MEC – Curso de inglês Gratuito: 14mil vagas

Atenção galera do PW!

O Canal do Ensino, site totalmente voltado a educação publicou essa boa notícia que copio, abaixo, na íntegra pra você. Se inscreva, divulgue e… success!

O Ministério da Educação divulgou no Diário Oficial da União os critérios para os cursos presenciais de inglês do programa Inglês sem Fronteiras. Serão ofertadas 14.760 vagas para cursos que duram entre 30 e 120 dias. As inscrições ocorrem entre 12h do dia 9 de dezembro até as 23h59 do dia 16 de dezembro, pelo site do isf.mec.gov.br

Os cursos vão ocorrer em universidades parceiras cuja lista foi divulgada na portaria do DO desta quarta. A carga horária presencial é de quatro aulas de 60 minutos, divididas em dois encontros semanais em locais e horários definidos pela universidade credenciada.

Somente podem participar alunos que cursem graduação, mestrado ou doutorado e que tenham feito a versão on-line do curso My English. Terão prioridade os estudantes de cursos de graduação pertencentes às áreas do programa Ciência sem Fronteiras e que tenham feito o Enem a partir de 2010 com média mínima de 600 pontos, entre outros critérios.

O Programa Inglês sem Fronteiras foi lançado pelo MEC em dezembro do ano passado para melhorar a proficiência em língua inglesa dos estudantes brasileiros. A falta de proficiência no idioma tem criado dificuldades para o governo preencher as vagas oferecidas pelo Ciência sem Fronteiras.

Um abraço.

Anúncios

Programa Ciências sem Fronteiras – Bolsas de estudos no exterior

A presidenta da República, Dilma Rousseff, assinou, na manhã de terça-feira, 13, no Palácio do Planalto, decreto que regulamenta o Programa Ciências sem Fronteiras e lançou as chamadas para concessão de 13 mil bolsas de estudos no exterior. O programa dará prioridade a estudos ligados às ciências básicas (matemática, física, química e biologia), engenharias e cursos tecnológicos. Serão concedidas mais de 100 mil bolsas de estudo no exterior até 2015. A cerimônia contou com a presença dos ministros da Educação, Fernando Haddad; da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante, e da Casa Civil, Gleisi Hoffman.

O Ciência sem Fronteiras é resultado da ação conjunta dos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação para desenvolver a ciência e a tecnologia no Brasil por meio do intercâmbio de estudantes de graduação e de pós-graduação e da mobilidade internacional de estudantes e pesquisadores. Serão oferecidas aproximadamente 75 mil bolsas pelo poder público e cerca de 26 mil em parceria com instituições particulares, nas modalidades graduação-sanduíche, educação profissional e tecnológica e pós-graduação (doutorado-sanduíche, doutorado pleno e pós-doutorado) nos próximos quatro anos.

O ministro Fernando Haddad destacou que o programa pretende oferecer oportunidades a estudantes de todas as classes. O critério para a seleção será o do mérito acadêmico. “Um dos índices que vamos monitorar e acompanhar é se esse programa está atingindo todas as classes sociais”, disse. “Não queremos fazer como se fazia no Brasil do Império e da República Velha, quando apenas os jovens da elite brasileira eram mandados para a Europa e Estados Unidos.”

Saiba mais:clique aqui!

O Programa – Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de esforço conjunto dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

O projeto prevê a utilização de até 75 mil bolsas em quatro anos para promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior com a finalidade de manter contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação. Além disso, busca atrair pesquisadores do exterior que queiram se fixar no Brasil ou estabelecer parcerias com os pesquisadores brasileiros nas áreas prioritárias definidas no Programa, bem como criar oportunidade para que pesquisadores de empresas recebam treinamento especializado no exterior.

Fonte:http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/home