Projeto da Rede Anísio busca transmitir conteúdos em rádio para a comunidade escolar

Estudante Repórter: Roniton Fernandes

Uma proposta de nova mídia para fazer parte da grade da Rede Anísio Teixeira (Rede AT) foi lançada hoje, 30 de novembro, durante o Inovatec. Os professores Carlos Barros, Joalva Moraes e Geize Gonçalves, que integram a Rede AT, são os responsáveis pelo projeto experimental da Rádio Anísio Teixeira, que tem como objetivo compartilhar matérias escolares sobre histórias da Bahia, cultura e  sociedade baiana. O programa tem como principal público os estudantes e professores da rede pública de ensino.

Fig 1: Geize Gonçalves, Joalva Moraes, Carlos Barros Foto: Carol Aguiar

Fig. 1: Geize Gonçalves, Joalva Moraes e Carlos Barros. Foto: Carol Aguiar

A rádio terá programas de 5 minutos  e enquetes, entrevistas com especialistas e estudantes, além de dicas de livros e filmes. Em entrevista à nossa equipe, a professora e jornalista Joalva Moraes explicou o projeto: “É um programa rápido de cinco minutos, que vai servir de disparador e estímulo para que professores iniciem discussões na sala de aula”.

Fig 2: Joalva Moraes Foto: Carol Aguiar

Fig. 2: Joalva Moraes. Foto: Carol Aguiar

Um dos objetivo do projeto é dar força à resistência do rádio, que, apesar das inovações, se mantém como uma ferramenta importante da comunicação. Para que essa ideia se propague, ele tem, como aliadas, as mídias virtuais da Rede Anísio. “Os conteúdos estarão disponibilizados no Ambiente Educacional Web, que é a plataforma do Instituto Anísio Teixeira, e também na Rádio Educadora. Ou seja, as pessoas terão acesso amplo”, disse o professor Carlos Barros.

Fig 3: Carlos Barros Foto: Carol Aguiar

Fig. 3: Carlos Barros Foto: Carol Aguiar

 

O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior

O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior

Roniton Fernandes tem 19 anos, é estudante do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, localizado em Salvador, e faz parte da equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil.

Anúncios

Como foi o 4º Encontro Estudantil. Algumas opiniões.

Olá, galera! Beleza?

Estamos no terceiro e último dia do 4º Encontro Estudantil da Rede Estadual, na Itaipava Arena Fonte Nova, evento que, nesses três dias, proporcionou oportunidades para troca de saberes, conhecimentos e experiências de todos envolvidos.

A tônica do 4º Encontro Estudantil nos conduz para uma grande celebração do protagonismo juvenil vivenciada por estudantes e professores das escolas da rede estadual de ensino durante o ano letivo de 2015” (Site do 4ºEnconto Estudantil).

No áudio a seguir, ouça um pouco da opinião dos estudantes e visitantes do 4ºEE.

Confira:

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

Dandara Lopes tem 14 anos, é estudante do Colégio Estadual Governador Lomanto Júnior, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

Palco Livre para todos os talentos

Estudante-repórter: Dandara Lopes

Olá, galera! Beleza?

Estamos no segundo dia do 4º Encontro Estudantil, na Tenda Digital, um espaço para produção, difusão e compartilhamento das mídias e tecnologias educacionais da Rede Anisio Teixeira.

O Palco Livre faz parte da Tenda Digital e é totalmente aberto para que estudantes, professores e visitantes mostrem os seus talentos.

No áudio a seguir, o professor Samuel Oliveira explica um pouco sobre o Palco Livre.

Confira:

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

Dandara Lopes tem 14 anos, é estudante do Colégio Estadual Governador Lomanto Júnior, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

O ensaio é geral e o tempo das artes literarias é agora!

Estudante-repórter: Dandara Lopes

Fala, galerinha! Tudo bem?

Estamos no 4º Encontro Estudantil, no ensaio geral do TAL (Tempos de Arte Literária).

O TAL, neste ano, está com o objetivo de fazer com que as palavras “criem vida e lutem”, sejam a voz dos estudantes e jovens do Estado da Bahia.

No áudio a seguir, um pouco sobre o ensaio geral do TAL.

Confira:

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

Dandara Lopes tem 14 anos, é estudante do Colégio Estadual Governador Lomanto Júnior, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

Maria Felipa – A heroína negra esquecida

Olá, pessoal!

Quem aporta nas praias da Ilha de Itaparica, localizada na Baía de Todos os Santos, talvez nem possa imaginar que naquelas areias percorreu bravamente a figura que teve papel crucial nas lutas pela Independência da Bahia. Contrariando a conjuntura de sua época, que, às mulheres, sobretudo às mulheres negras, eram destinados servis papéis de subordinação na sociedade, Maria Felipa de Oliveira fez palco na história e atuou bravamente na liderança de seu território em busca de melhores tempos para o seu povo, muito embora sua figura seja lendária na visão de alguns historiadores, o que não se pode negar é a sua forte representatividade no que se relaciona à resistência popular nas lutas pela independência da Bahia.

Diferentemente de mulheres que atuaram nas disputas que culminaram no 2 de julho, a exemplo de Maria Quitéria e Joana Angélica, a guerreira itaparicana teve o seu nome diminuído na história oficial e foi relegada ao esquecimento, principalmente por ser negra e trabalhadora braçal.

maria-filipa-sankofa

No mês em que buscamos discutir e evidenciar a trajetória do povo negro ao longo dos tempos, termos consciência de que a memória avivada sobre os feitos de nossos ascendentes também influência os rumos da nossa caminhada e a busca por respeito e reconhecimento de direitos. A reflexão sobre os processos que destinam lugares de inferioridade aos negros, a despeito de seus esforços, é uma prática que deve ser feita constantemente e em todos os espaços de formação dos sujeitos.

A invisibilidade de Maria Felipa e de outras personalidades negras no memorial popular brasileiro é um reflexo de como milhares de mulheres negras têm suas vidas impactadas pela hegemonia de excludentes conceitos de gênero, classe e etnia.

Nesse sentido, não se pode mais ignorar o papel fundamental do processo formativo de identidade dos cidadãos e a função crítica  proporcionada pela educação. Como educadores, precisamos influir no ensino formal realizado nas escolas para termos ainda mais evidente a perspectiva da sociedade igualitária que buscamos e a inserção do contexto de educandos e educadores torna-se imprescindível para que a tão sonhada voz da igualdade seja sempre a nossa voz.

(Re) Conheçam um pouco da história de Maria Felipa

Acessem a radionovela do IRDEB – Cliquem aqui!

irdebnovela

Retirado do mar, o sustento cotidiano enche bacias. Mariscar, com a destreza de quem não vê tempo ruim e da natureza extrai o que lhe cabe, é a sua especialidade.                                                                                                                                                            As robustas mãos, fortalezas erguidas, impedem lusos batalhões de dominar os termos itaparicanos. Chusma negra, indígena, másculo e feminina, em seu comando, na branca areia, põe-se a espreitar a liberdade, a iminente liberdade, vindoura das lutas protagonizadas pelo extraordinário, o impensável fêmeo levante. Como a areia içada ao vento, seu nome nas memórias não protagoniza. Lembremos, em tempo ainda, a bravura da mulher heroína, saudemos a guerreira negra Maria Felipa.

Abraços!

Fontes: Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia – IRDEB; Tv Anísio Teixeira

Radiola PW – Festival Anual da Canção Estudantil

marcaface2013

Olá, turma!

Vocês conhecem o Festival Anual da Canção Estudantil? Esse evento foi criado em 2008 com o intuito de promover a diversidade artística dos alunos da rede pública de ensino. É no FACE que os alunos mostram todo o talento com a música, transformando o festival numa interessante plataforma que dá visibilidade ao estudante-artista.

Em 2012, o FACE percorreu mais de mil escolas da rede estadual, prestando homenagem a diversos artistas regionais e tendo a participação de mais de 5.000 estudantes.

Mas se você ainda não teve a oportunidade de acompanhar o festival, a Radiola PW te dá uma ajuda. No soundcloud da Rádio Educação Bahia, você consegue ouvir uma playlist dos artistas que passaram pelo evento. Acesse: soundcloud.com/radioeducacaobahia/sets/face.

Melhor que uma indicação de um bom artista, é poder ouvir e ver o nascimento de vários deles. A Radiola PW faz um convite não só para prestigiar nossos artistas, mas também para acompanhar o festival até a calorosa final, que atualmente acontece no Encontro Estudantil.

O que é que a Mulher Contemporânea tem?

Olá, pessoal!

Uma novidade no Blog da ProfessoraOline e ProfessorWeb é a assinatura nas postagens produzidas e a outra é que a equipe de suporte estará promovendo e reforçando o seu acompanhamento, avaliação, sugestão e, enfim, contando com a sua efetiva colaboração para o bom desenvolvimento de nosso blog, afinal de conta ele é 100% colaborativo e 100% educativo.

De início, o RADIOLA PW traz a música “O que é que a baiana tem?”, proporcionando uma analogia dessa obra de Caymmi com as atribuições sociais da mulher contemporânea em nossa sociedade.

fashion-girl-sketch-with-colorful-paint-stains_422-2147498633

O que é que a baiana tem?” é uma canção composta por Dorival Caymmi, gravada em dezembro de 1939. É uma das músicas mais conhecidas da carreira da cantora Carmem Miranda e foi por muito tempo popularmente conhecida como o hino da Bahia, isso desde a interpretação desse samba no filme Banana da Terra, do diretor Wallace Downey.

Carmen_Miranda,_Banana_da_Terra_1939

Basicamente, a letra da canção fala sobre a tradicional vestimenta das mulheres negras e mestiças da Bahia, conhecidas na região do sudeste e sul do Brasil como baianas, ainda que não eram vendedoras do quitute baiano, acarajé, muitas eram compostas de saia comprida muito rodada, brincos e balangandãs. Essa vestimenta inspirou os tão reconhecidos trajes de Miranda, que levou para fora do país, com seus espetáculos musicais, um pouco de nossa cultura baiana.

“Quando eu estava no Rio, quis qualificar a baiana. Fiz ‘O Que É Que a Baiana Tem?’ para explicar para um povo estranho ao meu o que era uma baiana”, contou Caymmi.

Numa versão mais contemporânea, temos um remake (nova gravação) dessa música na voz da cantora Daniela Mercury e mixada com a gravação original de Carmem Miranda. Vale a pena conferir!

O tempo passou e, atualmente, as mulheres baianas e brasileiras não têm suas identidades culturais caracterizadas apenas por suas vestimentas e/ou lugares por onde eles andam. Hoje, temos mulheres no Congresso Nacional, no Conselho Nacional de Justiça, nos Tribunais de Justiça dos estados, inclusive na Bahia, no Superior Tribunal Federal, como Juízas, Desembargadoras, Ministras de Estado, Senadoras, Deputadas, Delegadas, Vereadoras, Prefeitas, Governadoras e tantas outras funções relevantes à nossa sociedade.

Letra da música.

O que é que a baiana tem? de Dorival Caymmi.

O que é que a baiana tem?
O que é que a baiana tem?
Tem torso de seda tem (tem). Tem brinco de ouro tem (tem).
Corrente de ouro tem (tem). Tem pano da Costa tem (tem).
Tem bata rendada tem (tem). Pulseira de ouro tem (tem).
E tem saia engomada tem (tem). Tem sandália enfeitada tem (tem)
E tem graça como ninguém…!

O que é que a baiana tem? (bis)
Como ela requebra bem…!
O que é que a baiana tem? (bis)
Quando você se requebrar caia por cima de mim (tris)
O que é que a baiana tem? Mas o que é que a baiana tem?
O que é que a baiana tem?
Tem torso de seda tem (tem?). Tem brinco de ouro tem (ah!).
Corrente de ouro tem (que bom!). Tem pano da Costa tem (tem)
Tem bata rendada tem (e que mais?). Pulseira de ouro tem (tem)
Tem saia engomada tem (tem). Sandália enfeitada tem
Só vai no Bonfim quem tem…
O que é que a baiana tem? (bis)
Só vai no Bonfim quem tem…
O que é que a baiana tem? (bis)
Um rosário de ouro, uma bolota assim Ai, quem não tem balangandãs não vai no Bonfim
Ôi, quem não tem balangandãs. Não vai no Bonfim
Ôi, não vai no Bonfim (6 vezes)

Como essa, temos muitas outras músicas que contemporizam o papel de participação da mulher, com beleza, brilho, lutas, conquistas sociais e valiosas inserções em nossa sociedade.

Fontes:

http://en.wikipedia.org/wiki/O_Que_%C3%89_Que_A_Baiana_Tem%3F

http://dryicons.com/free-graphics/preview/fashion-illustration/

http://en.wikipedia.org/wiki/O_Que_%C3%89_Que_A_Baiana_Tem%3F#/media/File:Carmen_Miranda,_Banana_da_Terra_1939.jpg