About soledadeandre

é licenciado em Matemática pela Universidade Federal da Bahia-UFBA, é Pós Graduado em Matemática e suas tecnologias pela Universidade de Brasilia. Atualmente é professor da Faculdade Senai Cimatec, do Colégio Marista Patamares e da Rede Anísio Teixeira. Também lecionou Cálculo, Geometria e Álgebra Linear na Universidade Federal da Bahia como professor Substituto, além de ter atuado em diversos cursos pré-vestibulares na cidade de Salvador como professor de Física. Em sua trajetória como professor Universitário atuou na maior parte em cursos de Engenharia, Tecnologia e licenciaturas, ministrando aulas de várias disciplinas, dentre as quais Cálculo Diferencial e Integral, Álgebra Linear, Geometria Analítica, Álgebra, Matemática Financeira e Física. Ao todo são 20 anos de experiência como professor, sendo 10 destes dedicados ao ensino superior.

A Física no Parque

Olá, galerinha do PW! Tudo beleza? Como foram as férias de vocês? As minhas foram ótimas! Vou aproveitar para compartilhar um pouco delas e contar como aprendi mais sobre Física numa viagem para o Ceará!

Aquiraz é um município brasileiro no litoral do estado do Ceará, Região Nordeste do país, situado a apenas 32 km da capital, Fortaleza. É nesse paraíso tropical que está situado o maior parque aquático da América Latina e segundo maior do mundo, com mais de 18 atrações, classificadas em radicais, moderadas e para toda a família. Entre as atrações radicais, está o Insano, o segundo maior toboágua do mundo. Ele tem nada menos que 41m de altura, o que corresponde a um prédio de 14 andares, perdendo apenas para o Kilimanjaro, com 49,9m, no Rio de Janeiro. Confesso que não tive coragem de descê-lo, mas fiz umas continhas que nos ajudarão entender o porquê!

por-beach-park-obra-do-proprio-cc-by-sa-4-0-httpscommons-wikimedia-orgwindex-phpcurid35240311

Insano – Disponível em wikimedia, acessado em 02/03/2017

Todo corpo, ao se afastar da superfície terrestre, acumula energia potencial gravitacional. Essa forma de energia depende da massa do indivíduo, da gravidade e da altura em relação à superfície de referência. Ao subir os degraus que dão acesso à plataforma de lançamento do Insano, o indivíduo ganha energia potencial gravitacional graças ao trabalho realizado pela força muscular de suas pernas, algo em torno de 30750 joules, considerando uma pessoa de 75kg de massa. Boa parte dessa energia será convertida em energia cinética durante o declive, já que um bom trecho da descida praticamente não tem atrito devido à corrente de água que desce constantemente pelo toboágua. Esse fato minimiza as perdas de energia, tornando o sistema praticamente conservativo. Sendo  assim, quase não haverá dissipação de energia durante a queda, já que o corpo praticamente não tem aderência com a superfície do toboágua. Fiz os cálculos e, acredite, independentemente da massa que você tenha, a sua  velocidade chegará a  algo em torno de 102 Km/h. Para se chegar a esse valor, podemos utilizar o princípio da conservação da energia, o que nos permite igualar a energia potencial gravitacional à energia cinética. Ou seja, m.g.h = m.v²/2. Cancelando as massas na equação obtida, chegamos a uma fórmula que depende apenas da altura da plataforma do toboágua (h) e da aceleração da gravidade terrestre (10 m/s²), assim:

equacao

Apesar da velocidade elevada, o final do trajeto é marcado por uma grande desaceleração provocada por um trecho retilíneo cheio de água, que dissipa quase toda a energia cinética.   De fato, a resistência da água é tão grande que a sunga dos homens vira um fio dental e o top das meninas vai parar no pescoço.

Bom, acredito que diante do que expus, os leitores estejam convencidos de que tomei a decisão assertiva. Nada melhor que conhecer as leis da Física antes de fazer uma besteira! Até a próxima!

Referências:

Beach Park, Atração radical, Insano. Disponível em: http://beachpark.com.br/mobile/atracoes/insano-2. Acesso em 20 de fevereiro de 2017.

