Educação não é privilégio! É direito!

Há algumas instituições que levam o nome de um grande filósofo e educador baiano nascido em 1900. Na sua cidade natal, Caetité é feriado dia 12 de julho. Vou te dar umas dicas pra ver se você acerta quem ele é!

O contexto histórico e os momentos mais significativos da trajetória dele em prol da educação brasileira ocorreram entre os anos de 1924 e 1964. Foi um período de profundas  transformações sociais, na ciência, na economia, na política, na educação, na moral e nos costumes. Ocorreram grandes mudanças, gerando inquietações e luta pela emancipação econômica e cultural do país. Buscavam-se as raízes da identidade e cultura brasileiras, “manifestadas através de todo um conjunto de esforços empreendidos para a superação dos problemas econômicos, educacionais e sanitários que afetavam a população de um vasto território, através de um projeto de transição para a modernidade que fosse capaz de promover a democracia social, de romper com a dependência econômica e cultural externa e de reconstruir a sociedade brasileira através da educação.” (SCHIMID, 2016)

Demerval Saviani tem uma síntese bem interessante sobre  ele:

“Educador progressista; discípulo de Dewey; admirador da cultura e educação americanas estava atento às condições brasileiras e não transplantava, simplesmente, o sistema americano e não encarava de forma romântica os princípios da educação renovada disseminadas pelo movimento conhecido por ‘escolanovismo’ (SAVIANI, 2002, p. 2).

Ele, que na adolescência pensou em seguir a vida religiosa, se formou em Direito em 1922 e revolucionou a educação nos anos 30 no Brasil. Mesmo na adversidade, pois se dependesse de seu pai, um abastado médico, fazendeiro e político, o rapaz franzino seguiria carreira político-partidária. Mas ele escolheu ir para uma área sem glamour e com poucas perspectivas de atividade profissional . Até hoje a educação tem pouco reconhecimento social e não conta com o status que deveria ter, não é mesmo?

Ele foi amigo de Monteiro Lobato e Fernando de Azevedo,  participando ativamente do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova  em defesa do ensino público, gratuito, laico e obrigatório. Foi um dos precursores da Escola Nova no Brasil, cujo foco era o desenvolvimento do intelecto e a capacidade de julgamento em detrimento da memorização.

Quando recebeu um convite para ser  Inspetor-Geral do Ensino na Bahia, um cargo que equivale hoje ao de Secretário da Educação, ele tinha apenas 24 anos! E foi aí que ele se envolveu de forma intensa e definitiva com a educação. Viajou pela Europa em 1925 para  observar os sistemas de ensino da Espanha, Bélgica, Itália e França. Também foi duas vezes aos Estados Unidos entre 1927 e 1929. O modelo da escola progressiva americana  era tido na época como altamente inovador e tinha por alicerce a teoria educacional de base científica e experimental do filósofo pragmatista  John Dewey, que o influenciou bastante. De volta ao Brasil, foi nomeado diretor de Instrução Pública do Rio de Janeiro, onde criou entre 1931 e 1935 uma rede municipal de ensino que ia da escola primária à universidade.

Ele ocupou vários cargos políticos, propôs uma reforma educacional e fundou  de escolas a universidades. Aqui em Salvador, fundou em 1950 o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, a famosa  Escola Parque. Implantou a educação em tempo integral, algo que ainda não se estabeleceu totalmente, mas serviu de modelo para os CIAC’s (Centros Integrados de Atendimento à Criança) e CIEP’s (Centros Integrados de Educação Pública) atuais.

escola parque

Fig 1. Escola Parque de Salvador, em 1950: projeto  piloto de ensino integral. Fonte: Wikipedia.

Foi perseguido pela Ditadura Vargas, acusado de ser comunista. Sua atuação no Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos, valorizava a pesquisa educacional, sendo considerada tão significativa quanto a Semana da Arte Moderna ou a fundação da Universidade de São Paulo. Morreu de forma misteriosa, caindo no fosso do elevador de seu prédio no Rio de Janeiro. Tinha 71 anos…

A essas alturas você já sabe de quem estamos falando?

Anísio-Teixeira

Fig 2. Anísio Teixeira. Fonte: Wikipedia

Anísio Teixeira foi um missionário da educação! E seu pensamento, mesmo nos dias de hoje ainda é revolucionário. Pense nos desvios de dinheiro público e no sucateamento das escolas públicas na atualidade…. Agora leia o que ele disse no passado: “Choca-me ver o desbarato dos recursos públicos para educação, dispensados em subvenções de toda natureza a atividades educacionais, sem nexo nem ordem, puramente paternalistas ou francamente eleitoreiras”. É claro que ele incomodou muita gente, desde a sociedade tradicional e oligárquica do Brasil até a igreja católica, que nos anos 50 exercia pressão sobre o governo. Afinal, ele era “contra a educação como processo exclusivo de formação de uma elite, mantendo a grande maioria da população em estado de analfabetismo e ignorância. “

Ele acreditava na utopia “que não aceita seres humilhados, diminuídos, amputados. A pedagogia mais próxima da utopia é a que coloca à disposição do ser humano toda a cultura humana.” (TEIXEIRA apud NUNES, 2001, p.15) Percebia a escola enquanto espaço democrático, capaz de promover “uma educação em mudança permanente, em permanente reconstrução”.  Para ele a escola deveria ser como uma réplica e miniatura da sociedade democrática, capaz de produzir indivíduos orientados para a democracia, e não para a dominação ou subordinação; para a cooperação, em vez da competição; para a igualdade, e não para a diferença. “A escola tem de se fazer prática e ativa, e não passiva e expositiva, formadora e não formalista. Não será a instituição decorativa pretensamente destinada à ilustração dos seus alunos, mas a casa que ensine a ganhar a vida e a participar inteligente e adequadamente da sociedade.” (TEIXEIRA, 1953)

E ele realizou  mudanças e conduziu uma grande reforma educacional a partir dos anos 30. Defendia uma escola para todos. Com espaços escolares modernos, com laboratórios, bibliotecas, espaços de lazer, com uma carga horária integral e uma formação abrangente para a vida. Também  defendia a pesquisa e melhores condições de trabalho para os professores. O papel político e social da escola era bastante destacado em seu pensamento. E essa escola nova precisava acompanhar as mudanças dessa sociedade em constante mutação. Assim, ele afirmou que : “Dada a extensão e a desigualdade de ritmo das mudanças que sofre a nossa sociedade, a escola deverá ser flexível e adaptável, a fim de poder tomar conhecimento de todos os aspectos dessas mudanças e de obter o maior grau possível de consciência – condição primária para a integração e coesão sociais.” (TEIXEIRA, 1952)

A importância da obra e ações de Anísio Teixeira são imensuráveis! Sugerimos que leia seus escritos, conheça seu pensamento revolucionário. Estão todos disponíveis na Biblioteca Virtual Anísio Teixeira.

Quer um cordelito sobre ele e também sobre a Rede Anísio Teixeira? Vou só colocar umas estrofes pra você conhecer!

O senhor Anísio Teixeira
Cabra retado vou te contar
Nascido em Caetité
A educação quis transformar
Professor, doutor e jurista
Sem ter fama de artista
Na Bahia fez seu lugar

 Para saber mais, recomendamos os seguintes vídeos:

Fig. 3 Instituto de Educação Anísio Teixeira – Caetité

Escola Parque – Caixa D’Água http://ambiente.educacao.ba.gov.br/tv-anisio-teixeira/programas/exibir/id/3818
Anísio Teixeira: educação não é privilégio http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2830
Educadores – Anísio Teixeira http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/3968

E para acessar na integra os textos que consultamos é só se ligar na bibliografia!

Anísio Teixeira. Notas sobre a educação e a unidade nacional. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v.18, n.47, jul./dez. 1952. p.33-49.

Anísio Teixeira. Romper com a simulação e a ineficiência do nosso ensino. Formação. Rio de Janeiro, v.16, n.176, 1953. p.11-16.”Romper com a simulação e a influência do nosso ensino”¨

Clarice Nunes. Anísio Teixeira: a poesia da ação. In: Revista Brasileira de Educação. São Paulo: Ed. Autores Associados, nº 16, jan., fev., mar., abr. 2001,

Demerval Saviani. Sobre a atualidade de Anísio Teixeira. In: SMOLKA, Ana Luiza Bustamante e MENEZES, Maria Cristina (orgs.). Anísio Teixeira – 1900- 2000: provocações em educação. Campinas-SP: Ed. Autores Associados, 2000.

Ireneu Aloisio Schmid. ANÍSIO TEIXEIRA E SUA FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO Disponível em: http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadech/article/viewFile/253/464.Acesso em: 06 jul 2016.

Lucita Brisa. Anísio Teixeira. Disponível em: http://educarparacrescer.abril.com.br/aprendizagem/anisio-teixeira-306977.shtml. Acesso em: 06 jul 2016.

 

Guel Pinna

Professora da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s