Radiola PW: Música Sem Pesquisa Brasileira (MSPB)

No mês de abril, a história e cultura dos povos indígenas fica em evidência por causa do dia 19 de abril. Na verdade, isso não passa de um agendamento frágil, que deveria ser repensado. Afinal, com clichê e querendo mesmo sair da teoria, os indígenas devem ser lembrados todos os dias, principalmente devido a todas as contribuições que deram e dão na constituição da identidade brasileira. A Lei 11645/08, que torna obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena, é um importante passo para que o tema não fique restrito ao mês de abril. Pelo menos, é o que se espera.

Restrição é a palavra que marca algumas tentativas de artistas da música popular brasileira em “homenagear” os povos indígenas. Quase sempre, o produto (no sentido mais comercial possível) vem cheio de arremedos, frases desconexas, estereótipos e informações descabidas.

Fig. 1: a MSPB é um gênero em ascensão na música brasileira. Imagem: captura de tela

Fig. 1: a MSPB é um gênero em ascensão na música brasileira. Imagem: captura de tela

Não faltam exemplos. Sobram. Em 1988, a apresentadora Xuxa Meneghel lançou o disco Xou da Xuxa 3 e uma das faixas de maior sucesso da obra foi a música Brincar de Índio, de autoria de Michael Sullivan e Paulo Massadas, famosa dupla de compositores. A música se tornou um clássico (infelizmente, é a verdade!), usada em escolas de todo o Brasil. Inclusive, até hoje (pois é!).

A incoerência já começa pelo título: “Brincar de Índio”. Como assim? Fantasiando-se de penas, tangas, com a pele pintada e batendo a mão na boca a fim de fazer aquele barulho esquisito? Deve ser. Pelo menos, era assim que Xuxa se apresentava quando cantava a música. A letra também dá indícios disso, um dos versos diz: “Vem pintar a pele para a dança começar”. Por falar na letra, cheia de estereótipos e visão limitada sobre os indígenas, o que dizer de trechos como “Índio fazer barulho/Índio ter seu orgulho […]/Índio querer carinho/Índio querer de volta a sua paz”, que tentam “reproduzir” a forma de falar dos indígenas? Fala sério! Um mínimo de pesquisa, mesmo naquela época, desfazia tal ignorância.

No final da canção, Xuxa dá um recado que, certamente, ela e toda a sua “tribo” acreditavam ser politicamente correto: “Baixinhos, vamos brincar de índio, ensinar as pessoas a ter respeito ao índio, que é a natureza viva”. Ela desrespeitou. Talvez, não tivesse essa intenção, mas o fez. Vestiu-se com uma roupa que não era sua e que não lhe caiu bem. Fantasiou-se. Li outro dia, numa rede social da internet, a seguinte frase: “Cultura não é fantasia”. Basta.

A baiana Mara Maravilha também caiu nessa esparrela. Em 1991, lançou a música Curumim, que integrava o disco de mesmo nome. A composição é de Robertinho de Recife e, para não fugir a regra, repleta de ideias sem lógica: “Eu sou uma índia, sou filha da lua, sou filha do sol/Meus cabelos negros a noite tingiu/ Serviu como espelho as águas do rio [sic]/Eu falo com o vento e com os animais/Eu nado com os peixes, nós somos iguais”. Além do erro de concordância verbal no verso “Serviu como espelho as águas do rio” (o sujeito da oração é “as águas do rio”, portanto, o verbo deveria estar no plural. Na ordem direta, isso fica mais evidente: “As águas do rio serviram como espelho”), o trecho reforça, de forma preconceituosa, que o indígena não avançou (Eu falo com o vento e com os animais/Eu nado com os peixes, nós somos iguais) e fica preso à ideia de que ele é um ser detentor de uma identidade fixa.

A Axé Music também produziu aberrações nesse sentido. Em Canibal (de 1999), composição de Ivete Sangalo, vê-se uma letra boba, pobre e insossa. No videoclipe, de roteiro reprovável, Ivete se “fantasia” de “índia” e o tal do canibal é interpretado pelo “índio” Fábio Assunção. Ah, tá! Entendi… No ano 2000, quando o país comemorava seus discutíveis 500 anos, o grupo É o Tchan lançou Tribotchan. A obra, escrita por Paulinho Levi e Cal Adan, falava sobre uma índia “patchanxó” (argh!) que requebrava e por quem Cabral se apaixonou. É a mulher como objeto sexual e as tradições indígenas deturpadas. O clipe é tão ruim quanto a música e fica até impossível tecer mais comentários.

Compositores e intérpretes que não fazem parte da cultura dos povos indígenas: eles não querem “homenagens”, querem RESPEITO!

Raulino Júnior

Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s