Alimento Seguro x Segurança Alimentar: ter o alimento pode não ser seguro, não tê-lo é inseguro

Olá pessoal,

Hoje nós vamos pensar sobre a diferença entre alimento seguro e segurança alimentar.

Segurança alimentar é um conceito relacionado à quantidade de alimento disponível para a população no sentido de que seja garantida a quantidade necessária para que não haja fome em um país, continente ou mundo.

brasil_celeiro

Fonte:https://pt.wikipedia.org/wiki/Agricultura_no_Brasil#/media/File:Brasil_celeiro.png

Algumas questões para refletirmos: Onde estes alimentos são plantados? E a proximidade de plantações de outras culturas? A contaminação de lençóis freáticos? A utilização de adubos “pseudoorgânicos” de animais alimentados com hormônios e outras fontes contaminantes até mesmo bioextratos?

Já o alimento seguro está relacionado a qualidade fitossanitária das frutas, verduras, produtos oriundos tanto de origem animal ou vegetal. No caso dos alimentos produzidos através do cultivo em lavouras, o alimento seguro deve ser cultivado dentro das diretrizes técnicas dos órgãos reguladores, no caso do nosso país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA do Ministério da Saúde e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Para que um alimento seja considerado seguro ele deve atender a dois critérios importantes que são:

a utilização da quantidade de princípios ativos de agrotóxicos dentro dos Limites Máximos de Resíduos – LMR para cada tipo determinado de cultura e a autorização dos mesmos com registro no país.

A segurança de alimentos relacionada ao consumo de hortifrutes é uma temática importante na medida em que a ingestão diária esteja acima dos valores regulamentados levantam-se os riscos à saúde pública devido à exposição dos mesmos na alimentação. O incentivo para o consumo saudável de alimentos tem sido maior em todas as idades dado o entendimento de que existe uma relação direta do surgimento de câncer associada ao consumo de agrotóxicos . Os alimentos produzidos mesmo sem a utilização de nenhum tipo de agrotóxico ou qualquer contaminante de elementos químicos e tóxicos a saúde atendendo aos protocolos técnicos desde o seu plantio, a colheita e pós colheita, ainda assim, existe a possibilidade de contaminação através dos recursos naturais como: solo e água.

Nessa perspectiva, os aspectos agroecológicos estão relacionados à Saúde Pública dos consumidores para o estabelecimento de hábitos alimentares saudáveis.

Algumas questões para refletirmos: Onde estes alimentos são plantados? E a proximidade de plantações de outras culturas? A contaminação de lençóis freáticos? A utilização de adubos “pseudoorgânicos” de animais alimentados com hormônios ou com outras fontes contaminantes?  Podem ser pulverizados com bioextratos?

O termo alimento seguro está relacionado a qualidade fitossanitária das frutas, verduras, produtos oriundos tanto de origem animal ou vegetal. No caso dos alimentos produzidos através do cultivo em lavouras, o alimento seguro deve ser cultivado dentro das diretrizes técnicas dos órgãos reguladores, no caso do nosso país, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA do Ministério da Saúde e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA.

Para que um alimento seja considerado seguro ele deve atender a dois critérios importantes que são:a utilização da quantidade de princípios ativos de agrotóxicos dentro dos Limites Máximos de Resíduos – LMR para cada tipo determinado de cultura e a autorização dos mesmos com registro no país.

A segurança de alimentos relacionada ao consumo de hortifrutes é uma temática importante na medida em que a ingestão diária esteja acima dos valores regulamentados levantam-se os riscos à saúde pública devido à exposição dos mesmos na alimentação. O incentivo para o consumo saudável de alimentos tem sido maior em todas as idades dado o entendimento de que existe uma relação direta do surgimento de câncer associada ao consumo de agrotóxicos . Os alimentos produzidos mesmo sem a utilização de nenhum tipo de agrotóxico ou qualquer contaminante de elementos químicos e tóxicos a saúde atendendo aos protocolos técnicos desde o seu plantio, a colheita e pós colheita, ainda assim, existe a possibilidade de contaminação através dos recursos naturais como: solo e água.

