E essa tal de Sustentabilidade?

Fala, galera do bem!

Neste mês, se fala muito de sustentabilidade e suas questões, devido ao dia 5 de junho, dia em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente. Esse dia foi instituído em nosso calendário pelas nações unidas em 1972, em decorrência da primeira conferência mundial sobre o meio ambiente, em Estolcomo, na Suécia, onde também foi construído o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

O termo Sustentabilidade foi introduzido pela primeira vez nas discussões sobre o desenvolvimento humano, neste planeta, pelo analista Lester Brown na década de 1980. Lester é fundador do Worldwatch Institute e nos deixou como conceito de uma sociedade sustentável aquela que tem a capacidade de satisfazer suas necessidades, sem reduzir as oportunidades das futuras gerações.

Flor

E passadas mais de três décadas da “tal sustentabilidade”, será que já podemos viver sem comprometer a autonomia das futuras gerações? Será que o sistema que escolhemos é capaz de conviver com essa teoria? O capitalismo é autofágico e se alimenta do que produz, inclusive se apropriando de certas terminologias. Alguns teóricos ambientalistas suscitaram a teoria comportamental dos 3 Rs (reduzir, reutilizar e reciclar), mas o engraçado é que o sistema de capital se apropriou apenas de um, o reciclar, que virou a bandeira de algumas corporações, com o slogan – consuma, que reciclamos! Mas se pensarmos de maneira sistêmica, vamos descobrir que a real intenção é o consumo e não a reciclagem. O sistema de capitais não leva em consideração o comportamento sistêmico do planeta, mas, sim, interesses individuais e coorporativos, apropriando-se de três grandes redes: a tecnológica, a científica e a comunicacional.

Tem uma corrente do pensamento que é chamada de “pensamento sistêmico” que propõe que enxerguemos o todo (o sistema integrado e os seus processos) e não apenas processos isolados, pois tudo está interligado e interdependente.

Plantas

É nesse sentido que o Professor Fritjof Capra nos propõe uma nova forma de vermos o mundo e de nos comportarmos perante ele. Ele nos conta que precisamos compreender os princípios de organização que os ecossistemas desenvolveram para manter a sustentabilidade da vida. (A essa forma de pensar, Capra chamou de Alfabetização Ecológica).

A palavra “ecologia” vem do grego oikos (casa) e de como essa “casa” funciona e se relaciona. A ecologia é um campo muito vasto, podemos estudá-la como disciplina científica, como filosofia e/ou como estilo de vida ou ecologia profunda. Essa última é o que queremos discutir neste texto.

Criança

A “ecologia profunda” não separa o homem do ambiente e, na verdade, tudo está unido e deve funcionar como um único sistema. Nessa proposta, o homem deixa de ser o centro das coisas e passa a ser mais um elemento da engrenagem, podendo dar continuidade ou simplesmente danificar a teia da vida. Claro que existem diferenças entre os ecossistemas e as comunidades humanas, onde temos que levar em consideração, além dos fatores bióticos, os fatores sociais e de comportamento. As sociedades humanas que ainda hoje podem nos ensinar essa tal de sustentabilidade são as comunidades tradicionais, como os povos indígenas e as comunidades extrativistas que, em decorrência de sua vasta experiência ecológica, internalizam e espiritualizam os ecossistemas, compreendendo o seu pleno funcionamento, integrando-se ao ciclo, sem interromper seu fluxo, tornado o sistema terra sustentável para si e as futuras gerações. Um dos legados desses povos tradicionais consiste em:

– Entender que nenhum ecossistema deve produzir resíduos, já que esses devem voltar ao ciclo, como fonte de alimento;

– A base de toda energia deve vir do Sol;

– A diversidade assegura a resiliência (capacidade de existir);

– A força deve ser substituída pela cooperação e trabalho colaborativo, para dar segmento ao ciclo e às trocas de informações.

Para que essa “tal sustentabilidade” realmente exista e se torne um elemento transformador do comportamento, é preciso escutar e ensinar a sabedoria dos povos tradicionais, para construirmos uma alfabetização ecológica, aliando a esse conhecimento uma ciência, uma tecnologia e um sistema comunicacional comprometido com esse ideal. Só assim conseguiremos coexistir com nossa terra mãe.

Texto e imagens:

Peterson Azevedo – Professor da Rede Pública de ensino do Estado da Bahia.

Bibliografia

http://ambiente.educacao.ba.gov.br/

CAPRA, Fritjof. The Web of Life: A New Scientific Understanding of Living Systems. Editora Cultrix, Califórnia – US. 1996;

SANTOS, Milton. Por uma outra Globalização. Ed. Record. Rio de Janeiro – RJ. 2000;

TRIGUEIRO, André. Meio ambiente no século 21. 5. Ed – Campinas, São Paulo. SP. 2008;

Anúncios
This entry was posted in Antropologia, Biologia, Educação, Geografia, Sociologia and tagged , , , , by Peterson Azevedo. Bookmark the permalink.

About Peterson Azevedo

Possui graduação em Geografia pela Universidade Católica do Salvador. Especialista em Educação a Distância. Fotógrafo documental pela academia internacional de cinema. Atualmente atuando como educador, fotógrafo e produtor de conteúdos audiovisuais educacionais livres, no projeto especial Rede Anísio Teixeira - Programa de produção e difusão de mídias e tecnologias educacionais livres da Secretaria de Educação do Estado da Bahia. Tem experiência na área de Educação e produção de conteúdos educacionais digitais livres, mídias educacionais. Professor de fotografia digital voltada para educação e os processos de ensino e aprendizagem.

4 thoughts on “E essa tal de Sustentabilidade?

  1. muito interessante.Ideias ricas e inovadoras.Será de grande valia para interagir e colaborar. Abraço . Renilda

  2. Usei essa postagem na minha Oficina do PROEMI, muito relevante a temática colocada , Ecologia Profunda quase não se aborda.Conceito de Educação Planetária e Ecocidadania para os alunos da Rede.

    • Olá, Ana!
      Que bom que este conteúdo foi útil na sua interação com estudantes. Um tema imprescindível para abordar em sala de aula e fora dela também.
      Continue acompanhando e o nosso blog. A nossa Rede é colaborativa!!

    • Olá Professora Ana, muito feliz com sua interação, vamos ampliar a rede colaborativa de saberes. A ecologia Profunda e o pensamento sistêmico, são grande aliados para mudança de paradigma social, no que se refere ao desenvolvimento humano. Grande abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s