Radiola PW: a Mulher Pode Ser, Fazer e Acontecer

Hoje, 8 de março, é o Dia Internacional da Mulher. Uma data simbólica, mas que não deve ser o único mote para reflexões acerca da presença da mulher na nossa sociedade. Atualmente, discussões voltadas para o empoderamento feminino e contra o machismo são feitas em todos os lugares, principalmente na internet, através de suas redes sociais. O debate é acirrado. Alguns depoimentos são repletos de equívocos e de radicalismos; outros, bastante pertinentes e enriquecedores. Contudo, o fato de as pessoas estarem refletindo sobre a questão, já é um ponto positivo diante do histórico ignorante, descabido e manipulador de subjugação feminina.

Fig. 1: o Dia Internacional da Mulher é todo dia. Imagem: Josymar Alves

Fig. 1: o Dia Internacional da Mulher é todo dia. Imagem: Josymar Alves

Em 1982, no disco Caminhos do Coração, o cantor e compositor Gonzaguinha deu um recado contra essa ideia e mostrou o quanto a mulher é dona de sua própria vida e de suas vontades. A música Ser, fazer e acontecer é uma obra que parece ter sido feita hoje, de tão atual. Na canção, o eu lírico é feminino e já começa o discurso criticando a “dona moral”: “Que uma mulher pode nunca nada/Isso eu já sei/É o grito da dona moral/Todo dia no ouvido da gente”. Mas o grito da dona moral não surte efeito, a independência feminina é reiterada nos seguintes versos: “E meu caminho eu faço/Não quero saber que me digam dessa lei”.

A música, além de mostrar que a mulher é quem decide o seu destino, clama pela igualdade de gênero, uma vez que ninguém deveria ter privilégios na sociedade por ser isso ou aquilo: “É que sinto exatamente/Aquilo que sente qualquer um que respira/Uma perna de calça/Não dá mais direito a ninguém/De transar o que seja viver”. Esses versos, em especial, nos remetem ao que diz um dos artigos da Lei Maria da Penha, em vigor desde 2006: “Toda mulher, independentemente de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional, idade e religião, goza dos direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sendo-lhe asseguradas as oportunidades e facilidades para viver sem violência, preservar sua saúde física e mental e seu aperfeiçoamento moral, intelectual e social”.

No desfecho, o compositor deixa bem evidente um traço da personalidade do eu lírico da canção: é uma mulher forte, obstinada e que não aceita viver de forma subserviente. Os dois últimos versos trazem uma afirmação que reforça essa maneira de viver: “Que uma mulher pode nunca é deixar/De ser, e fazer e acontecer”. Ou seja, a mulher é livre para fazer o que quiser, quando e como quiser. Quem tem o direito de tolher as suas vontades? Fica a indagação.

Abaixo, segue a letra da canção. Você pode ouvir o áudio no site oficial de Gonzaguinha.

Ser, fazer e acontecer

(Gonzaguinha)

Que uma mulher pode nunca nada/Isso eu já sei/É o grito da dona moral/Todo dia no ouvido da gente/É que eu estou pela vida na luta/Eu também sei/E meu caminho eu faço/Nem quero saber que me digam dessa lei/Porque já sofri, já chorei, já amei/Vou sofrer, vou chorar e voltar a amar/Porque já dormi, já sonhei e acordei/E vou dormir, vou sonhar, pois eu nunca cansei/É que sinto exatamente/Aquilo que sente qualquer um que respira/Uma perna de calça/Não dá mais direito a ninguém/De transar o que seja viver/E por isso eu prossigo e quero e grito /No ouvido dessa tal de dona moral/Que uma mulher pode nunca é deixar/De ser, e fazer e acontecer

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Anúncios

Semana da Mulher 2013 – Ativas e cuidadosas!

Olá, pessoal!

O atual ritmo consolidado na sociedade, onde 24 horas nem sempre são suficientes para realização das múltiplas tarefas que empreendemos, deixa ainda mais evidente as muitas ocupações acumuladas pela mulher moderna.

Entre o desgastante papel de tentar conciliar os afazeres domésticos, o cuidado com a família, produtividade no trabalho e estudos – em muitos casos, um fator crucial fica no plano secundário: o cuidado com a saúde.

Mas aqui fica o importante alerta:PW-MES-MULHER-2013-CANCER-MAMA

É preciso ser extremamente diligente no que diz respeito à saúde da mulher, pois existem doenças que são silenciosas e muito perigosas, a exemplo do câncer de mama e do colo do útero sendo possível a detecção apenas por meio de exames específicos.

O acompanhamento periódico com o/a profissional de saúde e ginecologista é imprescindível, no intuito de prevenir ou descobrir no princípio esses males, possibilitando assim chances de cura maiores, bem como a adoção de hábitos saudáveis na alimentação e peso adequado, evitando também o abuso de substâncias que são agravantes no aparecimento do câncer, entre elas o tabaco.