Essa reflexão está relacionada à garantia dos aspectos agroecológicos relacionados à Saúde Pública dos consumidores para o estabelecimento de hábitos alimentares saudáveis no cotidiano.

Ana Cristina Rangel

Professora de Biologia da Rede Pública de Ensino

Anúncios

De olho no inimigo invisível

Olá, pessoal!

Quem já ouviu falar do HPV?

O Papiloma Vírus Humano (HPV) e suas variações, que são mais de 200, é um vírus oncogênico, isto é, capaz de formar tumores malignos. Essa doença é diagnosticada como neoplasia maligna.

O HPV além de causar o câncer do colo do útero muito conhecido por ser o causador desse tipo de doença, mas esquecido em relação a outros tipos que ele causa, como: câncer de pênis, de canal anal, da vulva (atual para vulva), cabeça e pescoço. Para ter uma dimensão dessa realidade, vamos analisar os números:

Segundo o Instituto Nacional do Câncer – INCA:

– Em 2011, o câncer de útero fez 5.160 óbitos no Brasil;

– Em 2014, foram diagnosticados 15.590 casos.

Praticamente o triplo de diagnósticos.

[…] ” o câncer de colo de útero é mundialmente o terceiro mais comum entre as mulheres. Já em países em desenvolvimento , ele já vai para o segundo lugar. Em regiões pobres como a nossa, no Nordeste, mais especificamente no Maranhão, o câncer de colo de útero sobe para o primeiro lugar.”

Dr. Sc. Flávia Cabral em Biologia Humana e Experimental.

No estudo “ Impactos da infecção pelo Papiloma Vírus Humano na tumorigênese dos carcinomas do colo do útero , pênis, cabeça e pescoço na população maranhese.” percebeu-se que existe uma relação entre a condição socioeconômica e o número elevado de novos casos. As causas estariam relacionadas à: diagnóstico precoce através do exame preventivo, comportamento promíscuo, falta de uso de preservativos nas relações sexuais.

Mulheres que apresentam condilomas, que são verrugas na vagina, ao darem à luz a crianças de parto normal podem transmitir o vírus para o bebê ocasionando o desenvolvimento de papilomas de laringe, causado pelos HPV,s dos tipos 6 a 11. Nesse caso, as crianças terão que ser submetidas a traqueostomia, causando muitas dores.

A vacinação contra o HPV é oferecida a meninas de 9 a 13 anos . Em 2014, para meninas de 11 a 13 anos, pelo Ministério da Saúde e também em clínicas particulares em três doses para garantir proteção efetiva. E o Ministério da Saúde já estuda a possibilidade de aplicação de vacinas nos meninos a partir de 2017.

Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde 2013 – Percepção do Estado de saúde, Estilos de Vida e Doenças  Crônicas, 0,6 % da População Baiana apresenta uma proporção de pessoas de 18 anos ou mais de idade  que se refere ao diagnóstico médico de câncer. (IBGE, 2013)

Então fica a dica: prevenção através de vacinação e do exame papanicolau e uso de preservativo nas relações sexuais.

Ana Cristina Rangel

Professora de Biologia da Rede Pública da Rede Estadual de Ensino

Pluralidade Cultural: manifestações das partes do todo e do todo em diferenças fenotípicas

Olá, pessoal!

Vamos bater um papo sobre pluralidade cultural, mas antes, vamos pensar sobre as manifestações culturais que se apresentam de forma plural tanto na cultura brasileira assim como entre os povos do mundo. E mais do que isso, vamos estabelecer uma relação desse pluralismo cultural brasileiro e mundial tais como, por exemplo, as manifestações culturais africanas ou japonesas com a pluralidade fenótica que se manifesta em alguns povos do mundo. Assim como são perceptíveis as diferenças entre o modo de cultura desenvolvida entre africanos e japoneses, também existem especificidades nas manifestações fenotípicas que acontece dentro da nossa espécie.

passistas_de_frevo

                                            Fonte: Wikipédia

Isso que dizer que todos nós mesmos pertencentes à mesma espécie Homo sapiens sapiens, apresentamos manifestações fenotípicas diferenciadas tais como cor de pele, cor de olhos, cor dos cabelos, tipagem sanguínea ainda que descendentes do mesmo pai e mesma mãe.

Ainda, é possível, encontrar características determinadas geneticamente em um grupo de pessoas da população mundial que só são encontradas em uma área geográfica como, por exemplo, o formato dos olhos dos orientais, facilmente percebidos, ao apresentarem “olhos puxadinhos” muito comuns nas pessoas do continente asiático.

imagem-de-japones

                                                   Fonte: Wikipedia

Tais manifestações acontecem devido à presença e ativação de um gene poll que manifesta uma característica fenotípica numa determinada área geográfica compondo o padrão genético fenotípico de determinada característica para as gerações futuras dessa parcela da população.

Então, está valendo a valorização sejam das manifestações culturais assim como as diferenças que nossos corpos podem apresentar, o que conta mesmo é o respeito a cada uma de nossas características assim como das manisfestações culturais de cada povo. A escola é um espaço para essa troca de ideia, valeu. Educar para a convivência na diversidade, promovendo reflexões sobre os elementos que dão origem aos estereótipos e preconceitos sociais, antropológicos, linguísticos, raciais e de orientação sexual.

diversidade4

                                                  Fonte: Diversides: Fenotípica –AEW

Assista ainda, no Ambiente Educacional Web:

Diversidade Cultural:

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/emitec/disciplinas/exibir/id/2470

Diversidade Sexual

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/3329
Saiba mais:

http://biologiaconcursos.blogspot.com.br/2009/12/gene-pool.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Fundo_gen%C3%A9tico

Ana Cristina Rangel

Professora de Biologia da Rede de Ensino da Bahia

 

DEONTOLOGIA: Entre Razão Prática e a Liberdade

Você já ouviu falar deontologia?

Inicialmente, é necessário relembrar os conceitos de ética e de moral para entender a filosofia da razão prática e da liberdade.

Então, relembre aí a palavra Ética?

 A palavra “ética” vem do Grego “ethos” que significa “modo de ser” ou “caráter”.A ética e a moral são a base para o exercício da verdadeira cidadania pois estão diretamente relacionadas à conduta das pessoas. A construção de uma sociedade moralmente fortalecida perpassa pelo exercício da cidadania que pode ser formal e cidadania substantiva.

A filosofia da Deontologia faz parte da filosofia moral contemporânea, que significa ciência do dever e da obrigação, um tratado dos deveres e da moral. É uma teoria sobre as escolhas dos indivíduos, o que é moralmente necessário e serve para nortear o que realmente deve ser feito.

Esse termo deontologia foi criado no ano de 1834, pelo filósofo inglês Jeremy Bentham, para falar sobre o ramo da ética em que o objeto de estudo é o fundamento do dever e das normas.

Por isso, a deontologia pode ainda ser chamada de “Teoria do Dever”. Immanuel Kant também deu sua contribuição para uma vez que a dividiu em dois conceitos: razão prática e liberdade.

Para Kant, “agir por dever é a maneira de dar à ação o seu valor moral (razão prática) ; e por sua vez, a perfeição moral só pode ser atingida por uma livre vontade (liberdade).” As profissões têm sua deontologia, ou seja, o seu conjunto de princípios e regras de conduta ou deveres. Portanto, cada categoria profissional deve ter a sua deontologia própria para regular o exercício da profissão, e de acordo com o Código de Ética de sua categoria.

O primeiro Código de Deontologia foi feito na área da medicina, nos Estados Unidos e esta categoria de profissionais são muito respeitados na sociedade contemporânea.

A origem da palavra Deontologia deriva do grego deon ou deontos/logos e significa o estudo dos deveres. Surgindo da necessidade de um grupo profissional de se autoregularem, mas a sua aplicação traduz-se em heteroregulação, uma vez que os membros do grupo devem cumprir as regras estabelecidas num código e fiscalizadas por uma instância superior (ordem profissional, associação, etc.) cuja finalidade é reger os comportamentos dos membros de uma determinada profissão para alcançar a excelência no trabalho, tendo em vista o reconhecimento de seus pares, garantir a confiança do público e proteger a reputação da profissão. Sendo, o estudo do conjunto dos deveres profissionais estabelecidos num código específico que, muitas vezes, propõe sanções para os infratores. Estabelece-se como um conjunto de deveres, princípios e normas reguladoras dos comportamentos exigíveis aos profissionais, ainda que nem sempre estejam codificados numa regulamentação jurídica.

codigo_at_nuremberg_trials                             Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%B3digo_de_Nuremberg

Alguns conjuntos de normas podem não têm uma função normativa (presente nos códigos deontológicos), mas apenas reguladora (como, por exemplo, as declarações de princípios e os enunciados de valores). Nesta perspectiva, a deontologia é uma disciplina da ética especialmente adaptada ao exercício de uma profissão. Cada país adapta cada profissão às sua especificidades. Os códigos de deontologia têm por base grandes declarações universais. Faz parte de um processo de “despertar para a ética” que deve ser assumido pelas organizações, sobretudo a partir do momento em que os diversos grupos sociais começaram a exercer pressão no sentido de se construir uma sociedade mais solidária, respeitadora dos direitos humanos e associada ao ambiente.

Converse com seus professores sobre a deontologia da categoria dos profissionais da educação para refletir sobre a ética na escola e no âmbito escolar e como os alunos podem contribuir para que os direitos, deveres, ações e princípios docentes sejam plenamente desenvolvidos na perspectiva da contemporaneidade social.

Sugiro que assistam da Rede AT, uma produção ligada a ética, tais como esse episódio:

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/1557

Até mais.

Ana Cristina Rangel

Professora de Biologia da Rede Pública do estado da Bahia

Rede Anísio Teixeira Publica Trabalho Sobre Mídias Educacionais de Temas Transversais do Ambiente Educacional WEB na SBPC 2016

A 68 Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC com a temática Sustentabilidade, Tecnologias e Integração Social”  aconteceu entre os dias 04 a 08 de Julho na Universidade Federal do Sul da Bahia em Porto Seguro e a Rede Anísio Teixeira teve trabalho aprovado pela Associação Brasileira de Educação a Distância- ABED com a temática Utilização dos Recursos Educacionais do Ambiente Educacional WEB com ênfase na Aprendizagem Significativa para promoção da Educação Ambiental e Saúde apresentado pela Colaboradora e Pesquisadora Ana Cristina Rangel, da Área de Ciências da Natureza.

Estão catalogadas e disponíveis 343 e 197 Mídias Educacionais,licença livre relacionadas a Educação Ambiental e Saúde, respectivamente. Para avaliador, o objetivo do trabalho foi alcançado ao divulgar a proposta pedagógica de produção e compartilhamento de objetos de aprendizagem do Ambiente Educacional WEB através da divulgação e esclarecimentos dos tipos de mídias educacionais disponíveis. A partir de publicações que apresentem o AEW num evento como a SBPC para o conhecimento e acesso dos professores e estudantes do Brasil.

foto01Foto: ASCOM IAT.

