“Tudo muda/O tempo todo/No mundo”

O mundo está em constante transformação. Você olha para o lado e, quando volta para a posição original, a cena já não é mais a mesma. As coisas mudam. Mudanças acontecem. Como você as encara? Alguns clichês foram usados aqui, de forma proposital, para mostrar que quando a coisa não muda, muitas vezes, ela começa a ser rechaçada. Assim acontece com os clichês. Agora, chegou a nossa vez de mudar.

Fig. 1: …e vai mudar para melhor. Aguarde as novidades! Imagem: Josymar Alves

O Blog do Professor Web iniciou as suas atividades em 2010, com os projetos A Física e o Cotidiano, Ambiente Educacional Web (AEW) e Produção de Conteúdos Digitais nas Escolas. Atualmente, todos eles são desenvolvidos pela Rede Anísio Teixeira (Rede AT) e os resultados das ações são compartilhados por meio do AEW. Mas isso vai mudar. E para melhor!

Desde o começo, o blog teve como objetivo estimular o uso das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) na educação. Cumprimos com esse intuito através de nossas produções multimídia, tutoriais e formações com a comunidade escolar. E isso vai continuar! Contudo, vamos fazer parte de uma outra plataforma, que, em breve, será anunciada para todas as pessoas.

O nosso compromisso com a rede estadual pública de ensino permanece o mesmo. Ou seja: vamos continuar nos esforçando, em parceria com toda a comunidade escolar, para promover uma educação de qualidade. Isso se faz respeitando todos os agentes desse universo, inovando, contextualizando as produções de acordo com as necessidades do nosso estado e convidando todo mundo para fazer parte da nossa rede. Você, que está lendo este texto, é parte importante dessa mudança. Afinal, “…há tanta vida lá fora/Aqui dentro, sempre”. Continue com a gente, pois a gente vai continuar produzindo com (e para) você!

Anúncios

Praças da Ciência

Olá, pessoal. Tudo bem!

Vocês já visitaram uma ‘Praça da Ciência’? Hoje vamos falar sobre esse importante equipamento montado em vários municípios baianos, inclusive em Salvador.

bat1

O ‘Praças da Ciência’ é um projeto implantado pela Secretaria de Ciência Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia com o intuito de incentivar a popularização da ciência. Para potencializar a construção de novos saberes pelos visitantes das praças, o projeto conta com a parceria do Programa de Ciência, Empreendedorismo e Inovação da Bahia, da Secretaria da Educação do Estado e com as prefeituras dos municípios onde foram implantadas.

A proposta das Praças da Ciência é implantar experimentos em praças públicas de 40 municípios, contendo oito brinquedos lúdicos (balanços de comprimentos diferentes, alavanca, cadeira giratória, conchas acústicas, bicicleta geradora de energia, harpa de tubo, basquete giratórios e gangorras de braços diferentes), figura abaixo, objetivando a democratização e educação em ciência e tecnologia que atraiam a atenção, principalmente, de crianças e adolescentes, promovendo a exploração ativa, o envolvimento pessoal, a curiosidade, o uso dos sentidos e o esforço intelectual, de forma lúdica e divertida, que gerem o interesse pela Ciência e Tecnologia.

bat2

As Praças da Ciência começaram a ser implantadas no final de 2014 e pretende alcançar 40 municípios baianos. Até agora, vinte e seis já foram inauguradas, oito estão em obras e seis ainda serão implantadas, segundo informações da SECTI. A Praça da Ciência, localizada aqui no Instituto Anísio Teixeira, já está pronta, aguardando apenas sua inauguração. Clique aqui e veja lista dos municípios.

Visite a Praça da Ciência da sua cidade! Antes, porém, acesse a Cartilha ‘Práticas para compartilhar: Praças da ciência – Estudante’, e saiba a composição dos equipamentos, os conceitos explorados, como utilizar cada um deles e sua aplicação no nosso cotidiano. Então, divirta-se e perceba que Educação e Tecnologia estão de mãos dadas!

Um abraço e até mais!

Samuel Oliveira de Jesus

Professor de Matemática da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

REFERÊNCIAS

AMBIENTE EDUCACIONAL WEB. Práticas para compartilhar – Praças do Conhecimento. Disponível em: <http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/6472>. Acesso em 06/06/2017, às 14h00.

EDUCADORES. IAT e Secti formam professores para uso das Praças da Ciência. Disponível em:<http://educadores.educacao.ba.gov.br/noticias/iat-e-secti-formam-professores-para-uso-das-pracas-da-ciencia>. Acesso em 06/06/2017 às 15h00.

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Práticas para compartilhar: Praças do Conhecimento – Estudantes. Disponível em: <http://www.secti.ba.gov.br/arquivos/File/EDITAIS/praca.pdf>. Acesso em 06/06/2017, às 14h00.

Fique ligado!

 

Olá, pessoal! Preparado?

É positivamente válido revelar experiências exitosas no cenário educacional, notadamente, quando elas vêm de sujeitos que valorizam e lutam por uma educação cada vez melhor.

O quadro “Faça Acontecer” que integra o Programa Intervalo da TV Anísio Teixeira (TVAT)/ Rede Anísio Teixeira  trata-se de um documentário em que, educandos da rede estadual de ensino, participam de atividades, seleções ou premiações incentivadas pela Secretaria Estadual de Educação e Cultura / SEC.

Atavés dos projetos que estimulam o pensar educativo, científico, cultural e tecnológico orientados pela Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996) como: Festival Anual da Canção Estudantil (FACE), Artes Visuais Estudantis (AVE),Projeto Tempos de Arte Literária (TAL),Produções Visuais Estudantis (PROVE), Feiras de Matemática, Feira de Ciências e Jogos Estudantis da Rede Pública (JERP) para o fomento de atividades socioculturais que, para além dessa proposta, são atividades que estimulam a criatividade e criticidade  dos educandos com o propósito de valorização e divulgação de um produto, sem perder de vista sobretudo, o reconhecimento das questões identitárias dos sujeitos.

A proposta do “Faça Acontecer” versa por diferentes áreas do conhecimento o que permite, portanto, um diálogo interdisciplinar. O ponto forte desse quadro é, sem dúvida, revelar as potencialidades bem como o protagonismo estudantil dando visibilidade à sua produção e criação, claramente percebido  na fala do educando Pablo de Jesus,participante do AVE 2010,de Morro do Chapéu -BA. Assista ao vídeo abaixo e confira!

video

Como fica evidente, o documentário aborda , a trajetória do estudante até a conquista da premiação, o enfrentamento e a superação de suas dificuldades revelando, consideravelmente, o papel da família e da comunidade escolar como os pilares para a realização do desejo de cada participante.  Para assistir aos demais vídeos acesse nosso ambiente!

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/episodios/id/6

Por fim, o “Faça Acontecer” é uma grande oportunidade de mostrar a sociedade  as potencialidades dos educandos . A exemplo de Mirela Andrade de Jeremoabo- BA, com seu projeto “A Geografia da fome” revela  grande contribuição  para um problema bastante gritante,  não somente no nosso contexto social, mas global. Seu trabalho científico ganhou a Feira de Ciências da Bahia em 2011 e teve ainda repercussão nacional  na Feira Brasileira  de Ciências e Engenharia (FEBRACE) em 2012 .

  Então! O que está esperando? Você, como muitos e tantos outros, pode ser o protagonista do próximo “Faça Acontecer”! Portanto, fique ligado no “Encontro Estudantil” e revele seu talento!

Mônica de Oliveira Mota

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

O retorno da máquina de ensinar?

Atualmente, muitos cursos on-line e programas de aprendizagem promovem a interação entre o aprendiz e o conteúdo a ser aprendido sem a intermediação de um professor. Mas, você sabia que no século passado professores já foram substituídos por máquinas de ensinar?

