Fontes para a história da Bahia

O ensino de história da Bahia é muito prejudicado nas unidades escolares, principalmente, pela escassez de fontes, tendo em vista que os livros didáticos, na maioria das vezes, focam sua análise na perspectiva eurocêntrica, em que a visão sobre a história local fica prejudicada.

Na prática de muitos professores, prevalece a ênfase nos eventos que acontecem na Europa, América e Brasil, sem conexão com o contexto da cidade em que os estudantes vivem. O autor Michel de Certeau, em A Escrita da História (1982), apresenta um ponto de vista importante sobre essa problemática ao afirmar que o passado europeu tem um papel central na análise histórica.

É preciso viabilizar um ensino de história que privilegie a memória local, a pesquisa e a aprendizagem dos alunos sobre o fazer histórico. Toda cidade é singular, tem uma memória, uma trajetória sócio-histórica a ser desvelada pelo olhar interessado de pesquisadores, um professor de história comprometido com a aprendizagem dos estudantes identifica as fontes para esses conhecimentos a partir do espaço em seu entorno. A cidade em que a unidade escolar está inserida é fecunda em experiências sociais, dinâmica e está em constante interação com o restante do país e do mundo. O professor de história precisa mostrar como essa disciplina produz seu conhecimento para que o fazer histórico não seja pensando como algo amorfo e desvinculado de sua realidade social. A pesquisa é a melhor metodologia para alcançar esse resultado, principalmente quando as fontes são os artefatos culturais oferecidos pela cidade em que o estudante mora.

6756089515_9292e752be_z

Fig 01: Anais do Arquivo do Estado da Bahia.

As fontes históricas são o material o qual os historiadores se apropriam por meio de abordagens específicas, métodos diferentes, técnicas variadas para tecerem seus discursos históricos (PINSK, 2005, p.07). O conceito de fontes históricas tornou-se bastante amplo ao longo do tempo, além dos documentos escritos, inclui entrevistas, jornais antigos, fotografias, monumentos, correspondências etc.

A pesquisa sobre história local abre uma importante possibilidade de análise sobre diversos aspectos da vida social, cultural e cotidiana  a partir do uso de fontes constantes em arquivos públicos de diversos tipos. Muitas cidades têm arquivos sobre sua história que são públicos, outros estão alocados em fóruns, delegacias, prefeituras, museus e esses acervos podem ser uma importante fonte de consulta para a história do município. Em Salvador, contamos com o Arquivo Público da Bahia e o Arquivo Municipal de Salvador. Não devemos, principalmente, esquecer o valor memorialístico dos mais velhos, um acervo de conhecimentos inestimável sobre a memória da cidade e que deve ser reverenciado como nos lembra o mestre da tradição oral  Amadou Hampâté-Bâ: “Na África quando um velho morre, uma biblioteca se incendeia” (Hampâté Bâ: 1999, 1) Percebe-se então como a pesquisa  histórica pode ser uma ponte para problematizar o papel social dos mais velhos, o valor da memória como fonte de conhecimento e fortalecer a relação entre gerações.

É importante que os estudantes e professores percebam que o fazer histórico não é algo tão distante, centrado  no ambiente acadêmico. O papel dos professores é, sobretudo, o de estimular a iniciativa dos estudantes por meio de uma problematização levantada em sala de aula, uma questão que suscite a curiosidade dos estudantes e os estimulem a buscar o conhecimento  histórico em suas fontes, que podem ser, as mais  diversas.

No vídeo abaixo, vemos um exemplo importante de como os professores podem estimular o gosto pela pesquisa  em seus alunos, através do contato com as fontes históricas:

 

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/incorporar-conteudo/id/3873

 

 

Valdineia Oliveira dos Santos

Professora de História da Rede Estadual de Ensino

 

REFERÊNCIAS:

FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática de ensino de História. Campinas – SP: Papirus, 2005.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1982.

PINSK, Carla Bassanezi. Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

XAVIER, Erica da Silva. Ensino e história: o uso das fontes históricas como ferramentas na produção de conhecimento histórico.Disponível em: http://www.uel.br/eventos/sepech/sumarios/temas/ensino_e_historia_o_uso_das_fontes_historicas_como_ferramentas_na_producao_de_conhecimento_historico.pdf

Anúncios

One thought on “Fontes para a história da Bahia

  1. Pingback: Feminismo: isso é coisa de quem luta por igualdade de direitos | Professor Web e Professora Online

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s