Fique ligado!

 

Olá, pessoal! Preparado?

É positivamente válido revelar experiências exitosas no cenário educacional, notadamente, quando elas vêm de sujeitos que valorizam e lutam por uma educação cada vez melhor.

O quadro “Faça Acontecer” que integra o Programa Intervalo da TV Anísio Teixeira (TVAT)/ Rede Anísio Teixeira  trata-se de um documentário em que, educandos da rede estadual de ensino, participam de atividades, seleções ou premiações incentivadas pela Secretaria Estadual de Educação e Cultura / SEC.

Atavés dos projetos que estimulam o pensar educativo, científico, cultural e tecnológico orientados pela Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996) como: Festival Anual da Canção Estudantil (FACE), Artes Visuais Estudantis (AVE),Projeto Tempos de Arte Literária (TAL),Produções Visuais Estudantis (PROVE), Feiras de Matemática, Feira de Ciências e Jogos Estudantis da Rede Pública (JERP) para o fomento de atividades socioculturais que, para além dessa proposta, são atividades que estimulam a criatividade e criticidade  dos educandos com o propósito de valorização e divulgação de um produto, sem perder de vista sobretudo, o reconhecimento das questões identitárias dos sujeitos.

A proposta do “Faça Acontecer” versa por diferentes áreas do conhecimento o que permite, portanto, um diálogo interdisciplinar. O ponto forte desse quadro é, sem dúvida, revelar as potencialidades bem como o protagonismo estudantil dando visibilidade à sua produção e criação, claramente percebido  na fala do educando Pablo de Jesus,participante do AVE 2010,de Morro do Chapéu -BA. Assista ao vídeo abaixo e confira!

video

Como fica evidente, o documentário aborda , a trajetória do estudante até a conquista da premiação, o enfrentamento e a superação de suas dificuldades revelando, consideravelmente, o papel da família e da comunidade escolar como os pilares para a realização do desejo de cada participante.  Para assistir aos demais vídeos acesse nosso ambiente!

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/episodios/id/6

Por fim, o “Faça Acontecer” é uma grande oportunidade de mostrar a sociedade  as potencialidades dos educandos . A exemplo de Mirela Andrade de Jeremoabo- BA, com seu projeto “A Geografia da fome” revela  grande contribuição  para um problema bastante gritante,  não somente no nosso contexto social, mas global. Seu trabalho científico ganhou a Feira de Ciências da Bahia em 2011 e teve ainda repercussão nacional  na Feira Brasileira  de Ciências e Engenharia (FEBRACE) em 2012 .

  Então! O que está esperando? Você, como muitos e tantos outros, pode ser o protagonista do próximo “Faça Acontecer”! Portanto, fique ligado no “Encontro Estudantil” e revele seu talento!

Mônica de Oliveira Mota

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Anúncios

Estudantes preparam projetos para a II Feira de Ciências e Tecnologias Sociais da Educação Profissional

 Os estudantes da Rede Estadual de Educação Profissional estão reservando grandes surpresas para a II Feira de Ciências e Tecnologias Sociais da Educação Profissional da Bahia, que acontece entre os dias 3 a 5 de setembro, no Centro de Convenções da Bahia, em Salvador, juntamente com III Encontro da Educação Profissional da Bahia.

Aberta ao público, a Feira será um espaço de popularização das tecnologias sociais produzidas por professores e estudantes, que ceepamev1contribuem para a solução de problemas vivenciados pela comunidade no entorno imediato ou no Território de Identidade onde estão inseridos os Centros de Educação Profissional.

Do Território de Identidade Litoral Sul, os estudantes apresentarão, dentre outras tecnologias sociais, o biodigestor portátil anaeróbico para produção  de biogás. Esse experimento verifica a possibilidade de utilizar o gás metano como alternativa para o funcionamento de um fogão doméstico para residências e restaurantes. Segundo os pesquisadores, essa tecnologia social poderá contribuir para diminuir custos com a utilização do gás derivado do petróleo e, ao mesmo tempo, na redução de impactos ambientais.

Para desenvolver o biodigestor, os estudantes usaram materiais como um tambor plástico de 20 litros, registros, mangueiras, suporte, silicone, durepoxi e fita veda rosca.No biodigesor, foram colocados resíduos orgânicos domésticos como substrato para a produção do biogás. O biogás obtido da decomposição desse lixo orgânico é formado por gases, tais como o metano e o dióxido de carbono.

Saúde em movimento –Os estudantes do Ceep em Biotecnologia e Saúde, de Itabuna, apresentarão o projeto Saúde em Movimento. Os futuros técnicos em Enfermagem, Nutrição e Dietética, Análises Clínicas e Segurança do Trabalho realizaram uma série de intervenções sociais junto à comunidade estudantil.O objetivo foi contribuir com a prevenção e cuidados nas doenças, bem como a promoção, manutenção e recuperação da qualidade de vida. Os estudantes pesquisaram sobre os indicadores críticos de saúde a partir do levantamento da medição de taxas de triglicérides, colesterol e glicemia capilar, além de verificar os hábitos alimentares entre os alunos. Como resultado, foi desenvolvido um cardápio escolar.

A alimentação também foi o tema escolhido pelos os estudantes do Proeja Fundamental, do Centro Territorial de Educação Profissional Médio Rio das Contas, em Ipiaú para participar da II Feira. Com o projeto “Entre texto e delícias alternativas”, eles desenvolveram receitas a partir de cascas, talos, sementes e folhas de vegetais para obter o aproveitamento quase que integral dos alimentos. No projeto, os orientadores utilizaram estudos de gêneros textuais entre eles receitas, blogs, reportagens, voltados á qualificação técnica dos estudantes para a produção das receitas.

Tecnologias sociais como estas ressaltam a matriz curricular da Rede Estadual de Educação Profissional que tem a intervenção social como princípio pedagógico, na medida em que possibilita que o estudante aprenda os conteúdos e práticas em situações reais, e contribui para a sua formação integral, fazendo com que compreenda a dimensão social da futura profissão.

Fonte: http://estudantes.educacao.ba.gov.br/noticias/estudantes-preparam-projetos-para-ii-feira-de-ciencias-e-tecnologias-sociais-da-educacao-pr

Royalties são o quê?

Oi, turma! Tudo bem?

 Eles movimentam a economia do nosso país. Volta e meia, você ouve falar deles. Basta abrir um jornal, uma revista ou assistir aos noticiários da TV. Talvez, até por curiosidade e a fim de aprender, já tenha pesquisado. Mas, não custa nada perguntar: royalties são o quê?

PW-royalties

De uma forma bem objetiva, são compensações financeiras que as empresas exploradoras de combustíveis minerais (carvão, petróleo, gás natural e etc.) pagam ao governo para poderem explorar determinada área. De acordo com a chamada Lei dos Royalties, elescorrespondem à compensação financeira devida à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios pela exploração e produção de petróleo, de gás natural e de outros hidrocarbonetos fluidos”.

 Curiosidade

 A palavra royalty tem origem inglesa e deriva de royal. O termo royal, por sua vez, estava relacionado com algo que pertencia ao rei ou à realeza. Royal era o pagamento recebido pelos reis quando alguém extraía matéria-prima de suas propriedades. Royalties é o plural de royalty. Na língua inglesa, os substantivos terminados em y, precedidos de consoante, fazem o plural substituindo o y por ies. É válido lembrar que, com o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, que entrará em vigor, no Brasil, em 2016; o k, o w e o y passam a fazer parte do nosso alfabeto.

Grande abraço, turma!

Até o próximo!

 


Vídeos sobre mudanças climáticas enriquecem aulas nas escolas estaduais

Alunos da rede pública de ensino estão tendo acesso ao conteúdo dos vídeos educativos produzidos para a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) cujo tema foi “Mudanças Climáticas, Desastres Naturais e Prevenção de Riscos”. O conteúdo, distribuído para 2.200 escolas da rede estadual, é composto de quatro vídeos de 20 minutos cada com plano de aula para alunos do 8° e 9° ano do Ensino Fundamental II.

Participam dos vídeos oito dos principais cientistas brasileiros, que abordam os novos desafios do planeta terra, debatendo os seguintes assuntos: Ciência na Escola, Ciência do Clima, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais.

O material integra o ‘circuito virtual’, lançado durante a SNCT, que aconteceu de 17 a 23 de outubro, numa promoção do Ministério da Ciência e Tecnologia e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia (SECTI).

Entendimento 

Rosângela Maria Silva, professora de Geografia e vice-diretora do colégio estadual Hildete Lomanto, no bairro do Garcia, em Salvador, exibiu nesta segunda-feira (31), um dos vídeos para alunos do ensino fundamental. Ela elogiou a iniciativa da SECTI e da Secretaria da Educação, dizendo que o conteúdo é bem didático e facilita a compreensão dos estudantes.

“O vídeo sobre mudanças climáticas mostra, por exemplo, que se cada um fizer a sua parte, o planeta vai ter menos problemas ambientais”, disse. A professora ressalta ainda que as imagens fortes do vídeo facilitam o entendimento de que a cada ano que passa o ser humano está tirando mais da natureza. “Nós temos que ter consciência que também fazemos parte do meio ambiente e que devemos economizar os recursos naturais”.

O estudante Carlos Eduardo, 13 anos, mora no bairro da Federação e diz que gostou do conteúdo exibido na sala. “É uma forma diferente de abordar esse tema tão importante para todos nós”, diz o jovem que não está acostumado com esse tipo de material em sala de aula.

Apoio didático 

A estudante Josinanda Souza Soares, 15 anos, diz que o vídeo serviu para uma reflexão sobre hábitos simples do cotidiano, que podem contribuir para salvar o planeta. “Em vez de ficar na frente do computador o tempo todo, os jovens têm que buscar estudar e praticar esportes”, ressalta a jovem. E ela garante que faz sua parte em casa, apagando a luz sempre que sai de um ambiente.

O secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Paulo Câmera, destaca a importância desses vídeos para estimular a curiosidade entre os jovens. “Temos que fomentar o gosto pela ciência desde cedo para que possamos ter, no futuro, bons cientistas colaborando para o desenvolvimento do país”, ressalta o secretário.

Segundo Duwillami Arruda, da coordenação de Educação Ambiental da Secretaria da Educação do Estado, o intuito é formar Comissões de Meio Ambiente e Qualidade de Vida nas escolas estaduais e o material da SECTI servirá de apoio didático. Segundo Arruda, unidades de vários municípios já receberam os kits, como Jacobina, Itaberaba, Irecê, Jequié, Ruy Barbosa, Utinga e outros.

Fonte:http://www.comunicacao.ba.gov.br/noticias/2011/10/31/videos-sobre-mudancas-climaticas-enriquecem-aulas-nas-escolas-estaduais

Museu da Uneb promove exposição de ciência e tecnologia no aeroporto de Salvador

Estabelecer um diálogo com a sociedade, sugerindo soluções sustentáveis para problemas ligados à relação do homem com o meio ambiente. Esse é o objetivo da ‘Exposição de arte, ciência, tecnologia e inovação’ (Exposcience), que estará aberta à visitação a partir desta sexta-feira (2) até o dia 12 de outubro, no Aeroporto Internacional de Salvador, sempre das 9h às 21h.

Promovida pelo Museu de Ciência e Tecnologia (MC&T) da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCT), o Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento (CNPq) e a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), a exposição é uma atividade integrante da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2011, que acontecerá de 17 a 23 de outubro em vários estados brasileiros.

Freio magnético, cone de ar e balanças que simulam o peso em cada planeta são alguns dos experimentos que o museu vai apresentar, além do ônibus Ciência Móvel. A Infraero estima que cerca de um milhão de pessoas circulem no aeroporto durante o período da exposição.

Fonte: http://www.comunicacao.ba.gov.br/noticias/2011/09/01/museu-da-uneb-promove-exposicao-de-ciencia-e-tecnologia-no-aeroporto-de-salvador