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

 Figura 01: Maquina de ensinar de Skinner Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/18/Skinner_teaching_machine_01.jpg

Conheça a Máquina de Ensinar de Skinner (Figura 01), importante psicólogo e pesquisador educacional americano e um dos principais defensores do behaviorismo, assistindo ao vídeo disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=vmRmBgKQq20

Segundo o próprio Skinner no vídeo, as características da máquina de ensinar  são descritas assim:

  • o estudante está livre de indecisão ou ansiedade sobre seu sucesso ou falha;
  • leva mais rapidamente a formação do comportamento correto;
  • seu trabalho é prazeroso;
  • ele não tem que forçar para estudar;
  • fornece um relatório para o aluno da adequação da sua resposta;
  • o aluno é livre para se mover no seu próprio ritmo… o estudante rápido completa o material em um tempo mais curto…mas, o estudante mais lento, ao ter mais tempo para estudar, completa o mesmo espaço;
  • cada estudante segue um programa cuidadosamente planejado;
  • pistas auxiliadoras, sugestões e comandos maximizam a chance de que ele estará correto.

A máquina de ensinar foi descrita na obra “A Ciência da Aprendizagem e a Arte de Ensinar”, publicada na Harvard Educational Review, 1954, vol 24, nº 2, pp. 86-97 e em Current Trends in Psychology and the Behavioral Sciences, University of Pittsburgh Press, 1954. Muitas críticas foram direcionadas para este modelo mecanizado de educação, chamado de “Ensino Programado”, resultando na rejeição ao uso da máquina que não chegou a ser utilizada de modo sistemático nas escolas americanas. Porém, os princípios aplicados influenciaram muitos programas educacionais em vários países, incluindo no Brasil.

Hoje, mais de sessenta anos depois, em pleno contexto de inserção das tecnologias da informação e comunicação na educação, provavelmente você já ouviu falar ou mesmo teve a oportunidade de participar de programas on-line de preparação para o Enem ou cursos a distância que apresentam questionários on-line e outros recursos que auxiliam na aprendizagem de conteúdos. Destacam-se, nesse sentido, os MOOCS, cursos on-line, massivos e abertos.

Tais programas, usualmente, apresentam como características:

  • as atividades são programadas previamente e de modo que suas chances de aprovação sejam maximizadas;
  • o aluno, estudante, aprendiz, é livre para adotar um ritmo de estudo que seja mais confortável;
  • alguns cursos e programas de ensino não apresentam a figura do professor para mediar os processos de ensino e de aprendizagem;
  • relatórios de desempenho são produzidos de acordo com as respostas aos questionários e atividades e servem de referências para a programação das próximas etapas.

É claro que o desenvolvimento tecnológico permite o uso de recursos que possibilitam várias abordagens didáticas, muito mais dinâmicas e interativas do que a máquina de Skinner. Entretanto, será que estamos diante do retorno da Máquina de Ensinar em uma versão atualizada? O professor, mais uma vez, está sendo substituído? O que você pensa sobre isso?

Leia mais sobre esse tema em:

https://www.ufrgs.br/psicoeduc/behaviorismo/maquina-de-ensinar-de-skinner-1/

Sobre educação a distância, recomendamos:

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/3940

http://www.educacao-a-distancia.com/moocs-mudarao-a-educacao-a-distancia-ead/

Oficina para a Produção de Mídias na Educação e Cobertura Colaborativa 2016

A última Oficina para a Produção de Mídias na Educação (PME), do ano de 2016, oferecida no período de 7 a 24 de novembro, pela Rede Anísio Teixeira (Programa de Difusão de Mídias e Tecnologias Educacionais Livres da Rede Pública Estadual de Ensino), estimulou, mais uma vez, o uso crítico e reflexivo das tecnologias da informação e da comunicação (TICs). Estudantes da rede pública estadual de ensino fizeram uma imersão no Instituto Anísio Teixeira (IAT) a fim de saber um pouco mais sobre Softwares e Licenças Livres, Produção Textual para Multimeios, Fotografia e Produção Audiovisual, módulos que fazem parte do currículo do curso.

