Mapas de reflexão da luz

Olá, pessoal.

Nos últimos textos, abordamos temas referentes à iluminação, contudo, ainda não falamos sobre mapas de reflexão da luz, que na verdade, deveriam estar na discussão sobre texturas, mas os seus efeitos vão muito além das cores.

Quando o assunto é iluminação, vale destacar uma técnica extremamente eficaz no que diz respeito ao processamento e tempo de renderização, que é a aplicação de texturas em camadas. Com essa ação, o usuário deve criar uma estrutura de texturização baseada em canais, em que cada um desses canais, guardará uma imagem de textura responsável por diferentes atributos do material. Isso é muito útil, pois possibilita que o usuário tenha controle de cada parâmetro individualmente. Dessa forma, é possível ter um canal específico só para cor, outro só para reflexão da luz, outro só para relevo, e assim por diante.

Entre tantas texturas que um material envolve, destacaremos os mapas de reflexão da luz, também conhecidos como mapas especulares. Essas texturas possuem um aspecto bem característico, com nuances mais claras, exatamente nas regiões em que se quer mais reflexo.

Nos programas de modelagem e animação em 3D, existem parâmetros que podem ser configurados para receber esse tipo de imagem, assim suas informações serão usadas para gerar variadas intensidades de brilho no objeto ao qual o material está aplicado.

Essa é uma das grandes estratégias utilizadas no desenvolvimento gráfico dos games. Sua aplicação vai de personagens aos grandes cenários que compõem de maneira rica e complexa a maioria dos games atuais. As texturas de especularidade e reflexividade é que tornam possível o processamento e tamanho realismo.

O vídeo a seguir, mostra como utilizar a técnica

Até mais.

Anúncios

Iluminação em 3D

Olá, pessoal.

Hoje, falaremos um pouco sobre iluminação em 3D.

Iluminação, é algo complexo que se estende às mais variadas áreas artísticas, que vão de ilustrar uma tela a iluminar um palco para uma apresentação musical ou teatral. Uma parte considerável de produções artísticas envolve iluminação. Em Computação Gráfica não é diferente. Para criarmos uma cena em 3D, também precisamos iluminá-la. Para isso, os programas de modelagem e animação em 3D disponibilizam, além de lâmpadas, recursos para simular iluminação global, reflexos, sombras, radiosidade, entre outros.

É comum esses programas disponibilizarem lâmpadas do tipo ponto, que produzem uma iluminação uniforme em todas as direções; do tipo sol, que simulam a luz solar com mais intensidade em uma direção específica e do tipo spot, que diferentemente das citadas anteriormente, emitem luz em forma de cone, apontando em uma única direção.

Existem outros tipos de lâmpadas, que variam de programa para programa. Independentemente do tipo, todas elas podem ser configuradas quanto a sua cor, intensidade, posição, e etc.

Configurar a iluminação de um cenário em 3D, requer uma observação mais apurada do comportamento da luz no mundo real, pois, no mundo virtual, a luz cessa ao atingir um objeto, deixando de se propagar; enquanto que no mundo real, ela atinge os objetos que a reflete espalhando-a por todo o ambiente. Conseguir esse efeito em 3D envolve muitos testes, várias lâmpadas e alguns recursos, como iluminação HDR (High Dynamic Range) e ambient occlusion (oclusão de ambiente).

Cada cena, exige uma estratégia diferente. Algumas dependem de técnicas já desenvolvidas para apresentar um resultado satisfatório. Outras requerem testes, até atingir o aspesto desejado. A depender da quantidade de objetos existentes na cena, da sua disposição no espaço, dos materiais aplicados em suas superfícies, as lâmpadas podem ser configuradas de diversas maneiras diferentes, quanto ao tipo, posição, cor, intensidade e direção.

Nos próximos textos, abordaremos com mais detalhes algumas técnicas aqui citadas.

O vídeo a seguir, mostra como montar e configurar uma iluminação de três pontos, que é a iluminação utilizada em estúdios fotográficos e em alguns cenários de telenovelas.

Até a próxima!