Uma ideia na cabeça, uma escrita e o começo de tudo

Olá, pessoal!

Desenvolveu-se no Instituto Anísio Teixeira mais uma oficina para o audiovisual que faz parte da formação Produção de Mídias na Educação (PME). Estudantes do  Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira participaram desse momento reflexivo, de leitura, planejamento, criação e produção escrita de roteiro que faz parte de um contexto discursivo multiletrado, mais amplo que enreda várias linguagens artísticas e suas semioses. Potencializar a leitura, a escrita, a expressão oral, o planejamento e, sobretudo, o pensamento crítico são objetivos da formação em todas as suas etapas que se desenvolvem sempre de forma dialógica e colaborativa.

(Fig.:1 – Estudantes da formação PME 2017 produzindo um roteiro. Foto: Marcus Leone)

Minissérie, telenovela, cinema, gênero ficcional, documental e outras tantas formas narrativas verossímeis ou não são arquiteturas e discursos humanos. Nesse sentido, a criatividade é impulsionada por vivências, leituras diversas, diálogos e observações cotidianas que sugerem e potencializam mundos. Essas vivências enredam personagens que se relacionam em um imprescindível fluxo conflituoso que vão se costurando na trama. Técnica e conteúdo vão, ao mesmo tempo, sendo expressos em uma escrita guia, norteadora de vários fluxos posteriores que ocorrem antes, durante e depois de cada set de filmagem até o nascer do filme. Ufa! Isso, amigo(a) leitor(a), evidencia um roteiro em audiovisual.

Fig.:2 – Roteiro sendo produzido por estudantes da formação PME. Foto: Marcus Leone)

Durante a formação, os estudantes escreveram roteiros, em seu primeiro tratamento, para a realização de minidocumentários que pudessem ser gravados, inicialmente em caráter de exercício, nas dependências do Instituto Anísio Teixeira ou do próprio Colégio de Aplicação. A escolha do gênero discursivo e dos temas a serem roteirizados foi feita pelos próprios estudantes, pois a criticidade, responsabilidade, autonomia e emancipação dos sujeitos são fundamentais nos processos da PME. Mesmo em um curto espaço de tempo (seis horas) para se trabalhar teoria e prática na escrita de roteiros, os estudantes se apropriaram de conhecimentos básicos e importantes para refletirem, planejarem e escreverem vislumbrando histórias.

Dessa forma, “Escrever um roteiro é muito mais do que escrever”. (Comparato, 2000, p. 20). Durante a oficina os estudantes entendem que os processos criativos e, em nosso caso, os que envolvem diretamente a escrita, se alicerçam em leituras e percepções variadas, em reflexões e, muitas vezes, em debates produtivos. Na prática, esses meninos e meninas aprenderam que planejar de forma criteriosa as ações e antevê os fatos são processos fundamentais antes deles se lançarem nas etapas de qualquer produção audiovisual e também nos caminhos da vida.

Fig.:3 – Mediação durante a escrita: professor Marcus Leone e estudantes do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira. Foto: Geraldo Seara)

Durante a oficina, três roteiros foram escritos colaborativamente. Foi muito gratificante ver a construção desses roteiros (protótipos) autorais por parte dos estudantes. Nisso tudo, o mais importante foi presenciar o processo em que os estudantes pensaram e pesquisaram as ações de forma colaborativa, a argumentação na defesa das ideias, o repensar e corrigir aquilo que ainda precisava ser ajustado no texto. Enfim, foi muito bom experimentar com eles a prática contextualizada da leitura, da escrita e da oralidade, num processo de produção multimodal que transcende os muros da escola e possibilita diálogos com o mundo.

(Fig.:4 – Apresentação de roteiro autoral. Estudantes do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira. Foto: Geraldo Seara)

A partir de então, pós-formação, espera-se que mais leituras, reflexões, mais debates, pesquisas, escritas planejadas e produções para interação e intervenção social sejam desenvolvidas pelos estudantes em sua escola e comunidade e que os mesmos compartilhem esses saberes com outros jovens.

Fig.:5 – Professor Marcus Leone e estudantes do Colégio Estadual de Aplicação. Foto: Peterson Azevedo)

 

Abaixo seguem os vídeos cujos roteiros foram feitos na oficina.

 

 

Busquemos aprendizagens que sigam caminhos em via de mão dupla, pois ela se alicerça nas sensatas consequências dialógicas docente/discente, na verdade potente e necessária da diversidade cultural, na poesia crítica do olhar em liberdade, na interação e intervenção social, nas multissemioses dos textos e na escola que se renova no fazer junto, no colaborar.

Sigamos assim, construindo redes. Sigamos em frente, escrevendo nossa história com força e sensibilidade sempre!

 

Abraço e até breve!

 

Marcus Leone O. Coelho

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

 

 

Referências

MOLETTA, A. Criação de curta metragem em vídeo digital: uma proposta de produção de baixo custo. São Paulo: Summus, 2009.

COMPARATO, D., Da criação ao roteiro. Rio de Janeiro: Rocco, 2000

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s