Fig. 1: Equipe que participou da Oficina para a Produção de Mídias na Educação e da Cobertura Colaborativa Estudantil. Foto: Peterson Azevedo
Fig. 1: Equipe que participou da Oficina para a Produção de Mídias na Educação e da Cobertura Colaborativa Estudantil 2016. Foto: Peterson Azevedo

Durante a oficina, os estudantes tiveram aulas teóricas com as especificidades de cada módulo e puderam colocar em prática tudo que aprenderam, ainda no processo formativo. Desse modo, já colocavam a mão na massa enquanto complementavam os conhecimentos. Ou melhor: colocavam a mão no teclado, na câmera fotográfica e nos recursos para a produção e edição audiovisual.

Como atividade final da PME, houve uma Cobertura Colaborativa Estudantil  do I Congresso Baiano de Inovação e Tecnologia na Educação (Inovatec). Na ocasião, os estudantes foram organizados em grupos de trabalho e atuaram como repórteres, fotógrafos, produtores audiovisuais e redatores para mídias digitais. A atividade, além de contribuir para que eles implementassem os conhecimentos adquiridos durante o processo formativo, foi mais um espaço para o protagonismo da comunidade escolar da rede pública estadual de ensino nas ações da Rede Anísio Teixeira.

Emili Oliveira, 16 anos, do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira, atuou como fotógrafa na Cobertura Colaborativa e disse que a experiência contribuiu muito para a sua vida: “Foi uma experiência incrível, que melhorou bastante tudo que eu já tinha feito antes. Ainda me fez perceber uma coisa que eu gosto muito e desenvolver isso: o gosto pela fotografia”.

Fig. 2: A estudante Emili Oliveira atuou como fotógrafa durante a Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior
Fig. 2: Emili Oliveira atuou como fotógrafa durante a Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior

Nickson Teles, 18 anos, do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, destaca que a participação na Cobertura Colaborativa o auxiliou na escolha da profissão: “Atuei como cinegrafista, aprendi técnicas sobre gravação e aprimorei o que realmente quero como profissão. Tive oportunidade de desenvolver aptidões que estavam guardadas”, revela o jovem que quer trabalhar na área de comunicação.

Fig. 3: Nickson Teles foi um dos cinegrafistas da Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior
Fig. 3: Nickson Teles foi um dos cinegrafistas da Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior

A Cobertura Colaborativa Estudantil contou com produção multimídia de algumas ações do Inovatec. Tudo que foi produzido pode ser conferido neste link: oprofessorweb.wordpress.com/author/coberturaestudantil/. Além disso, neste ano, a equipe que participou da atividade teve um outro desafio: produzir um programa de TV. Quer saber no que resultou? Assista ao vídeo abaixo, compartilhe nas suas redes e deixe a sua opinião sobre o que achou. É importante para nós! Ubuntu!

Programa Cobertura Colaborativa – Inovatec – Parte 01

Arena Games e Educação

Estudante-repórter: Lucicarla Lima

O I Congresso Baiano de Inovação e Tecnologia na Educação (Inovatec) trouxe novidades também para os estudantes, como o uso de games como meio de aprendizagem. Com o universo dos games, a complexa linguagem de programação se torna mais prazerosa e interessante para os estudantes. Esse é o objetivo da Arena Games.

A professora de informática, Patrícia Melo, que ensina Lógica e Técnica de Programação, no Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira (CEAAT), conta que a proposta é trazer jogos, como o Sudoku, para os estudantes aprenderem a desenvolver raciocínio lógico. Assim, o processo educacional fica muito mais lúcido.

sam_1087
Fig. 1: A professora Patrícia Melo explica como os games auxiliam o processo de ensino e de aprendizagem, enquanto André Felipe mostra, no computador, mais um recurso de gamificação. Foto: Carol Aguiar.

Para Patrícia, é evidente os benefícios que os jogos possibilitam para os educandos. André Felipe, estudante do CEAAT, participou do Inovatec e mostrou para o público um pouco do que aprendeu, ressaltando que o ambiente de gameficação é totalmente diferente da sala de aula. “Eu estou impressionado com um publico tão extenso. Quando as pessoas chegam aqui na Arena, cada um tem o seu jogo e cada um leciona sobre seu jogo”.

sam_1094
Fig. 2: Games como recurso didático. Foto: Carol Aguiar. 