Em articulação com as formadoras Tanara Freitas e Rosângela Barreto do Programa Ciência na Escola- PCE e Rede Anísio Teixeira renderam mais 02 publicações envolvendo pesquisa sobre Formação de Professores para Educação Científica , Utilização de Sequências Didáticas como recurso Pedagógico e Projetos de Pesquisa em Feira de Ciências na Rede Pública do Estado da Bahia.

foto02Fonte: ASCOM IAT

Os trabalhos foram apresentados, pelas Formadoras: Ana Cristina Rangel da Rede Anísio Teixeira e Tanara Freitas do Programa Ciência na Escola. Os projetos foram:

Sequências Didáticas como recurso pedagógico de Investigação na Formação Continuada de professores do Portal do Sertão.

E outro trabalho foi: Formação Continuada em Educação Científica para Educação Básica : Um relato de Experiência sobre a realização de Feiras de Ciências como estratégia de ensino para Alfabetização Científica.

Ambos os referidos trabalhos foram aprovados pela Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências – ABRAPEC.

A Presidente da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – FEBRACE, Roseli de Deus Lopes, marcou presença durante todo o período de exposição dos trabalhos. Enfatizou a importância de iniciativas como esta para consolidação da alfabetização científica no Estado da Bahia.

IMG_7742

Fonte: ASCOM IAT

Ecologia, Produção e Consumo: Como Conciliar Essas Ideias?

A satisfação das necessidades humanas é o objetivo máximo do desenvolvimento… O desenvolvimento sustentável requer que as necessidades básicas de todos sejam atendidas e que sejam estendidas a todos a oportunidade de satisfazer suas aspirações por uma vida melhor.” (CMMD, 1987, p. 43-4).

ana

Fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Desarrollo_sostenible.svg

A ideia de desenvolvimento sustentável atualmente é usada em vários sentidos. Do ponto de vista das inter-relações entre o sistema econômico e o meio ambiente, o enfoque inicial foi essencialmente biocêntrico – era a natureza que devia ser preservada. Em contraste a essa ideia, focaliza-se o funcionamento do sistema econômico. Mas a economia é vista como dependendo fundamentalmente de recursos naturais fornecidos pelo ecossistema global, bem como da capacidade deste de suportar a agressão promovida pela humanidade e de assimilar os resíduos, a poluição resultantes dos processos de produção e de consumo. A questão central é: pode se sustentar o atual padrão de funcionamento do sistema econômico?

Esse “todos”, faz referência à nós seres humanos – não só os da atual geração como também os que virão em um futuro, que deve se estender por muito tempo. O bem-estar presente e do futuro da humanidade depende de um manejo adequado da natureza. Esta é a essência da sustentabilidade.

Então, o que é, na verdade, o desenvolvimento sustentável? O que se deseja sustentar? Uma natureza intocada? Defender tal coisa seria totalmente irrealista.

Como fazer isso e ao mesmo tempo assegurar a satisfação de aspirações e desejos humanos? Até que ponto, num prazo muito longo, se pode almejar o desenvolvimento sem que se esgotem recursos naturais básicos e sem que haja mudanças drásticas na atual estabilidade longe do equilíbrio do ecossistema global?

Os economistas consideram o funcionamento do sistema econômico focalizando dois processos básicos: o processo de produção e o de consumo, tendo por base a essência entrópica do funcionamento da economia, abrindo caminho para análises construídas sobre base mais realista das inter-relações entre o sistema econômico e o meio ambiente, que são centrais para avaliações bem fundamentadas da sustentabilidade e do desenvolvimento, pois traz para a análise econômica o conceito de Entropia, como peça fundamental na formulação da estrutura conceitual da economia ecológica.

Metas

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Objetivos_de_Desenvolvimento_do_Mil%C3%AAnio

A discussão do desenvolvimento sustentável que pode ser derivada também acerca do processo produtivo. Isso porque análises do processo produtivo levam, não só à teoria neoclássica do capital, como ao conceito de substitutabilidade entre fatores de produção que está na essência da avaliação da sustentabilidade do desenvolvimento feitas pela corrente dominante da economia.

Referências:

Ayres, Robert U. Cowboys, cornucopians and long-run stability. Ecological Economics , v. 8, p. 189-207, 1993.

Boulding, Kenneth E. Equilibrium, entropy, development and autopoiesis: towards a disequilibrium economics. Eastern Economic Journal , v. VI, n. 3-4, p. 178- 188, ago./out. 1980.

Cohen, Avi; Harcourt, G. C. Whatever happened do the Cambridge capital theory controversies? Journal of Economic Perspectives , v. 17, n. 1, p. 199-214, Winter 2003.

Os Aspectos da Interculturalidade da Saúde Indígena: Uma Questão de Participação e Interdisciplinaridade

Vamos pensar na saúde dos povos indígenas?

crianca

Fig.1: Mãe e filho índios. Fonte: Wikipedia

Abrimos o mês temático em homenagem aos povos indígenas fazendo uma problematização a respeito dos aspectos interculturais, participação e interdisciplinaridade na assistência à saúde pública das etnias indígenas. Nesse contexto, podemos entender quão importante se faz a compreensão da organização na prestação dos serviços de acesso à saúde. Então, de acordo com os dados do IBGE publicados em 2010, a presença de índios no Brasil, está mapeada e distribuída em área urbana e rural com 897 mil indivíduos em todas as unidades federativas do Brasil com variados aspectos de diversidade cultural exigindo especificidade e diferenciação de elaboração e implantação de políticas públicas.

medico

Fig.2: médico pediatra em atendimento. Fonte: Ytimg

O Direito à Atenção Básica deve ser assegurado a todos os brasileiros e pautada aos povos indígenas, através da Política Nacional de Atenção Básica aos Povos Indígenas :

(…) garantir aos povos indígenas o acesso à atenção integral à saúde, de acordo com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde, contemplando a diversidade social, cultural, geográfica, histórica e política de modo a favorecer a superação dos fatores que tornam essa população mais vulnerável aos agravos à saúde de maior magnitude e transcendência entre os brasileiros, reconhecendo a eficácia de sua medicina e o direito desses povos à sua cultura (…).”

                                                                                                                                                   (POLÍTICA …, 2002)

A política nacional de atenção básica aos povos indígenas preconiza uma organização desses serviços na forma de Distritos Sanitários Especiais e Pólos-Base, no nível local, respeitando a área ocupada pela etnia cujo atendimento seja formado por equipe multidisciplinar onde a atenção primária e os serviços de referência se situam:

  • preparação de recursos humanos para atuação em contexto intercultural;
  • monitoramento das ações de saúde dirigidas aos povos indígenas;
  • articulação dos sistemas tradicionais indígenas de saúde;
  • promoção do uso adequado e racional de medicamentos;
  • promoção de ações específicas em situações especiais;
  • promoção da ética na pesquisa e nas ações de atenção à saúde envolvendo comunidades indígenas;
  • promoção de ambientes saudáveis e proteção da saúde indígena;
  • controle social.

    Os serviços de atenção básica devem atentar para ações de prevenção de doenças como vacinação e profilaxia odontológica; realização de pré natal nas mulheres grávidas; realização de exames oftalmológicos e tratamento odontológico.

 

vacina

Fig. 3: Aplicação de vacinas. Fonte: Commons Wikimedia

recemnascido(1)

Fig.4: Recém nascida em fase de amamentação.

Viram quanta informação relacionada à saúde pública dos povos indígenas para garantia e promoção da qualidade de vida dos nossos irmãos?

 

Saiba Mais:

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/secretaria-sesai

http://6ccr.pgr.mpf.mp.br/institucional/grupos-de-trabalho/saude/cartilha-sobre-saude-indigena-cimi

Relato de Experiência: http://congressoanterior.org.br/RE0911-1.pdf

 

Ana Cristina Mateus

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino do Estado da Bahia