlaender. Graça Ramos, que é professora da Escola de Belas Artes da Ufba, acrescentou: “É um grande evento, uma oportunidade para esses jovens talentos, que serão prováveis artistas plásticos. Tem muitas obras de qualidade desses alunos que estão só começando”.


Os artistas –
Ao lado de suas criações, os estudantes se mostram orgulhosos em estarem participando da final do AVE. Henrique Souza Oliveira, 13 anos, do Colégio Estadual Conselheiro Vicente Pacheco de Oliveira, de Salvador, expõe a pintura em tela Natureza morta. “Quero ingressar no universos das artes plásticas. Pretendo ser um profissional da área”, disse, determinado.

Raíssa Kelli, do Colégio Estadual João XXIII, em Itaberaba, quis expressar “a alegria” na sua obra intitulada Explosão de cores. Já Bruno de Lima e Silva, do Colégio Polivalente Dr. Antônio Carlos Magalhães, de Irecê, apresentou o desenho Bahia, com a intenção de “expressar a riqueza cultural do nosso Estado”. A adolescente Elza Laís Barreto, 12 anos, do Colégio Estadual Wilson Alves de Brito, de Teixeira de Freitas, deu ênfase às estrelas, da tela Luz e cor. “Pulei de alegria quando soube que vinha para Salvador participar da mostra do AVE. É um sonho estar aqui”, comemorou.

Fonte:http://www.educacao.ba.gov.br/