Oficina para a Produção de Mídias na Educação e Cobertura Colaborativa 2016

A última Oficina para a Produção de Mídias na Educação (PME), do ano de 2016, oferecida no período de 7 a 24 de novembro, pela Rede Anísio Teixeira (Programa de Difusão de Mídias e Tecnologias Educacionais Livres da Rede Pública Estadual de Ensino), estimulou, mais uma vez, o uso crítico e reflexivo das tecnologias da informação e da comunicação (TICs). Estudantes da rede pública estadual de ensino fizeram uma imersão no Instituto Anísio Teixeira (IAT) a fim de saber um pouco mais sobre Softwares e Licenças Livres, Produção Textual para Multimeios, Fotografia e Produção Audiovisual, módulos que fazem parte do currículo do curso.

Fig. 1: Equipe que participou da Oficina para a Produção de Mídias na Educação e da Cobertura Colaborativa Estudantil. Foto: Peterson Azevedo

Fig. 1: Equipe que participou da Oficina para a Produção de Mídias na Educação e da Cobertura Colaborativa Estudantil 2016. Foto: Peterson Azevedo

Durante a oficina, os estudantes tiveram aulas teóricas com as especificidades de cada módulo e puderam colocar em prática tudo que aprenderam, ainda no processo formativo. Desse modo, já colocavam a mão na massa enquanto complementavam os conhecimentos. Ou melhor: colocavam a mão no teclado, na câmera fotográfica e nos recursos para a produção e edição audiovisual.

Como atividade final da PME, houve uma Cobertura Colaborativa Estudantil  do I Congresso Baiano de Inovação e Tecnologia na Educação (Inovatec). Na ocasião, os estudantes foram organizados em grupos de trabalho e atuaram como repórteres, fotógrafos, produtores audiovisuais e redatores para mídias digitais. A atividade, além de contribuir para que eles implementassem os conhecimentos adquiridos durante o processo formativo, foi mais um espaço para o protagonismo da comunidade escolar da rede pública estadual de ensino nas ações da Rede Anísio Teixeira.

Emili Oliveira, 16 anos, do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira, atuou como fotógrafa na Cobertura Colaborativa e disse que a experiência contribuiu muito para a sua vida: “Foi uma experiência incrível, que melhorou bastante tudo que eu já tinha feito antes. Ainda me fez perceber uma coisa que eu gosto muito e desenvolver isso: o gosto pela fotografia”.

Fig. 2: A estudante Emili Oliveira atuou como fotógrafa durante a Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior

Fig. 2: Emili Oliveira atuou como fotógrafa durante a Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior

Nickson Teles, 18 anos, do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, destaca que a participação na Cobertura Colaborativa o auxiliou na escolha da profissão: “Atuei como cinegrafista, aprendi técnicas sobre gravação e aprimorei o que realmente quero como profissão. Tive oportunidade de desenvolver aptidões que estavam guardadas”, revela o jovem que quer trabalhar na área de comunicação.

Fig. 3: Nickson Teles foi um dos cinegrafistas da Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior

Fig. 3: Nickson Teles foi um dos cinegrafistas da Cobertura Colaborativa 2016. Foto: Raulino Júnior

A Cobertura Colaborativa Estudantil contou com produção multimídia de algumas ações do Inovatec. Tudo que foi produzido pode ser conferido neste link: oprofessorweb.wordpress.com/author/coberturaestudantil/. Além disso, neste ano, a equipe que participou da atividade teve um outro desafio: produzir um programa de TV. Quer saber no que resultou? Assista ao vídeo abaixo, compartilhe nas suas redes e deixe a sua opinião sobre o que achou. É importante para nós! Ubuntu!

Programa Cobertura Colaborativa – Inovatec – Parte 01

Rede Anísio Teixeira é vencedora em duas categorias do Prêmio ARede Educa 2016

Olá, pessoal!

É com grande felicidade que nós, Educadores e Educadoras da Rede Anísio Teixeira, compartilhamos com vocês essa importante conquista. O nosso Programa de Difusão de Mídias e Tecnologias Educacionais Livres da Rede Pública Estadual da Bahia (Rede Anísio Teixeira) foi vencedor em duas categorias do Prêmio ARede Educa 2016. Fomos premiados, em 2º lugar, na categoria “Mídias Sociais”, com o Blog do Professor Web e da Professora Online; e também em 2º lugar, com o Ambiente Educacional Web, na categoria “Plataformas EducacionaisAlém disso, fomos um dos finalistas do Prêmio Especial REA. Todos os vencedores do Prêmio integram o Anuário ARede 2016-2017.

Fig.1: 8º Anuário AREDE 2016-2017. Imagem: captura de tela do site da revista ARede.

Fig.1: 8º Anuário AREDE 2016-2017. Imagem: captura de tela do site da revista ARede

Esse é um importante reconhecimento ao trabalho que estamos realizando na Rede Pública de Educação do nosso Estado. A revista ARede é uma das principais publicações brasileiras na área de Tecnologias Educacionais e Recursos Educacionais Abertos. A comissão avaliadora do prêmio foi composta por profissionais e acadêmicos reconhecidos na área e todos os vencedores são instituições de importante relevância nesse cenário.

A maioria das instituições premiadas está nas regiões urbanas e ricas, predominantemente do sul e do sudeste. São centros universitários de excelência, instituições privadas ou públicas beneficiadas por parcerias de peso. O fato de não estarmos enquadrados nessas categorias, engrandece ainda mais esse reconhecimento.

Somos uma instituição pública, formada por professores e professoras, que se dedica a atender ao seu público da melhor forma, com compromisso, qualidade e respeito. Que acredita no potencial dos professores, estudantes e comunidade escolar; na força da colaboração e na liberdade do conhecimento.

rede

Fig. 2: Educadores e educadoras da Rede Anísio Teixeira. Foto: Unidade de Comunicação/IAT/SEC

Agradecemos e parabenizamos a todos e todas que contribuem e contribuíram, direta e indiretamente, para a construção desses oito anos da Rede Anísio Teixeira!

Educadores e Educadoras da Rede Anísio Teixeira

O Programa Rede Anísio Teixeira é desenvolvido pelo Instituto Anísio Teixeira e pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia, desde 2008.

Arena Games e Educação

Estudante-repórter: Lucicarla Lima

O I Congresso Baiano de Inovação e Tecnologia na Educação (Inovatec) trouxe novidades também para os estudantes, como o uso de games como meio de aprendizagem. Com o universo dos games, a complexa linguagem de programação se torna mais prazerosa e interessante para os estudantes. Esse é o objetivo da Arena Games.

A professora de informática, Patrícia Melo, que ensina Lógica e Técnica de Programação, no Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira (CEAAT), conta que a proposta é trazer jogos, como o Sudoku, para os estudantes aprenderem a desenvolver raciocínio lógico. Assim, o processo educacional fica muito mais lúcido.

sam_1087

Fig. 1: A professora Patrícia Melo explica como os games auxiliam o processo de ensino e de aprendizagem, enquanto André Felipe mostra, no computador, mais um recurso de gamificação. Foto: Carol Aguiar.

Para Patrícia, é evidente os benefícios que os jogos possibilitam para os educandos. André Felipe, estudante do CEAAT, participou do Inovatec e mostrou para o público um pouco do que aprendeu, ressaltando que o ambiente de gameficação é totalmente diferente da sala de aula. “Eu estou impressionado com um publico tão extenso. Quando as pessoas chegam aqui na Arena, cada um tem o seu jogo e cada um leciona sobre seu jogo”.

sam_1094

Fig. 2: Games como recurso didático. Foto: Carol Aguiar. 

 

Estudante: Lucicarla Foto: Caroline Aguiar

Estudante-repórter: Lucicarla. Foto:Carol Aguiar

 

Lucicarla Lima tem 18 anos e faz parte da equipe de Cobertura Colaborativa Estudantil.

Mídia na sala

Estudante-repórter: Eduardo Marins

Estudantes da rede pública estadual participaram do curso de Produção de Mídias na  Educação, da Rede Anísio Teixeira. As aulas duraram quinze maravilhosos dias e contaram, no final, com uma Cobertura Colaborativa. Nela, os estudantes puseram em prática tudo que foi aprendido no processo. A formação contou com com conteúdos de produção textual para multimeios, fotografia, roteiro, produção de vídeo, podcast, edição, finalização, uso de softwares e licenças livres.

imagem-do-auto

Fig. 1:  Estudantes produzindo matéria jornalística. Foto: Eduardo Marins

A importância do curso vai muito além das próprias matérias. Aquele que participa passa de mero espectador, que recebe o conteúdo pronto, para alguém que julga com real conhecimento o que recebe, e que também produz.

equipe-plano-geral

Fig. 2:  Uma das equipes de audiovisual da Cobertura Colaborativa. Foto: Eduardo Marins

Mídia é?

O que é a mídia atualmente?
Um veículo de comunicação?
Um manipulador que mente?
Ou um espelho da população?

Dizem que a TV aliena,
Mas é você que desliga o coração e liga a antena
Nossa mente, todo dia, bombardeada de mensagem
E não mais se há triagem do que se assimila

A massa controla a mídia
A mídia controla a massa
A história se entrelaça
Se mantendo parada na estampa da vidraça

Mas tudo isso muda quando se aprende
E o ensinamento não tende a morrer quando é propagado
Sendo ensinado todo o processo, tudo será mudado
E só haverá produtor e nenhum manipulado.
Mas é impossível dizer sequer o que a mídia é…

A importância da produção de mídias na educação

Estudante-repórter: Carol Aguiar

O mundo está passando por um processo de mudanças tecnológicas e, para a educação se adequar, é necessário estimular os estudantes, fazendo o uso das tecnologias da informação e da comunicação na escola.

Fig. 1: Registro da mesa redonda "Inovações e Tecnologias na Educação: o que levar para a sala de aula?". Foto: Carol Aguiar.

Fig. 1: Registro da mesa redonda “Inovações e Tecnologias na Educação: o que levar para a sala de aula?”. Foto: Carol Aguiar.

A fotografia, por exemplo, pode ser um instrumento de auxílio na educação, pois podemos apresentar trabalhos, divulgar eventos, denunciar problemas, entre outras coisas.

Fig. 2: Durante o Inovatec, Yuri Wanderley, coordenador da Rede Anísio Teixeira, apresentou os projetos do Programa de Difusão de Mídias na Educação

Fig. 2: Durante o primeiro dia do Inovatec, Yuri Wanderley, coordenador da Rede Anísio Teixeira, apresentou os projetos do Programa de Difusão de Mídias na Educação

Nesta formação, aprendi coisas novas, obtive informações que geraram conhecimento e que vão ser essencial para a minha vida. Com essa experiência, vou poder fazer coisas novas e ajudar pessoas.

Estudante-repórter Carol Aguiar. Foto: Emili Oliveira

Estudante-repórter Carol Aguiar. Foto: Emili Oliveira

Carol Aguiar tem 17 anos, é estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira, localizado em Salvador, e faz parte da equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil.

Estudantes da Rede Pública Estadual realizam Cobertura Colaborativa do Inovatec

Estudante-repórter: Roniton Fernandes

O I Congresso Baiano de Inovação e Tecnologia na Educação (Inovatec) começou, hoje, no Instituto Anísio Teixeira (IAT), e junto com ele a Cobertura Colaborativa 2016. Na atividade, estudantes da rede pública trabalham coletivamente no intuito de transmitir os principais acontecimentos do evento.

A turma teve duas semanas de preparação para a Cobertura Colaborativa. Os participantes assistiram aulas teóricas e desenvolveram atividades práticas, com produção de vídeo, de texto e de fotografia.

cobertura

Antes do início da Cobertura, a equipe do blog conversou com alguns estudantes para saber quais eram as expectativas de alguns deles:

  • Andrei Dória, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: editor de vídeo.

Fig. 1: Andrei Dória. Foto: Carol Aguiar

Fig. 1: Andrei Dória. Foto: Carol Aguiar

Todo processo foi meio corrido, porém bom, pois adquirimos a experiência necessária para o evento”.

  • Esther Silva, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: repórter de radiojornalismo.

    Fig. 2: Esther Silva. Foto: Carol Aguiar

    Fig. 2: Esther Silva. Foto: Carol Aguiar

Estou um pouco ansiosa, não sei o que me espera, mas a expectativa é de que dê tudo certo”.

  • Emili Oliveira, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: fotógrafa.

    Fig. 3: Emili Oliveira. Foto: Carol Aguiar

    Fig. 3: Emili Oliveira. Foto: Carol Aguiar

O processo de formação foi curto, porém eficiente. Acho que foi o suficiente para a gente se desenvolver e está tudo fluindo muito bem”.

  • Alessandra Viana, estudante do Centro Estadual de Educação Profissional em Controle e Processos Industriais Newton Sucupira. Função na cobertura: repórter de telejornalismo.
Fig. 4: Alessandra Viana. Foto: Carol Aguiar

Fig. 4: Alessandra Viana. Foto: Carol Aguiar

A formação foi corrida, mas mostrou que, com o interesse dos professores e alunos, tudo pode dar certo, não importa o tempo. Espero que tudo ocorra bem, pois nos esforçamos muito para estar aqui”.

O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior

O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior

Roniton Fernandes tem 19 anos, é estudante do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, que fica em Salvador, e faz parte da equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil.

Com o mote da cidadania, TV Kirimurê é lançada em Salvador

Emissora pretende ser um canal de exibição de conteúdos audiovisuais feitos pelos cidadãos

Fig. 1: Registro do debate sobre empreendedorismo negro no lançamento da TV Kirimurê. Na imagem, da esquerda para a direita, Hirlene Pereira (Sebrae), Madá Negrif e a apresentadora Dina Lopes. Foto: Raulino Júnior

Fig. 1: Registro do debate sobre empreendedorismo de mulheres negras no lançamento da TV Kirimurê. Na imagem, da esquerda para a direita, Hirlene Pereira (Sebrae), Madá Negrif e a apresentadora Dina Lopez. Foto: Raulino Júnior

O canal da cidadania de Salvador já está no ar. Trata-se da TV Kirimurê, que foi lançada na tarde do último domingo, na Praça de Alimentação do Salvador Norte Shopping, no bairro de São Cristovão. O evento fez parte da programação especial do centro de compras para celebrar o Dia Nacional da Consciência Negra e coincidiu com a vontade dos responsáveis pela nova emissora de lançá-la nessa data emblemática para a cidadania brasileira.

A cantora Carla Visi, que, além de cantar, foi entrevistada por Vivi Andrade, na prévia do Programa de Mãe, que estreia em fevereiro na grade da TV Kirimurê. Foto: Raulino Júnior

Fig. 2: A cantora Carla Visi, que, além de cantar, foi entrevistada por Vivi Andrade, na prévia do Programa de Mãe, que estreia em fevereiro na grade da TV Kirimurê. Foto: Raulino Júnior

Com o slogan “Para se ver, se ouvir e se pensar”, a TV Kirimurê é mais um passo para a democratização da comunicação no país. O objetivo do canal é difundir a produção audiovisual oriunda da sociedade civil organizada. Durante o lançamento, o público conheceu algumas faixas (esportiva, feminina, infantil etc.) que vão compor a grade da TV e acompanhou debates sobre empreendedorismo de mulheres negras, economia solidária e maternidade. Artistas da dança e da música, como Marcionilio Prado e Carla Visi, também participaram do evento. Carla, inclusive, foi entrevistada por Vivi Andrade, na prévia do Programa de Mãe, que estreia em fevereiro de 2017, na Kirimurê.

O projeto da TV Kirimurê é uma iniciativa da Organização Filhos do Mundo (FEME), que, entre as suas ações, trabalha com redes de produtores livres. Vasco Aguzzoli, representante legal da FEME, falou para o blog sobre qual vai ser a função da Kirimurê na comunicação baiana:

Para participar efetivamente da programação do canal da cidadania, basta enviar o conteúdo audiovisual para o e-mail kirimuretv@gmail.com. No vídeo abaixo, a produtora Aline Cléa, que faz parte da comissão gestora da TV, informa como se dará essa dinâmica:

Depois de enviado, o material será analisado por profissionais da TV Kirimurê e encaixado numa das faixas da programação. Léo Silva, produtor e diretor audiovisual, que integra o grupo que vai selecionar os conteúdos, afirmou que a emissora abrirá espaço para produtores independentes:

De acordo com Aline, “kirimurê” é uma palavra de origem indígena, cujo significado é “grande mar aberto dos Tupinambás”. O discurso da TV também é de abertura, de possibilidades, e você pode fazer parte disso tudo. Sintonize o canal 10.2, na TV aberta, e “se veja, se ouça e se pense”.


Observação: a equipe do Blog do Professor Web e da Professora Online saiu do evento, que estava marcado para terminar às 20h, às 18h45. Por isso, não registramos as ações que aconteceram após esse horário.

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia