Se ligue! O Blog está de mudança!

O Blog do Professor Web e da Professora Online está de mudança, aliás, já até mudou para um novo endereço e pode ser acessado aqui:  blog.pat.educacao.ba.gov.br.

BLOG

Imagem: Josymar Alves

No nosso novo espaço, o Blog possibilitará uma interação maior com a comunidade escolar através das novas abas Fala, Rede  e Rede em Movimento, que permitem compartilhar experiências educacionais produzidas tanto pelos colaboradores do Blog quanto pelos estudantes e professores da rede estadual. Com isso, o diálogo com a comunidade escolar vai se tornar mais profícuo. Também publicaremos a respeito de  eventos, concursos, palestras e congressos, na aba Saiba!.

Permanecem as postagens semanais relacionadas às áreas de conhecimento, aos temas transversais e o estímulo à utilização de mídias e tecnologias educacionais livres. Continuaremos publicando textos de professores e estudantes da rede pública de ensino. A nova plataforma também conta com os  ambientes REA, Emitec, Colaborativus, TV Anísio Teixeira, Aplicativos Educacionais.

Outra novidade importante é que o nosso blog passa a se chamar Blog da Rede.   Continuem nos seguindo nesse novo espaço.

Valdineia Oliveira

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Anúncios

Um Ser de Luz…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Fonte: Wikipedia

Num universo com turbilhões de informações e acontecimentos se torna cada vez mais desafiador ser estudante, ao tempo em que se torna mais e mais necessária a compreensão do mundo em que vivemos através do conhecimento construído no espaço escolar. O aluno,  (do latim alumnus, alumnié) ou discente é o indivíduo que recebe formação e instrução de um ou vários professores ou mestres para adquirir ou ampliar seus conhecimentos. No entanto, se estamos querendo dizer de alguém capaz de guiar seus passos para sua construção pessoal (quiçá profissional) podemos chamar este ser de Estudante. Ele é, sim, um ser de luz, pois, através dele, fatos e coisas são elucidados pela sua curiosidade e vontade de desbravar outros mundos. Como chamar   esse ser de pessoa sem luz? Como disse Paulo Freire

O aluno não é uma folha de papel em branco onde o professor irá escrever novos conteúdos”, ele traz consigo o interesse pelas coisas e nós professores devemos agir como mediadores para que essa busca da aprendizagem se dê de forma significativa. 

Existe uma esperança de que um dia esse 11 de agosto, quando se comemora o dia do Estudante, seja de celebração na escola e que o estudante esteja lá mesmo, no seu espaço de trabalho e convivência, faça questão de lá estar, comemorando um dia de mais aprendizado e não que se faça deste um dia de “bônus” por não estar ali dentro do espaço onde aguça a sua curiosidade que é a Escola ou qualquer outro lugar que traga essa experiência. O espaço do conhecimento tem que ser um local acolhedor e atrativo fazendo com que este estudante queira estar ali da mesma forma que queria estar numa praia, cinema, festa por exemplo. É equivocado o pensamento de descanso da escola, pois, se é um local alegre não pode ser motivo de distanciamento.

Salve o Estudante!!!

Que esse ser sempre nos ilumine com suas ideias e descobertas

Nildson B. Veloso

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

2016 – Sonhos, colaboração e muito aprendizado!

Olá, pessoal!

Queremos compartilhar com vocês a alegria de termos passado todo ano trocando informações e somando conhecimentos.

Desejamos que todos/as continuem interagindo em nossas mídias, que essas despertem e agucem criticamente, cada dia mais, a curiosidade inerente a cada um/a, pois acreditamos que um mundo de possibilidades se revela para aqueles/as que buscam, no direito de aprender, a base para transformação do meio em que estão inseridos/as e evolução pessoal.

POW_2016ano-novo

Colocamo-nos à disposição e temos plena certeza de que é por meio de nossa interação que nascem os sonhos e ideias. Com o esforço mútuo conseguimos construir, inovar e vencer todos os impedimentos.

“Sonho que se sonha junto é realidade.”

(Raul Seixas)

Excelente 2016, comunidade escolar!

“Arvorear-se”

Comumente nos lares e lugares, encontramos a tradicional árvore de Natal nessa época do ano. Mas, de onde vem a sua origem? O que esse símbolo representa?

Seu surgimento se deu entre as civilizações mais antigas dos continentes europeu e asiático, por acreditarem que a árvore era um símbolo divino. Muitos afirmam que tenha surgido na Alemanha, por volta de 1530, e se propagado por todo mundo. De acordo com a tradição cristã predominante no Brasil, a decoração natalina deve ser feita no início do Advento, que são os quatro domingos que antecedem o aniversário de Cristo. Aos 6 de janeiro,Dia de Reis, é a data em que se finalizam os festejos natalinos e, portanto, a árvore é desmontada.

Desde então, é um montar e desmontar de árvore! Mais um ano que, praticamente, se finda e cá estamos a pensar no montar e desmontar da árvore, no que cumprimos ou deixamos de cumprir. Que a árvore, aqui tratada, seja uma metáfora, um convite a “arvorear-se”, a rever os nossos processos pessoais de busca ou de recusa; rever o que colhemos ao longo de um ano, rever o que fazemos ou deixamos de fazer. E é justamente aí que mora todo martírio! Onde está escrito que devemos fazer listas infindáveis e que devemos seguir um manual de instrução? É bem verdade que o fruto que nos alimenta é o fruto do desejo, do sonho… Todos temos um ikigai! Seja pessoal ou profissional. Mas o que é Ikigai ?

É uma palavra japonesa que, em si, traz toda uma filosofia de vida. Ela se traduz no nosso propósito de vida, no que nos move ou nos faz levantar todas as manhãs para enfrentar o dia. Qual o sentido da existência? A razão de ser, ser humano!

Não dá pra sair por aí sem pensar no destino. O futuro não é responsabilidade do outro. A vida convoca cada um a construir o seu! Muitas vezes, leva a uma busca aprofundada de si mesmo e nessa caminhada descobrimos que somos cheios de vazios. Já parou para pensar que, uma parcela considerável da sociedade organizada tal como é, ao longo das oito horas por dia, necessita fazer coisas, das quais não gosta ou se identifica, para que o mundo funcione? Portanto, o diferencial está na capacidade de recriar-se a cada dia e de não sentarmos à sombra de uma árvore e, simplesmente, nos aquietarmos e nos darmos conta que a sombra se foi, restando tão somente a rígida e dura casca da vida que passou.

Que seja a nossa urgência “arvorear-se ”: podar os galhos amarelados, apodrecidos e espinhosos de nós mesmos. Que possamos ser árvores frutíferas de amoras e amores para apontarmos a beleza escondida e nos aproximarmos ainda mais do Criador.

E aqui fica o nosso convite:

         R epensar a vida

     E star em paz

                              D eletar os lixos existenciais

      E studar mais

       A rvorear -se

                    N umerar prioridades

Inovar

S orrir

        I nspirar-se

             cOnectar -se com

a fé, a esperança, a vida, o desejo, o bem!

Amém e muita paz!

Mônica Mota– Professora da Rede Pública de Ensino da Bahia

Gêneros e sexualidades em março

Olá, galera!

Março foi um mês bastante produtivo para nossas discussões, pois alinhamos mais nosso diálogo quanto aos assuntos que envolvem as relações de gêneros e sexualidades. Compartilhamos com vocês textos, filmes, vídeos e músicas que embalaram nossos diálogos em torno dos avanços conquistados, das lutas travadas, das buscas e dos entraves que ainda envolvem as diversidades de gêneros e sexualidades.

ÍndiceNosso propósito foi o de agregar o conhecimento dos temas transversais em torno de uma mesma causa, uma vez que a promoção do respeito às diversidades também envolve os processos educacionais. Com isso, agradecemos pela interação de todas/os que colaboraram neste sentido, visitaram nossos conteúdos e interagiram conosco através das redes sociais e de comentários.

Acreditamos que a prática da justiça é possível com a participação de todas/os, que as transformações sociais devem priorizar o respeito entre as pessoas e, sobretudo, que revolucionar é caminhar para construção participativa de um mundo cada vez mais acessível à vida coletiva. Os temas e discussões apresentados não podem ser só específicos de um mês, por isso consideramos que foi importante aprofundar algumas discussões específicas, mas elas não podem sair da pauta das discussões em nenhum momento. Assim, seguimos compartilhando e dialogando por meio do site temático “Gênero e Sexualidade”. Sinta-se à vontade para continuar acompanhando nossas conversas, interagir, sugerir, questionar, opinar, criticar e juntar -se a esta construção.

Continue conosco e até mais!

“O sonho da igualdade só cresce no terreno do respeito pelas diferenças.”
(Augusto Cury)

Já é carnaval cidade, acorda pra ver!

A maior festa popular de rua do mundo já começou. Muitas músicas e ritmos embalam as emoções; milhões de foliões nas ruas e avenidas enchendo de alegria a praça e o poeta. É o carnaval de Salvador. Que este ano homenageará os blocos afros com o tema “40 anos de Blocos Afro – É diferente. É de Salvador”. Então, vamos nessa conhecer essa história.

Os blocos afros são instituições carnavalescas composta majoritariamente pela população negra e afrodescendente. Surgidas ainda no final do século XIX, em Salvador desde os anos trinta, com o Afoxé Pai Burocô – 1935, criado por Mestre Didi, e o Filhos de Ghandy, em 1945, que até hoje estende o seu “tapete branco” por onde passa.

20140203041548_marca-carnaval

Você pode estar se perguntando, mas são quarenta anos de quê?’ E a resposta é simples. Na verdade, são quatro décadas de exaltação dos traços africanos, próprios da cultura, compondo a folia. Uma vez que, há quarenta anos, os blocos afros e afoxés passaram a fazer parte do circuito oficial do carnaval de Salvador; ou “mais que isto, a presença dos blocos afros no carnaval da Bahia foi um importante elemento na ampliação do combate ao racismo, valorização da cultura de origem negra, bem como da autoestima da sua juventude.” como relatou em seu artigo Zulu Araújo – Diretor da Casa da Cultura da América Latina/UnB. Logo estes blocos integrando o carnaval simbolizam a resistência dessa gente.“Lá vem a negrada que faz o astral da avenida, mas que coisa tão linda quando ela passa mim faz chorar”(Daniela Mercury).

Algumas destas instituições são bem conhecidos pelo povo, inclusive fora do Brasil. Estes blocos afros promovem atividades que se estendem para além do carnaval. A exemplo do Ilê Aiyê, Cortejo Afro, Olodum, Timbalada e Didá, que mantém em seus espaços projetos sociais em arte, cultura e educação atendendo a população de bairros periféricos do seu entorno, utilizando de metodologias que valorizam e empoderam integrantes e sociedade como um todo, quanto as riquezas afro-brasileiras.

É isso aí, bom carnaval, divirta-se e até mais!

A internet é uma cidade. Os internautas seus habitantes.

Olá, turma esperta!

 Vamos continuar nossa conversa sobre o uso seguro e consciente da internet?

Imagine uma cidade, onde habitam cidadãos com intenções e afinidades diversas… Esta cidade pode ser comparada à internet;

É como se passeássemos pela rua e encontrássemos com inúmeras pessoas, ao mesmo tempo que vemos o que os outros fazem, também somos vistos de imediato a cada postagem ou publicação de textos, fotos, vídeos… Eis os riscos que nos expomos ao navegar por esta extraordinária ferramenta!

Por isso, é preciso que você tome certos cuidados e fique atento ao comportamento das pessoas com as quais troca informações. Além dos cuidados com o fornecimento de dados pessoais, é preciso saber com quem conversamos, em que site estamos nos conectando e, sobretudo, que informação será compartilhada.

Não são poucos os casos de infrações e crimes cometidos em espaços digitais. Entre eles estão o aliciamento de menores, o uso inapropriado de conteúdos autorais e da imagem e a difamação!

Infelizmente, no Brasil, mesmo com a sanção da Lei 12,737/2012 não se consegue dar conta de todos os crimes praticados em ambiente digital. Isso porque o sistema legislativo brasileiro ainda não se adequou totalmente às práticas e formas de interação realizadas nestes espaços.

Portanto, seja bem consciente e cauteloso ao entrar nestes espaços. Eles podem e devem nos oferecer muitos benefícios, entretanto o uso irresponsável e desatento coloca nossa intimidade em risco. E isso não é “legal”!

É isso aí, galera. Valeu e até mais!