Dieta vegetariana e dieta onívora: diversidade de hábitos alimentares

Comer é uma necessidade básica de todo ser humano. Para realizar as atividades diárias, é imprescindível ter energia, que é adquirida através dos nutrientes dos alimentos. Por diversas razões, inclusive socioculturais, as pessoas se alimentam de formas diferentes. O propósito da discussão levantada aqui não é colocar na mesa a problemática social do nosso país, com toda a sua injustiça e má distribuição de renda. O prato do dia são as diferentes dietas que fazem parte dos hábitos alimentares dos seres humanos. Você já pensou sobre isso?

Fig. 1: hábitos alimentares na mesa. Arte gráfica: Augusto Mattos.

Para começar, é preciso diferenciar o que é dieta vegetariana e dieta onívora. O vegetarianismo, que é uma prática que exclui da alimentação qualquer derivado de origem animal, tem muitas variações. Há pessoas que são vegetarianas, mas consomem ovos, leite e laticínios (ovolactovegetarianos), ovos (ovovegetarianos) e leite e latícinios (lactovegetarianos). Os veganos ou vegetarianos estritos rechaçam tudo que evidencia a exploração de animais. Eles não usam roupas de lã nem de couro e produtos que foram testados em animais, por exemplo. Por isso, o veganismo é tratado como um estilo de vida.

Já a dieta onívora, que é mais comum, é praticada por animais que se alimentam de vegetais e animais. Portanto, é incorreto dizer que o ser humano é carnívoro. Somos onívoros. Carnívoros são animais que só se alimentam de carnes.

Diante de tudo que foi exposto, algumas perguntas precisam ser feitas: existe uma dieta mais saudável que a outra? Entre os especialistas, não há consenso sobre isso. Qual é a sua opinião sobre a dieta onívora e a vegetariana? Você segue qual dieta? Conta pra gente! O mais importante é ter práticas alimentares saudáveis, que garantam uma nutrição equilibrada.

Para complementar os seus conhecimentos, assista ao episódio sobre diversidade de hábitos alimentares, da série temática Diversidades, que integra o programa Intervalo, produzido pela Rede Anísio Teixeira.

Até o próximo!

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Anúncios

Vai uma tapioca aí?

blogger 5

Imagem  Comunidade Quilombola – As Mulheres em atividade (produção de tapioca). Por: Eny Silva, Caroline Tonete Gomes e Flávia Germano

Falar de tapioca é lembrar de mandioca, é falar de Nordeste, é falar um pouco da nossa alimentação. Se existe um ingrediente muito utilizado, esse certamente é a mandioca, presente em muitos pratos típicos do Nordeste . Ela possui uma importância cultural e histórica muito grande, podendo ser classificada pela quantidade de ácido cianídrico – mansa (macaxeira ou aipim) ou brava (venenosa), uma raiz nativa da Amazônia brasileira e, segundo a Embrapa, existem quase 250 variedades de mandioca.

O cultivo da mandioca começou na bacia do amazonas por diversas tribos indígenas. Se espalhou aos poucos pela América do Sul (Venezuela e as Guianas) e, em seguida, na América Central e do Norte. Conta a lenda que, nos tempos indígenas, existia uma indiazinha chamada Maní, que nasceu branca e morreu com apenas um ano de idade. Foi enterrada dentro de sua oca, que tinha o nome de “maní-oca”. De sua sepultura, brotou uma planta, que hoje chama-se mandioca e está na base da alimentação brasileira. A mandioca teve grande importância no tráfico negreiro. Os navios que retornavam para a África  levavam farinha de mandioca como uma das moedas de troca. Ela teve papel essencial na alimentação dos índios nativos, dos portugueses e dos bandeirantes, na época das expedições pelo interior do país.

A importância histórica e cultural da mandioca está justamente no fato de ela ter sido a base de sustento das pessoas durante a colonização do Brasil. Versatilidade é uma característica marcante da mandioca, desde a folha até a raiz, tudo é aproveitado. Produz uma ampla lista de subprodutos. Tudo começou com os índios, pelo fato de terem o primeiro contato, desenvolvendo  outros usos para a mandioca. Conseguiram consumir sem perigo a espécie “brava”, tirando o seu veneno através do cozimento por um bom tempo. A mandioca mata a fome de milhares de pessoas, principalmente as que moram em áreas rurais. É um produto barato e popular, preparado de diversas maneiras e base de inúmeros pratos da nossa cozinha. Chamada pelos portugueses de “farinha de pau”. Uma boa mandioca deve soltar a casca com facilidade, ser  branca e qualquer mancha escura é sinal  de doença ou contaminação.

