Festival de Capoeira dos Jogos Estudantis da Rede Pública (Jerp)

Estudante-repórter: Tayline Alves

Olá, galera!

Neste vídeo, você vai conferir o Festival de Capoeira que faz parte dos Jogos Estudantis da Rede Pública (Jerp). O objetivo do Festival é divulgar, democratizar e qualificar a inserção da capoeira na Rede Estadual de Ensino.

 

SAM_3284
A estudante-repórter Tayline Alves. Foto: Raulino Júnior

 

Tayline Alves tem 17 anos, é estudante do Colégio Estadual Polivalente do Cabula, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil

Anúncios

JERP apresenta oficinas de caxixi e berimbau

DSC00318
Confecção de caxixi no Festival de Capoeira. Foto: Bira Mendes

Os Jogos Estudantis da Rede Pública (JERP) deram espaço à capoeira, nessa sexta feira, 4 de dezembro. No espaço, os visitantes poderam acompanhar oficinas onde instrutores ministravam aulas de confecção de caxixi e berimbau.

DSC00334
Contra Mestre Adriano Ferreira. Foto:Bira Mendes

Um dos instruntores era Adriano Ferreira da Silva, 29 anos, conhecido na capoeira como contra mestre Ratinho. “O Festival de Capoeira é resultado das politicas públicas que vêm abraçando cada vez mais a capoeira como parte da nossa cultura”, afirmou o Adriano, revelando a sua satisfação com o evento.

DSC00315
Adirlam Passos aluno de Capoeira.Foto: Bira Mendes

Adirlan Passos, 21 anos, foi um dos alunos de capoeira que participou das confecções de caxixi e berimbau. “ A capoeira é uma arte nossa, então eu acho que deveria ser implantada nas escolas, pois ajuda na educação e faz bem à sáude”, disse Adirlan.

SAM_3287
estudante-repórter Roniton Fernandes.Foto: Bira Mendes

Roniton Fernandes tem 18 anos, é estudante do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

Capoeira, uma riqueza cultural

Camila Vasconcelos na Roda de Capoeira. Foto: Bira Mendes
Camila Vasconcelos na Roda de Capoeira. Foto: Bira Mendes

Olá, galera!!

A Copeira é um patrimônio histórico que se expressam, ao mesmo tempo, a dança, os golpes, a brincadeira, o toque dos instrumentos, o canto, além de ser uma luta de resistência. No 4° Encontro Estudantil, acontece a Roda de Capoeira com a participação de vários agentes culturais, ligados a essas oficinas que busca a valorização de expressões artísticas e culturais afro-brasileiras.

Roda de Capoeira. Foto: Bira Mendes
Roda de Capoeira. Foto: Bira Mendes

Em entrevista com o Professor Carlos Fereira, ele nos conta o valor da capoeira na educação de crianças e adolecentes: “A capoeira como ferramenta de educação desenvolve a criatividade, alegria, ritmo, coletividade, ou seja, o espirito de partilha, por isso vejo como uma grande contribuição, não só pelo lado histórico, mas também ajuda a seguir as regras da vida”.

Entrevista com o professor Carlos Ferreira. Foto : Bira Mendes
Entrevista com o professor Carlos Ferreira. Foto : Bira Mendes

Muitos estudantes participam da roda e encontramos a professora Marcia Lucia, do Colegio Estadual Marcelo Dias, Base Naval, que trouxe seus alunos para participar das atividades: “ Nossos alunos estão bem enraizados com essa cultura e nosso papel é justamente elevar este o padrão cultural através da capoeira que está bem latente neles; eu sinto que eles se empoderam”.

A estudante Camila Vasconcelos, da Escola Municipal Pericles Reni de Souza , 11 anos, nos conta que a capoeira lhe oferece muitas coisas boas e acha importante porque divulga música da África .

A estudante-repórter Lucicarla Lima. Foto: Raulino Júnior
A estudante-repórter Lucicarla Lima. Foto: Raulino Júnior

Lucicarla Lima tem 17 anos, é estudante do Colégio Estadual José Tobias Neto, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

CAPOEIRA EM SALA DE AULA

A capoeira é uma manifestação cultural, com matrizes africanas apreendidas em território brasileiro. Considerando o período histórico em que os povos africanos eram sequestrados de sua terra natal para se tornarem escravos no Brasil, pode-se afirmar que este fato, do período colonial, assume significativa relevância na formação do povo brasileiro.

Compreender o processo histórico de formação de uma sociedade é importante para que se possa entender e intervir na realidade de forma consciente, crítica e criteriosa, visto que a função social da escola é contribuir para a emancipação humana e transformação/transmissão de saberes historicamente organizados pela humanidade.

A Educação Física é uma disciplina que compõe o núcleo comum do Ensino Médio, importantes conteúdos ficam sob a responsabilidade desta área do conhecimento, tais como: jogo, dança, ginástica, lutas, capoeira, esporte.

Neste texto, destaco a presença relevante da capoeira enquanto elemento importante no processo de formação do estudante. Destaco este conteúdo pela sua relevância histórica para a formação do povo brasileiro, assim como pela condição que a capoeira representa no contexto histórico. Analisar criticamente este percurso é um dos desafios que professores e estudantes precisam superar.

Apropriar-se da capoeira como elemento da nossa cultura, reconhecer seus mestres, suas bandeiras de luta, entender a orquestra da dança, música e movimento, esclarecer conceitos de capoeira angola e capoeira regional, o papel dos quilombos em seu contexto histórico-cultural, cantos que denunciam, anunciam e apontam caminhos para uma condição de autonomia e emancipação humana, com um olhar para o homem enquanto sujeito de sua própria história são elementos que esta arte, a capoeira, nos possibilita apreender.

De acordo com a referência do MEC, a competência de área 3 da Matriz de Referência de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias diz assim:

“Compreender e usar a linguagem corporal como relevante para a própria vida, integradora social e formadora de identidade”

Muitos são os fatores que tornam esta temática relevante para o currículo da educação física. A capoeira precisa ser trabalhada criticamente no espaço da escola. Sendo assim, deixo como sugestão o site do Ambiente Educacional Web – AEW, que é um espaço que reúne vários objetos educacionais que tratam desta temática e pode auxiliar o professor em sala de aula. Recomendo os links abaixo, mas vale ressaltar que o Ambiente Educacional Web possui um amplo acervo sobre esta temática, que pode contribuir com professor e estudante na caminhada de um entendimento mais crítico da capoeira no cenário contemporâneo.

 

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2097

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2098

ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/234

CONVERSA DE CAPOEIRA

Um vídeo com personalidades representativas da capoeira. O bate-papo permite ampliar o conhecimento sobre a história da capoeira, com olhares críticos dos desdobramentos desta prática corporal na sociedade.

Dividido em três partes, o vídeo contém muitas informações importantes para que professores e estudantes possam reconhecer e ressignificar sua identidade.  A sugestão é que ele seja trabalhado em partes para que o aproveitamento seja o mais completo possível.

Imagens e depoimentos dos grandes mestres da Capoeira, intervenção de historiadores, de músicos e diversos artistas. Conheça melhor a Capoeira, suas origens, sua importância na história e sua relação com a música.

A indicação feita, com base na proposta abordada neste material, é que este objeto seja trabalhado no ensino fundamental (séries finais) e/ou ensino médio.

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/229

Sendo a capoeira um importante conteúdo no currículo de Educação Física, este material que pode ser encontrado no reservatório de Objetos Educacionais (no Ambiente Educacional Web), a partir do link disponibilizado acima, assume sua relevância na possibilidade de instrumentalizar professores para que possam construir e praticar esta luta/ arte marcial, dando vez e voz à história brasileira.

Para garantir a qualidade da prática pedagógica, outros vídeos devem ser consultados para que a partir deles as aulas sejam planejadas de forma dinâmica, criativa e significativa. Ao acessar o link indicado, observe que temos outros conteúdos relacionados.

Vale a pena consultar e compartilhar este material.

A Capoeira nas Aulas de Educação Física

Olá, pessoal!

A capoeira é um elemento da cultura corporal, por isso deve compor o currículo da Educação Básica nas aulas de Educação Física, seja de forma interdisciplinar o que permitiria potencializar as possibilidades desta temática ou de forma disciplinar, o que é importante acontecer no espaço educacional é o diálogo da capoeira com a história do povo brasileiro, tendo como atores deste cenário educadores e estudantes.

A abordagem do conteúdo da capoeira nas aulas de Educação Física pode acontecer de diversas formas, a proposta apresentada neste link: http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2097 é uma dessas possibilidades. Trata-se de um dos diversos objetos educacionais que compõem o Ambiente Educacional Web (AEW), este Ambiente contempla diversos conteúdos de diversas disciplinas para a Educação Básica com ênfase no Ensino Médio.

