O retorno da máquina de ensinar?

Atualmente, muitos cursos on-line e programas de aprendizagem promovem a interação entre o aprendiz e o conteúdo a ser aprendido sem a intermediação de um professor. Mas, você sabia que no século passado professores já foram substituídos por máquinas de ensinar?

KONICA MINOLTA DIGITAL CAMERA

 Figura 01: Maquina de ensinar de Skinner Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/18/Skinner_teaching_machine_01.jpg

Conheça a Máquina de Ensinar de Skinner (Figura 01), importante psicólogo e pesquisador educacional americano e um dos principais defensores do behaviorismo, assistindo ao vídeo disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=vmRmBgKQq20

Segundo o próprio Skinner no vídeo, as características da máquina de ensinar  são descritas assim:

  • o estudante está livre de indecisão ou ansiedade sobre seu sucesso ou falha;
  • leva mais rapidamente a formação do comportamento correto;
  • seu trabalho é prazeroso;
  • ele não tem que forçar para estudar;
  • fornece um relatório para o aluno da adequação da sua resposta;
  • o aluno é livre para se mover no seu próprio ritmo… o estudante rápido completa o material em um tempo mais curto…mas, o estudante mais lento, ao ter mais tempo para estudar, completa o mesmo espaço;
  • cada estudante segue um programa cuidadosamente planejado;
  • pistas auxiliadoras, sugestões e comandos maximizam a chance de que ele estará correto.

A máquina de ensinar foi descrita na obra “A Ciência da Aprendizagem e a Arte de Ensinar”, publicada na Harvard Educational Review, 1954, vol 24, nº 2, pp. 86-97 e em Current Trends in Psychology and the Behavioral Sciences, University of Pittsburgh Press, 1954. Muitas críticas foram direcionadas para este modelo mecanizado de educação, chamado de “Ensino Programado”, resultando na rejeição ao uso da máquina que não chegou a ser utilizada de modo sistemático nas escolas americanas. Porém, os princípios aplicados influenciaram muitos programas educacionais em vários países, incluindo no Brasil.

Hoje, mais de sessenta anos depois, em pleno contexto de inserção das tecnologias da informação e comunicação na educação, provavelmente você já ouviu falar ou mesmo teve a oportunidade de participar de programas on-line de preparação para o Enem ou cursos a distância que apresentam questionários on-line e outros recursos que auxiliam na aprendizagem de conteúdos. Destacam-se, nesse sentido, os MOOCS, cursos on-line, massivos e abertos.

Tais programas, usualmente, apresentam como características:

  • as atividades são programadas previamente e de modo que suas chances de aprovação sejam maximizadas;
  • o aluno, estudante, aprendiz, é livre para adotar um ritmo de estudo que seja mais confortável;
  • alguns cursos e programas de ensino não apresentam a figura do professor para mediar os processos de ensino e de aprendizagem;
  • relatórios de desempenho são produzidos de acordo com as respostas aos questionários e atividades e servem de referências para a programação das próximas etapas.

É claro que o desenvolvimento tecnológico permite o uso de recursos que possibilitam várias abordagens didáticas, muito mais dinâmicas e interativas do que a máquina de Skinner. Entretanto, será que estamos diante do retorno da Máquina de Ensinar em uma versão atualizada? O professor, mais uma vez, está sendo substituído? O que você pensa sobre isso?

Leia mais sobre esse tema em:

https://www.ufrgs.br/psicoeduc/behaviorismo/maquina-de-ensinar-de-skinner-1/

Sobre educação a distância, recomendamos:

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/3940

http://www.educacao-a-distancia.com/moocs-mudarao-a-educacao-a-distancia-ead/

Anúncios

Escola e Cidadania

Estamos em um momento político bastante conturbado e, entre tantas interrogações sobre o destino do país, cabe pensar também em quem somos nós e como se dá nossa participação neste cenário. E, especificamente pelo tipo de leitores que temos, refletir sobre o papel dos professores e estudantes nesse processo.
A escola é uma das instituições sociais que deve se comprometer com a formação cidadã, definida como um dos princípios básico da vida desde a constituição de 1988. Nenhum novo projeto como “escola sem partido” poderá negar-lhe esta tarefa.
Sabemos que cabe à escola formar pessoas bem informadas, críticas, criativas e capazes de atuar decisivamente na sociedade; sim, todos sabemos, mas em que situações trabalhamos em prol deste objetivo que tanto valorizamos? As atitudes dos nossos estudantes, nas escolas ou nas manifestações políticas surgem como reflexo deste trabalho?
A ideia de “formar cidadãos” se propaga largamente e, se não apurarmos os sentidos, muito mais que os ouvidos, somos capazes de pensar que todas elas atuam exatamente do mesmo modo e para a mesma finalidade. Isso porque os discursos coincidem de jeito espantoso. Grande parcela dos educadores acaba fazendo um trabalho intuitivo já que a cidadania não ocupa nos projetos didáticos o lugar que merece. Em geral, a prática contraria a teoria. “Formar cidadãos” é uma expressão que exprime conceitos importantíssimos, mas deslocada do contexto histórico e teórico em que foi pensada, reduz-se a um simples jargão. Cidadania é essencialmente consciência de direitos e deveres e exercício da democracia: direitos civis,direitos sociais, direitos políticos, etc. Cidadania numa concepção mais ampla, se manifesta na mobilização da sociedade para a conquista de novos direitos e na participação direta da população na gestão da vida pública. Se uma instituição de ensino não reconhece a cidadania como um valor, certamente não educa para a vida em sociedade.

cidadania-adeliateixeira
Há, entretanto, escolas que estão envolvidas nesta tarefa, muito atentas, portanto para a dimensão política de seus currículos e seus projetos educativos. Todo projeto de educação é, afinal, ao mesmo tempo, político e pedagógico. Como diz Moacir Gadotti, professor titular da Universidade de São Paulo, “Na verdade o pedagógico já é político. Contudo, para realçar o caráter político do projeto pedagógico é que inserimos o adjetivo “político”. É assim que se cria uma alternativa a um projeto com visão meramente burocrática e técnica.
Para orientar os futuros cidadãos rumo ao seu desenvolvimento como seres de direitos e deveres é fundamental planejar a construção de meios intelectuais, de saberes e de competências que são fontes de autonomia, de capacidade de se expressar, de negociar, de mudar o mundo. E este exercício começa muito cedo, desde a educação infantil, prolongando-se no Ensino Fundamental e Médio, sempre que se estimule a participação e tomada de decisão em diversos movimentos da escola.

Um Ser de Luz…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Fonte: Wikipedia

Num universo com turbilhões de informações e acontecimentos se torna cada vez mais desafiador ser estudante, ao tempo em que se torna mais e mais necessária a compreensão do mundo em que vivemos através do conhecimento construído no espaço escolar. O aluno,  (do latim alumnus, alumnié) ou discente é o indivíduo que recebe formação e instrução de um ou vários professores ou mestres para adquirir ou ampliar seus conhecimentos. No entanto, se estamos querendo dizer de alguém capaz de guiar seus passos para sua construção pessoal (quiçá profissional) podemos chamar este ser de Estudante. Ele é, sim, um ser de luz, pois, através dele, fatos e coisas são elucidados pela sua curiosidade e vontade de desbravar outros mundos. Como chamar   esse ser de pessoa sem luz? Como disse Paulo Freire

O aluno não é uma folha de papel em branco onde o professor irá escrever novos conteúdos”, ele traz consigo o interesse pelas coisas e nós professores devemos agir como mediadores para que essa busca da aprendizagem se dê de forma significativa. 

Existe uma esperança de que um dia esse 11 de agosto, quando se comemora o dia do Estudante, seja de celebração na escola e que o estudante esteja lá mesmo, no seu espaço de trabalho e convivência, faça questão de lá estar, comemorando um dia de mais aprendizado e não que se faça deste um dia de “bônus” por não estar ali dentro do espaço onde aguça a sua curiosidade que é a Escola ou qualquer outro lugar que traga essa experiência. O espaço do conhecimento tem que ser um local acolhedor e atrativo fazendo com que este estudante queira estar ali da mesma forma que queria estar numa praia, cinema, festa por exemplo. É equivocado o pensamento de descanso da escola, pois, se é um local alegre não pode ser motivo de distanciamento.

Salve o Estudante!!!

