Educação Especial: uma questão de cidadania

Olá, galera!

Iniciamos o mês de agosto com uma temática muito interessante. Vamos “bater um papo” informativo, esclarecedor e sério sobre Educação Especial,Ética e Cidadania.Outros temas também serão discutidos durante este mês.Mas,manteremos um foco mais aguçado sobre estes acima mencionados.

O exercício da Educação Especial requisita e pressupõe direitos,logo,falamos em Cidadania. A Ética tem uma grande influência sobre a Cidadania,pois ela trata da conduta humana,e é através desta que os direitos políticos,sociais e civis do cidadão serão assegurados.É possível ,então,perceber que em determinados momentos os temas em questão podem estar entrelaçados.

O protagonista deste texto é o cidadão com necessidades especiais educacionais, que necessita de uma Educação Especial voltada para estudantes com transtornos globais de desenvolvimento e com altas habilidades/superdotação. Entretanto, ser portador de limitações e/ou transtornos nem sempre é ser ou sentir-se incapaz.

Para muitas pessoas, presenciar estudantes especiais desenvolvendo atividades que necessitam competências e habilidades complexas é motivo de admiração e espanto. Mas, a realidade mudou e esse estudante especial, principalmente, o que desde cedo encontra em sua família apoio e incentivo, vem desenvolvendo atividades diversas, surpreendentemente desmistificando estereótipos.

A Secretaria de Educação do Estado da Bahia, através de convênios firmados com Instituições Especializadas, oferece atendimento prioritário ao estudante especial em Associações, Instituto, Instituições e Federações especializadas e credenciadas.

Temos uma Legislação com decretos e Leis que dispõem sobre a Educação Especial para que esta ampare o seu público-alvo, facultando-lhe direitos diversos, como o de Atendimento Educacional Especializado (AEE), que busca,com projetos e ações atender às especificidades do estudante especial, dando-lhes condições de enfrentamento à vida através da conquista de uma autonomia que o fortaleça como cidadão sujeito de direito.

Para o cientista político Norberto Bobbio, “O Direito do cidadão é a conversão universal, em direito positivo dos direitos do ser humano”. Logo, é possível entender que Bobbio refere-se ao fato de que os direitos registrados em legislação,ou o que o valha, sejam convertidos em direitos positivos, praticados,exercidos.É fazer a teoria virar prática,e para isso é preciso uma conduta ética.

Assista ao vídeo “Adulto, cidadão e diferente (Deficiência Física)”:

 

imagem

 

Este audiovisual mostra que os portadores de necessidades especiais já estão fazendo,há muito tempo o seu papel de cidadãos, assumindo compromissos, responsabilidades, fazendo a diferença em sua sociedade, quebrando paradigmas de preconceito e discriminação.

 

Até a próxima!

Prof.ª Ana Rita Medrado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s