Presente na mesa do brasileiro e, principalmente, do nordestino, a mandioca é descrita por várias pessoas como: “Pão de cada dia” e “mãe do povo brasileiro”. Ingrediente  marcante e de grande importância, representa o Brasil e o Nordeste na história, na cultura  e na gastronomia. Milhares de pessoas sobrevivem por causa da mandioca, ora plantando, cultivando ou se alimentando. Podemos afirmar com certeza de que a prática do seu cultivo e seus derivados influenciaram a cultura  e a formação gastronômica no nordeste do Brasil.

E aí, ainda vai uma tapioca?

Josenir Hayne Gomes.

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia.

Links consultados:

http://www.petitgastro.com.br/mandioca-de-norte-a-sul-do-pais/

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/alimentacao_cultura.pdf

 

Cine PW: Muito Além do Peso

Salve, salve, turma!

 Vocês já pensaram sobre a qualidade dos alimentos que consumimos e de que forma eles ajudam ou prejudicam a nossa saúde?

Para refletir sobre o assunto, o Cine PW indica o documentário Muito Além do Peso.

O documentário Muito Além do Peso foi lançado em novembro de 2012, em um contexto de amplo debate sobre a qualidade da alimentação das nossas crianças e os efeitos da comunicação mercadológica de alimentos dirigida a elas. O filme é fruto de uma longa trajetória da Maria Farinha e do Instituto Alana na sensibilização e mobilização da sociedade sobre os problemas decorrentes do consumismo na infância.

Em 2008, o documentário Criança, a alma do negócio alertou para o resultado devastador dos apelos de mercado voltados ao público infantil e propôs uma reflexão sobre questões como ética e responsabilidade de cada ator social na proteção da criança frente às relações de consumo. Muito Além do Peso mergulha no tema da obesidade infantil ao discutir por que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria, a publicidade, o governo e a sociedade de modo geral. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo.

Fonte: Muito Além do Peso.

 

Com a saúde não se brinca: Ginga – Corpo e Cultura!

Olá, turma! Tudo bem?

Hoje falaremos de um assunto muito sério!

O cuidado com a alimentação não é uma questão de moda ou desnecessária como alguns ainda pensam, mas sim de saúde pública.

Inúmeras são as doenças provocadas por hábitos alimentares inadequados, e a principal delas é a obesidade, que é o acúmulo excessivo de gordura corporal. Se fizermos uma breve reflexão sobre o que comemos e quais as consequências de nossas escolhas, certamente concluiremos que poderíamos ter mais qualidade de vida se fossemos mais atentos a elas.

Na atual sociedade o alimento, mais que uma necessidade (pois são eles que nos mantêm nutridos e nos dão a energia que precisamos), tornou-se também uma forma de criar conceitos do que é bom ou não consumir, como nas propagandas de fast food, que atraem com estratégias muito “bem” elaboradas, tais como distribuição de brindes e similares a consumidores que, em geral, são crianças, e aí é onde está o perigo.

Ao crescer com uma educação alimentar desregrada, tanto em casa como nos diversos núcleos de convivência, estas crianças não têm a oportunidade de obtenção da consciência do que favorece ou não a sua qualidade de vida.

Visto que esse é um tema de extrema importância, precisando ser discutido por todos(as) nós, a TV Anísio Teixeira disponibiliza para a comunidade escolar no Ambiente educacional Web, o programa Ginga – Corpo e Cultura”, que aborda esse e outros temas importantes, fornecendo “informações sobre anatomia e fisiologia humana, além de dicas de qualidade de vida. A série defende a cultura corporal e esportiva como uma prática que colabora para a saúde.”

Confiram o episódio especial sobre a obesidade e distúrbios alimentares: clique aqui!

Esperamos, então, que tais conteúdos colaborem para uma plena tomada de consciência: corpos e mentes sãs, pessoal!

Abraços!

Fonte: http://ambiente.educacao.ba.gov.br/