 

Estudante: Lucicarla Foto: Caroline Aguiar
Estudante-repórter: Lucicarla. Foto:Carol Aguiar

 

Lucicarla Lima tem 18 anos e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

A importância da produção de mídias na educação

Estudante-repórter: Carol Aguiar

O mundo está passando por um processo de mudanças tecnológicas e, para a educação se adequar, é necessário estimular os estudantes, fazendo o uso das tecnologias da informação e da comunicação na escola.

Fig. 1: Registro da mesa redonda "Inovações e Tecnologias na Educação: o que levar para a sala de aula?". Foto: Carol Aguiar.
Fig. 1: Registro da mesa redonda “Inovações e Tecnologias na Educação: o que levar para a sala de aula?”. Foto: Carol Aguiar.

A fotografia, por exemplo, pode ser um instrumento de auxílio na educação, pois podemos apresentar trabalhos, divulgar eventos, denunciar problemas, entre outras coisas.

Fig. 2: Durante o Inovatec, Yuri Wanderley, coordenador da Rede Anísio Teixeira, apresentou os projetos do Programa de Difusão de Mídias na Educação
Fig. 2: Durante o primeiro dia do Inovatec, Yuri Wanderley, coordenador da Rede Anísio Teixeira, apresentou os projetos do Programa de Difusão de Mídias na Educação

Nesta formação, aprendi coisas novas, obtive informações que geraram conhecimento e que vão ser essencial para a minha vida. Com essa experiência, vou poder fazer coisas novas e ajudar pessoas.

Estudante-repórter Carol Aguiar. Foto: Emili Oliveira
Estudante-repórter Carol Aguiar. Foto: Emili Oliveira

Carol Aguiar tem 17 anos, é estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira, localizado em Salvador, e faz parte da equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil.

Estudantes da Rede Pública Estadual realizam Cobertura Colaborativa do Inovatec

Estudante-repórter: Roniton Fernandes

O I Congresso Baiano de Inovação e Tecnologia na Educação (Inovatec) começou, hoje, no Instituto Anísio Teixeira (IAT), e junto com ele a Cobertura Colaborativa 2016. Na atividade, estudantes da rede pública trabalham coletivamente no intuito de transmitir os principais acontecimentos do evento.

A turma teve duas semanas de preparação para a Cobertura Colaborativa. Os participantes assistiram aulas teóricas e desenvolveram atividades práticas, com produção de vídeo, de texto e de fotografia.

cobertura

Antes do início da Cobertura, a equipe do blog conversou com alguns estudantes para saber quais eram as expectativas de alguns deles:

  • Andrei Dória, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: editor de vídeo.

Fig. 1: Andrei Dória. Foto: Carol Aguiar
Fig. 1: Andrei Dória. Foto: Carol Aguiar

Todo processo foi meio corrido, porém bom, pois adquirimos a experiência necessária para o evento”.

  • Esther Silva, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: repórter de radiojornalismo.

    Fig. 2: Esther Silva. Foto: Carol Aguiar
    Fig. 2: Esther Silva. Foto: Carol Aguiar

Estou um pouco ansiosa, não sei o que me espera, mas a expectativa é de que dê tudo certo”.

  • Emili Oliveira, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: fotógrafa.

    Fig. 3: Emili Oliveira. Foto: Carol Aguiar
    Fig. 3: Emili Oliveira. Foto: Carol Aguiar

O processo de formação foi curto, porém eficiente. Acho que foi o suficiente para a gente se desenvolver e está tudo fluindo muito bem”.

  • Alessandra Viana, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: repórter de telejornalismo.
Fig. 4: Alessandra Viana. Foto: Carol Aguiar
Fig. 4: Alessandra Viana. Foto: Carol Aguiar

A formação foi corrida, mas mostrou que, com o interesse dos professores e alunos, tudo pode dar certo, não importa o tempo. Espero que tudo ocorra bem, pois nos esforçamos muito para estar aqui”.

O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior
O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior

Roniton Fernandes tem 19 anos, é estudante do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, que fica em Salvador, e faz parte da equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil.

Tecnologias Educacionais e o Antirracismo

IMG_3436.JPG
Mural no V SERNEGRA – IF Brasília – Foto: Carlos Barros

 

No mês dedicado à Consciência Negra, o Instituto Federal de Brasília (IFB) organizou a Semana de Reflexões Sobre Negritude, Gênero e Raça – SERNEGRA. Diz respeito a um evento técnico-científico, idealizado e organizado pelo Grupo de Pesquisa Estudos Culturais Sobre Classe, Gênero e Raça.

Neste ano (2016), aconteceu a quinta edição do SERNEGRA, trazendo reflexões sobre a luta antirracista no Brasil, a teoria e a práxis decolonial, abordando os eixos: a colonialidade do poder, do saber e fazer ser, debruçada sobre questões como a Geopolítica do Poder e a possibilidade de uma arte e de uma pedagogia decolonial.

A interculturalidade é o ponto forte desse Seminário, que contou com apresentações artísticas, oficinas, debates, filmes, palestra, simpósios temáticos com algumas das principais personalidades do mundo acadêmico, artístico e político que se propõem a debater o enfrentamento das questões raciais e de gênero no Brasil, Estiveram presentes: Adolfo Alban Achinte, Universidad Del Cauca – Unicauca/ ColômbiaPatricia Hill Collins, University Professor of Sociology at the University of Maryland, College Park, Nelson Fernando Inocêncio, Universidade de Brasília, Joaze Bernardino Costa, Universidade de Brasília, Vera Maria Ferrão  Candau, Universidade Católica do Rio de Janeiro, Wanderson Flor do Nascimento, Universidade de Brasília.

img_3693
Caderno de Resumos do V SERNEGRA – Foto: Carlos Barros

As tecnologias educacionais foram temas de debates, através de apresentações de projetos que trouxeram ações que difundem o antirracismo e que podem servir de exemplos para estudantes e professores, na prática pedagógica. Foram eles: Cine NEABI: educando para a diversidade (IF Roraima); Ikoloju: cibercultura e educação antirracista (UERJ); Documentários com estudantes de escolas públicas baianas (IAT – BA); Memórias e identidades: produção formativa de vídeos educacionais (IAT/UFBA); Violência no contexto escolar e racismo: um olhar a partir de um município do entorno do Distrito Federal (Universidade Nacional da Província de Buenos Aires e Faculdade Anhanguera de Valparaíso/GO – Kroton Educacional); e Programa Intervalo como tecnologia educacional na contribuição de práticas antirracistas: o caso do Quadro Histórias da Bahia (IAT- BA).

 Momentos como esse comprovam que as tecnologias aliadas ao processo educativo podem trazer benefícios tanto para a Educação, como para a compreensão da relevância do papel do cidadão em seu grupo social, estimulando a autonomia e a criticidade dos estudantes, principalmente, acerca de questões pouco presentes nos Livros Didáticos, como é o caso da Educação para as Relações Étnico-Raciais.

Fotografando Saberes

Estudante-repórter: Emili Oliveira

Olá, gente! Eu e Carol Aguiar, do núcleo de produção fotográfica da Oficina de Produção de Mídias na Educação, fizemos a cobertura colaborativa do último dia do 5º Seminário Estadual de Educação Integral, que ocorreu nos dias 24 e 25 de novembro, no Instituto Anísio Teixeira (IAT) O evento contou com muitas palestras, uma delas discutiu a atual conjuntura política da educação brasileira, enfatizando o debate sobre a escola sem partido. Confira, abaixo, o registro fotográfico que fizemos da mesa redonda e da estrutura do IAT. Foi uma experiência que abriu novos caminhos, permitindo cada vez mais novas descobertas.

 

Foto: Autorretrato
Foto: Autorretrato

Emili Oliveira tem 16 anos, é estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira, que fica em Salvador, e faz parte da equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil.