O Poder da Mídia, Ontem e Hoje!

correa-martians_vs-_thunder_child

Fig.1: Ilustração de Henrique Alvim Corrêa para  o livro A Guerra dos Mundos. Marciano lutando contra o navio de guerra Thunder Child. Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Fighting_machine_(TheWaroftheWorlds)#/media/File:Correa-Martins_vs._Thunder_Child.jpg

Estamos na era das mensagens instantâneas, com piadas e charges facilmente identificáveis como fictícias, mas com muitas outras mensagens de teor ficcional tomadas como verdadeiras. Mas por que levamos a sério essas mensagens? Simplesmente pelo fato de serem construídas nos moldes utilizados pelos meios de comunicação, que conferem credibilidade ao que está sendo compartilhado nas redes sociais.

E desde sempre as coisas são assim. Exemplificando e começando pelas coisas mais simples, nós mesmos recorremos ao testemunho de uma outra pessoa para confirmar alguma história que estamos contando a alguém. Não é assim? Dizemos: pergunte a fulano. E se esse fulano for uma pessoa idônea, nossa história terá o devido respaldo. Infelizmente, muitos desses fulanos tendem a confirmar nossas histórias, mesmo sem tê-las testemunhado. Isso pode se dar devido a laços de amizade ou por outros interesses. Até nos tribunais há quem jure dizer a verdade, com a mão sobre a Bíblia, mesmo ciente da mentira. Desse modo, inocentes são condenados, e culpados libertos, a depender dos homens da lei envolvidos no processo. Diante de sistemas assim, alguns preferem lavar as mãos, como fez Pilatos.

Quanto ao testemunho da imprensa escrita, radiofônica e a televisada, a “verdade” é, naturalmente, consumida pela grande maioria de seus seguidores, mesmo que as “pontinhas soltas” sinalizem questionamentos a serem feitos. Assim, dizemos: deu no rádio… li no jornal… vi na televisão e, portanto, tudo pode ser verdade. Aliás, será que é por essa razão que alguns acrescentam “só repassando”, quando reenviam certos textos cujo respaldo parece estar faltando? Isso os exime da responsabilidade sobre aquilo que passam adiante? Pois uma mentira, em formato jornalístico, por exemplo, pode destruir civilizações inteiras.

Considerando que assim é, se uma mídia utilizada para anunciar fatos verídicos vier a misturá-los com ou substituí-los por ficção, dificilmente o público perceberá a farsa, a menos que se anuncie, previamente, do que se trata. Foi o que aconteceu em 1938, nos Estados Unidos.

wotw-nyt-headline

Fig.2: Manchete do New York Times de 31/10/1938 sobre o pânico causado pelo programa ficcional de rádio levado a sério pelos ouvintes. Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/The_War_of_the_Worlds_(radio_drama)#/media/File:WOTW-NYT-headline.jpg

Naquele ano, Orson Welles adaptou para o rádio a obra A Guerra dos Mundos de Herbert George Wells, lançado em capítulos em 1897 e, em livro, em 1898. A história trata da invasão de marcianos inteligentes à Terra. O drama radiofônico foi apresentado ao público em formato de boletim de notícias, interrompendo outro programa que estava no ar. No início da transmissão foi anunciado que se tratava de uma obra de ficção, mas os ouvintes que ligaram o rádio depois de iniciado o programa não ouviram o tal aviso. Resultado: houve pânico generalizado e colapso de todas as centrais telefônicas, devido à imensa quantidade de chamadas para a polícia, bombeiros e para a própria emissora de rádio. As ruas e estradas ficaram congestionadas, com pessoas tentando fugir da área invadida pelos marcianos e foram inúmeros os depoimentos dos que viram e ouviram as naves marcianas e seus ocupantes. Hipnose coletiva? Não duvido. Clique aqui para ver um doc sobre isso.

orson_welles_war_of_the_worlds_1938

Fig.3: Orson Welles reunido com repórteres, em uma tentativa de explicar que nenhum dos envolvidos na transmissão do drama radiofônico tinha ideia do pânico que causaria. Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/The_War_of_the_Worlds_(radio_drama)#/media/File:Orson_Welles_War_of_the_Worlds_1938.jpg

O curioso é que, 3 décadas depois, a peça radiofônica de Orson Welles foi reescrita para o ano de 1968. Você diria: ah, mas a essa altura, todos já saberiam de que se tratava de uma obra de ficção. Errou. Aconteceu a mesma coisa, claro que numa proporção menor, já que o número de ouvintes tinha diminuído. De acordo com a Wikipedia, apesar das exaustivas chamadas anunciando a peça radiofônica de 1968, muitos acreditaram nos boletins e na cobertura jornalística (ficcional) que a todo instante interrompiam a programação musical do horário. O criador dessa versão, Jefferson Kaye, e o diretor Danny Kriegler chegaram a pensar que seriam demitidos, tal foi a confusão criada, que chegou a envolver até a força armada canadense, um jornal e vários oficiais da polícia local, além dos telefonemas de ouvintes assustados, todos crendo que a invasão alienígena era real.

800px-landingsite_statue

Fig.4: Placa comemorativa da famosa transmissão radiofônica, em West Windsor. Fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/The_War_of_the_Worlds_(radio_drama)#/media/File:Landingsite_statue.JPG

Isso ilustra muito bem a força que têm os meios de comunicação. Se nesses casos aqui descritos não havia a intenção de atingir as pessoas, imaginemos o que seria se tudo fosse intencional!  Com esse mecanismo, derrubam-se governos legítimos e sustentam-se farsas e farsantes. Não é à toa que a mídia carrega o rótulo de 4º Poder.

Que possamos usar essa força para a Paz.

Feliz 2017!

Geraldo Seara
Professor da Rede Pública Estadual de Ensino

REFERÊNCIAS:
https://pt.wikipedia.org/wiki/A_Guerra_dos_Mundos_(livro)
https://en.wikipedia.org/wiki/The_War_of_the_Worlds_(radio_drama)
https://en.wikipedia.org/wiki/The_War_of_the_Worlds_(radio_1968)

Projeto estimula o uso das linguagens audiovisual e artística como meio de difusão de conhecimentos para estudantes da rede pública

Estudante-repórter: Roniton Fernandes

Os professores Geraldo Seara e Nildson Veloso apresentaram o pôster Curso de Interpretação e Produção de Vídeos Estudantis, durante o primeiro dia do Inovatec (I Congresso Baiano de Inovação e Tecnologia na Educação). O objetivo do curso é propiciar aos estudantes os conhecimentos básicos sobre a linguagem cinematográfica, além de incentivá-los a criar conteúdos para o uso em sala de aula.

Para realizar a atividade, os professores visitam escolas da rede pública estadual em toda Bahia. O professor Nildson avaliou o interesse dos alunos como surpreendente: “O interesse foi muito além do que a gente esperava. Quando os estudantes percebem a responsabilidade e a disciplina que o curso exige, eles vão se motivando”.

4-sam_1067

Fig. 1: Nildson Veloso. Foto: Emili Oliveira

Com o apoio da Rede Anísio Teixeira, o curso vem gerando bons frutos e, apesar de algumas dificuldades, a expectativa é de que em 2017 ocorram novas edições da formação. O professor Geraldo Seara contou para a nossa equipe o que ele espera para o futuro do projeto: “Com fé em Deus, isso não vai parar. Inclusive, queremos ampliar. A ideia é que aumente o número de pessoas formadas, para que elas sejam assistidas diretamente e para que multipliquem o nosso trabalho”.

2-sam_1044

Fig. 2: Geraldo Seara. Foto: Emili Oliveira

 

O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior

O estudante-repórter Roniton Fernandes. Foto: Raulino Júnior

Roniton Fernandes tem 19 anos, é estudante do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, que fica em Salvador, e faz parte da equipe da Cobertura Colaborativa Estudantil.

Nossas Diversas Falas

diversidades

Flame do programa Diversidades – TV/Rede Anísio Teixeira

Você sabia que o Brasil é considerado um dos países que mais tem diversidade linguística?

Aprendemos com nossos professores de História que, na época em que os portugueses chegaram nessas terras, a população indígena era de, em média, seis milhões de pessoas, distribuídas entre diferentes povos, culturas e denominações. Com a colonização, a dominação portuguesa impôs o português como língua oficial.

Apesar disso, ainda hoje, segundo o Censo 2010 do IBGE, 274 línguas indígenas são faladas no Brasil, sem esquecer as  outras tantas que não foram contabilizadas por esse instrumento. Entre elas estão as que têm origem nas imigrações, as de sinais, das comunidades afro-brasileiras e crioulas.

Essa diversidade contribui para a formação das diferenças nas falas das pessoas de diversas regiões brasileiras. Assim, surgem, por exemplo, os falares gaúcho e catarinense, no sul, os falares baiano e pernambucano, no nordeste, o mineiro e o carioca, no sudeste.

As variações podem ser de caráter fonético, como pronúncia e entonação; e lexical, usando palavras diferentes para indicar o mesmo objeto ou aquelas que possuem escritas semelhantes, mas têm sentidos diversos em vários locais do país. Por isso, tangerina e mexerica são denominações da mesma fruta; sinal, sinaleira, farol e semáforo referem-se ao mesmo objeto.

O programa Diversidades, da TV Anísio Teixeira, propôs uma reflexão acerca da diversidade linguística. Não deixe de conferir e saber mais sobre esse assunto!

 

O mais importante de tudo isso é reconhecer que diferenças existem e que podemos e devemos reconhecê-las e respeitá-las. É tão legal perceber como é diverso o nosso país e como isso faz dele um lugar tão rico culturalmente.

 

Joalva Moraes
Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

 

Referências:

FIGUEIREDO, J.  C. Censo 2010: população indígena é de 896,9 mil, tem 305 etnias e fala 274 idiomas. Disponível em: <https://nacaoindigena.com/2012/08/10/censo-2010-populacao-indigena-e-de-8969-mil-tem-305-etnias-e-fala-274-idiomas/&gt; Acesso em: Maio de 2016.

GARCIA, M. V. C. A diversidade linguística como patrimônio cultural. Disponível  em: <http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=3053&catid=28&Itemid=39&gt; Acesso em : Abril de 2016.

MELO, M. A. Diversidade Linguística no Brasil. Disponível em: <http://www.recantodasletras.com.br/artigos/2743953&gt; Acesso em: Abril de 2016.

 

 

 

Compartilhando Saberes, Olhares e Fazeres…

Fala, rede!

No mês de agosto, foi finalizada a 2ª formação de Produção de Mídias Estudantis, realizada pela Rede Anísio Teixeira (Programa de Difusão de Mídias e Tecnologias Educacionais Livres da Rede Pública Estadual de Ensino).

raulino
Fig. 1: Professor Raulindo em plena produção textual. Captura Rodrigo Maciel

Essa formação é ofertada a estudantes e professores da rede pública estadual de ensino, o que possibilita uma vivência compartilhada entre esses atores, ampliando as relações professor-aluno. A formação em mídias estudantis é mais uma iniciativa de se discutir e problematizar as diversas metodologias educacionais mediadas pelas tecnologias, em especial a produção de  textos para blogs, a leitura e interpretação de imagens como novas formas de letramentos e a produção audiovisual como elemento de construção crítica e contextualizada de conteúdos curriculares.

marcus

Fig. 2: A turma na aula de roteiro como Professor Marcus Leone. Captura Rodrigo Maciel

A escola contemporânea deve possibilitar novos diálogos com as diversas formas de ler o mundo e suas transformações. O multiletramento possibilita que vejamos e interpretemos a dinâmica no espaço por meio de diversos instrumentos de leitura. O ato de ler está relacionado a diversas modalidades de leitura (s), seja ela um texto, uma música, uma imagem. A educação mediada pelas tecnologias, de forma colaborativa e livre, pode ser um caminho viável para esse nosso novo percurso. É com essa filosofia metodológica que os formadores da Rede Anísio Teixeira conduzem a formação, sempre procurando o “fazer junto, fazer com”.

peterson

Fig. 3: Aula de fotografia e leitura e interpretação de imagem com o Professor Peterson Azevedo. Captura Rodrigo Maciel

A professora de história, Sandra Barbosa, do Colégio Estadual de Vilas de Abrantes, no município de Camaçari, apontou a importância “de trabalhar e valorizar o uso das tecnologias na sala de aula, visando a ética e o respeito […] para mostrar aos nossos alunos que isso é importante, vai gerar autonomia, que vai gerar a possibilidade de novos olhares”. Comentou ainda sobre a metodologia de estarmos juntos, professores e alunos, como aprendizes: “Não poderia deixar de falar sobre a importância de trabalhar junto com os alunos. Eu aprendi muito com os fazeres tecnológicos deles”.

O estudante Nickson Lima, do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, de Salvador, enfatizou: “Nunca imaginei que uma escola pública poderia me proporcionar uma formação que trabalhasse a tecnologia, como foi ofertado aqui. Meu intuito é aprender e levar para os meus colegas essa nova alfabetização”.

Um dos maiores objetivos da formação é estimular o empoderamento dos nossos professores e estudantes, principalmente no uso das tecnologias da informação e da comunicação; não como enfeites para as aulas, mas como processos na construção do conhecimentos para além da sala de aula, para a autonomia e protagonismos desses atores. Como relatou o professor e formador da Rede Anísio Teixeira, Raulino Júnior, “o mais importante desta formação é a possibilidade de dar autonomia para os participantes”.

É possível fazer com o estudante e não apenas para o estudante.

Até a próxima.

Peterson Azevedo

Fotógrafo e Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Cine PW – Que horas ela volta?

Foto: Janine Moraes/MinC

Fig. 1: Anna Muylaert no lançamento do filme no Cineclube Ambiente Cultural. Foto: Janine Moraes/MinC

Olá, cinéfilos!

Nesta semana, o blog vai indicar o filme brasileiro Que horas ela volta?, obra muito bem aclamada pela crítica e pelo público em 2015, recebendo algumas indicações como melhor filme estrangeiro no Critics’ Choice Award e também Satellite Award.

Sob direção de Anna Muylaert, que também roteirizou, em parceira de Regina Casé, o filme retrata de forma muito delicada a vida de Val, interpretada pela própria Regina, uma empregada doméstica pernambucana que trabalha em São Paulo há mais de uma década para uma família rica.

Nessa casa, Val se relaciona diferentemente com cada pessoa. Mas vale ressaltar a interação que ela tem com Fabinho, o filho dos patrões, que tem por Val uma afeição maternal, sentimento que não consegue enxergar na própria mãe, que, por sua vez, é uma pessoa conturbada e carregada de preconceitos.

O filme se desenrola com a chegada de Jéssica, filha de Val, que sai de Pernambuco para prestar vestibular em São Paulo. Nesse processo, ela fica hospedada temporariamente na casa onde Val trabalha. Tempo suficiente para Jéssica perceber as relações de poder que existem naquele lar . Por isso, Val é, a todo o tempo, questionada pela filha em relação à posição social que ocupa dentro daquele ambiente.

O filme consegue trazer à reflexão os micropoderes que coexistem na nossa sociedade, mostrando como alguns personagens podem ser, na mesma história, algozes e vítimas. Mostra também o quanto a sociedade ainda precisa se desgarrar dos diversos preconceitos e da mentalidade classista que ainda permeia muitos pensamentos.

Vitor Moreira

Colaborador da Rede Anísio Teixeira

Os Tuxá na TV Anísio Teixeira

Olá, turma!

Vocês sabem que existem várias etnias  indígenas, não é?

Então, hoje, vamos falar um pouco sobre a etnia Tuxá. Os Tuxá vivem na cidade de Rodelas, norte do estado, em Ibotirama, Vale do São Francisco e no município de Inajá, em Pernambuco. Com a construção da Barragem da Hidroelétrica de Itaparica, por volta de 1988, as famílias que habitavam as áreas inundadas foram transferidas para essas regiões.

blog2

Fig. 1: Cacique Manoel e Ana Beatriz Padilha – Aldeia Tuxá – Ibotirama – Blog dos Educadores TV Anísio Teixeira

 

Visitamos, em 2012, os Tuxá, de Ibotirama, e conversamos muito com o cacique Manoel. Uma vez que não precisam mais lutar pela ocupação de terras, pois já estão em condições de assentados, os Tuxá brigam por preservar sua cultura e tradições.

O ritual do Toré, por exemplo, é praticado sempre, para que os membros mais jovens da comunidade não percam o contato com elementos de suas raízes. Nessa manifestação cultural, pública e coletiva, todos os indígenas, sem distinção de idade e sexo, participam, cantando e dançando, para atrair boas energias.

Em nossa visita à aldeia Tuxá, conhecemos também Ana Beatriz Padilha, na época, estudante do Centro Territorial de Educação Profissional  do Velho Chico. Ana foi destaque no Festival Anual da Canção Estudantil – FACE, de 2011, como melhor intérprete e melhor música e, por isso, foi personagem do Faça Acontecer, produção da TV Anísio Teixeira.

Os Tuxá desejam, exatamente, isso: o reconhecimento da sua identidade e a valorização das potencialidades, do talento, da força e da competência dos povos indígenas.  Que tal pesquisar mais sobre os Tuxá e outras etnias indígenas que vivem em nosso estado? Mãos à obra!

 

Joalva Moraes
Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Preconceito não!

caminhadacaboclomarcelino

Fig. 1: Caminhada Caboclo Marcellino. Fotograma do videoclipe “Preconceito Não”.

Olá, pessoal!

Já vivi muitas experiências relacionadas ao local onde nasci, onde cresci, onde estudei, onde morei, onde trabalhei… Vim de São João do Panelinha, comarca de Camacan. Passei por Itabuna e vim parar em Salvador, pra daqui viajar por outros mundos, com mais experiências relacionadas ao meu sotaque, minha origem. Um dia consegui entrar para o staff de uma compahia aérea (na época era uma grande ousadia!). Em um determinado turno de trabalho, um passageiro perguntou por que eu era o único estranho naquele ninho, mas não, exatamente, com essas palavras. De modo sutil, ele se referiu ao meu nariz, que era bem diferente do dos meus colegas. Cortez ou politicamente correto? Na ocasião, eu ainda não tinha a resposta, mas esta começou a ser elaborada, a partir do que foi dito àquele passageiro. Disseram sobre mim: “ele fala inglês!”. Até então, eu achava que seriam outros os motivos que teriam me levado a trabalhar naquela empresa – e no aeroporto! Mas foi o inglês que “afilou” o meu nariz, fazendo eu me “parecer” igual aos colegas que não falavam nenhuma língua estrangeira, mas que tinha a tal boa aparência exigida. Eu tinha passado pelo processo de embranquecimento (cultural) que mais tarde vim saber.

Na verdade, o que há de maior nisso tudo é a Educação. Quando uma pessoa abre a boca, demonstra de onde vem e quanta bagagem carrega. A Educação – formal e informal – é, portanto, o passaporte para todos os mundos! Quando concluí a faculdade, troquei o aeroporto pela sala de aula, com mais ferramentas na sacola.

Recentemente, estivemos entre os indígenas de Olivença, mais precisamente entre os Tupinambá, para realizarmos o Curso de Interpretação e Produção de Vídeos Estudantis, na Escola Estadual Indígena Tupinambá de Olivença. Antes de irmos, nos disseram muitos “tenham cuidado!”

Ah se pudessem ver por baixo da pele, por trás do nariz desafilado, por dentro do coração…

Realizamos o curso e, desse encontro, descobri muitas coisas sobre mim, incluindo a origem do meu nariz, aludindo, aqui, a postagem da professora Valdineia Oliveira sobre nossa ancestralidade. Curti quando me disseram que eu me parecia com um deles. Aliás, quando falei a eles do lugar onde nasci, logo disseram “você deve é um Kamakã!”. 

Infelizmente, também percebemos que muitos negam sua origem, principalmente pela falta de informação ou das informações tendenciosas que fomentam preconceitos e espalham o terror. Do curso, surgiu o filme sobre o Caboclo Marcellino, um herói para os indígenas. Marcellino, que sabia ler e escrever, foi perseguido e preso  por defender o direito às terras ocupadas. Os parentes – modo de se referir aos demais indígenas – foram torturados, enquanto os jornais da época tratavam o herói como bandido. Nesse contexto, muitos abandonaram a identidade indígena, o que favorecia, grandemente, os coronéis.

Finalizado o filme, retornamos a Olivença para o seu lançamento e colhemos outra pérola: um videoclipe com o tema “preconceito não” cuja letra e canção foram feitas pelo indígena Juninho que, inclusive, já tinha participado do FACE, um dos projetos estruturantes da Secretaria da Educação do Estado da Bahia. Sim: indígenas escrevem, hoje, com vários instrumentos, pra todo mundo ler.

Vejam o video clipe Preconceito Não e o documentário sobre o curso de interpretação.

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/incorporar-conteudo/id/4171

Geraldo Seara

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia