História da Independência x Subjetividades Humanas

Olá, galera!

Você sabia como se deu a construção do processo de independência, organização e formação do estado brasileiro? Que iniciou-se com duas revoltas ocorridas no Brasil fortemente influenciada por movimentos contrários ao julgo imposto pela colonização portuguesa? As que foram mais expressivas que defendiam o rompimento do pacto colonial brasileiro: uma ocorrera em Minas Gerais (1789), a CONJURAÇÃO MINEIRA; e, a outra na Bahia (1798), Conjuração Baiana. Portanto, as exigências portuguesas e a falta de vontade pelo crescimento da economia interna aceleravam a inconformidade de mineiros e baianos ao ponto de os levarem a se rebelar contra o domínio lusitano. Então, como se deu esse processo?

Fonte da imagem: Wikimedia Commons

Fonte da imagem: Wikimedia Commons

É preciso relembrar a história das Revoluções Burguesas que ocorreram no mundo cujos ideais foram inspiradores para nossa independência. Tudo começou com inspiração dos ideais da Revolução Francesa: “Liberdade, Igualdade, Fraternidade”, que construíram um discurso de frente ideológico anti-português, que somado às construções ideologicamente de caráter iluministas trazidas pelos intelectuais brasileiros abrindo caminho para nossa INDEPENDÊNCIA.

Do “Dia do Fico” até o “Grito do Ipiranga”, para se chegar em 7 de setembro de 1822 foi um processo longo e poderíamos considerar que até os dias atuais, não no sentido literal de independência em relação a um colonizador, no sentido de subjetividade ideológico de conquistas e reafirmação de direitos já alcançados.

O príncipe regente português, ao receber uma carta da Corte Portuguesa que exigia imediatamente seu retorno, devido à exigência de sua família. Caso voltasse a Portugal provocaria o enfraquecimento de sua autonomia e autoridade. Portanto, ele decide ficar em atendimento ao pedido feito pelo Partido Brasileiro que lhe enviara documento com assinaturas. O partido recém-formado era composto por aristocratas, comerciantes e indivíduos favoráveis à INDEPENDÊNCIA e contrários às medidas recolonizadoras de Portugal buscaram o apoio diante da possível recolonização e mediante ameaça de sua autonomia.

Em 09 de janeiro, o príncipe regente português, D. Pedro, declara sua decisão: “Diga ao povo que fico.” Por que ele decidiu ficar, você sabe? E onde?

Ao receber a segunda carta da corte de Lisboa exigindo novamente seu retorno a Portugal, D. Pedro, tem a reação imediata de recusar à proposta e toma a iniciativa de fazer as reformas que culminariam com a INDEPENDÊNCIA do Brasil da exploração colonizadora. Entre outras medidas iniciais dessa reforma, destacam-se duas: Convocação de uma assembleia constituinte, e a exigência da saída das tropas portuguesas da colônia. E foi assim que D. Pedro decide-se por proclamar a independência bradando aos plenos pulmões: “Independência ou Morte”, naquele momento, às margens do RIACHO IPIRANGA, registrado na história como o “Grito do Ipiranga”.  A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL é declarada, oficialmente, aos 7 de setembro de 1822, em São Paulo, mas o príncipe D. Pedro I recebe a coroação como Imperador no Rio de Janeiro, em 1º de dezembro de 1822.

 “Ou ficar a Pátria livre, Ou morrer pelo Brasil

Frase do Hino da Independência do Brasil.

Legenda: Wikimedia Commons

Fonte da imagem: Wikimedia Commons

Que o 7 de setembro seja sempre uma celebração de triunfo sobre o domínio português mas também uma oportunidade como um momento reflexivo cuja inspiração consignada pelos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade que serviram de base para a chamada Revolução Francesa e que geraram o liberalismo clássico, sejam novamente a chave motivacional de novas conquistas.

Liberdade, Liberdade, abre as asas sobres nós…”

O que refletir, então? A liberdade política, em relação ao fim da colonização portuguesa, decerto, sem dúvida, que ocorreu; mas a emancipação humana continua em constante processo de ressignificação de independência, pois homens e mulheres continuam em determinadas condições de subserviência ou de exploração, seja de ordem sexual, trabalho infantil ou desigualdade social. Decerto que, a igualdade que inspirou os movimentos de independência se deu mais no sentido de que todos nós somos iguais perante a lei. A existência da busca da igualdade econômico-social para todos, efetivamente ainda está em contínua construção. PORTANTO, esse processo de conquista da cidadania emancipatória, libertadora e plena alcance a todos os brasileiros.

Viu quanta coisa a gente pode aprender com a história da nossa independência? E como os ideais que nortearam esse processo podem nos inspirar ainda nos dias atuais?

Fonte da imagem: Wikipedia

Fonte da imagem: Wikipedia

Isso é que história, hein!

“Terra adorada. Entre outras mil. És tu, Brasil, Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada Brasil!”

 

Ana Cristina Rangel

Professora de Biologia da Rede Pública Estadual da Bahia

 

Saiba mais:

http://www.brasil.gov.br/governo/2015/01/dia-do-fico-foi-passo-importante-para-a-independencia-do-brasil

As Revoluções Burguesas no século XVIII. Disponível em:

http://www.algosobre.com.br/historia/revolucoes-burguesas-no-seculo-xviii-as.html
MARINHO, Jailson. Revoluções Burguesas. Disponível em:

<http://www.mundovestibular.com.br/articles/4380/1/REVOLUCOES-BURGUESAS/Paacutegina1.html

Anúncios