Cultura Indígena Projetada

Uma sala de projeção, escura. Sinal de que uma sessão de cinema está prestes a começar. Contudo, não se trata de uma sessão comum, bem que poderia ser. Em poucos instantes, o público vai se deparar com produções audiovisuais realizadas e protagonizadas por povos indígenas. A situação narrada pode até parecer ficção, principalmente quando a gente pensa na realidade desses povos no nosso país, mas não é. A cena descrita aconteceu durante o Cine Kurumin, em Salvador, no último dia 13, quando o Palacete das Artes recebeu parte da programação do evento.

Fig. 1: cena de Caboclo Marcellino durante o Cine Kurumin. Imagem: Peterson Azevedo

Tendo a frase “Da minha aldeia vejo o mundo” como uma forma de provocar, a mostra chegou à 6ª edição com status de festival, promovendo bate-papos após as exibições dos filmes e rodas de conversa. O jornalista Sérgio Melo, 37 anos, que trabalha com produção multimídia e contribui com o Cine Kurumin desde que o projeto foi pensado, destacou aspectos importantes dessa modificação: “Não foi só conceitual, mas uma mudança mesmo de procedimentos. Até a edição passada, a gente era uma mostra. Transformando-se em festival, a gente traz, para além das exibições dos filmes, a participação maior dos realizadores. Em toda sessão, a gente tem um bate-papo e rodas de conversas, que estão acontecendo diariamente também. Além disso, tem a mostra competitiva, na qual os melhores filmes que foram exibidos serão premiados no final”.

Fig. 2: Sérgio Melo é um dos idealizadores do Cine Kurumin. Foto: Peterson Azevedo

De acordo com Sérgio, os indígenas participam de forma efetiva da organização do festival. “Existe essa preocupação para que os próprios indígenas sejam, não somente vistos no cinema, mas que também tenham a participação nesses processos autônomos de seleção dos filmes, pra que isso seja mais democrático possível”. Na verdade, foi com esse espírito que o projeto nasceu. “Surgiu com um trabalho que era desenvolvido com as aldeias indígenas, especificamente no Nordeste do Brasil, com produção audiovisual e inserção dos indígenas no mundo das novas tecnologias. Nesse trabalho, a gente fazia exibições de filmes. Essas exibições chamavam muito atenção das comunidades e a gente começou a perceber que, para além de exibir filmes, existia uma produção que estava sendo feita por essas comunidades, que também precisava ganhar esse espaço, para que fossem vistas por ouras pessoas”, analisa.

Fig. 3: Cecília Pataxó: “A iniciativa do Cine Kurumin é muito interessante”. Foto: Raulino Júnior

O espaço dado tem sido considerado relevante para os integrantes dos povos indígenas. Cecília Pataxó, 21 anos, estudante do Bacharelado Interdisciplinar em Saúde da Universidade Federal da Bahia, avalia de forma positiva o Cine Kurumin. “Eu acho muito interessante, porque a gente acaba retomando esses espaços, não só na área da educação, da saúde, mas também na área da comunicação, trazendo esse protagonismo de como são as aldeias, como a gente vive, como é nossa luta. Mostra, para as pessoas que não são indígenas, a dificuldade que a gente passa”.

Rede Anísio Teixeira no Cine Kurumin

O docudrama Caboclo Marcellino é resultado da formação em Interpretação Cênica e Produção de Vídeos, realizada pela Rede Anísio Teixeira em parceria com estudantes do Colégio Estadual Indígena Tupinambá de Olivença e com a comunidade da Aldeia Tupinambá. O filme foi feito com base no livro escrito pelo professor Katu Tupinambá. No vídeo a seguir, Nildson B. Veloso, professor e diretor do curta, fala sobre como foi o processo de produção, a participação dos indígenas nisso e a importância de contar a história de Marcellino.

O professor Geraldo Seara, diretor de fotografia da obra, destaca o caráter pedagógico dela e fala sobre como os educadores podem utilizá-la na sala de aula:

Eu não conhecia muito o Caboclo Marcellino. Ouvia a história dele, assim, por alto. Diziam que era um indígena arruaceiro, que fazia, acontecia, matava muita gente lá pelos lados de Olivença. Ver essa outra versão sobre ele é esclarecedor, necessário até”, avaliou Larissa Almeida, 29 anos, professora de História. Se você quiser assistir ao docudrama, acesse este link: ambiente.educacao.ba.gov.br.

Fig. 4: Larissa Almeida: “Essa outra versão sobre o Caboclo Marcellino é necessária”. Foto: Peterson Azevedo

A segunda parte do Cine Kurumin vai acontecer de 16 a 20 de agosto, na Aldeia Tupinambá, em Olivença, distrito de Ilhéus. Para saber mais informações, entre neste site: www.cinekurumin.com. Aproveite!

Texto/Produção/Entrevista: Raulino Júnior

Imagens: Peterson Azevedo

Operadores de Áudio: Geraldo Seara e Harrison Araújo

Edição: Thiago Vinicius

Anúncios

Vem aí, a VI FECIBA!

Olá!Tudo bem?

Hoje, vamos falar sobre um evento que vem acontecendo anualmente, em Salvador, desde 2011, e que tem apresentado excelentes resultados , frutos do trabalho de alunos e professores da Rede Pública de Ensino . Estamos falando da Feira de Ciências e Matemática da Bahia (FECIBA), promovida pela Secretaria de Educação do Estado da Bahia. A Feira de Ciências é resultado da realização das feiras escolares de Ciências, que se constituem na culminância das atividades desenvolvidas por meio dos programas estruturantes da Secretaria de Educação – Ciência na Escola, Gestar na Escola, Pacto pelo Ensino Médio e Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (Emitec)”.( Ascom/Secretaria da Educação do Estado da Bahia)

Veja o texto abaixo:

“O espaço escolar é um dos locais mais importantes de uma Nação. Profícuo para a formação e desenvolvimento de indivíduos cidadãos. Nele, professores talentosos constituem-se em mola propulsora da educação. Apresentam o universo escolar aos estudantes, naturalmente, entregam-se e interagem com a turma num misto de confiança, sorrisos, expertises, interesses e sentimentos. Medeiam o conhecimento, versam sobre vários conteúdos. Iniciam, firmam o alunado no mundo da ética, moral, regras e valores que estarão presentes no transcorrer de sua vida e cobrados ao longo de sua existência.” (Parte integrante da poesia ‘Dia 15 de outubro’)

 Então, é chegado o momento , vem aí a VI FECIBA, que ocorrerá nos dias 09, 10 e 11 de novembro do ano corrente, na Arena Fonte Nova, durante o 5.º Encontro Estudantil. Não dá pra ficar de fora!  Na Feira , você, seus colegas, seus  professores e sua escola apresentarão invenções ,resultantes da interação pedagógica ocorrida durante este ano letivo. Sugiro que você , aluno-cidadão,  mostre sua expertise através de projetos criativos mediados pela ética, moral, regras e valores.

O estudante da escola pública, Lucas Borges , que criou um eficiente sistema de segurança para fogões contra acidente doméstico, foi  premiado na Feira de Ciências da Bahia , em 2011, e no ano de 2012 venceu a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), no Campus da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).

Sugiro que assista ao vídeo, abaixo, Sistema de Segurança Contra Acidentes Envolvendo Panelas – Lucas Borges (Rede Anísio Teixeira – TV AT ).

Lucas Borges

Fig. 1 : Lucas Borges

O ano de  2015  teve o maior número de projetos registrados. Foram submetidos à FECIBA mais de 870 projetos,de 544 escolas. De acordo com o coordenador da Feira, Rogério Lima ,a expectativa para este ano é ultrapassar a marca do ano anterior: “Elaboramos um conjunto de ações, como videoconferências, workshops e seminários colaborativos para estimular a participação dos estudantes. Nossa proposta é fazer com que eles demandem dos professores e das unidades escolares o envolvimento com proposta da educação científica”.( Ascom/Secretaria da Educação do Estado da Bahia)

Fig. 2 - Vídeoconferência -IAT .Núcleos Regionais de Educação (NRE) com as Coordenações dos Projetos Estruturantes.