Que esse ser sempre nos ilumine com suas ideias e descobertas

Nildson B. Veloso

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Rede Anísio Teixeira Publica Trabalho Sobre Mídias Educacionais de Temas Transversais do Ambiente Educacional WEB na SBPC 2016

A 68 Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC com a temática Sustentabilidade, Tecnologias e Integração Social”  aconteceu entre os dias 04 a 08 de Julho na Universidade Federal do Sul da Bahia em Porto Seguro e a Rede Anísio Teixeira teve trabalho aprovado pela Associação Brasileira de Educação a Distância- ABED com a temática Utilização dos Recursos Educacionais do Ambiente Educacional WEB com ênfase na Aprendizagem Significativa para promoção da Educação Ambiental e Saúde apresentado pela Colaboradora e Pesquisadora Ana Cristina Rangel, da Área de Ciências da Natureza.

Estão catalogadas e disponíveis 343 e 197 Mídias Educacionais,licença livre relacionadas a Educação Ambiental e Saúde, respectivamente. Para avaliador, o objetivo do trabalho foi alcançado ao divulgar a proposta pedagógica de produção e compartilhamento de objetos de aprendizagem do Ambiente Educacional WEB através da divulgação e esclarecimentos dos tipos de mídias educacionais disponíveis. A partir de publicações que apresentem o AEW num evento como a SBPC para o conhecimento e acesso dos professores e estudantes do Brasil.

foto01Foto: ASCOM IAT.

Em articulação com as formadoras Tanara Freitas e Rosângela Barreto do Programa Ciência na Escola- PCE e Rede Anísio Teixeira renderam mais 02 publicações envolvendo pesquisa sobre Formação de Professores para Educação Científica , Utilização de Sequências Didáticas como recurso Pedagógico e Projetos de Pesquisa em Feira de Ciências na Rede Pública do Estado da Bahia.

foto02Fonte: ASCOM IAT

Os trabalhos foram apresentados, pelas Formadoras: Ana Cristina Rangel da Rede Anísio Teixeira e Tanara Freitas do Programa Ciência na Escola. Os projetos foram:

Sequências Didáticas como recurso pedagógico de Investigação na Formação Continuada de professores do Portal do Sertão.

E outro trabalho foi: Formação Continuada em Educação Científica para Educação Básica : Um relato de Experiência sobre a realização de Feiras de Ciências como estratégia de ensino para Alfabetização Científica.

Ambos os referidos trabalhos foram aprovados pela Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências – ABRAPEC.

A Presidente da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – FEBRACE, Roseli de Deus Lopes, marcou presença durante todo o período de exposição dos trabalhos. Enfatizou a importância de iniciativas como esta para consolidação da alfabetização científica no Estado da Bahia.

IMG_7742

Fonte: ASCOM IAT

Educação não é privilégio! É direito!

Há algumas instituições que levam o nome de um grande filósofo e educador baiano nascido em 1900. Na sua cidade natal, Caetité é feriado dia 12 de julho. Vou te dar umas dicas pra ver se você acerta quem ele é!

O contexto histórico e os momentos mais significativos da trajetória dele em prol da educação brasileira ocorreram entre os anos de 1924 e 1964. Foi um período de profundas  transformações sociais, na ciência, na economia, na política, na educação, na moral e nos costumes. Ocorreram grandes mudanças, gerando inquietações e luta pela emancipação econômica e cultural do país. Buscavam-se as raízes da identidade e cultura brasileiras, “manifestadas através de todo um conjunto de esforços empreendidos para a superação dos problemas econômicos, educacionais e sanitários que afetavam a população de um vasto território, através de um projeto de transição para a modernidade que fosse capaz de promover a democracia social, de romper com a dependência econômica e cultural externa e de reconstruir a sociedade brasileira através da educação.” (SCHIMID, 2016)

Demerval Saviani tem uma síntese bem interessante sobre  ele:

“Educador progressista; discípulo de Dewey; admirador da cultura e educação americanas estava atento às condições brasileiras e não transplantava, simplesmente, o sistema americano e não encarava de forma romântica os princípios da educação renovada disseminadas pelo movimento conhecido por ‘escolanovismo’ (SAVIANI, 2002, p. 2).

Ele, que na adolescência pensou em seguir a vida religiosa, se formou em Direito em 1922 e revolucionou a educação nos anos 30 no Brasil. Mesmo na adversidade, pois se dependesse de seu pai, um abastado médico, fazendeiro e político, o rapaz franzino seguiria carreira político-partidária. Mas ele escolheu ir para uma área sem glamour e com poucas perspectivas de atividade profissional . Até hoje a educação tem pouco reconhecimento social e não conta com o status que deveria ter, não é mesmo?

Ele foi amigo de Monteiro Lobato e Fernando de Azevedo,  participando ativamente do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova  em defesa do ensino público, gratuito, laico e obrigatório. Foi um dos precursores da Escola Nova no Brasil, cujo foco era o desenvolvimento do intelecto e a capacidade de julgamento em detrimento da memorização.

Quando recebeu um convite para ser  Inspetor-Geral do Ensino na Bahia, um cargo que equivale hoje ao de Secretário da Educação, ele tinha apenas 24 anos! E foi aí que ele se envolveu de forma intensa e definitiva com a educação. Viajou pela Europa em 1925 para  observar os sistemas de ensino da Espanha, Bélgica, Itália e França. Também foi duas vezes aos Estados Unidos entre 1927 e 1929. O modelo da escola progressiva americana  era tido na época como altamente inovador e tinha por alicerce a teoria educacional de base científica e experimental do filósofo pragmatista  John Dewey, que o influenciou bastante. De volta ao Brasil, foi nomeado diretor de Instrução Pública do Rio de Janeiro, onde criou entre 1931 e 1935 uma rede municipal de ensino que ia da escola primária à universidade.

Ele ocupou vários cargos políticos, propôs uma reforma educacional e fundou  de escolas a universidades. Aqui em Salvador, fundou em 1950 o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, a famosa  Escola Parque. Implantou a educação em tempo integral, algo que ainda não se estabeleceu totalmente, mas serviu de modelo para os CIAC’s (Centros Integrados de Atendimento à Criança) e CIEP’s (Centros Integrados de Educação Pública) atuais.

escola parque

Fig 1. Escola Parque de Salvador, em 1950: projeto  piloto de ensino integral. Fonte: Wikipedia.

Foi perseguido pela Ditadura Vargas, acusado de ser comunista. Sua atuação no Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, valorizava a pesquisa educacional, sendo considerada tão significativa quanto a Semana da Arte Moderna ou a fundação da Universidade de São Paulo. Morreu de forma misteriosa, caindo no fosso do elevador de seu prédio no Rio de Janeiro. Tinha 71 anos…

A essas alturas você já sabe de quem estamos falando?

Anísio-Teixeira

Fig 2. Anísio Teixeira. Fonte: Wikipedia

Anísio Teixeira foi um missionário da educação! E seu pensamento, mesmo nos dias de hoje ainda é revolucionário. Pense nos desvios de dinheiro público e no sucateamento das escolas públicas na atualidade…. Agora leia o que ele disse no passado: “Choca-me ver o desbarato dos recursos públicos para educação, dispensados em subvenções de toda natureza a atividades educacionais, sem nexo nem ordem, puramente paternalistas ou francamente eleitoreiras”. É claro que ele incomodou muita gente, desde a sociedade tradicional e oligárquica do Brasil até a igreja católica, que nos anos 50 exercia pressão sobre o governo. Afinal, ele era “contra a educação como processo exclusivo de formação de uma elite, mantendo a grande maioria da população em estado de analfabetismo e ignorância. “

Ele acreditava na utopia “que não aceita seres humilhados, diminuídos, amputados. A pedagogia mais próxima da utopia é a que coloca à disposição do ser humano toda a cultura humana.” (TEIXEIRA apud NUNES, 2001, p.15) Percebia a escola enquanto espaço democrático, capaz de promover “uma educação em mudança permanente, em permanente reconstrução”.  Para ele a escola deveria ser como uma réplica e miniatura da sociedade democrática, capaz de produzir indivíduos orientados para a democracia, e não para a dominação ou subordinação; para a cooperação, em vez da competição; para a igualdade, e não para a diferença. “A escola tem de se fazer prática e ativa, e não passiva e expositiva, formadora e não formalista. Não será a instituição decorativa pretensamente destinada à ilustração dos seus alunos, mas a casa que ensine a ganhar a vida e a participar inteligente e adequadamente da sociedade.” (TEIXEIRA, 1953)

E ele realizou  mudanças e conduziu uma grande reforma educacional a partir dos anos 30. Defendia uma escola para todos. Com espaços escolares modernos, com laboratórios, bibliotecas, espaços de lazer, com uma carga horária integral e uma formação abrangente para a vida. Também  defendia a pesquisa e melhores condições de trabalho para os professores. O papel político e social da escola era bastante destacado em seu pensamento. E essa escola nova precisava acompanhar as mudanças dessa sociedade em constante mutação. Assim, ele afirmou que : “Dada a extensão e a desigualdade de ritmo das mudanças que sofre a nossa sociedade, a escola deverá ser flexível e adaptável, a fim de poder tomar conhecimento de todos os aspectos dessas mudanças e de obter o maior grau possível de consciência – condição primária para a integração e coesão sociais.” (TEIXEIRA, 1952)

A importância da obra e ações de Anísio Teixeira são imensuráveis! Sugerimos que leia seus escritos, conheça seu pensamento revolucionário. Estão todos disponíveis na Biblioteca Virtual Anísio Teixeira.

Quer um cordelito sobre ele e também sobre a Rede Anísio Teixeira? Vou só colocar umas estrofes pra você conhecer!

O senhor Anísio Teixeira
Cabra retado vou te contar
Nascido em Caetité
A educação quis transformar
Professor, doutor e jurista
Sem ter fama de artista
Na Bahia fez seu lugar

 Para saber mais, recomendamos os seguintes vídeos:

Fig. 3 Instituto de Educação Anísio Teixeira – Caetité

Escola Parque – Caixa D’Água http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/3818
Anísio Teixeira: educação não é privilégio http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2830
Educadores – Anísio Teixeira http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/3968

E para acessar na integra os textos que consultamos é só se ligar na bibliografia!

Anísio Teixeira. Notas sobre a educação e a unidade nacional. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v.18, n.47, jul./dez. 1952. p.33-49.

Anísio Teixeira. Romper com a simulação e a ineficiência do nosso ensino. Formação. Rio de Janeiro, v.16, n.176, 1953. p.11-16.”Romper com a simulação e a influência do nosso ensino”¨

Clarice Nunes. Anísio Teixeira: a poesia da ação. In: Revista Brasileira de Educação. São Paulo: Ed. Autores Associados, nº 16, jan., fev., mar., abr. 2001,

Demerval Saviani. Sobre a atualidade de Anísio Teixeira. In: SMOLKA, Ana Luiza Bustamante e MENEZES, Maria Cristina (orgs.). Anísio Teixeira – 1900- 2000: provocações em educação. Campinas-SP: Ed. Autores Associados, 2000.

Ireneu Aloisio Schmid. ANÍSIO TEIXEIRA E SUA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadech/article/viewFile/253/464.Acesso em: 06 jul 2016.

Lucita Brisa. Anísio Teixeira. Disponível em: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/anisio-teixeira-306977.shtml. Acesso em: 06 jul 2016.

 

Guel Pinna

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Resultado da seleção para a Oficina de Produção de Mídias Estudantis

Oi, pessoal! Tudo bem? Segue, abaixo, a relação dos estudantes e professores selecionados para participar da Oficina de Produção de Mídias Estudantis. Os nomes estão em ordem alfabética:

Fig. 1: banner de divulgação

Fig. 1: banner de divulgação

  • Estudantes

1. BEATRIZ FORTUNATO DOS SANTOS – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

2. CLAUDIO DE JESUS PEREIRA – COLÉGIO ESTADUAL DE MONTE GORDO

3. GABRIEL VITOR B. SANTANA – COLÉGIO ESTADUAL DA BAHIA (CENTRAL)

4. GABRIELA DE SOUZA – COLÉGIO ESTADUAL SENHOR DO BONFIM

5. GABRIELLE SANTANA DE OLIVEIRA – COLÉGIO ESTADUAL SENHOR DO BONFIM

6. GEORGE DE JESUS SANTOS – COLÉGIO ESTADUAL SENHOR DO BONFIM

7. IBSON ALBERTO DO AMOR DIVINO OLIVEIRA – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

8. JOÃO VICTOR SANTOS BARRETO COUTINHO – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

9. KEILA AZEVEDO DE JESUS – COLÉGIO ESTADUAL DA BAHIA (CENTRAL)

10. LICYANE KETELYM RAMOS DOS SANTOS – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

11. LUCIANA DOS SANTOS GOMES – COLÉGIO ESTADUAL SENHOR DO BONFIM

12. LUARA REBELO LARA FONTES – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

13. MAYLA DOS SANTOS SOUZA – COLÉGIO ESTADUAL DE MONTE GORDO

14. MICHAEL ANDERSON RIBEIRO SILVA – COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR


15. TALITA DE ALMEIDA SANTIAGO SANTOS – COLÉGIO ESTADUAL DA BAHIA (CENTRAL)

16. THAMIRES DOS SANTOS FERREIRA – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

  • Professores

1. ADILSON SOARES TRINDADE – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

2. ALESSANDRA SOARES BORGES SANTOS – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

3. CLAUDIA MARIA MARTINS DA SILVA – COLÉGIO ESTADUAL RAPHAEL SERRAVALLE 

4. ROSÂNGELA LARANJEIRAS – COLÉGIO ESTADUAL MÁRIO AUGUSTO TEIXEIRA DE FREITAS

Os selecionados vão passar por um curso de formação voltado para a produção multimídia, ministrado pelos colaboradores da Rede AnísioTeixeira (Rede AT). A atividade acontecerá no período de 16 a 31 de maio de 2016 (exclusivamente no turno vespertino, das 14h às 18h), no Centro Juvenil de Ciência e Cultura (CJCC), localizado no Colégio Central. A instituição está situada na Avenida Joana Angélica, no bairro de Nazaré, em Salvador – BA. A carga horária é de 56 horas.

OBSERVAÇÃO: o deslocamento para o local da formação, Centro Juvenil de Ciência e Cultura (CJCC), será de responsabilidade dos cursistas.

Mais informações podem ser adquiridas pelo e-mail rede.anisio@educacao.ba.gov.br ou pelo telefone (71) 3116-9061.

Sejam bem-vindos! A nossa Rede é colaborativa!

Mais uma experiência de êxito!

A Rede Anísio Teixeira recebeu, no dia 25 de maio de 2015, a visita do Professor Eliezer Batista da Silva, do Colégio Estadual Padre José Vasconcelos – Estrada Velha do Jardim Nova Esperança.

O Prof. Eliezer leciona Língua Inglesa no referido colégio, se diz apaixonado pelas TICs e é um grande defensor do uso do celular em sala de aula; afirma que já não há como impedir o uso do aparelho, que a tecnologia está em toda a sociedade e precisa marcar seu lugar na educação. Ele diz :

Foto: acervo do Comitê Gestor do AEW

Da esquerda para a direita: Ana Rita Medrado, Eliezer Batista da Silva e Eugles Oliveira. Foto: acervo do Comitê Gestor do AEW

Não vejo problema na utilização do celular, quando bem utilizado só traz benefícios para os estudantes. Proibir o uso do celular é voltar no tempo, não dá mais para tirar dos alunos o celular.”

O professor veio nos apresentar a um equipamento, por ele inventado, que pode ser utilizado por alunos e professores em sala de aula. Segundo Eliezer , a invenção pode ser muito útil nas aulas:

Os alunos e professores, com os quais testei o invento, acharam muito interessante e gostaram da experiência. O meu objetivo é quebrar esse costume de que o celular que não pode ser utilizado em sala de aula e transformá-lo em um mecanismo de educação, veiculador de educação, deve-se utilizar o celular.”

Muito empolgado com o seu invento, Eliezer assim o descreve:

O aparelho é adaptado ao celular para uso em sala de aula. O processo acontece via rádio do celular, é por ondas do rádio que o aluno vai escutar o que o professor fala. O aluno tem que ter um celular que tenha rádio. O telefone deve estar conectado ao aparelho desenvolvido por mim. Caso chegue uma ligação para o aluno, no momento que ele estiver conectado ao meu aparelho, ele poderá também receber a ligação. O meu invento gasta apenas a bateria do celular. O aluno conecta o meu aparelho ao celular dele via ondas da rádio e vai me ouvir pelo fone de ouvido do seu celular. De onde eu estiver e transmitir a aula, revisão de aula, palestra e etc.,o aluno poderá me ouvir e acompanhar. É, também, como uma aula a distância. Também pode ser utilizado em aula presencial, é a mesma coisa. Eu falo no meu microfone e os alunos me ouvem no fone de ouvido deles. O aparelho só “ leva a voz do professor.”

O invento será patenteado pelo Professor Eliezer, que quer o reconhecimento do pioneirismo do invento e do uso do equipamento.

A Rede Anísio Teixeira mais uma vez prestigiando e divulgando “ experiências bem-sucedidas “ parabeniza o Prof.º Eliezer Batista da Silva, do Colégio Estadual Padre José Vasconcelos – Estrada Velha do Jardim Nova Esperança .

O professor se comprometeu a escrever um artigo falando sobre o seu invento, que será publicado na próxima edição da REVISTA AEW ,da Rede Anísio Teixeira. Aguarde novas informações sobre isso.

Até breve!

Prof.ª Ana Rita Medrado.