Confiram abaixo um excelente vídeo informativo promovido pelo Portal Brasil e para saber mais sobre o câncer de mama e do colo do útero – Cliquem aqui!

 

Esclarecedor, não é mesmo?!

Então, compartilhem com familiares e amig@s, para fortalecermos cada vez mais a luta pela qualidade de vida e saúde das mulheres.

Abraços!

Fonte: http://www.brasil.gov.br/sobre/saude/saude-da-mulher/cancer; http://pt.wikipedia.org/wiki/Útero

Semana da Mulher 2013 – Padrões de Beleza

São inegáveis as conquistas das mulheres na sociedade e decorrem de uma luta árdua na busca de melhorias sociais, educacionais, na qualidade de vida e saúde, bem como trabalhistas.

Porém, uma luta concreta envolve a discussão a repeito da imposição de padrões de beleza e as consequências para as relações sociais, inclusive no que se refere a condições de adoecimento.

Os elementos peculiares para ter a autoaceitação no modelo proposto muitas vezes geram conceitos de padrões cristalizados e propagam a ideia que a mulher deve atender a modelos pré-estabelecidos para ser socialmente aceita.

A persona imposta por valores estéticos induz à necessidade de se enquadrar nesse padrão. Isso não é fácil para algumas mulheres, que acabam desmotivadas em seus ambientes sociais, mas é necessário questionarmos se isso é essencial em suas vidas. Esse ciclo acaba gerando o agravamento do problema e se tornando uma obsessão para alcançar a tal “perfeição”.

 A moda que vigora em cada época impõe que as mulheres sigam as tendências do momento, sem levar em conta a personalidade e particularidades destas.

Em outras décadas, as mulheres que tivessem corpos mais avantajados e sem curvas eram consideradas como referência. Atualmente, com os conceitos da cultura midiática e consequentemente com a pressão social, fica estabelecido que o padrão ideal de corpo feminino considerado “bonito” é o magro.

Para o ciclo produtivo do capitalismo é mais prático a personificação dessa imagem, consagrando o mercado das passarelas. Há mesmo a parcialidade no mercado de trabalho, quando pratica discriminação contra as mulheres por achar que elas não estão esteticamente “apropriadas” para exercer tal cargo.

São esses conceitos que influenciam muitas numa busca desenfreada para alcançarem o “corpo perfeito”, a tal ponto de fazerem sacrifícios que frequentemente causam danos a saúde, como consequência das restrições alimentares. É preciso atentar para esta situação, pois essas “dietas” podem gerar uma magreza excessiva causada por transtornos alimentares, tais como a bulimia e a anorexia.

Diante de tudo isso, resta-nos uma reflexão sobre o que é mais importante: construir uma relação saudável com seu organismo e ser feliz com uma saúde física e mental equilibrada e mantendo bons hábitos alimentares, ou colocar sua vida em risco sendo mais uma vítima desta indústria que visa o lucro acima de tudo e tod@s?

Pra descrever uma mulher
Não é do jeito que quiser
Primeiro tem que ser sensível
Senão, é impossível
Quem vê por fora, não vai ver
Por dentro o que ela é”

Mulher – Elba Ramalho

Fontes: http://pt.wikipedia.org/wiki/Persona_%28psicologia%29

http://pt.wikipedia.org/wiki/Transtorno_alimentar

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bulimia_nervosa

http://pt.wikipedia.org/wiki/Anorexia_nervosa

 

Semana da Mulher 2013 – Cine PW: “O Sonho Impossível” e “Super Homem (A Canção)”

Olá, amig@s!

No Cine PW de hoje vamos conferir a reflexiva animação “O Sonho Impossível”, que nos apresenta os desafios enfrentados pela mulher que, além de ter um emprego fora, realiza toda a tarefa doméstica e convive com as relações de poder e machismo estabelecidas tanto na família e no trabalho, a exemplo das desigualdades salariais entre homens e mulheres, quanto nos demais âmbitos sociais.

Então turma, curtam o vídeo e para estimular ainda mais o debate confiram a música “Super Homem (A Canção)” do cantor e compositor Gilberto Gil.

Semana da Mulher 2013 – Mulher e Direção: Uma combinação que dá certo!

Olá, gente!

Atualmente, as mulheres somam mais da metade da população brasileira, elas já estão presentes na política, nos esportes, na chefia das famílias, no mercado de trabalho (ainda que não da maneira desejada, pois muitas ganham menos que os homens ocupando mesmos cargos com as mesmas jornadas), em postos que antes eram exclusivamente masculinos.

Dentre as tantas lutas enfrentadas e conquistas femininas adquiridas ao longo dos anos, entramos em consenso quando o assunto é a autonomia de ir e vir em veículos automotivos – ou seja: o direito de dirigir veículos.

Embora tenham adquirido com muito esforço o reconhecimento de que é preciso uma mudança nas estruturas sociais, a fim de que essas assegurem equanimidade de direitos com relação aos homens, milhares delas PW-transito-2013continuam convivendo com ideias e atitudes arcaicas e preconceituosas. Quem nunca ouviu, por exemplo que “Mulher foi feita para pilotar fogão” ou “Mulher no volante, perigo constante”? Manifestações tais que, amiúde, estão nas rodas de conversa, nas piadas da TV e o que é pior: na consciência e boca de muitas mulheres.

Por mais que tenhamos noção de que não existe espaço que seja impossível da figura feminina atuar – apoiar, calar ou acomodar-se diante dessas situações, é negar os séculos de batalhas travadas em prol da cidadania por meio da igualdade dos direitos de gênero, culminando também no fortalecimento do sexismo arraigado ainda em nossa sociedade.

Há quem ache que é preciso ter cuidado com a combinação “mulher e direção”…o que parece ser perigoso e danoso à espécie humana mesmo são as mentes fechadas ao novo, o preconceito e os corações perdidos nas rodovias da ignorância.

Abraços!

Fonte: http://www.ibge.gov.br/paisesat/main.php; http://pt.wikipedia.org/wiki/Sexismo

Obras mostram o olhar estudantil sobre a mulher

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher (8/3), a Secretaria da Educação do Estado da Bahia, em parceria com a Escola do Legislativo, realiza, a partir de segunda-feira (4/03), às 10h30, na Assembleia Legislativa, a exposição Faces e Fases das Mulheres nas Visões Estudantis. As obras de artes que compõem a mostra foram elaboradas por alunos das escolas estaduais da Bahia por meio do projeto Artes Visuais Estudantis (AVE), no ano de 2012, e têm em comum o fato de retratar a mulher brasileira em suas mais diversas faces. A mostra segue no espaço até sexta-feira (8/3).

avefinal

Esta é a quarta exposição com obras de estudantes da rede estadual na Assembleia Legislativa, mas a primeira relacionada a uma data específica. “Entre os temas que são retratados pelos estudantes em suas obras, a mulher é predominante. E são diversas as mulheres criadas por eles. Por isso, escolhemos esta temática”, disse Nide Nobre, coordenadora de Projetos Especiais da Secretaria, ressaltando que a produção de artes plásticas está diretamente ligada ao cotidiano estudantil. “O AVE permite um voo de imaginação do aluno. A arte, para eles, não tem fronteiras e faz parte dos contextos escolares”, considera.

AVE – Criado pela Secretaria da Educação do Estado em 2008, o AVE é um projeto pioneiro, de caráter educativo, artístico e cultural, concebido a partir de uma perspectiva abrangente, envolvendo os estudantes do 6º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio e equivalentes (Educação de Jovens e Adultos – EJA, Ensino Normal e Tecnológico).

O projeto propõe estimular a criação de obras de artes visuais nas escolas, assim como a valorização das expressões culturais regionais, estimular o processo de embelezamento e estetização da escola, promover exposições dessas obras de arte estudantis e estimular a produção artística, buscando compreender a obra de arte como objeto de ampliação do conhecimento.

Fonte: http://estudantes.educacao.ba.gov.br/noticias/obras-mostram-o-olhar-estudantil-sobre-mulher

Semana da Mulher 2013 – Ser, fazer e acontecer

Olá, pessoal!

Visando corroborar com ações/reflexões sobre a forma como, nos relacionamos com o outro, estamos nos conduzindo no planeta e cooperando para uma jornada em que a equidade de direitos – educacionais, profissionais e sociais sejam realidade para tod@s nós. Buscamos ao máximo trazer para o debate no cotidiano do ciberespaço (por meio deste blog e outras mídias sociais), temas que são pertinentes tanto para educadores(as) e estudantes quanto para sociedade como um todo.

 pw-mes-mulher-2013-blog.png

E hoje, iniciamos aqui no blog a Semana da Mulher 2013 onde, junto com a nossa amiga e colaboradora Professora Online, daremos ainda mais visibilidade a assuntos como: violência contra as mulheres, saúde da mulher, mercado de trabalho, participação feminina, contribuições das mulheres na sociedade – entre outros pontos que necessitam de debates incessantes sobre os multiplos grupos sociais, sobre determinados conceitos e paradigmas que ao longo dos anos se enraizaram no senso comum e, em diversos aspectos, desfavorecem não apenas um gênero, mas sim, relações humanas.

Então, o espaço está aberto também para junt@s contribuirmos e conhecermos mais da história de lutas e conquistas dessas mães, irmãs, mulheres, guerreiras, meninas. O que não cabe nesse espaço mesmo é o preconceito revelado ou velado à força e delicadeza feminina.

E por isso eu prossigo e quero

E grito no ouvido dessa tal de dona moral

Que uma mulher pode nunca é deixar

De ser, fazer e acontecer”

(Gonzaguinha)

Abraços, amigas(os)!