Linhas para a eternidade

No dia 25 de julho, comemorou-se o Dia Nacional do Escritor. Por uma triste coincidência, apenas naquele mês, o Brasil ficou órfão de três importantes contadores de histórias através das linhas: João Ubaldo Ribeiro, Rubem Alves e Ariano Suassuna.

João Ubaldo deixou o povo brasileiro no dia 18 de julho, aos 73 anos. Autor de obras emblemáticas da nossa literatura, como Sargento Getúlio e Viva o Povo Brasileiro, Ribeiro eternizou o Brasil nos seus livros. Ele falou de nossos costumes, de nossa história e de nossa irreverência, como fica evidente na narrativa de A Casa dos Budas Ditosos. João Ubaldo Ribeiro atuou na imprensa e se formou em Direito, apesar de nunca exercer a atividade. O que ele sabia fazer direito mesmo era escrever e, certamente, seus leitores constatavam isso a cada página virada. Na entrevista abaixo, concedida ao programa Roda Viva, da TV Cultura, em julho de 2012, João Ubaldo fala sobre suas produções, literatura e faz uma breve análise do Brasil.

De Ubaldo para Rubem. O Alves. O pedagogo, poeta e filósofo afirmava: “Gosto de brincar com palavras. Por isso sou escritor”. Deixou de brincar com elas no dia 19 de julho, aos 80 anos. Rubem Alves escrevia sobre teologia e o cotidiano, mas foi falando de educação que se destacou. Autor de livros como A Alegria de Ensinar, Por Uma Educação Romântica e A Escola com que Sempre Sonhei sem Imaginar que Pudesse Existir, Alves era um educador apaixonado pelo ofício. Não temia a morte, só tinha pena de morrer. “Eu não tenho medo de morrer… Só tenho pena. A vida é tão boa…”. Que pena! Em dezembro de 2011, Rubem participou do Programa 3 a 1, da TV Brasil. Confira!

No dia 23 de julho, aos 87 anos, Ariano Suassuna tratou de se encontrar com “o único mal irremediável”, como um de seus personagens costumava falar. Teatro, literatura e política estavam na vida e na obra do autor. Criador de tipos inesquecíveis, Ariano era, acima de tudo, um agitador cultural. Desde sempre. Quem nunca ouviu falar de suas aulas em forma de espetáculo? E do Movimento Armorial? Suassuna levou o Nordeste para o mundo através de suas obras, que foram traduzidas para o alemão, o espanhol, o inglês; só para citar alguns. Uma Mulher Vestida de Sol, O Auto da Compadecida e O Santo e a Porca ficarão para sempre na memória dos leitores. Cada escritor citado aqui também! Para sempre!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s