Vá com ética no ENEM!

O ENEM acontece todo ano e não podemos esquecer que todas as disciplinas são muito importantes, sendo a Filosofia uma delas. Pascal, físico, matemático do sec. XVII dizia: “Há mais coisas entre o céu e a terra, do que supõe a nossa vã filosofia”. Bem, o que podemos elaborar em torno da palavra vã?! Pode ser considerada como aquilo que não tem conteúdo; que é contrário à realidade[1]. Contudo, Heráclito, pré-socrático do sec. VI – V a.C., dizia que tudo é movimento, isto é, “tudo flui”, nada permanece o mesmo. As coisas estão numa incessante mobilidade.

Estas e outras questões estão associadas à Filosofia quando estudamos ética e moral. “A moral diz respeito aos costumes, valores e normas de conduta específicos de uma sociedade ou cultura, enquanto que a ética considera a ação humana do seu ponto de vista valorativo e normativo”[2]. Por exemplo, na Grécia antiga, a escravidão era justificável: não éramos iguais e, assim sendo, a ausência da liberdade também! Na idade Média, a tortura era prática admitida. Todavia, desde o sec. XX que somos regidos pela Constituição da República Federativa do Brasil, 1988, dentre outras questões morais, no art. 1º observamos: “devemos respeitar a dignidade da pessoa humana”; no art.3º parágrafo IV devemos “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. ” No art. 5º parágrafo XLII – “a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei. ”

Em linhas gerais: a moral está ligada aos valores necessários ao convívio entre os membros de uma sociedade e a ética está sempre questionando, construindo e refletindo.  A Filosofia é atual. Os autores e seus conteúdos podem e devem referendar a sua consciência questionadora, não esquecendo que: pensar é filosofar!

A Plataforma Anísio Teixeira (PAT) “antenada” com questões propulsoras, confirmam através de diversos temas, os seus conteúdos ou objetos educacionais seguindo “o aprimoramento do educando, incluindo a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico”.[3]

O Programa Máquina de Democracia com o tema de Educação e Direitos Humanos estrutura-se com as bases legais que norteiam a Educação no pais.

http://pat.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/1954

Dois Dedos de Prosa, Edição 8, é um programa com dois pesquisadores que conversam sobre Educação e Movimentos Sociais, a partir dos tópicos: panorama histórico no Brasil, o trabalho pedagógico e políticas públicas.

http://pat.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/1593

O racismo que pode levar a pena de reclusão aos atos de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional pode ser visto através do Filmei!  com a temática: Preconceito Social.

http://pat.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/episodios/id/3901

Além da ficção temos o documentário: Nó de Nós que relata através da arte manual, poética e histórica as atribulações que os negros, escravos, africanos foram acometidos ao saírem do seu pais de origem.

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/5847

Referências

BRASIL. CONGRESSO NACIONAL (1996) LDB – Lei 9.394/96. Estabelece Leis, Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1996.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 1O.639, de 09 de janeiro de 2003. Brasília, 2003.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Brasília, 2008.

 _______. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

______ . [Constituição (1988) ]. Constituição da República Federativa do Brasil [recurso eletrônico]. — Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Documentação, 2017. Disponível em:

http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoConstituicao/anexo/CF.pdf

Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para as Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Junho, 2009.

Ética e cidadania: construindo valores na escola e na sociedade – MEC – Disponível em:

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000015509.pdf

 ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Disponível em:

http://charlezine.com.br/wp-content/uploads/2011/11/Dicionario-de-Filosofia-Nicola-ABBAGNANO.pdf

[1] Dicionário eletrônico da língua portuguesa Houaiss – 2009

[2] ABBAGNANO, 2007

[3] PCN – Ensino Médio – http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/cienciah.pdf

Fátima Coelho

Educadora da Rede Pública Estadual de Ensino do Estado da Bahia

 

Anúncios

O coração do IAT

Estudante-repórter: João Pedro Santos

Ana Moreira, funcionária do Instituto Anísio Teixeira (IAT), foi entrevistada com o objetivo de falar sobre a importância do trabalho que ela realiza. A sua função é acompanhar os eventos e dar suporte logístico aos participantes do cursos. O setor no qual ela trabalha, a Coordenação de Logística de Cursos e Eventos (CLC), tem que comprovar perante o Tribunal de Contas todas as despesas do evento.

Fig.1: Coordenação de Logística de Cursos e Eventos. Foto: Marcos Valerio.

Ela cadastra os participantes e também é responsável pela lista de presença. O seu setor é constituído por quatro pessoas (um coordenador e três técnicos). O trabalho é dividido igualitariamente, tanto para o coordenador quanto para os técnicos, que acompanham todos os eventos.

Fig.2: Ana Moreira responde as perguntas do repórter. Foto: Marcos Valerio.

Quando questionada como se sente trabalhando com estudantes, ela responde: “É bom. É um público que sempre está aqui a fim de aprender coisas novas. Eu vejo que vocês têm o interesse de aprender coisas novas. Isso é bom pra gente também, porque o Instituto sempre está aberto para receber os estudantes da rede estadual de ensino”.

Alfabetização visual: que papo é esse?


15c57ec3-3977-43be-b0ae-859ce2bdbd8dFala, galera! Quero compartilhar com vocês um papo que tive com o professor e fotógrafo João Kulcsár, m
estre em Artes pela Universidade de Kent, Canterbury, UK, coordenador de fotografia do Senac e criador do Projeto Alfabetização Visual. Tive o prazer de ser selecionado para o workshop que ele ministrou em Salvador nessa sexta (01), em que abordou a temática: Alfabetização Visual – a fotografia como instrumento metodológico de ensino e aprendizagem. Em paralelo, lançou a exposição Herança Compartilhada, mostra que tem como principal objetivo apresentar as relações que foram estabelecidas entre o Brasil e os Estados Unidos da América, por meio do olhar dos imigrantes, com curadoria do próprio João, e conta com fotógrafos brasileiros e estadunidenses. O evento, na Bahia, foi fomentado pela english school ACBEU.


307d396b-b768-4701-aeb7-d757991f72e5E, finalmente, que papo é esse de alfabetizar por meio da imagem? Como você lê o mundo? Há tempos, a leitura não se resume apenas à escrita. Hoje,
observa-se uma necessidade imediata na ampliação de como interpretamos o mundo. As novas tecnologias nos auxiliam nessa empreitada. A capacidade de interpretar e usar as mídias digitais com mais autonomia, profundidade, ética, colaboração, contextualização e criticidade nos convida para uma conversa ao pé do ouvido. As mídias (televisiva, radiofônicas, internéticas e fotográficas) nos suscitam uma maior profundidade na prosa das ideias.

cfbfc59c-115f-4d21-8f08-1b37b4b53e87A imagem não pode ficar distante dessa troca! Pensando nisso, João propõe um aprofundamento no discurso e na importância da imagem como ferramenta crítica na (da) educação. Não podemos negar seu valor dialógico, ainda mais na contemporaneidade, em que as diversas formas de leituras vão além da palavra escrita. Freire (1981) já nos alertava que “a leitura do mundo precede a leitura da palavra”. Pensando nisso, vamos propor uma reflexão acerca daquele velho dito popular, que diz: uma imagem vale por mil palavras. Ou uma imagem vale por mil perguntas?

5d411f27-ac50-4b8c-bc01-7878772911aeÉ importante compreender a história para não repetir os erros, apreciar, refletir e interpretar os signos e mensagens contidas na imagem, ir além da estética. E como podemos fazer isso? É o que propõe a Alfabetização Visual! Conhecimento é poder, nos liberta dos opressores, as informações circulam no espaço com uma velocidade absurda, elas estão em toda parte e são constantemente ressignificadas e ganham, cada vez mais importância nas relações humanas. A imagem também faz parte desse universo, mas não pode estar apenas no lugar categórico de ilustração, precisa ser inserida no patamar dialógico de construção e transformação. E, para João, não existe lugar mais apropriado para isso do que a sala de aula, empoderando e estimulando os alunos a serem atores de sua própria realidade, possibilitando uma releitura midiática e imagética do mundo.