Hype Science, Insano. Disponível em: http://hypescience.com/o-maior-toboagua-do-mundo-fica-no-brasil/ Acesso em2 0 de fevereiro de 2017.

O mito do Número de Ouro

Olá, galerinha do PW! Tudo beleza?!

A natureza está repleta de números que aparecem com grande frequência e se repetem em fenômenos e elementos diversos ao nosso redor. Essas constantes estão presentes nas construções humanas, nas artes e na própria natureza. Uma dessas constantes é conhecida como número de ouro.  Vocês já ouviram falar sobre ele? Não?!

espiral-aurea

Espiral áurea – Disponível em Wikimedia, acessado 14/12/2016

O número de ouro vale 1,618… e foi descoberto pelo matemático Euclides há mais de 2300 anos, na Grécia Antiga. Na Matemática, é classificado como um número irracional e representado pela letra grega Φ (fi). Ele é fruto da divisão de uma linha reta em dois segmentos, cuja  razão entre eles é igual ao quociente entre a linha inteira e o segmento maior. A proporção áurea é fascinante e possui aplicações fantásticas em vários segmentos da matemática, artes, arquitetura e engenharia. No entanto, muitas delas não passam de mitos! Vários estudiosos, como o matemático Keith Devlin, o físico Donald E. Simanek e o astrofísico Mario Lívio, contestam alguns exemplos populares de aplicações dessa proporção, entre elas, algumas bem famosas, tais como: o Partenon, a Mona Lisa e as conchas de caramujos, conhecidas como Nautilus.

girasol

Embalagens de sementes de Girassol -Institute of Science in Society, via CNET, acessado em 14/12/2016

De fato, essa proporção está presente com muita frequência na natureza, nas artes, nas ciências e numa variedade de situações. Por exemplo, na Matemática, podemos encontrá-la na famosa sequência de Fibonacci ( 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, .…), ao dividirmos dois números consecutivos continuamente. Na natureza, a embalagem de sementes na cabeça do girassol estão dispostas em uma série de espirais no sentido horário e anti-horário, em que, de uma forma geral, aparece a sequência de Fibonacci. Nas artes, o número fi está relacionado à estética e à beleza e muitos artistas e arquitetos, como Salvador Dalí e Le Corbusier, usaram nas suas obras.

Há muitos textos que afirmam que a fachada do Partenon, na Grécia, templo construído para louvar a deusa Atena, foi concebido com base na proporção áurea. No entanto, esse fato não pode ser verdade, pois o templo foi construído antes da descoberta do número de ouro por Euclides. Segundo Revlin, é muito fácil encontrar padrões onde eles não existem, afinal, se olharmos ao nosso redor, seremos capazes de encontrar qualquer número em qualquer lugar!

Outra mito muito famoso é o da Mona Lisa. Segundo muitos textos, é possível encontrar a espiral áurea em pontos distintos do seu rosto. No entanto, os pontos ondem se iniciam essas espirais parecem não ter muita lógica ou motivação. No site da Universidade Federal Fluminense (UFF), é possível verificar, através de simuladores, a falsidade dessas afirmações e verificar que não há presença da razão áurea no rosto de Gioconda, como muitos afirmam.

Para finalizarmos, não poderia deixar de falar sobre o Nautilus. De fato, temos  a presença da Matemática nessa concha, mas nem de longe a sua forma tem alguma relação com a espiral áurea. Na verdade, a sua forma obedece a uma escala logarítmica, algo que já tinha ouvido falar desde a época de ensino médio! No site da UFF, você poderá comprovar o que estou afirmando, utilizando alguns simuladores.

Um grande abraço e até a próxima!

Referências:

Enciclopédia Livre, Wikipedia, Proporção áurea. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Propor%C3%A7%C3%A3o_%C3%A1urea. Acesso em 14 de dezembro de 2016.

Universidade Federal Fluminense, O número de ouro. Disponível em: http://www.uff.br/cdme/rza/rza-html/rza-vitruvian-br.html. Acesso em 14 de dezembro de 2016.

Gizmodo Brasil, Os mitos e verdades sobre a proporção áurea. Disponível em: http://gizmodo.uol.com.br/mitos-proporcao-aurea/.  Acesso em 14 de dezembro de 2016.

 

A Luta dos Movimentos Negros na Tela do Cinema

Olá, galerinha do PW! No mês de novembro, celebramos o Dia Nacional da Consciência Negra, e não posso deixar de recomendar dois filmes que me inspiraram a escrever este texto: “Até o Fim” e “Selma”. Esses dois filmes são fascinantes e abordam, dentro de um contexto histórico, a luta dos negros afro-americanos pelos direitos civis nos Estados Unidos. Sei que muitos  leitores devem achar irrelevante falar sobre a história de outro país, enquanto poderíamos exaltar a nossa, no entanto, esses filmes tratam, dentro de um contexto social e político, a vida de  Martin Luther King. Conhecendo um pouco da sua trajetória, vejo a influência de seus ideais no movimento negro no Brasil e no mundo.

martin

Martin Luther King – Disponível em Wikimedia, acessado 04/11/16

Os negros americanos foram escravizados de 1619 a 1863, todavia, mesmo com o fim da escravidão, os negros americanos permaneceram segregados por um longo tempo, apesar de a Constituição americana garantir os direitos fundamentais a todos os cidadãos. Nesse período, uma doutrina jurídica chamada “Separados, mas iguais”  permitia que o governo deixasse que os setores públicos ou  privados como de serviços, instalações, acomodações, moradia, cuidados médicos, emprego e transporte pudessem ser separados baseados na raça. Assim, os negros eram obrigados a frequentar escolas só para negros, tinham banheiros em repartições públicas e privadas destinados somente a eles e em muitos estados americanos eram obrigados a ceder o lugar num coletivo caso um branco estivesse de pé.  Outro direito civil regulamentado pela Constituição desde 1870 e negado aos negros por quase cem anos após o fim da escravidão, principalmente nos estados do sul, foi o voto. Para conter a participação dos negros pobres nas eleições, alguns estados passaram a instituir taxas ou a exigir que o eleitor passasse por uma avaliação escrita antes de votar. Essa situação é muito bem retratada no filme ”Selma”. Além disso, grupos violentos denominados Ku Klux Klan ameaçavam os negros, tentando desencorajá-los de chegar às urnas.

Muitos negros não aceitavam esse tipo de tratamento e destaco, entre eles, a atitude de Rosa Parks, mulher negra que se negou a ceder seu lugar num coletivo para uma mulher branca e, por essa atitude, foi presa. A partir da década de 60, indivíduos como Martin Luther King ,  Malcolm X, Rosa Parks  e outros passaram a lutar pelos diretos civis dos negros nos Estados Unidos. O ativista Malcolm X conduziu parte do movimento negro com o princípio da violência como forma de autodefesa. Ou seja, a violência não era uma forma de barbárie, mas um meio legítimo de conquistas, afinal as grandes mudanças na história da humanidade se deram dessa forma. Ao contrário de Malcolm X, o pastor protestante Martin Luther King conduziu o movimento negro inspirado em  Mahatma Gandhi, que tinha como princípios: coagir as autoridades através da desobediência civil e a prática da não violência. Ele organizou diversas marchas com o propósito de pôr um fim na segregação racial e de assegurar o voto a toda comunidade negra, que mais tarde teria os direitos assegurados com a Lei dos Direitos Civis (1964) e a Lei dos Direitos Eleitorais (1965), ambas fruto desses movimentos e abordadas no filme “Até o Fim”.  Por obra da sua liderança e resistência não violenta e pelo fim do preconceito, em 1964, King recebe o Prêmio Nobel da Paz. A postura e os ideais de igualdade de King incomodaram a muito segmentos da sociedade americana, dentre eles o FBI, que, representado na pessoa a John Edgar Hoover, considerou-o um radical e comunista e por isso investigou sua vida, através de grampos telefônicos. Anonimamente, ameaçava sua vida através de cartas, que, apesar de tudo, nunca o intimidou.

Lyndon_Johnson_signing_Civil_Rights_Act,_July_2,_1964.jpg

Assinatura da lei dos Direitos Civis – Disponível na Wikimedia, acessado em 04/11/16

A postura de King culminou no seu assassinato em 04 de abril de 1968, momentos antes de uma marcha. Nos anos seguintes, contudo, muitos líderes dos direitos civis continuaram a trabalhar pela igualdade racial nas instâncias políticas.

A luta e os ideais de King e de seus contemporâneos repercutiram e influenciaram movimentos similares em todo o mundo, levando as comunidades negras a reivindicar por direitos de igualdade e oportunidade. Nos anos que sucederam a sua morte, o número de negros em repartições públicas, na política e mais tarde com a eleição de Barack Obama na própria presidência se tornaria marcos na história dos Estados Unidos.

Até a próxima!

Referências:

Enciclopédia Livre, Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Martin_Luther_King_Jr. Acesso em 2 de outubro de 2016.

Enciclopédia Livre, Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Malcolm_X. Acesso em 2 de outubro de 2016.

Enciclopédia Livre, Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Loyd_Jowers. Acesso em 2 de outubro de 2016.

Enciclopédia Livre, Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_da_Consci%C3%AAncia_Negrahttp://escola.britannica.com.br/article/480991/Movimento-pelos-Direitos-Civis. Acesso em 2 de outubro de 2016.

Enciclopédia Livre, Wikipedia. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mahatma_Gandhi. Acesso em 2 de outubro de 2016.

Acessibilidade: O Piso Tátil

Olá, galerinha do PW! Tudo Beleza? Você sabia que existem normas para o assentamento de pisos táteis em vias públicas? E que existem leis municipais que garantem a sua colocação e manutenção?

Pois é! Certamente você já deve ter visto este piso em vias públicas, repartições, bancos e escolas. Ele foi desenvolvido para indivíduos com deficiência visual e visam assegurar o direito de acesso à mobilidade com autonomia e segurança. Os pisos apresentam caracteres, Braille ou figuras em alto  relevo que tem como objetivo alertar ou direcionar o deficiente visual. Segundo a ABNT – 9050, eles devem ter cor contrastante com a  do piso adjacente, e podem ser sobrepostas ou integradas ao piso existente. A falta de manutenção e a inexistência desse tipo de sinalização nos passeios dos grandes centros urbanos é um problema de acessibilidade enfrentado pelos deficientes visuais de todas as grandes cidades do nosso país.

Na nossa cidade, a CONDER – Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia e a SUCOM – Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo são os órgãos responsáveis pela implementação e padronização destes pisos em praças e espaços públicos. Eles também são responsáveis pela fiscalização e comprimento da Lei Municipal n° 8.140/2011, que prevê que os passeios devem está adequados a pessoas de todas as idades,  estatura, limitação de mobilidade ou percepção, com autonomia e segurança, bem como à implantação de mobiliário urbano, equipamentos de infraestrutura, vegetação e sinalização. Ainda, segundo a Lei municipal n° 5.503/99, Art. 45, essa não é apenas, uma obrigação dos órgãos públicos, a lei prevê que os ocupantes de imóveis urbanos também devem manter em perfeito estado os passeios de suas residências e estabelecimentos, sendo inclusive, responsáveis pela colocação dos pisos táteis nos seus passeios.

No entanto, a má colocação dos pisos táteis e inobservância das normas técnicas pode se tornar um fator complicador na locomoção dos deficientes visuais pela cidade e causar graves acidentes.

Segundo a ABNT – 9050, item 5.14: A sinalização tátil no piso pode ser do tipo de alerta ou direcional (Figura abaixo), atendendo às seguintes condições:

  1. a) quando sobrepostas, o desnível entre a superfície do piso existente e a superfície do piso implantado deve ser chanfrado [arestas cortadas em forma de meia-lua] e não exceder 2 mm;
  2. b) quando integradas, não deve haver desnível.”

piso-tatil

Fig. 1: Piso tátil de alerta       Fig. 2: Piso tátil direcional

A sinalização tátil de alerta, deve ser instalada perpendicularmente ao sentido de deslocamento e deve ser utilizado para indicar: (a) rebaixamento de calçada, (b) obstáculos suspensos entre 60 cm e 2,10m de altura do piso acabado, (c) junto à porta de elevadores; (d) no início e término de rampas e escadas fixas ou rolantes, (e) junto a desníveis tais como, plataformas de embarques, palcos, vãos, entre outros. (f) quando houver mudança de direção entre duas ou mais linhas de sinalização.

