Reflexões sobre a Proclamação da República

Olá, pessoal!

Hoje, vamos falar da Proclamação da República brasileira.

A palavra república vem do latim, res pública e significa coisa pública. É a forma de governo onde um representante eleito pelo povo, é responsável por cuidar dos interesses e necessidades da população de um modo geral.

Aqui no Brasil, a Proclamação da República aconteceu em 15 de Novembro 1889, devido a diversos fatores sociais, políticos e econômicos daquele momento (Independência, Abolição da escravatura, processo de industrialização etc.), que proporcionaram descontentamento nas várias camadas da sociedade, desde os grandes produtores rurais, principalmente do interior de São Paulo, que sentiram-se prejudicados pelo “fim da escravidão”, base da sustentação produtiva; o exército, desejoso de uma forma de governo na qual pudesse exercer o poder sobre as diretrizes do país, assim como a classe média, que também queria sua participação nas decisões sobre os rumos sociais e econômicos do país, ou seja, queria usufruir das vantagens da nova ordem econômica mundial.

A questão que se impõe é: Qual foi a participação popular nesse que seria um momento histórico para todos(as) os brasileiros(as)?

Pode-se inferir que os interesses das classes populares não estavam presentes nos ideais republicanos, na prática. E a tão propalada República evidenciou a união de diferentes partes interessadas em ter o controle das principais decisões, apesar dos conflitos existentes entre elas, a fim de garantir sua permanência de modo lucrativo econômica e politicamente.

Desse modo, pode-se dizer que a República resultou em pactos entre representantes ativos da classe média e do setor mais dinâmico da classe senhorial. Não houve mudanças significativas na vida de boa parte da população brasileira. Aliás, como escreveu o historiador Leôncio Basbaum, uma das principais características da República no Brasil foi a absoluta ausência de participação popular.

Refletir sobre o início do regime republicano brasileiro exige de nós a compreensão da combinação de vários fatores e interesses. É preciso examinar o episódio relativizando a noção do herói anunciador da República, na figura do Marechal Deodoro da Fonseca.

No grito da dita Proclamação há muitas contingências que nos exigem pesquisa, sobretudo para entender por que as classes populares continuavam na execução e sem participação nos espaços de formulação das coisas.

Mas, embora proclamada sem a iniciativa da maioria da população, as ideias republicanas causaram entusiasmo às camadas populares, pois suscitavam possibilidades de participação; participação ainda hoje tão sonhada. Parafraseando o historiador chamado José Murilo de Carvalho, deixamos a seguinte provocação: “A República que ainda não foi…”

Valeu, galera!

Referências:

BASBAUM, Leôncio. História Sincera da República. São Paulo, Alfa-Omega, 1975-76.

CARVALHO, José Murilo de. Os Bestializados: O Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia da Letras, 1987.

COSTA, Emília Viotti da Costa. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999.

Anúncios

Água de cheiro, fé e cultura – 5ª Lavagem da Biblioteca Pública

Olá, amigas(os)!

200+1 Porque você faz parte dessa história”

Da histórica praça do Campo Grande aos Barris, baianos(as) de todos os cantos puderam constatar que todos os caminhos de fato levam à biblioteca. No dia em que celebramos o Dia Nacional da Cultura (o5/11), tivemos mais uma demonstração de como cultivar as nossas manifestações culturais. Estamos falando da 5ª Lavagem da Biblioteca Pública do Estado da Bahia, que neste dia comemorou também 42 anos de sua atual sede, nos barris. No percurso foi possível conferir o quanto esta instituição secular tem um papel de grande importância para a comunidade baiana, onde estudantes, educadores(as), funcionários(as) e o público em geral participaram com muita alegria e interação do evento, que contou com o apoio da Fundação Pedro Calmon, Secretaria Estadual da Educação, outras secretarias e segmentos da sociedade e foi animado pela banda de percussão Pracatum, além de Candyló e Batifun.

Para Edwin Neves, coordenador do Núcleo Biblioteca Viva, setor responsável pela produção cultural da Biblioteca, este evento já faz parte do calendário cultural da cidade de Salvador e tem grande importância para a sociedade baiana, visto que é um fomento ao livro e à leitura, bem como às mais diversas expressões artísticas.

São dois séculos de informação e acesso livre para o público. É importante que as pessoas reconheçam e se apropriem da Biblioteca, pois ela faz parte da nossa história e precisamos ter identidade com ela. Estamos funcionando todos os dias, inclusive aos domingos, promovendo ações através de outras linguagens culturais e artísticas, para aproximar o público da Biblioteca, principalmente os jovens, essa é a nossa filosofia.”, contou Edwin.

Confiram a galeria de fotos: cliquem aqui!

Então, se vocês ainda não frequentam a BPEB fica aí a nossa dica, pois neste espaço, além do acesso a um dos acervos mais ricos da América Latina, são oferecidos também cursos, palestras e oficinas gratuitas, bem como salas de projeção e um setor especialmente voltado para o braille, permitindo assim o acesso dos deficientes visuais ao conhecimento, o que nos leva a acreditar ainda mais que todos(as) nós fazemos parte dessa história.

Horário de funcionamento e mais informações sobre a Biblioteca

cliquem aqui!

Abraços!

Novembro Negro – Depois dos navios negreiros, “outras correntezas”

Olá, pessoal! Tudo bem?

 

Estamos dando início ao Mês da Consciência Negra, em que se comemora algumas conquistas e busca-se outras vitórias. Esse é um momento oportuno para refletirmos acerca dos desdobramentos nas esferas política, social e cultural nos quais negros e negras estão inseridos. Foram muitos os desafios enfrentados pelos afrodescendentes desde o “fim do tráfico negreiro” e a abolição da escravatura. Apesar de toda contribuição na formação e no desenvolvimento do país, por muito tempo eles(as) estiveram esquecidos(as), desassistidos(as) socialmente, tendo que travar muitas batalhas para que seus direitos fossem reconhecidos.

Hoje, é impossível negar a marcante influência da cultura africana no nosso cotidiano, da arte a culinária, passando pela ciência, religião, música, literatura, dentre outras, ela se faz presente de forma muito intensa.

Temos personalidades negras que se destacam no cenário nacional, como o Ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, a Desembargadora baiana Luislinda Valois, Abdias do Nascimento, Makota Valdina, Luísa Mahin, mãe do abolicionista Luiz Gama, pessoas que fizeram e fazem a diferença, nos mostrando que mesmo com todas as dificuldades smos capazes de sair da invisibilidade para o reconhecimento.

Desta forma, neste mês desejamos unir ainda mais os nosso laços culturais, sociais, etc.,  em busca do verdadeiro reconhecimento da história do nosso país.

Confiram as abordagens que fizemos em anos anteriores – Cliquem aqui!

Abraços!


I Semana do Professor – O ofício e o profissional

Olá, pessoal! Tudo bem?

A sua contribuição na formação dos sujeitos na sociedade é indiscutível.

Toda ação que desenvolvemos ao longo da vida é fruto de algum aprendizado, pois viver é um eterno aprender.

Esses(as) mestres(as) do saber não passam por nossas vidas sem deixar marcas importantes, que muitas vezes servem como exemplo em muitos momentos distintos.

Considerando que o(a) professor(a) é a chave para a engrenagem do motor que faz a sociedade girar, fomos conversar com profissionais da área a fim de saber mais sobre desse ofício.

Confiram:

Segundo Ana Cristina Castro, Prof.ª Dra. da Universidade do Estado da Bahia, “os professores tem um ofício singular, baseado em saberes essenciais à sua prática pedagógica. São saberes que são elaborados na formação (inicial e continuada) e nas vivências institucionais e relacionais estabelecidas na escola. Segundo Tardiff (2011) estes saberes são provenientes das instituições de formação, da formação profissional, dos currículos e da prática cotidiana, o saber docente é, portanto, essencialmente heterogêneo (p. 54). Esta especificidade requer do professor enfrentamentos de desafios da contemporaneidade, a exemplo, das TICs, da complexidade – da interdisciplinaridade – da relação ensino e pesquisa. Pois todos estes desafios estão explicitados na sala de aula, pois o ensino é ‘uma prática social complexa’. Realizado por seres humanos entre seres humanos, o ensino é transformado pela ação e relação entre os sujeitos (professores e estudantes) situados em contextos diversos: institucionais, culturais, espaciais, temporais, sociais. Por sua vez, dialeticamente, transforma os sujeitos envolvidos nesse processo (PIMENTA, 2012, p. 162).”

Já a bióloga formada pela Universidade Católica de Salvador, atuante no Colégio Estadual Rubén Dario a 21 anos, professora Ana Maria Santos de Menezes, em uma breve apresentação nos contou um pouco de suas vivências como educadora em uma excelente entrevista:

Entrei no Estado atuando na disciplina Biologia, porém, pela necessidade, estou ensinando Física a mais de 12 anos. Possuo minha primeira especialização em Gestão Ambiental e a segunda em Mídias Digitais. Sou também farmacêutica (UFBa-91) a 21 anos trabalhando em farmácia. Comecei atuando no ensino médio, hoje no 3º ano da E.J.A.( Educação de Jovens e Adultos ) e curso técnico em Alimentos (Proeja) no turno noturno.”

Equipe do Professor Web – Professora Ana Maria, como a senhora avalia o ofício do(a) professor(a)?

Ana Maria – Na verdade me sinto inserida em várias outras profissões, principalmente a de psicóloga. Lidamos com diversas personalidades, apesar da idade avançada da maioria de meus alunos, sinto que são carentes de atenção.

PW – Quais são os principais desafios enfrentados hoje pelos(as) professores(as)?

A.M – O professor de hoje, principalmente o de escola pública, tem enfrentado diversos desafios, que vão desde a falta de interesse dos alunos, da violência, até exigências descabidas da secretaria da educação, cobranças desnecessárias inseridas no nosso dia-a-dia.

PW – Como a senhora avalia a relação entre educadores(as) e discentes na sala de aula?

A.M – Minha relação é extremamente harmoniosa, sou tratada como “prózinha”, inclusive de alunos bem mais velhos do que eu, isso proporciona um bom trabalho de construção coletiva, de fácil interação e de fácil aceitação, tendo como consequência um bom aprendizado.

PW – Que mensagem a senhora deixaria para quem pretende ingressar na carreira de professor(a)?

A.M – Apesar de ser uma das mais antigas profissões, para ser professor tem que estar aberto às novas experiências, ter responsabilidade ao ensinar, estar antenado às novas tecnologias, ao mundo moderno, ampliar seus horizontes mas, principalmente, formar cidadãos conscientes, tentar construir um mundo mais alegre e por que não dizer, mais justo.

NÃO BASTA ENSINAR, TEM QUE GOSTAR DO QUE FAZ!

É isso, galera! Para quem pensa em trilhar os caminhos da educação, ficam aí as dicas.

Para quem já atua nessa estrada a mais tempo, deixamos nossos eternos parabéns!

Abraços!

Colaborou – Eurivaldina Dantas, professora e colaboradora da Rede Anísio Teixeira.

Dia das Crianças – Diversão e Brincadeiras!

Olá, galerinha!

Hoje comemoramos o Dia das crianças, essa é uma data que nos remete à lembranças divertidas e inesquecíveis.

Se engana quem pensa que apenas os brinquedos caros ou até mesmo os tecnológicos que são os responsáveis pela diversão da garotada. Existem maneiras simples de tornar os momentos de lazer mais agradáveis e interativos. Como por exemplo, os brinquedos artesanais, ou os feitos com materiais reutilizados ou o tão famoso caça palavras, não é mesmo?!


Então, embarquem nesse desafio com o PW!

Continue lendo

I Semana do Professor – O Cuidado Com a Voz

Fala, pessoal!

As atividades exercidas por profissionais ligados(as) à educação, muitas vezes podem contribuir para o surgimento de determinadas doenças. Hoje, queremos convidar vocês a conhecerem um pouco mais sobre os cuidados com a saúde do(a) professor(a).

Sabemos que para os(as) educadores(as) que lidam diariamente com a comunicação em sala de aula, a voz é uma das principais ferramentas de trabalho, não é verdade?

Para garantir uma melhor qualidade da saúde vocal, é necessário que alguns cuidados sejam adotados, visando favorecer o fluir sem muitos esforços no momento da oratória e a prevenção de sérios problemas.

Buscando algumas dicas, que de modo simples contribuam para o bem estar de nossos(as) educadores(as), a equipe do Professor Web indica um vídeo realizado pela TV Anísio Teixeira a respeito desse importante assunto.

Agora que vocês já sabem como proceder, não percam tempo. Façam dos cuidados com a voz parte de suas atividades diárias.

Confiram também outros vídeos realizados pela TV Anísio Teixeira, sobre a saúde do(a) professor(a). Cliquem aqui!

Valeu, galera!

CARAVANA DIGITAL – PROFESSOR WEB COLÉGIO ESTADUAL GÓES CALMON

Fala, galera!

Aconteceu no último sábado, 29/09, a I Feira Tecnológica do Colégio Estadual Góes Calmon. Um evento sem dúvida de suma importância para os(as) estudantes e a comunidade local, que foram beneficiados(as) com a apropriação do uso das tecnologias que, entre outras vantagens, colabora para o crescimento profissional.

Durante todo o dia foi possível observar e relação dos(as) alunos(as) com os avanços tecnológicos, mostrando a capacidade que tem para desenvolver novas técnicas através desse precioso mecanismo de aprendizagem, evidenciadas na interação do público com a Feira.

Os(as) professores(as) e funcionários(as) estavam super integrados(as) nessa ação, que mais uma vez nos mostrou que é possível fazer transformação valorizando o acesso às tecnologias atreladas ao uso pedagógico.

Na ocasião a equipe do Professor Web promoveu a Caravana Digital, interagindo com o público, unindo brincadeira e informação para a galera. Um momento de entretenimento onde foram apresentados os conteúdos digitais com os quais trabalhamos.

Batemos um papo com professores(as), alunos(as) e representantes da comunidade local sobre a importância de um evento como esse para todos(as) que estão envolvidos(as) com a educação.

O resultado dessa entrevista vocês conferem na sequência.

JEANE FADIGAS CERQUEIRA (Diretora)

PW: O que motivou a realização desta Feira de Tecnologia?

JEANE CERQUEIRA: Depois de uma greve longa dos professores, os alunos estavam bastante desmotivados, então o professor Fábio pensou na realização de uma feira que pudesse falar de tecnologia, que é uma realidade da população brasileira, e também pensando nos cursos que nós temos aqui na escola, envolvendo os alunos e professores também.

PW: Como a senhora avalia o envolvimento dos estudantes na Feira?

JEANE CERQUEIRA: Foi muito positivo. A gente não acreditava que eles pudessem realmente abraçar o projeto, nós nos surpreendemos. Ontem mesmo, sexta-feira (28/09/12), foi uma paralisação nacional da educação e todos os alunos do ensino médio estavam aqui arrumando as salas juntos com muitos professores, deixando tudo pronto para os seus stands estarem funcionando hoje. Foi surpreendente também, num sábado letivo pós-paralisação, a visitação dos parentes, dos vizinhos, que eles mesmos convidaram.

PW: Qual a importância desta ação para a escola e para a comunidade local?

JEANE CERQUEIRA: Para a comunidade, a oportunidade de conhecer os cursos que existem aqui na escola, porque muita gente passa aqui pela avenida principal de Brotas e não sabe que o Góes Calmon tem cursos técnicos, além do ensino médio profissionalizante. A comunidade passa a conhecer também alguns projetos, como o software educativo produzido por nossos alunos, que tem sido muito proveitoso. Além disso,  a comunidade pode usufruir gratuitamente dos serviços oferecidos, como uma lan house, onde geralmente é preciso pagar pra imprimir uma conta.

Continue lendo