Vai de Espanhol no Enem?

 

Hispanofonia: em vermelho, o espanhol como língua oficial; em azul, como segunda língua oficial e, em rosa, não oficial mas de grande importância. Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Map-Hispano.png

A prova de língua estrangeira no Enem chega a causar alguma preocupação entre os estudantes, sobretudo por causa do tempo de estudo de idiomas que é sempre insuficiente, mesmo em escolas que levam a sério a questão. Levando-se isso em consideração, atentar para algumas dicas vai ajudar bastante. Na verdade, são poucas as questões de Espanhol – apenas cinco -, mas que visam a testar não só o conhecimento da língua, mas também a capacidade de interpretar o que está nas entrelinhas. Para isso, é preciso conhecer pelo menos um pouco sobre as culturas por trás do idioma, pois o espanhol é falado desde o México até o extremo sul do Chile e Argentina, além da Espanha, é claro, espalhando-se sobre um imenso mosaico cultural, refletindo na língua, em cada canto, os costumes próprios de cada país. Mas não devemos nos preocupar muito quanto à diversidade decorrente desse fato, porque existe uma instituição que se encarrega de manter a unidade linguística entre os vários territórios abrangidos. Trata-se da Real Academia Espanhola que, nas palavras extraídas do próprio site, “es una institución con personalidad jurídica propia que tiene como misión principal velar por que los cambios que experimente la lengua española en su constante adaptación a las necesidades de sus hablantes no quiebren la esencial unidad que mantiene en todo el ámbito hispánico”, según establece el artículo primero de sus actuales estatutos. 

É preciso notar que o texto fala de unidade e não de unificação. A propósito, no Enem de 2013 uma das questões da prova de Espanhol tratava, exatamente, desse assunto. Dê uma olhada, seguindo o este link.

Quanto ao pequeno trecho em espanhol acima, as palavras são muito próximas do português, pois derivam do mesmo latim popular. Mas é preciso atentar para algumas armadilhas do idioma, pois uma mesma palavra pode ter sentidos diferentes lá e cá. Por exemplo, observe a charge abaixo:

Fonte: http://www.tradutoradeespanhol.com.br/2013/01/falsos-amigos.html

 

Num momento anterior à representada na imagem, a espanhola (de azul) pediu “una taza de café”. A brasileira, então, serviu-lhe café numa taça. Taza parece taça, mas é xícara. E taça em espanhol é copa. Mas, muito além dessas situações envolvendo os falsos cognatos, devemos atentar para os problemas socioeconômicos e a situação política da América Latina e Espanha, o que, certamente, contribui bastante para a compreensão de muito dos textos. Vocês estão atentos ao movimento separatista da Catalunha? Será que isso pode cair na prova? Para estarmos antenados com esse fato e muitos outros, devemos realizar leituras diárias nos impressos disponíveis online, a exemplo de El País (Espanha), Clarín (Argentina) e La Nación (Chile) e etc. Embora seja possível acessá-los em português, ler os textos em espanhol, obviamente, será de grande valia.

As questões gramaticais não podem ficar de fora. Para isso, indicamos, abaixo, alguns vídeos catalogados na Plataforma Anísio Teixeira, com mais dicas para a prova de Espanhol:

Paradigma Verbal

El Pretérito Indefinido Irregular

Ejercicios Estilo Indirecto

Actividad de los Acentos o las Tildes en Español

Boa sorte!

Geraldo Seara
Professor da Rede Pública Estadual de Ensino

P.S. Agradecimento especial à Professora Mônica Mota, pela catalogação dos vídeos indicados.

 

REFERÊNCIAS

ESPAÑA. Real Academia Española. La instituición. Disponível em < http://www.rae.es/la-institucion> Acessado em 20/10/2017.

SORGATO, Diana. Falsos amigos. Disponível em < http://www.tradutoradeespanhol.com.br/2013/01/falsos-amigos.html> Acessado em 20/10/2017BRASIL.

 

Anúncios

Vá com ética no ENEM!

O ENEM acontece todo ano e não podemos esquecer que todas as disciplinas são muito importantes, sendo a Filosofia uma delas. Pascal, físico, matemático do sec. XVII dizia: “Há mais coisas entre o céu e a terra, do que supõe a nossa vã filosofia”. Bem, o que podemos elaborar em torno da palavra vã?! Pode ser considerada como aquilo que não tem conteúdo; que é contrário à realidade[1]. Contudo, Heráclito, pré-socrático do sec. VI – V a.C., dizia que tudo é movimento, isto é, “tudo flui”, nada permanece o mesmo. As coisas estão numa incessante mobilidade.

Estas e outras questões estão associadas à Filosofia quando estudamos ética e moral. “A moral diz respeito aos costumes, valores e normas de conduta específicos de uma sociedade ou cultura, enquanto que a ética considera a ação humana do seu ponto de vista valorativo e normativo”[2]. Por exemplo, na Grécia antiga, a escravidão era justificável: não éramos iguais e, assim sendo, a ausência da liberdade também! Na idade Média, a tortura era prática admitida. Todavia, desde o sec. XX que somos regidos pela Constituição da República Federativa do Brasil, 1988, dentre outras questões morais, no art. 1º observamos: “devemos respeitar a dignidade da pessoa humana”; no art.3º parágrafo IV devemos “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. ” No art. 5º parágrafo XLII – “a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei. ”

Em linhas gerais: a moral está ligada aos valores necessários ao convívio entre os membros de uma sociedade e a ética está sempre questionando, construindo e refletindo.  A Filosofia é atual. Os autores e seus conteúdos podem e devem referendar a sua consciência questionadora, não esquecendo que: pensar é filosofar!

A Plataforma Anísio Teixeira (PAT) “antenada” com questões propulsoras, confirmam através de diversos temas, os seus conteúdos ou objetos educacionais seguindo “o aprimoramento do educando, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico”.[3]

O Programa Máquina de Democracia com o tema de Educação e Direitos Humanos estrutura-se com as bases legais que norteiam a Educação no pais.

http://pat.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/1954

Dois Dedos de Prosa, Edição 8, é um programa com dois pesquisadores que conversam sobre Educação e Movimentos Sociais, a partir dos tópicos: panorama histórico no Brasil, o trabalho pedagógico e políticas públicas.

http://pat.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/1593

O racismo que pode levar a pena de reclusão aos atos de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional pode ser visto através do Filmei!  com a temática: Preconceito Social.

http://pat.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/episodios/id/3901

Além da ficção temos o documentário: Nó de Nós que relata através da arte manual, poética e histórica as atribulações que os negros, escravos, africanos foram acometidos ao saírem do seu pais de origem.

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/5847

Referências

BRASIL. CONGRESSO NACIONAL (1996) LDB – Lei 9.394/96. Estabelece Leis, Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 1O.639, de 09 de janeiro de 2003. Brasília, 2003.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Brasília, 2008.

 _______. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

______ . [Constituição (1988) ]. Constituição da República Federativa do Brasil [recurso eletrônico]. — Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação, 2017. Disponível em:

http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoConstituicao/anexo/CF.pdf

Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para as Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Junho, 2009.

Ética e cidadania: construindo valores na escola e na sociedade – MEC – Disponível em:

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000015509.pdf

 ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Disponível em:

http://charlezine.com.br/wp-content/uploads/2011/11/Dicionario-de-Filosofia-Nicola-ABBAGNANO.pdf

[1] Dicionário eletrônico da língua portuguesa Houaiss – 2009

[2] ABBAGNANO, 2007

[3] PCN – Ensino Médio – http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/cienciah.pdf

Fátima Coelho

Educadora da Rede Pública Estadual de Ensino do Estado da Bahia

 

Quais conteúdos de Língua Portuguesa são mais recorrentes na prova do ENEM?

Oi! Tudo bem com você? Vamos dar continuidade ao Mutirão para o ENEM, do Blog da Rede. Hoje, é dia de compartilhar alguns conteúdos de Língua Portuguesa, disciplina que integra a área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Para você, que está estudando para o exame, é importante saber quais conteúdos de Língua Portuguesa são mais recorrentes na prova? Se respondeu “sim” ao questionamento, acompanhe esta postagem até o final. Vamos lá?!


A prova do ENEM, em geral, exige que o candidato faça muita interpretação de texto para responder às questões. E isso, claro, está o tempo todo presente na área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Para interpretar um texto com eficiência, é importante que o candidato tenha uma boa leitura de mundo e faça associações coerentes com aquilo que é exigido no enunciado. Veja um exemplo de questão, do ENEM 2016:

Outro assunto recorrente no ENEM, voltado para Língua Portuguesa e presente também em provas de outras áreas do conhecimento, são os Gêneros Textuais. Eles se caracterizam por ser produções textuais que utilizamos quando estamos em alguma situação comunicativa do nosso cotidiano. A prova exige do candidato o reconhecimento das características do gênero e, obviamente, a interpretação do texto. Segue uma outra questão do ENEM 2016:

Aqui no blog, já falamos sobre gêneros textuais. Segue o link: blog.pat.educacao.ba.gov.br/blog/2016/08/22/generos-textuais-no-enem/.