Já a sinalização tátil direcional que indica o caminho a ser percorrido, deve ter textura com seção trapezoidal e ser instalada no sentido do deslocamento.

Para a composição da sinalização tátil de alerta e direcional, sua aplicação deve atender às seguintes condições: (a) tátil direcional, deve haver uma área de alerta indicando que existem alternativas de direção (figura abaixo).

piso-tatil-2

Bom, espero que essas informações lhe auxilem no exercício da cidadania e que agreguem um pouco mais sobre o conhecimento a respeito dos pisos táteis, ajudando assim, os órgãos públicos na fiscalização e comprimento das leis. Em caso de  dúvidas e irregularidades, ligue  0800 284 0011, para falar com a ouvidoria do estado ou 156, para falar com a SUCOM.

Um abraço e até a próxima.

Samuel Oliveira de Jesus e André Soledade

Professores da Rede Estadual de Ensino

A Influência da Matemática na Revolta dos Búzios

Oi, galera do PW! Tudo beleza? Você sabia que a Conjuração dos Alfaiates foi a nossa mais importante revolta anticolonial? E que as motivações que levaram ao seu estopim podem ser explicadas pelas atuais Leis de Mercado? E que a lei da oferta e da procura tem seus princípios explicados pela matemática? Pois é! Vamos mergulhar no túnel do tempo para entender como isso ocorreu.

A Conjuração Baiana, também conhecida como Revolta dos Búzios, Revolta dos Alfaiates ou Revolta dos Argolinhas, ao contrário de outras revoluções que tiveram como protagonistas a elite da época, foi idealizada, principalmente, pelos brancos, pobres, mulatos, negros livres e escravos. Teve como principal líder o médico, político e filósofo baiano Cipriano Barata, o soldado Luís Gonzaga das Virgens e os alfaiates Manuel Faustino dos Santos Lira e João de Deus do Nascimento.

A Conjuração ocorreu em virtude de fatores econômicos e sociais. Elementos como a escassez de alimentos, a alta nos preços dos principais gêneros alimentícios e a influência dos ideais de igualdade , liberdade e fraternidade difundidos pela Revolução Francesa, foram os principais fatores.

Economicamente, a situação da Bahia no final do século XVII  não era muito favorável, pois  a cana-de-açúcar entrara em decadência. No entanto, no final do século XVIII, houve uma recuperação em virtude da Revolta dos Canaviais, em que os engenhos da Ilha de São Domingos foram queimados, desorganizando assim uma das principais potências açucareiras da época. Este fato, levou o açúcar produzido pela Bahia a se valorizar  e fez com que os engenhos retomassem a cultura da cana-de-açúcar.  No entanto, essa prosperidade teve um preço muito alto para as camadas mais pobres, pois os senhores de engenho passaram a ocupar quase toda a extensão de suas terras produtivas com a cultura da cana-de-açúcar, fato que levou em curto prazo o desabastecimento e consequente encarecimento de itens como a farinha de mandioca e carne, um dos principais itens da mesa do povo.

Analisando esses fatos nos dias de hoje, podemos explicar a alta nos preços dos alimentos naquele momento histórico utilizando a lei da oferta e procura. Segundo ela, em períodos nos quais a demanda passa a superar a oferta, a tendência é o aumento dos preços. A curva a seguir mostra esse comportamento e como essas grandezas se relacionam.

Curva da Procura (D1 e D2) e Curva da Oferta S

220px-Supply-demand-right-shift-demand.svgFonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_da_oferta_e_da_procura

  Assim, naquele momento com a escassez dos alimentos houve  uma redução da oferta, e de acordo com a curva, isso levará a um aumento na demanda, e segundo a lei de mercado, a tendência é que os preços aumentem. Com a elevação dos preços, a fome se agravou em Salvador, levando os soldados e populares a saquearem armazéns em busca de farinha e carne.

Com todo esse clima, a revolta era inevitável, porém, o ferreiro José da Veiga, integrante do movimento, delatou para o governador, a revolta que já tinha data e hora para ocorrer.

 Como consequência, o governo baiano debelou o movimento antes mesmo que ele ocorresse, resultando na prisão de vários revoltosos e na execução em praça pública dos seus líderes, findando, assim, a revolta.

Fontes:

História Viva. Disponível em:<http://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagens/revolucao_negra.html> Acesso em 04 de agosto de 2016.

Instituto Búzios. Disponível em:<http://www.institutobuzios.org.br/documentos/MCLS_CONJURACAO%20BAIANA%20OU%20DOS%20ALFAIATES.pdf> Acesso em 04 de agosto de 2016.

Histórias. Disponível em:<http://historiasylvio.blogspot.com.br/2013/07/revolta-dos-buzios.html> Acesso em 04 de agosto de 2016.

Wikipedia, A enciclopédia Livre. Disponível em:<https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_da_oferta_e_da_procura> Acesso em 04 de agosto de 2016.

 

Etnomatemática

Olá pessoal! Tudo Beleza? Espero que sim! Para abrirmos as discussões do mês de maio, falaremos sobre a etnomatemática, sob o ponto de vista dos povos e da cultura indígena. Durante muito tempo, essa etnia teve sua cultura, língua, ciência e conhecimento matemático renegados pelos povos colonizadores e pelo Ocidente. No entanto, sabemos que cada etnia  possui a sua própria forma de produzir ciência e de representá-la.  Assim como ocorre nas ciências, cada etnia  também produz seu conhecimento matemático, no qual esse saber também é representado de diversas formas  e surge a partir das necessidades de cada grupo étnico.

A etnia Guarani-Kaiowá por exemplo, não atribui o valor três  quando estão diante de três folhas de uma mesma planta. Os indivíduos desse grupo concluirão  que ali existe um único objeto. No entanto, se adicionarmos às três folhas  uma pedra e uma lasca de pau, eles dirão está diante de três objetos. Estranho? Não! Bem, eu diria que é cultural! Talvez eles tenham a mesma impressão a respeito do nosso sistema de numeração!

Outro exemplo, bem curioso, sobre a forma como as etnias indígenas representam alguns polígonos, é aquela adotada pelos povos Kuikuru para representar os triângulos. Os homens desenham estes polígonos com os seus vértices pintados, enquanto que as mulheres os desenham sem nenhuma pintura. Segundo pesquisadores, esta representação está associada aos mitos de gênero indígena e às partes vitais do seu corpo.

Essa forma particular que os grupos éticos utilizam para descrever os fenômenos, representar figuras geométricas e contar objetos, sob o seu processo de leitura de mundo, foi denominada, nos meados da década de 70, por alguns teóricos, de etnomatemática. O surgimento dessa corrente   emerge num momento em que as críticas sobre a existência de um currículo comum e uma única forma de apresentação do conhecimento matemático são muito rebatidas entre alguns pesquisadores, dentre eles, D´Ambrosio. Segundo eles, a Matemática Moderna não valoriza os conhecimentos prévios dos alunos proveniente do seu meio, contrapondo, assim, a etnomatemática, cujos olhares estão voltados para a matemática presente nas contas feitas pelo feirante, nas medições de áreas efetuadas pelo pedreiro, no dimensionamento dos artesões , nas técnicas de pesca dos ribeirinhos, nas receitas das cozinheiras e na forma de contar e construir artesanato dos povos indígenas.   Esses últimos, repletos de exemplos para o ensino da Matemática e revestidos de significado, por meio da simetria de seus traçados, dos ângulos presentes no cruzamento entre uma palha e outra das suas cestas, na pintura corporal por meio dos de seus adornos simbólicos e míticos.

Ao contrário do que se pensa, o estudo da matemática e da cultura indígena  pode contribuir para a interdisciplinaridade e transdisciplinaridade e, ainda, favorecer a contextualização dos conhecimentos tradicionais do ambiente escolar, trazendo significado e a aplicação para o ensino de Matemática, além de preservar a identidade dos povos indígenas.

Vamos aprender mais um pouco sobre a etnomatemática? Acesse agora o  AEW ( Ambiente Educacional Web)!

André Soledade.

Professor da Rede Pública Estadual.

Referências:

Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível  em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Etnomatem%C3%A1tica>. Acesso em: 15 de abr. de 2016.

Socioambiental, Povos Indígenas no Brasil. Disponível em: <http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kuikuro>. Acesso em: 15 de abr. de 2016.

Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível  em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Ubiratan_D%27Ambrosio>. Acesso em: 15 de abr. de 2016.

Unicamp, Centro de Desenvolvimento de Professores. Disponível em: <http://www.ime.unicamp.br/lem/publica/e_sebast/etno.pdf>. Acesso em: 15 de abr. de 2016.

Estatística Indígena

 

Olá, pessoal!

No Brasil, até a década de 80, acreditava-se que os povos indígenas estavam a caminho da extinção. Segundo o CEDI – Centro Ecumênico de Documentação e Informação, a população indígena estimada era de, apenas, 204.000 habitantes, quando a população brasileira era de, aproximadamente, 133 milhões de habitantes. Ou seja, a população indígena brasileira era de aproximadamente 1,53% do total da população. O País tinha cerca de 662 terras indígenas. Nas décadas seguintes, no entanto, essa tendência se reverteu, houve rápido crescimento populacional verificado na maioria dos grupos, todavia, o Censo 2010 revelou algo preocupante. Acompanhe os dados.

De acordo com o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado em 2010, a população brasileira era de 190.755.799, dos quais apenas 0,47% ou 896,9 mil eram indígenas, morando tanto em terras indígenas (63,8%) quanto em cidades (36,2%). Do total, 817,9 mil se autodeclararam índios no quesito cor ou raça e 78,9 mil, embora se declarassem de outra cor ou raça, principalmente parda (67,5%), se consideraram indígenas pelas tradições e costumes. Se na década de 80 a situação era preocupante, o que dizer a de agora?

O maior contingente indígena está na região Norte: 342.836 indígenas (38,2%) e o menor, na Sul: 78.773 (8,8%). Considerando a população indígena residente fora das terras indígenas, a maior concentração está no Nordeste: 126.597 (33,4%).

“Ainda, segundo o Censo 2010, o País tem 505 terras indígenas, que representam 12,5% do território brasileiro (106,7 milhões de hectares), onde residem 517,4 mil indígenas (57,7%), dos quais 251,9 mil (48,7%) estão na região Norte. Apenas seis terras têm mais de 10 mil indígenas; 107 terras têm entre  mil e 10 mil; 291 terras têm entre 100 e 1000 e em 83 terras residem até 100 indígenas. A terra com maior população indígena é Yanomami, no Amazonas e em Roraima, com 25,7 mil indígenas.”.

Segundo a Funai “Foi observado equilíbrio entre os sexos para o total de indígenas. Para cada 100,5 homens, há 100 mulheres. Há mais mulheres nas áreas urbanas e mais homens, nas rurais. Percebe-se, porém, um declínio no predomínio masculino nas áreas rurais entre 1991 e 2010, especialmente no Sudeste (de 117,5 para 106,9), Norte (de 113,2 para 108,1) e Centro-Oeste (de 107,4 para 103,4).”.

Espero que esse texto tenha lhe dado uma dimensão dos povos indígenas do nosso país.

Os professores poderão utilizar esse texto na aula de estatística, estimativa, porcentagem, regra de três simples e muito outros assuntos de diversas disciplinas.

Um abraço.

REFERÊNCIAS

PORTAL BRASIL. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/governo/2012/08/brasil-tem-quase-900-mil-indios-de-305-etnias-e-274-idiomas. Acesso em 06/04/2016.

IBGE. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=8. Acesso em 06/04/2010.

FUNAI – Fundação Nacional do Índio. Disponível em: http://www.funai.gov.br/index.php/educacao-escolar-indigena. Acesso em 06/04/2016.

CEDI – Centro Ecumênico de Documentação e Informação. (1985). Considerações preliminares acerca do compromisso firmado entre o CVRD e a Comunidade Indígena Parkatêjê (Gavião do Pará): Parecer relativo à viagem de campo realizada entre 2 e 14.11.84, 1984g. In: CENTRO Ecumênico de Documentação e Informação. Povos Indígenas no Brasil? V. 8, II, São Paulo, CEDI.

OUTRAS HISTÓRIA. Disponível em: http://mekstein.blogspot.com.br/2010/02/pequeno-dicionario-de-palavras.html. Acesso em 06/04/2016.