O vídeo e a proposta de atividade do link acima citado estão indicados para o ensino fundamental II com possibilidade de adaptação para o Ensino Médio. Este material faz um breve relato sobre a capoeira no Brasil, sua importância para a formação e reconhecimento da identidade dos jovens. Também apresenta técnicas dos movimentos básicos da capoeira como, por exemplo: ginga, esquiva/ cocorinha / negativa, entre outros, relata também aspectos sobre a musicalidade e os instrumentos da capoeira.

Captura de tela em 2013-07-29 08:49:34

Em parceria a este vídeo temos um Guia Pedagógico, material muito rico com potencial de orientar as aulas sobre esta temática, ampliando a perspectiva do vídeo. Faz parte deste guia: sequência didática, proposta de atividades, indicações de filmes, sites entre outras.

Professores que não tem graduação de capoeira podem organizar aulas a partir deste material, adaptando a realidade da unidade de ensino e da turma.

Vale à pena consultar e compartilhar este material.

Cine PW – “Amistad” e “Besouro”

Salve, turma!

O PW convida a tod@s a assistirem duas belas obras sobre a escravidão, “Amistad” e “Besouro”.

“Amistad”

 

A história remonta ao ano de 1839 e é baseada em factos verídicos que ocorreram a bordo do navio La Amistad. O filme relata a luta de um grupo de escravos africanos em território americano, desde a sua revolta até seu julgamento e libertação.

Através desta trama de forte conteúdo emocional, é possível conhecer as condições de captura e transporte de escravos africanos para os trabalhos na América do Norte, a máquina jurídica americana de meados do século XIX e o germe das primeiras medidas para a abolição da escravatura naquele território.

“Besouro”

 

Bahia, década de 20. No interior os negros continuavam sendo tratados como escravos, apesar da abolição da escravatura ter ocorrido décadas antes. Entre eles está Manoel (Aílton Carmo), que quando criança foi apresentado à capoeira pelo Mestre Alípio (Macalé). O tutor tentou ensiná-lo não apenas os golpes da capoeira, mas também as virtudes da concentração e da justiça. A escolha pelo nome Besouro foi devido à identificação que Manuel teve com o inseto, que segundo suas características não deveria voar. Ao crescer Besouro recebe a função de defender seu povo, combatendo a opressão e o preconceito existentes.

Fontes: Wikipedia, Besouro o filme

Exposição Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade fica em cartaz até 30 de setembro

Mestre Camisa fundador do Abadá Capoeira na Urca - Crédito: André Cypriano

Mestre Camisa fundador do Abadá Capoeira na Urca – Crédito: André Cypriano

Interessados em conhecer um pouco mais da história da Capoeira no Brasil, desde seu surgimento no Brasil Colonial até os dias de hoje, terão mais tempo para conferir a exposição itinerante Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade, que encerraria no dia 19 de agosto e foi prorrogada até 30 de setembro. Composta por fotografias de André Cypriano acompanhadas de ilustrações de Debret e Auguste Earle, a exposição retrata centros de capoeira e capoeiristas de Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Nova York, San Francisco, Recife, Brasília, Olinda e Angra dos Reis. A mostra é uma realização da Aori Produções Culturais e tem o apoio da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia.

Com curadoria de Denise Carvalho, Diretora da Aori Produções Culturais, a mostra apresenta uma expografia que recria um ambiente de sala de capoeira com um assentamento para o Orixá Exu, entidade que deve ser cumprimentada antes de qualquer roda iniciar-se, uma fotografia do grande Mestre Pastinha, remontando um pequeno altar existente em diversos centros de ensino e prática da capoeira, além de instrumentos musicais e uma ambientação sonora típica das rodas.

O potencial educativo da exposição será explorado a partir de três atividades. No dia 23 de agosto, às 16h, uma roda de conversa sobre capoeira movimenta a Galeria Solar Ferrão. O evento conta com a participação de Mestre Dinei, do Grupo da capoeira Gingarte, Mestre Marcos Grito e Mestre Poloca, do Grupo Nzinga de Capoeira Angola, Mestre Molinha, do Grupo de Capoeira Angola Mingolos filhos da Mandinga, e do cineasta Lázaro Farias, autor do filme Roda do Mundo. No dia 11 de setembro, às 15h30, a etnomusicóloga Emília Biancardi, junto com um grupo de alunos, fará uma apresentação de Berimbaus. Já nos dias 13 e 20 de setembro, às 10h e às 14h, acontece o projeto Contação de Histórias, sob coordenação do arte-educador Ubirajara Santos. Com o tema Capoeira, a atividade é voltada para crianças com idade entre 06 e 12 anos e deve ser agendada previamente pelo telefone (71) 3116-6740.

 Serviço:

 O que: Exposição fotográfica Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade.

Onde: Galeria Solar Ferrão – Rua Gregório de Mattos, 45 – Pelourinho. Telefone: (71) 3116-6743

Quando: Até 30 de setembro. Visitação de terça a sexta das 12 às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 12h às 17h.

Programação educativa: Dia 23 de agosto, às 16h: Roda de conversa sobre capoeira; Dia 11 de setembro, às 15h30: Apresentação de Berimbaus; Dias 13 e 20 de setembro, às 10h e às 14h: Contação de história sobre a capoeira.

Gratuito

Realização: Aori Produções Culturais

Apoio: DIMUS/IPAC

Fonte: Pelourinho Cultural

Radionovela Mestre Bimba e Mestre Pastinha

Olá, Turma!

Convidamos vocês a conhecerem dois ilustres baianos: Mestre Bimba e Mestre Pastinha, que tanto contribuíram para a desmarginalização e valorização da capoeira.

Confiram aqui a radionovela produzida pelo IRDEB que conta a celebre história desses dois grandes mestres.

 

Em 1932, um período em que a perseguição à capoeira já não era tão acentuada, mestre Bimba, exímio lutador no ringue e em lutas de rua ilegais, fundou em Salvador a primeira academia de capoeira da história. Bimba, ao analisar o modo como diversos capoeiristas utilizavam suas habilidades para impressionar turistas, acreditava que a capoeira estaria perdendo sua eficiência como arte marcial. Dessa forma, Bimba, com auxílio de seu aluno José Cisnando Lima, enxugou a capoeira, tornando-a mais eficiente para o combate e inseriu alguns movimentos de outras artes marciais, como o batuque. Mestre Bimba também desenvolveu um dos primeiros métodos de treinamento sistemático para a capoeira. Como a palavra capoeira ainda era proibida pelo código Penal, Bimba chamou seu novo estilo de Luta Regional Baiana.

Em 1937, Bimba fundou o centro de Cultura Física e Luta Regional, com alvará da secretaria da Educação, Saúde e Assistência de Salvador. Seu trabalho obteve aceitação social, passando a ensinar para as elites econômicas, políticas, militares e universitárias. Finalmente, em 1940, a capoeira saiu do código Penal brasileiro e deixou definitivamente a ilegalidade. Começou, então, um longo processo de desmarginalização da capoeira.

Em pouco tempo a notoriedade da capoeira de Bimba demonstrou ser um incômodo aos capoeiristas tradicionais, que perdiam espaço e continuavam a ser malvistos. Esta situação desigual começou a mudar com a inauguração do Centro Esportivo de Capoeira Angola, em 1941, por mestre Pastinha. Localizado no Pelourinho, em Salvador, o centro atraía diversos capoeiristas que preferiam manter a capoeira em sua forma mais original possível. Em breve, a notoriedade do centro cunhou em definitivo o termo “capoeira angola” como nome do estilo tradicional de capoeira. O termo não era novo, sendo, já na época do império, a prática da capoeira apelidada, em alguns locais, de “brincar de angola” e diversos outros mestres que não seguiam a linha de Pastinha acabaram adotando-o.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Capoeira

Dica Cultural: Solar Ferrão recebe exposição que conta a história da Capoeira

Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade é uma exposição fotográfica itinerante, que já passou pelo Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo entre 2010 e 2011. Neste ano de 2012, com o patrocínio da Petrobras (via Lei Rouanet), a mostra foi exibida em Aracaju, Recife e agora poderá ser vista em Salvador, a partir de 13 de julho, às 18h, no Solar Ferrão. Realizada pela Aori Produções Culturais com o apoio da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, a exposição fica em cartaz até 19 de agosto.

A mostra apresenta fotografias de André Cypriano e é fruto da pesquisa para o livro homônimo – com textos de Rodrigo de Almeida e Letícia Pimenta – lançado em 2009. Os trabalhos resgatam a história da capoeira, desde seu surgimento no Brasil Colonial até os dias de hoje, ressaltando aspectos de promoção e valorização da cultura nacional, além de sua função de agregação social.

Quando: Abertura: 13 de julho, às 18h. Visitação: de 14 de julho a 19 de agosto; ter. a sex., das 12h às 18h; sáb., dom. e feriados, das 12h às 17h

Onde: Solar Ferrão (Pelourinho)

Quanto: Gratuito

Fonte: http://bibliotecapublicafpc.blogspot.com.br/2012/07/dica-cultural-solar-ferrao-recebe.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+BibliotecaPblicaDoEstadoDaBahia+%28Biblioteca+P%C3%BAblica+do+Estado+da+Bahia%29