Galera, vale a pena conferir a exposição! Ela ficará aberta até o dia 31 de abril, na galeria ACBEU, no Corredor da Vitória!

Peterson Azevedo – Fotógrafo e Colaborador da Rede Anísio Teixeira

Keops Maciel – Editor e Colaborador da Rede Anísio Teixeira

1° Encontro Estadual de Líderes de Classe

Estudante-repórter: Tayline Alves

Neste vídeo, você vai conferir o 1° Encontro Estadual de Líderes de Classe, realizado no 4º Encontro Estudantil da Rede Estadual e teve como objetivo buscar o fortalecimento da cultura de participação estudantil nas escolas públicas da rede estadual e dar voz ao estudante e líderes de classe.

Se ligue aí:

 

Abraços, pessoal!

 

SAM_3284

A estudante-repórter Tayline Alves. Foto: Raulino Júnior

Tayline Alves tem 17 anos, é estudante do Colégio Estadual Polivalente do Cabula, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil

Festival de Capoeira dos Jogos Estudantis da Rede Pública (Jerp)

Estudante-repórter: Tayline Alves

Olá, galera!

Neste vídeo, você vai conferir o Festival de Capoeira que faz parte dos Jogos Estudantis da Rede Pública (Jerp). O objetivo do Festival é divulgar, democratizar e qualificar a inserção da capoeira na Rede Estadual de Ensino.

 

SAM_3284

A estudante-repórter Tayline Alves. Foto: Raulino Júnior

 

Tayline Alves tem 17 anos, é estudante do Colégio Estadual Polivalente do Cabula, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil

Como foi o 4º Encontro Estudantil. Algumas opiniões.

Olá, galera! Beleza?

Estamos no terceiro e último dia do 4º Encontro Estudantil da Rede Estadual, na Itaipava Arena Fonte Nova, evento que, nesses três dias, proporcionou oportunidades para troca de saberes, conhecimentos e experiências de todos envolvidos.

A tônica do 4º Encontro Estudantil nos conduz para uma grande celebração do protagonismo juvenil vivenciada por estudantes e professores das escolas da rede estadual de ensino durante o ano letivo de 2015” (Site do 4ºEnconto Estudantil).

No áudio a seguir, ouça um pouco da opinião dos estudantes e visitantes do 4ºEE.

Confira:

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

A estudante-repórter Dandara Lopes. Foto: Raulino Júnior

Dandara Lopes tem 14 anos, é estudante do Colégio Estadual Governador Lomanto Júnior, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

Jogos com Realidade Aumentada do CJCC

Olá, amigos ! Tudo bem ?

DSC00260

Fagner Ramos apresentando seu projeto; Foto: Bira Mendes

Hoje, 4 de dezembro, foram apresentados no Centro Juvenil de Ciência e Cultura – CJCC, os jogos com realidade aumentada. Quem visitou o estande pode acompanhar painéis feitos por Janaír Borges, diretora dos Centros Juvenis presentes no evento, acompanhados de elementos em 3D feitos por Fagner Ramos, monitor de Ciências da Natureza do Centro Juvenil de Senhor do Bomfim.

DSC00264

Aplicativo criado por Fagner; Foto: Bira Mendes

Além dos painéis, também foi apresentado um jogo desenvolvido pelo monitor Fagner Ramos juntamente com alunos do Centro Juvenil de Senhor do Bomfim.” Eles aprenderam a modelar, aprenderam a lógica de programação, utilizando softwares livres”, disse Fagner.

SAM_3287

estudante-repórter Roniton Fernandes.Foto: Bira Mendes

Roniton Fernandes tem 18 anos, é estudante do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, que fica em Salvador, e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.