Durante a videoconferência, ocorrida no dia 30/08, no IAT – Instituto Anísio Teixeira, com o objetivo de estreitar a relação dos Núcleos Regionais de Educação (NRE) com as coordenações dos projetos estruturantes, a coordenadora do Programa Ciências na Escola – PCE,  Shirley Costa, falou que “o programa empodera o estudante no seu processo educacional, promove a  educação científica dos professores e estudantes, motiva-os a mudar a realidade em seu entorno.É um orgulho para o PCE saber que mais de 100 escolas, durante o mês de agosto, vêm realizando feiras escolares de ciências”.  Rogério Lima informou:  “Até dia 01/09/2016 ,acredito que já esteja no site da FECIBA o link para inscrição na Feira de Ciências e Matemática da Bahia”.

Outro fato importante é que os projetos submetidos à FECIBA, não precisam, necessariamente, que sejam apenas da área de conhecimento de ciências da natureza.

São perceptíveis as características interdisciplinares nos projetos. Estes  podem versar sobre várias temáticas,como por exemplo: projeto que fala sobre a identidade das comunidades quilombolas, de autoria das alunas Beatriz Santana e Tainá de Almeida, estudantes da rede estadual de ensino do município de Antônio Cardoso, interior baiano. Elas foram vencedoras da FECIBA- 2014 e da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – FEBRACE, com o trabalho sobre fortalecimento da identidade negra e quilombola na cidade. Atualmente, Tainá é estudante do curso de Direito da Universidade Federal da Bahia.

As estudantes apresentaram, também, o referido trabalho na “Intel Internacional Science and Engineering Fair”- EUA, maior feira de ciências do mundo.

Outro grande exemplo de projeto bem-sucedido é a criação de “um dispositivo que inviabiliza o acionamento de motos sem uso de capacete”, de autoria dos alunos  Poliana Mascarenhas e Marcelo Oliveira Pinto, estudantes do Colégio Estadual Polivalente , no município de Conceição do Coité, no semiárido baiano.

Então, fique atento, não perca a data para a inscrição dos trabalhos de sua escola! E boa sorte!

Ana Rita Medrado

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino.

 

Referências:

http://escolas.educacao.ba.gov.br/feciba1

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/05/alunas-da-rede-publica-levam-projeto-sobre-quilombolas-para-feira-nos-eua.html

http://www.secom.ba.gov.br/galeria/15333/126333/Videoconferencia-promove-articulacao-entre-IAT-e-Nucleos-Regionais-de-Educacao.html

 

Rede Anísio Teixeira Publica Trabalho Sobre Mídias Educacionais de Temas Transversais do Ambiente Educacional WEB na SBPC 2016

A 68 Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC com a temática Sustentabilidade, Tecnologias e Integração Social”  aconteceu entre os dias 04 a 08 de Julho na Universidade Federal do Sul da Bahia em Porto Seguro e a Rede Anísio Teixeira teve trabalho aprovado pela Associação Brasileira de Educação a Distância- ABED com a temática Utilização dos Recursos Educacionais do Ambiente Educacional WEB com ênfase na Aprendizagem Significativa para promoção da Educação Ambiental e Saúde apresentado pela Colaboradora e Pesquisadora Ana Cristina Rangel, da Área de Ciências da Natureza.

Estão catalogadas e disponíveis 343 e 197 Mídias Educacionais,licença livre relacionadas a Educação Ambiental e Saúde, respectivamente. Para avaliador, o objetivo do trabalho foi alcançado ao divulgar a proposta pedagógica de produção e compartilhamento de objetos de aprendizagem do Ambiente Educacional WEB através da divulgação e esclarecimentos dos tipos de mídias educacionais disponíveis. A partir de publicações que apresentem o AEW num evento como a SBPC para o conhecimento e acesso dos professores e estudantes do Brasil.

foto01Foto: ASCOM IAT.

Em articulação com as formadoras Tanara Freitas e Rosângela Barreto do Programa Ciência na Escola- PCE e Rede Anísio Teixeira renderam mais 02 publicações envolvendo pesquisa sobre Formação de Professores para Educação Científica , Utilização de Sequências Didáticas como recurso Pedagógico e Projetos de Pesquisa em Feira de Ciências na Rede Pública do Estado da Bahia.

foto02Fonte: ASCOM IAT

Os trabalhos foram apresentados, pelas Formadoras: Ana Cristina Rangel da Rede Anísio Teixeira e Tanara Freitas do Programa Ciência na Escola. Os projetos foram:

Sequências Didáticas como recurso pedagógico de Investigação na Formação Continuada de professores do Portal do Sertão.

E outro trabalho foi: Formação Continuada em Educação Científica para Educação Básica : Um relato de Experiência sobre a realização de Feiras de Ciências como estratégia de ensino para Alfabetização Científica.

Ambos os referidos trabalhos foram aprovados pela Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências – ABRAPEC.

A Presidente da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – FEBRACE, Roseli de Deus Lopes, marcou presença durante todo o período de exposição dos trabalhos. Enfatizou a importância de iniciativas como esta para consolidação da alfabetização científica no Estado da Bahia.

IMG_7742

Fonte: ASCOM IAT

Rede AT em Ação!

formacao-apropriacao

No dia 16 de maio,  no Instituto Anísio Teixeira, foi ministrada pelos educadores da Rede AT a sexta Formação em Apropriações Tecnológicas no Ensino e na Aprendizagem, durante a VIII Etapa Intermediária da LICEEI/UNEBLicenciatura Intercultural em Educação Escolar Indígena, com o objetivo de contribuir para a melhoria da educação básica.

A formação contou com um público muito especial de 65 participantes, todos licenciandos do curso interdisciplinar da UNEB e pertencentes a diversas etnias indígenas como: Kantareré, Pankararé, Kaimbé, Tupi,Tumbalalá, Xucuru Kariri, Tuxá ,Kiriri, Tupinambá de Olivença, Pataxó dentre outras.

A Rede AT valida um movimento que  luta contra a exclusão e busca fomentar o conhecimento democrático e solidário na tentativa de ampliar alternativas para novos aportes no contexto educacional do Estado da Bahia, cuja  iniciativa está  na fusão da aquisição do conhecimento e da informação aliada à apropriações tecnológicas críticas, lúdicas, contextualizadas e colaborativas.

Na ocasião foram desenvolvidos estudos epistemológicos sobre a Teoria da Aprendizagem Significativa (TAS) – David Paul Ausubel; REA – Recursos Educacionais Abertos; Licenças Livres e apresentação do  AEW – Ambiente Educacional WEB, Blog do Professor WEB  e TV Anísio Teixeira.

Foram apresentados: o AEW , bem como sua utilização nos processos de busca , pesquisa e catalogação de conteúdos digitais; o Blog do PW, onde são  compartilhados  conteúdos educacionais e realizadas publicações diárias com assuntos direcionados à comunidade escolar, divididos em temas transversais e áreas do conhecimento, além de notícias relacionadas à educação e ao cenário cultural da Bahia e do Brasil; a TV AT, formação e produção de mídias educacionais.

A Formação foi desenvolvida através de uma atividade lúdica, tendo como mote o conhecimento inter e transdisciplinar, balizado pelos PCNs, a partir de uma dinâmica que ampliou esse diálogo gerando interação entre educadores e participantes.

Os participantes mostraram-se bem receptivos durante todas as discussões, por compreender a dimensão dessa ação para o processo democrático e equitativo na busca da  informação e do conhecimento.

Assista ao vídeo do Cacique Ramón, da etnia Tupinambá de Olivença.

 

A Rede Anísio Teixeira fechou com chave de ouro o primeiro semestre de 2016,com a Formação em  Apropriações Tecnológicas no Ensino e na Aprendizagem, ocorrida no dia 09 de junho, no Colégio Estadual de Praia Grande/Periperi( Subúrbio Ferroviário de Salvador) , onde foram atendidos 22 cursistas, lotados nas seguintes unidades escolares: Colégio Estadual de Praia Grande, Colégio Estadual Nelson Mandela, Colégio Estadual Sete de Setembro, Colégio Estadual Barros Barreto, Colégio Estadual Professor Carlos Barros, Colégio Estadual Maria Odete, Colégio Estadual Professora Maria Anita.

Outras formações foram realizadas pela Rede Anísio Teixeira em 2016, através do grupo de trabalho de Formação em  Apropriações Tecnológicas no Ensino e na Aprendizagem. Foram atendidos os Projetos Estruturantes: Pacto , Gestar , PCE – Programa Ciência na Escola; a SUPED – Superintendência de Educação Básica; o CJCC – Centro Juvenil de Ciência e Cultura. O grupo de trabalho ministrou palestra no Encontro com os articuladores do JERP – Jogos Estudantis da Rede Pública.

foto-formacao-ap

Fotos – Vítor Moreira

 

Até o próximo!

Ana Rita Esteves Medrado

Professora da Rede Pública de Ensino da Bahia.

Etimologia, curiosidades e afins

Oi, pessoal! Tudo bem? Hoje, o nosso papo será sobre a origem das palavras. Como vocês sabem, tudo tem uma origem, não é? A família da qual vocês fazem parte, a escola na qual estudam e até o nome com o qual foram registrados. A propósito, vocês já fizeram uma pesquisa para saber a origem e significado dele? É uma atividade bem interessante e prazerosa. Enfim, vamos voltar a falar sobre o assunto que motivou este texto.

Imagem capturada do site Origem da Palavra.

Imagem capturada do site Origem da Palavra.

Etimologia, de acordo com o artigo A Etimologia, um estudo que encanta, do professor e etimólogo Miguel Barbosa do Rosário, “é a disciplina que busca estabelecer a origem formal e semântica de uma unidade lexical”. Ou seja, a Etimologia busca, através da raiz da palavra e dos aspectos históricos, geográficos e sociológicos, desvendar por que tal palavra tem o significado que carrega e como ela se formou. Isso é fruto de muita pesquisa!

O site Origem da Palavra é um bom espaço para conhecer um pouco mais sobre Etimologia. Nele, o internauta tem acesso ao Consultório Etimológico, no qual pode pesquisar a origem de qualquer palavra, através do envio de perguntas. A equipe do site responde com muita rapidez. Há também seções que utilizam a literatura para discutir questões etimológicas, como a X-8 Detetive Etimológico e a Conversas com meu avô. Passem lá!

Outra dica é a proposta de aula O que é etimologia?, constante no site Portal do Professor, do Ministério da Educação. De autoria da pedagoga Denise Leipziger, a aula foi pensada para estudantes do Ensino Fundamental, mas pode, com adaptações, ser utilizada para as turmas do Ensino Médio. É isso aí!

Até o próximo!

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino

De ponto em ponto e de tecla em tecla

Hoje, estamos iniciando uma semana temática aqui no blog. O assunto da vez é Educação Especial. Vamos refletir sobre isso? Fique à vontade para discutir com a gente, através dos comentários. A sua participação é muito importante!

O Sistema Braille (SB) é um código universal de leitura tátil e escrita, utilizado por pessoas com deficiência visual. Ele foi criado pelo francês Louis Braille, em 1825. No Brasil, foi adotado em 1854, de acordo com informações do Ministério da Educação (MEC). O SB trouxe ganhos significativos para a educação, pois possibilitou uma integração mais ampla das pessoas com deficiência visual na sociedade.

Em 2006, o MEC publicou, através da então Secretaria de Educação Especial (atual Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão – Secadi), o documento Grafia Braille para a Língua Portuguesa, que contém informações importantes para quem deseja se aprofundar na temática. Ela, a grafia, foi aprovada pela portaria n.º 2.678, de 24 de setembro de 2002. Da publicação, vale a pena destacar o apêndice que trata sobre a escrita braille em contexto informático, na página 67.

O Instituto Benjamin Constant, pioneiro no assunto, possui um vasto material em vídeo, texto e áudio falando sobre braille. Nesse sentido, vale a pena também conhecer o site Braille Virtual, vinculado à Universidade de São Paulo (USP), que oferece, gratuitamente, um curso de braille. Em abril de 2013, também fizemos menção a esse site, através do texto Deficiência Visual e Literatura – O livro com duas escritas. No Ambiente Educacional Web (AEW), o vídeo Programa Especial- Recursos para pessoas com deficiência visual, esclarece mais pontos sobre o tema. Quem é da área de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, pode aproveitar o material Grafia Química Braille para Uso no Brasil, que também está no AEW.

Até o próximo!

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino

Por que devo aprender Matemática?

Olá, pessoal! Tudo beleza? Sou André Soledade, professor de Matemática da Rede Estadual e, acreditem ou não, a pergunta que os alunos mais me fazem é: “Por que devo aprender Matemática?”. Pensando nessa indagação, resolvi responder a essa pergunta de uma vez por todas!

Acreditem! Desde os tempos mais remotos, o homem utiliza a matemática para facilitar a sua vida e organizar a sociedade. Há registros da sua utilização pelas sociedades egípcia e grega na construção de templos, pirâmides, diques, canais de irrigação, arenas e estudos da astronomia. Nos dias de hoje, a Matemática está presente em tudo ao nosso redor, desde o projeto urbanístico de uma praça até a complexidade que envolve o lançamento de um foguete. Tudo isso, descrito através de equações, relações, funções e gráficos matemáticos!Sendo assim, podemos afirmar que esta bela ciência está presente em todas as profissões, sendo que em algumas, ela é a principal ferramenta.

Imagem: Josymar Alves

Imagem: Josymar Alves

Na engenharia e a arquitetura, por exemplo, a Matemática é de fundamental importância, é através de conceitos elementares como ponto, reta, plano e figuras espaciais como: prismas, cilindros, cubos e outros, que o arquiteto une os seus conhecimentos na área de humanas e arte aos de exatas, colocando a sua criatividade a prova para desenvolver belíssimos projetos. O papel do Engenheiro Civil é tornar essa criação uma realidade. Ele é responsável por elaborar e acompanhar todas as etapas de execução desse projeto, utilizando, para isso aptidões múltiplas, como o domínio do Cálculo, desenhos intuitivos, técnicas de construção, leitura e produção de relatórios.

Além da Engenharia e Arquitetura, a Matemática também está presente em áreas como o Direito, Administração, Agronomia, Cinema, Contabilidade e Música.

Música? Como Assim? Verdade! Os músicos, com freqüência, usam a matemática para entender a estrutura musical, as escalas e as características do som como timbre, altura e intensidade, sendo que alguns compositores incorporaram a proporção áurea e o número de Fibonacci em seu trabalho. No jazz, por exemplo, há músicos que usam esses números na divisão rítmica e dos compassos.

Até mesmo nas profissões da área de saúde, encontramos vários exemplos de aplicação da Matemática. No planejamento terapêutico, as dosagens dos medicamentos prescritos pelo médico são calculadas utilizando equações diferenciais, que determinam quando um medicamento atinge a sua meia-vida na corrente sanguínea do paciente, fornecendo, assim, a periodicidade que o medicamento deve ser administrado. Nos procedimentos cirúrgicos de diversas doenças, a Matemática ajuda no desenvolvimento de modelos que facilitam nas tomadas de decisões durante a operação, minimizando os erros médicos. Nas clínicas de fertilização, o uso da teoria das probabilidades permite determinar as chances de se obter sucesso no processo de inseminação artificial, fornecendo dados para que os médicos avaliem se vale ou não a pena submeter a paciente ao procedimento, tendo em vista que fatores como idade, massa corporal e níveis hormonais dos pais influenciam nesses números.

Para finalizar, os modelos matemáticos também permitem descrever de forma quantitativa fenômenos biológicos, tais como epidemias e pandemia, cujas taxas de crescimentos obedecem a funções exponenciais. O estudo desses modelos ajuda a prever o crescimento e o impacto destas epidemias, bem como elaborar planos de ação para o seu controle.

Legal, não é? Bem, acho que finalmente respondi a essa pergunta! Mas, se você quiser aprender um pouco mais sobre a utilidade da Matemática nas profissões, não perca tempo!

Acesse agora o AEW e assista: http://bit.ly/1QGwNU5.

Referências:

http://www.ebb.com.br/mostrar_noticia.php?ref=13597

http://www.descomplicandoamusica.com/matematica-na-musica/

http://www.somatematica.com.br/mundo/profissoes.php

http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2014/04/matematica-na-cabeca

André Soledade

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino