Culturas indígenas em debate

“O Brasil não foi descoberto. O Brasil foi invadido”. Essas palavras, ditas pela índia Potyra Tê Tupinambá, na videoconferência Apropriações tecnológicas no ensino – aprendizagem da história e cultura dos Povos Indígenas, realizada na quarta-feira, 23 de abril, no Instituto Anísio Teixeira (IAT), revelam a forma como os povos indígenas querem ser representados: sem invasão. E invasão, aqui, não é só metáfora; é constatação. Além de trazer reflexões sobre a cultura indígena, o principal objetivo da videoconferência foi o de estimular a implantação da Lei 11.645/08, que trata da obrigatoriedade de incluir no currículo oficial da rede de ensino a temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. A mestre em educação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Rosilene Cataa Tuxá, e o antropólogo e professor da UNEB, José Augusto Laranjeiras Sampaio, também integraram a mesa de discussões.

Na abertura do evento, o coordenador geral da Rede Anísio Teixeira, Yuri Wanderley, enfatizou a importância de o texto da lei ser lido e relido e fez uma exigência: “Mais importante do que saber sobre a cultura dos povos indígenas, é conhecer a história e cultura contada pelos próprios indígenas”. Nesse sentido, a índia Potyra indicou algumas mídias digitais em que indígenas falam de sua história e cultura, como os sites Índio Educa e Oca Digital. Segundo ela, a troca de ideias é a melhor forma de introduzir a cultura indígena em sala de aula. A militante destacou também a função dos Pontos de Cultura Indígenas, que fazem parte do programa Cultura Viva, do governo federal. “É um espaço de diálogo, de interação e de construção do conhecimento”.

Rosilene Cataa Tuxá afirmou que os povos indígenas estão se apropriando das novas tecnologias de forma eficaz e consciente. Sobre a efetiva implantação da Lei 11.645/08, ela acredita que vai auxiliar para que a cultura indígena não seja reproduzida de forma estereotipada. “Vai contribuir para desconstruir uma história que foi construída pelo olhar do colonizador”. José Augusto Laranjeiras Sampaio, que também é diretor e sócio-fundador da Associação Nacional de Ação Indigenista (ANAÍ), acha que a lei veio para preencher uma lacuna. “É uma forma de superar estereótipos. Contudo, em relação aos professores, é preciso desensinar para ensinar. Ninguém ensina o que não sabe”, pontuou.

A videoconferência foi transmitida para mais de 25 cidades baianas, entre elas Ilhéus, Caetité, Feira de Santana, Macaúbas, Itabuna e Eunápolis. Se você não conseguiu acompanhar ao vivo e tem interesse no tema, segue vídeo com conteúdo completo da Videoconferência.

Veja também link para site temático produzido pela equipe do PW.

 fundocultind02

Forte abraço.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s