Nós somos falantes de língua portuguesa, mas você sabe que a nossa forma de falar não é padronizada. Há, dentro de um mesmo Brasil, diferentes formas de falar uma mesma coisa. Isso tem a ver com variação linguística, que é um fenômeno da língua que tem razões históricas e culturais. No ENEM, questões de variação linguística são bem frequentes. Veja a questão a seguir, do ENEM 2011.

No nosso blog, já falamos sobre variação linguística. Segue o link do texto sobre o baianês: blog.pat.educacao.ba.gov.br/blog/2017/06/09/o-baianes-nosso-de-todo-dia/.

Para nos expressar, usamos várias linguagens e todas elas têm uma função, uma intenção. No ENEM, predominam questões relacionadas às Funções da Linguagem. Todo ato de comunicação envolve seis componentes essenciais: o locutor, o interlocutor, a mensagem, o código, o canal e o referente. No nosso blog, já falamos sobre essas funções. Segue o link: blog.pat.educacao.ba.gov.br/blog/2013/09/02/a-linguagem-e-suas-funcoes/. Vamos ver um exemplo de questão sobre esse assunto no ENEM 2016?

A Literatura também tem presença garantida na prova do ENEM. Dentre as escolas literárias, o Modernismo é uma das mais frequentes no exame. O movimento modernista foi uma manifestação cultural que tinha em sua essência buscar a ruptura, em termos artísticos, com o que estava estabelecido na sociedade. Para os modernistas, o artista tinha que ter liberdade de criação, não se fechando a nenhum método e sempre tendo a identidade brasileira como norteadora. Na questão seguinte, do ENEM 2016, essa característica fica evidenciada.

Consulte o texto O Enem e o Modernismo, que foi publicado no nosso blog: blog.pat.educacao.ba.gov.br/blog/2013/10/21/o-enem-e-o-modernismo/.

Gabarito: 102: E, 103: C, 131: C, 96: A, 107: C.

Sucesso no ENEM!

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Let’ s study!

Hey! ENEM is coming! Are you ready?

ing

Fig.1 Língua Estrangeira Moderna(LEM) -Inglês

É hora de se preparar, galera! O ENEM está chegando e, neste ano, ele traz muitas novidades e mudanças.  Fique atento ao Edital do Enem 2017!

A prova de Língua Estrangeira Moderna (LEM)  se insere na área de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, cuja opção  pode ser em Inglês ou em Espanhol. Vale lembrar que a prova  de LEM deve ser entendida como fonte de diversidade da cultura de outros povos e uma forma de estar exposto às diversas situações do cotidiano, seja de  caráter social, cultural, econômico ou histórico.

É preciso estar certo e seguro do idioma ao se inscrever, pois não há possibilidade de mudança da escolha. Qualquer que seja a opção, o candidato deve se preparar para a interpretação de textos. Portanto, não é exagero dizer que a leitura  é o principal foco.

Vale ressaltar que não se pode desconsiderar outras questões, como a gramática, por exemplo, que está direta ou indiretamente presente  no exame, mas  a grande sacada é estar preparado para os gêneros textuais contidos na prova, por serem bem ecléticos: tirinha, letra de música, propaganda, artigo de jornal ou revista, poesia, dentre outros.

Cada tipo de texto  exige maturidade de leitura que, a depender do seu gênero e formato, deve-se ficar atento ao título, subtítulo, layout, imagem, etc. Economize tempo!  Vai uma  dica, que já falamos aqui no nosso Blog, que é utilizar duas técnicas úteis para leitura de textos em língua estrangeira:  o skimming – leitura rápida para observar qual foi a intenção do autor. Outra dica é o scanning– exige mais atenção e detalhamento para se buscar a informação mais específica do texto. Você pode rever o post Eu me LIVROwhatisagn1

Fig.2 Aprenda dicas legais para suas leituras em inglês!

Uma forma divertida para aprender inglês e espanhol é assistindo aos vídeos dos “Amigos Ingleses”. Venha aprender divertidamente!

False friends Cuidado com os falsos amigos! Aprenda mais sobre eles que estão de penetra na prova do ENEM! Tem uma lista que você pode ampliar ainda mais seus conhecimentos. Some or any? Aprenda o uso correto dessas duas palavras!

Still, yet or already? Não é possível! Não sabe ainda utilizar esses advérbios em inglês?

Nossa  Plataforma Anísio Teixeira (PAT) está cheia de novidade! Confira! Quer saber mais? Acesse nossos conteúdos digitais! O lugar é aqui!

Outro ponto forte do ENEM a ser considerado é a contextualização que ocorre na prova e questões com temas ligados à contemporaneidade. Já que o ENEM fala tanto em contextualização, veja que bacana!  Quer aprender Biologia e de brinde o inglês? Veja o que temos sobre  átomo,DNA,cromossomos e muito mais!

O que é um átomo?

O que é DNA?

O que são cromossomos?

 É preciso estar atento aos verbos frasais:

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/4249

Vale a pena você ver essa produção da TV Anísio Teixeira sobre esse assunto.

Então, quer mandar bem no ENEM? Nossa PAT tem muito a oferecer.  No Blog  você pode rever estes posts, que vão te ajudar bastante com os conteúdos do ENEM:

Quer rever  o passado ao som do saudoso “Rei do Baião”?Acesse esse post! Oxe! Forró é For all? 

E o futuro?  Reveja nosso post! GREENpense

Be smart and study!

Mônica de Oliveira Mota

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

“Vou subindo a ladeira do Pelô”

O verso que intitula este texto está presente na música Ladeira do Pelô, do compositor Betão, lançada pela Banda Mel, em 1987, no disco Força Interior, que trazia também o sucesso Faraó, Divindade do Egito (Luciano Gomes). Na semana de 9 a 13 de agosto, certamente, muita gente terá motivo para dizer: “Vou subindo a ladeira do Pelô”. Isso porque o famoso ponto turístico do Centro Histórico de Salvador será palco da primeira Festa Literária Internacional do Pelourinho (FLIPELÔ). O saudoso escritor Jorge Amado será o homenageado, além de Zélia Gattai e Myriam Fraga, importantes personalidades ligadas à vida do autor de Tieta do Agreste, Capitães da Areia, A Morte e a Morte de Quincas Berro D’Água e tantas outras obras.

Fig. 1: 1ª Festa Literária do Pelô movimentará o famoso ponto turístico. Imagem: divulgação

O evento literário pretende reunir leitores vindos dos quatro cantos da Bahia (e do Brasil!), que estão sedentos por mesas de debates, oficinas, saraus, apresentações teatrais, exibição de vídeos e shows que tenham a arte da palavra como protagonista. A programação está bem diversa e terá nomes como Conceição Evaristo, Mabel Veloso, Paloma Amado (filha de Jorge e Zélia Gattai), José Carlos Capinan, Bule-Bule e Aleilton Fonseca. Veja qual vai ser o seu itinerário para a FLIPELÔ. Quando vir todas as atrações, você dirá: “E eu vou, e eu vou, e eu vou”.

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Suicídio, Adolescência e Redes Sociais

Atualmente, o tema do suicídio entre adolescentes passou a ser centro de diversos debates, principalmente após o destaque alarmista dado pela mídia ao jogo Baleia Azul, um desafio virtual cujo objetivo final seria levar o jogador a cometer o suicídio, tendo como vítimas preferenciais os adolescentes. A repercussão em torno desse jogo trouxe a tona, um dos temas, considerado grande tabu da nossa sociedade: o suicídio. A adolescência é um período da vida humana em que estamos mais vulneráveis à ideação suicida, e essa conjuntura se torna ainda mais perigosa quando parte de um universo desconhecido para pais e professores: a vivência dos adolescentes na Web.

Tendo em vista essas questões, o Blog entrevista nessa edição Juliana Cunha, coordenadora psicossocial da SaferNet Brasil, um órgão que atua na defesa e prevenção contra crimes na web, relacionados aos direitos humanos. A SaferNet alerta que o jogo da Baleia Azul se difundiu a partir de uma notícia falsa de cunho alarmista, que teve um impacto grande na sociedade por envolver  adolescentes, risco de morte e internet. Esses componentes são um forte atrativo quando agregados a uma notícia e capturam facilmente a atenção de um grande número de pessoas.

Aos poucos a notícia gerou uma histeria coletiva e criminosos passaram a replicar a ideia do jogo, atraindo a atenção dos adolescentes. Juliana Cunha alerta sobre a necessidade de que “Sejamos usuários menos ingênuos” desconfiando de notícias que tenham esse teor. É preciso checar sempre a veracidade das fontes. Nesse processo, a escola tem um papel fundamental e deve assumir o papel de discutir sobre segurança e liberdade na Web. Com a palavras, Juliana Cunha:

 

O suicídio é um problema grave de saúde pública no Brasil e no mundo. Segundo a OMS está entre as três causas de morte mais frequentes em populações de 15 a 44 anos, trata-se, portanto de um tema delicado e que merece um tratamento cuidadoso por parte das unidades escolares, professores e profissionais de saúde, já que as causas são multifatoriais. Na Bahia o NEPS (Núcleo de Estudos e Prevenção ao Suicídio) que atua no Hospital Roberto Santos e trabalha na prevenção do suicídio elaborou um cartilha que você pode acessar aqui no Ambiente Educacional WEB.

 

Sem título

Temos disponível também a cartilha recomendada pelo Conselho Brasileiro de Psiquiatria. Leia, Informe-se. Estudantes e professores precisam estar atentos contra o desrespeito aos direitos humanos na Web, que está longe de ser uma terra sem lei, em que se podem cometer crimes de forma inconsequente, há muito de bom a ser aproveitado, mas muitos perigos também, estamos atentos! Para saber mais, acesse o novo portal da SaferNet abaixo:

 

safernet

EQUIPE:

Valdineia Oliveira (Texto)

Peterson Azevedo (Produção e imagem)

Rodrigo Maciel (edição)

 

REFERÊNCIAS 

BORGES, Vivian Roxo; Werlang Blanca Susana Guevara. Estudo de Ideação suicida em adlescentes de 15 a 19 anos. Estu. psicol. (Natal) vol. 11 no. 3 Natal Sept./Dec. 2006.

Portal da Fiocruz – https://portal.fiocruz.br/pt-br/content/suicidio-deve-ser-tratado-como-questao-de-saude-publica-alertam-pesquisadores

SaferNet – http://new.safernet.org.br/

Organização Pan Americana de Saúde – http://www.paho.org/bra/

http://www.jornaldocampus.usp.br/index.php/2017/04/serie-13-reasons-why-foge-a-cartilha-da-oms/

 

Vc jaH imaginoW te D encaraH 1 textU TdO escritU assim?

    A escrita surgiu tardiamente, se comparada ao aparecimento da linguagem, mas, sem dúvida, trouxe importantes mudanças no mundo: desenvolveu a comunicação entre os homens, permitindo-lhes derrubar barreiras que serviam de distanciamento entre grupos, oportunizou intercâmbio, trocas de informação, preservação da memória, além de favorecer o desenvolvimento intelectual do ser humano.

    Este processo segue em constante evolução, afetado fortemente pelo avanço das novas tecnologias, mais recentemente pelas chamadas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs). A partir do final do século passado, a internet e, mais especificamente, a comunicação por ela proporcionada, revelou-se como a maior revolução na comunicação, desde a invenção da escrita. Todos os meios de comunicação até então em uso proporcionaram, de modo mais ou menos incisivo, modificações na sociedade e na visão de mundo das pessoas e contribuíram, fundamentalmente, para a agilidade e eficiência da comunicação. A internet, entretanto, proporcionou, além disso, a extensão de algumas das nossas capacidades naturais: ela nos permite apreciar coisas que naturalmente não poderíamos ver e, além disso, interagir com elas, tocando-as em sua realidade virtual; ouvindo o que desejamos, conversando com quem não conhecemos, entre outras façanhas.

    A internet também vem inaugurando alterações na forma de escrita, tendo inclusive uma abordagem própria: a linguagem virtual ou o “internetês”, como é chamado popularmente. Trata-se de uma linguagem informal, baseada na simplificação da escrita, com recursos que a transformam em uma linguagem taquigráfica, fonética e visual, observada especialmente no chat do Facebook, Twitter, Instagram, e, sobretudo, no WatsApp. Na expressão “Q 9da10 vc ten?”, temos um exemplo da linguagem comumente utilizada nestes aplicativos e para acessá-la – “Que novidades você tem?” – é necessário recorrer especialmente à visão. É que nesta nova linguagem as palavras são, sobretudo, vistas. O que se vê (lê) não são palavras tal como as conhecemos em seu formato ortográfico, mas símbolos codificados que evocam no leitor palavras reais. É vasto o repertório: vc – você; blz – beleza; naum – não; cmg – comigo; neh – não é; kd – cadê; flw – falou; blza – beleza, entre outros. Como bem referiu Joel Birman, UERJ, em recente colóquio “Psicanálise, Educação e Política em tempos incertos: che vuoi?“, promovido pela UNEB: entre os adolescentes, maiores usuários das redes sociais, observamos “uma linguagem rica com muita metonímia e pouca metáfora“. Este recurso é absolutamente novo, se assemelha, mas não se confunde com siglas ou acrônimos. Uma sigla resulta da redução de um grupo de palavras às suas iniciais, de acordo com a designação de cada letra; acrônimo, por sua vez, compreende-se como a junção de letras ou sílabas iniciais de um grupo de palavras e se pronuncia como uma palavra só, respeitando a estrutura silábica da língua. Tão vasto quanto pontos de interrogação, exclamação e reticências, os emoticons e gifs são excessivamente utilizados. Tudo com a intenção de emprestar à escrita uma entonação mais próxima da fala e tornar a conversa mais atrativa.

Fonte: Wikpedia.org/wiki/internet%C3%AAs

    O “internetês” tem trazido uma nova preocupação entre os educadores. Muitos deles predizem que o uso das novidades virtuais pode ocasionar a perda dos padrões ortográficos e escritas cada vez menos adequadas a outros contextos de produção. Em oposição a essa ideia, outros consideram benéfica a influência da internet na construção da linguagem pelos adolescentes, que estão, muitas vezes, aprimorando o processo de produção escrita. “[…] Jamais, em tempo algum, o brasileiro escreveu tanto. E se comunicou tanto. E leu tanto”, diz Fernanda Maria Pereira Freire, pesquisadora que atua na área de Linguagens e Tecnologias. Ela defende que a comunicação mediada por computadores têm permitido o exercício da linguagem escrita de maneira diferenciada e destaca que “ferramentas para a produção escrita (editores de texto, de páginas web, de histórias em quadrinho) e para a comunicação à distância (bate-papo, icq e correio eletrônico) inauguram novas condições de produção de discurso, integrando elementos originais ao que hoje denominamos leitura-escrita.” Nas telas e não nos papéis impressos, mais uma característica do internetês é o uso de onomatopéias para representar um som ou enfatizar determinada sílaba. Isso promove nos interlocutores a compreensão de como determinada palavra deve ser lida e que intenções carregam.

    Esta forma de comunicação divide opiniões, como antes fora dito. Podemos considerar, entretanto, que “nenhum instrumento ou tecnologia inventada pelo homem pode ser intrinsecamente positivo ou negativo, certo ou errado, útil ou perigoso. É só a utilização que disso se faz que pode ser julgada com regras éticas”, como sinaliza Roberto Fasciani. E é esta a discussão que deve ser estimulada nas escolas e outros espaços de educação.

Lilia Rezende
Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

 

Referências:
FASCIANI, Roberto. Novas tecnologias informáticas, mass media e relações afetivas.
FREIRE, Fernanda M. P. A palavra (re)escrita e (re)valida via Internet. In: SILVA, Ezequiel T. da (Coord.); FREIRE, Fernanda; ALMEIDA, Rubens Queiroz de; AMARAL, Sergio F. do. A leitura nos oceanos da internet. SP: Cortez, 2003. 127 p. p.19-32.

O baianês nosso de todo dia

Colé de mermo! Tá tudo massa? Hoje, a gente vai trocar uma ideia sobre o baianês. Você tá ligado? Não precisa ficar agoniado, não. É de boa! Tá rebocado! Só não vamos entrar na molequeira, porque a coisa aqui é séria. Brincadeiras à parte, se você é baiano, já prestou atenção ao nosso modo de falar? Temos uma forma própria de nos expressar e, muitas vezes, a gente não atenta para isso. Essa forma, obviamente, não é homogênea, padronizada, mas faz parte dos nossos costumes. Repare como eu comecei este texto. Oxe! Olha o baianês aí de novo!

Fig. 1: capa da 2ª edição do Dicionário de Baianês, publicada em 1992. Foto: Raulino Júnior

O baianês é um dialeto do português brasileiro, cujo uso frequente se dá no estado da Bahia. Ele é formado por palavras e expressões que caracterizam a cultura do povo baiano. A sua composição tem influências históricas, principalmente quando se pensa nas correntes migratórias da época do Período Colonial, quando Salvador protagonizava as ações administrativas do Brasil. A então capital do país influenciou e contribuiu para consolidar essa forma peculiar de se comunicar.

Há uma vertente da Linguística, a ciência da linguagem, que estuda esse fenômeno da língua: a Sociolinguísitca. Ela se debruça, de forma científica, sobre os aspectos linguísticos e sociais que são evidenciados na relação entre língua e sociedade. É um estudo muito interessante! Porque, para a Sociolinguística, as condições de produção devem sempre ser consideradas. Uma pergunta-guia é: por que tal falante usa tal forma para se comunicar? Daí vem toda a investigação. O estudo é descritivo, voltado para o emprego linguístico concreto. Os fatos da língua são investigados pelos sociolinguistas tomando como base o uso vivo dela. Nesse sentido, noções de “certo” e “errado” não são levadas em consideração. É assim com o dialeto baiano. Expressões como “Colé, bródi!” e “Ópraisso!” se justificam devido a essa investigação científica.

Contudo, como o baianês é uma linguagem que nasce da fala, é preciso ter consciência para a adequação do seu uso, além de atentar para as diferenças existentes entre a língua falada e a língua escrita. Numa conversa com amigos, no pátio da escola, temos uma forma mais descontraída de falar, com reduções de palavras e uso de gírias, por exemplo. Entretanto, numa entrevista de emprego, a nossa fala, geralmente, se torna mais formal.

Quem investigou e registrou a nossa forma de falar foi o engenheiro Nivaldo Lariú, que é natural de Itaperuna, município do Rio de Janeiro. Ele radicou-se na Bahia há mais de 40 anos e catalogou as palavras e expressões ditas pelos baianos no Dicionário de Baianês. O livro já tem mais de 1500 verbetes e é um dos poucos registros sobre o dialeto. Vale muito a pena consultá-lo. Quer pegar o boi? Corra atrás da obra, criatura!

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Duas faces de uma mesma prática

A leitura é muito mais

do que decifrar palavras.

Quem quiser parar pra ver

pode até se surpreender:

vai ler nas folhas do chão,

se é outono ou se é verão;

nas ondas soltas do mar,

se é hora de navegar;

e no jeito da pessoa,

se trabalha ou se é à-toa…”

O trecho acima, do poema Aula de Leitura, do escritor, ilustrador e pesquisador paulista Ricardo Azevedo, mostra como a leitura é uma prática que nos enche de possibilidades de ver o mundo. Através dela, a gente decifra tudo, até as coisas consideradas mais difíceis. Por mais clichê que pareça, para quem lê, a vida tem outra face e várias facetas. Quem lê, de fato, se torna possível e passível; porque leitura é sentimento.

Fig. 1: Família “Leitura e Escrita” (da esquerda para a direita): Rodrigo de La Rocha, Diego Santoro, Elaine Camacã, Alex Simões, Mariângela Nogueira (sentada), Larissa Kharkevitch, Anderson Shon, Nana de Carvalho e Armando Almeida. Foto/Edição: Peterson Azevedo.

A Fundação Pedro Calmon (FPC), através da Diretoria do Livro e da Leitura (DLL), levou essa afirmativa ao pé da letra e criou o projeto Memórias de Leitura, com o objetivo de estimular a leitura. Quinze vídeos foram publicados, com pessoas falando sobre as suas primeiras experiências com a prática de ler. O resultado pode ser visto na programação da TV Educativa da Bahia (TVE-Bahia), nos sites e mídias sociais do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (IRDEB), da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA) e da própria FPC.

A fim de saber um pouco mais sobre o projeto e discutir o papel da escola nesse estímulo à leitura, a equipe do Blog do Professor Web e da Professora Online conversou com Mariângela Nogueira, 58 anos, diretora da DLL. Veja, no vídeo a seguir, o que ela disse:

O projeto Memórias de Leitura foi produzido, como afirmou Mariângela, durante a Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica), em outubro de 2016. O poeta Alex Simões, 43 anos; o tradutor, poeta e escritor Rodrigo de La Rocha, 28 anos; e o professor e escritor Anderson Shon, de 29 anos, foram algumas das pessoas que compartilharam as memórias. A convite do nosso blog, eles falaram como foi essa experiência e opinaram sobre a importância da iniciativa:

O Memórias de Leitura foi gravado por jovens integrantes da Cipó Comunicação Interativa e a produção teve apoio da DLL. Por curiosidade, você gostaria de saber quais são as memórias de leitura de quem idealizou a iniciativa? Nós também! Por isso, perguntamos à equipe que compõe a Diretoria do Livro e da Leitura, da Fundação Pedro Calmon: quais são as memórias de leitura de vocês? Neste vídeo, você confere os depoimentos:

IV Concurso de Escritores Escolares

Outra ação da DLL (FPC) que tem a leitura como mote é o Concurso de Escritores Escolares. Isso porque todo ato de escrita pressupõe o de leitura. Na sua 4ª edição, o concurso é voltado para estudantes regularmente matriculados no Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio, das redes pública e particular da Bahia. Cada estudante só pode se inscrever em uma das categorias (redação ou poesia), com texto inédito, ficcional ou não. O tema das produções é livre. No vídeo a seguir, Armando Almeida, 60 anos, coordenador de Leitura da DLL, fala como se deu a adesão das escolas ao concurso, durante todo esse tempo, e sobre o estímulo à escrita:

O professor Anderson Shon, que participa há dois anos do concurso, estimulando os seus alunos, diz que faz a sensibilização focando na escrita criativa: “Eu sempre trabalhei redação longe de qualquer objetivo de passar no ENEM, de passar em vestibular. Eu sempre foquei em escrita criativa. Quando eu soube do concurso, lá na 2ª edição, para mim, era a ideia de validar os meus conhecimentos e os conhecimentos deles. Porque a gente escrevia, a gente gostava, mas a gente nunca tinha passado por uma avaliação. Na primeira vez que eu participei, tive sete alunos premiados. No ano passado, tive Beatriz Vieira em primeiro lugar. A gente já trabalhava a escrita de uma forma extremamente criativa. Minha ideia de trabalhar a escrita com eles é no conceito de que a escrita é viva. Nas nossas aulas, não existe nada que esteja extremamente errado. Para mim, estimular os alunos, é sempre desafiá-los, mostrar que eles são capazes, criativos e com condições de virarem escritores no futuro”, pontua.

As inscrições para participar do IV Concurso de Escritores Escolares poderão ser feitas até 14 de junho, na sede da FPC, que fica na Avenida Sete de Setembro, Edifício Brasilgás, 4º andar, sala 01, Centro, Salvador-BA, CEP.: 40060-001. Quem não mora na capital, pode fazer a inscrição pelo correio, com Aviso de Recebimento (AR). Dezoito candidatos serão contemplados, com prêmios como notebook, tablet, e-book e kits de 50, 40 ou 30 livros. Para saber mais informações sobre o concurso, acesse o site www.fpc.ba.gov.br. Sucesso! E não esqueça: a leitura te leva para qualquer lugar. Basta você querer!

Texto/Produção: Raulino Júnior

Imagens: Peterson Azevedo

Edição/Finalização: Keops Maciel

Agradecimentos à equipe da Diretoria do Livro e da Leitura, da Fundação Pedro Calmon, e a todas as pessoas que participaram desta reportagem.

Fique ligado!

 

Olá, pessoal! Preparado?

É positivamente válido revelar experiências exitosas no cenário educacional, notadamente, quando elas vêm de sujeitos que valorizam e lutam por uma educação cada vez melhor.

O quadro “Faça Acontecer” que integra o Programa Intervalo da TV Anísio Teixeira (TVAT)/ Rede Anísio Teixeira  trata-se de um documentário em que, educandos da rede estadual de ensino, participam de atividades, seleções ou premiações incentivadas pela Secretaria Estadual de Educação e Cultura / SEC.

Atavés dos projetos que estimulam o pensar educativo, científico, cultural e tecnológico orientados pela Lei de Diretrizes e Bases (Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996) como: Festival Anual da Canção Estudantil (FACE), Artes Visuais Estudantis (AVE),Projeto Tempos de Arte Literária (TAL),Produções Visuais Estudantis (PROVE), Feiras de Matemática, Feira de Ciências e Jogos Estudantis da Rede Pública (JERP) para o fomento de atividades socioculturais que, para além dessa proposta, são atividades que estimulam a criatividade e criticidade  dos educandos com o propósito de valorização e divulgação de um produto, sem perder de vista sobretudo, o reconhecimento das questões identitárias dos sujeitos.

A proposta do “Faça Acontecer” versa por diferentes áreas do conhecimento o que permite, portanto, um diálogo interdisciplinar. O ponto forte desse quadro é, sem dúvida, revelar as potencialidades bem como o protagonismo estudantil dando visibilidade à sua produção e criação, claramente percebido  na fala do educando Pablo de Jesus,participante do AVE 2010,de Morro do Chapéu -BA. Assista ao vídeo abaixo e confira!

video

Como fica evidente, o documentário aborda , a trajetória do estudante até a conquista da premiação, o enfrentamento e a superação de suas dificuldades revelando, consideravelmente, o papel da família e da comunidade escolar como os pilares para a realização do desejo de cada participante.  Para assistir aos demais vídeos acesse nosso ambiente!

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/episodios/id/6

Por fim, o “Faça Acontecer” é uma grande oportunidade de mostrar a sociedade  as potencialidades dos educandos . A exemplo de Mirela Andrade de Jeremoabo- BA, com seu projeto “A Geografia da fome” revela  grande contribuição  para um problema bastante gritante,  não somente no nosso contexto social, mas global. Seu trabalho científico ganhou a Feira de Ciências da Bahia em 2011 e teve ainda repercussão nacional  na Feira Brasileira  de Ciências e Engenharia (FEBRACE) em 2012 .

  Então! O que está esperando? Você, como muitos e tantos outros, pode ser o protagonista do próximo “Faça Acontecer”! Portanto, fique ligado no “Encontro Estudantil” e revele seu talento!

Mônica de Oliveira Mota

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia