2014 com mais educação, tecnologia e interação

E ai, galera!!

 2013 foi um ano de muita interação, compartilhamento e contribuições para ampliar a rede do conhecimento, unindo educação e tecnologia de forma dinâmica e interativa. O blog ficou recheado de novidades. Fizemos algumas mudanças na estrutura e no layout para facilitar a busca aos conteúdos publicados e incorporamos os temas transversais nas discussões.

As semanas temáticas não ficaram de fora, onde abordamos a Semana da Mulher, Semana dos Povos IndígenasSemana do Meio Ambiente, Semana da Cultura Popular e as discussões do Novembro Negro, bem como os filmes discutidos no Cine PW.

 Por acreditarmos na produção livre e independente, também, iniciamos uma sequência de postagens sobre tecnologias, animação 3D, edição de vídeos e edição de imagens com suporte de softwares livres. Com isso, esperamos contribuir com o fortalecimento das comunidades de conhecimentos livres e a disseminação do seu uso nas escolas como opções viáveis e propositivas para a produção autoral de estudantes e professores da rede pública

 Estreamos também a seção Radiola PW, em que analisamos letras de músicas que podem ter uso pedagógico, pois trazem temáticas e assuntos pertinentes.

PW-Retro-2013-postagem

Não dá pra esquecer da recepção calorosa da comunidade escolar baiana durante o 2º Encontro Estudantil, na Tenda Digital, onde a interação e a alegria tomaram conta do palco livre.

Agradecemos a vocês pela participação, interação e por cada gesto de carinho ao longo de 2013.

Em 2014, temos um reencontro nesse espaço. Desejamos a tod@s um ano repleto de realizações, com o ideal da busca de uma educação pública de qualidade, e com isso finalizamos o ano com as palavras de Nelson Mandela “ Educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo!”

Saudações colaborativ@s!

CINE PW: RETRÔ 2013

Salve, salve, galera!

 O ano de 2013 está quase acabando e com ele muitas coisas ficam para trás, já outras, sentimos inevitável vontade de eternizar e reviver . É neste clima de lembranças e de finalização de mais uma etapa de nossos diálogos (aliás, finalização não, apenas um breve intervalo), que trazemos obras já indicadas neste canal.

Hoje, nossa retrospectiva traz os vídeos indicados que mais marcaram nossas discussões este ano. São obras que consideramos muito relevantes ao entendimento das nossas relações sociais, com abordagens diversificadas, linguagem fácil e conteúdo atual. Confira abaixo nossa lista, programe-se e boa sessão!

Iniciamos o primeiro semestre trazendo, em janeiro, o cine “Mundo virtual: relações humanas, demasiado humanas, uma discussão sobre como o advento da informatização e da internet tem transformado nossa vida. Em fevereiro, trouxemos diferentes olhares sobre a situação de Cuba em “Yoani Sánchez x Soy Cuba”. Já março foi um mês bastante gratificante, pois o filme indicado, “Crianças Invisíveis”, recebeu uma grande quantidade de acessos e comentários.

Esta obra gerou uma interação interessante, pois a professora Nísia, a quem agradecemos, desenvolveu um trabalho com seus estudantes que contribuíram e opinaram sobre a abordagem do vídeo.

Em abril, trabalhamos com a temática Povos Indígenas, e a obra indicada foi “Produções Indígenas”; que homenageia hoje as centenas de comunidades indígenas e suas produções audiovisuais. Para maio, trouxemos o filme “Guerra de Canudos“;obra onde o diretor Sérgio Rezende retrata a situação de seca e miséria que o sertão baiano enfrenta. E para finalizar o semestre inicial, que tal uma reflexão sobre nossos hábitos alimentares e a saúde? Então confira o documentário “O veneno está na mesa”. Trata-se de um alerta sobre o uso de agrotóxicos na produção de alimentos.

Nosso segundo semestre também trouxe sugestões interessante. Como é o caso de “Os Heróis do Brasil, documentário cujo conteúdo é a resistência baiana contra a colonização portuguesa, ainda em comemoração ao 02 de julho. Também tivemos a discussão quanto aos cuidados que temos dado à alimentação de nossas crianças, com a abordagem adotada no documentário “Muito além do peso”, em agosto. Seguimos em setembro com as questões sociais, com a produção Fahrenheit 9/11, que traça um elo entre as causas e consequência dos atentados em 11 de setembro de 2001 nos EUA e a invasão estadunidense no Iraque. Outubro contemplou as discussões sobre inclusão social e respeito à pessoa com deficiência, quando sugeriu o filme “City Down – A história de um diferente”; que retrata a história de um jovem nascido numa cidade onde todos possuem Síndrome de Down, levando-nos a refletir a respeito do lugar do outro, do diferente.

Como de costume, em novembro nossas postagens estiveram direcionadas às questões do Novembro Negro, com isso nosso cine não poderia ficar de fora. Entre as obras indicadas destacamos nesse mês o documentário “Quanto vale ou é por quilo?”;

A obra faz, em sua abordagem, uma comparação entre a escravidão do passado e o sistema atual de exploração capitalista.

E, finalizando nossa “retrô”, trazemos a obra que homenageou, em vida, o homem e o herói que foi Nelson Mandela, com a produção “Invictus”. Vale a pena conferir!

É isso aí, pessoal. Que 2013 tenha sido bem proveitoso e que 2014 nos possibilite mais interação, com muitas e boas indicações. Podem enviar sugestões que o espaço está aberto. Quer conferir mais vídeos do Cine PW?

https://oprofessorweb.wordpress.com/category/multimidia/cine-pw-multimidia/ 

Um forte abraço!

CINE PW: Invictus

Uma boa cabeça e um bom coração formam sempre uma combinação formidável

Nelson Mandela

Salve, salve, galera!

Hoje o  Cine PW entra no clima de homenagem a Nelson Mandela, falecido no ultimo dia cinco, trazendo a obra ‘Invictus’.

O filme mostra a África do Sul no período pós Apartheid (1948 -1994); quando Nelson Mandela, presidente-eleito, reconhecendo que seu país permanece dividido racial e economicamente, resolve apoiar o time da África do Sul na Copa Mundial de Rúgbi de 1995. Acreditando ser esta uma ação capaz de unificar a população por meio da linguagem universal do esporte, levando o time a fazer uma incrível campanha até as finais da competição.

Rolihlahla Madiba Mandela, foi o representante do movimento antiapartheid, considerado pelo povo um guerreiro na luta pela liberdade, era tido pelo governo sul-africano como um terrorista, tendo sido preso aos27 anos, e nestas quase três décadas na cadeia, durante os anos 1970, ele recusou uma revisão da pena e, em 1985, não aceitou a liberdade condicional em troca de não incentivar a luta armada. Mandela continuou na prisão até 11 de fevereiro de 1990 quando foi libertado, já com 72 anos. Seu sonho está sintetizado na frase “sonho com o dia em que todos levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos“!

Boa sessão!

 Fontes: ONU.

O que é renderizar?

Vocês sabem o que significa renderizar? Muitos até sabem o que é, mas não sabem explicar. Renderizar é o ato de compilar e obter o produto final de um processamento digital. Ou seja, toda aquela sequência de imagens que você montou na sua linha do tempo precisa ser condensada em um vídeo. Mas como se faz isso? Quando decidir que seu vídeo já está pronto, você vai procurar uma ferramenta que se encontra em cima da linha do tempo.

rennd-kdenlive

Ela é verde e você vai encontrá-la no início da marcação do tempo. Colocando o cursor nas laterais dessa ferramenta, você vai perceber que aparece o nome “início da área”, quando for do lado esquerdo; e “fim da área”, no direito. Clicando e mantendo o cursor pressionado em uma dessas extremidades, você pode esticar essa barra, deixando exatamente do tamanho do vídeo. Colocando o “início da área” no começo do vídeo e “fim da área”, no final da compilação. Depois dessa tarefa, vá até a parte superior do programa e procure um botão que está simbolizado por um círculo com uma bolinha vermelha no meio. Lá, estará escrito: “renderizar”.

Captura de tela - 10-12-2013 - 16:53:05

Feito isso, abrirá uma tela com os parâmetros que irão caracterizar seu vídeo, como formato de áudio e do próprio vídeo. E, por final, selecione a opção “Zona selecionada”, fazendo com que o software entenda que é somente para renderizar a área escolhida por você, através da barra verde, citada anteriormente. Não se esqueça de salvar também o local de saída do seu vídeo e de dar um nome a ele. Depois, clique em “Renderizar para Arquivo”. Irá aparecer uma barra de carregamento, espere ela carregar. Confira seu vídeo na pasta que você escolheu salvar e veja se todos os parâmetros estão da forma que você optou.

Segue o link do videotutorial de renderização para ajudar no seus estudos: http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/2269.

Iremos discutir mais sobre os formatos de vídeo no nosso próximo papo.

Até breve!

Vitor Moreira

Colaborador da Rede Anísio Teixeira

Agradecimento a quem mais tem interesse em uma educação de qualidade

A cada nova oportunidade de conviver com estudantes e professore(a)s das escolas públicas baianas, a gente percebe o potencial dessa(e)s autoras e autores sociais. Fica evidente também o quanto a mídia tradicional é cruel na forma de apresentá-l@s em sua incessante busca por notícias trágicas ou por violência. O alvo parece ser a estrutura e o governo, mas os ataques repercutem na autoestima das pessoas que frequentam ou colocam filho(a)s nessas escolas. Apesar dessas iniciativas, as desigualdades ou a abordagem midiática não são suficientes para limitar o potencial da comunidade escolar e impedir o despertar das mentes criativas em busca de melhorias em suas condições de vida.

Em todo contato com a galera das escolas, surge uma bela surpresa, um novo talento. Muitos estudantes passam a vida superando obstáculos e construindo métodos diferenciados para alcançar seus objetivos, mas basta que tenham a oportunidade de apresentar o que são capazes e, logo, a imagem negativa que se tenta construir é substituída pelo respeito diante da força de vontade e a superação de cada um/a no intuito de promover transformações para a sua coletividade. Uma das propostas do palco livre, realizado durante o 2º encontro estudantil e idealizado pela Rede Anísio Teixeira, foi dar essa oportunidade. Sem nenhum tipo de seleção, o palco estava livre para qualquer um chegar, inscrever-se, mostrar sua arte e “dar a sua ideia”. Foi um espaço revelador de talentos e de muito aprendizado.

Perfil Redes Sociais

Vejam as fotos na nossa galeria do Flickr, acompanhem os vídeos na TV Professor Web e veja uma postagem especial sobre o evento aqui no blog.

Além disso, nos espaços com os jogos educacionais não prevaleceu qualquer sentimento de competitividade, apareceram estudantes tentando se ajudar para superar os desafios trazidos em cada um dos jogos apresentados. Quando chegavam os grupos não era uma pessoa que tentava monopolizar o controle do jogo, mas cada um dava uma chance para o/a colega seguinte no intuito de aprender junto e discutir cada problema em busca de soluções por meio do diálogo. A curiosidade trazida pelo desafio do jogo motivava o interesse pelo aprendizado compartilhado.

Diante disso, gostaríamos de reafirmar que a equipe do núcleo de produções educacionais livres acredita no potencial de cada autor(a) social e, em especial, d@s estudantes de promover transformações em suas vidas, dentro de sua coletividade e, consequentemente, de sua escola. Nós acreditamos em uma transformação da educação que nasce dentro da escola e não naquela que vem de fora com soluções pouco dialogadas.

Estudantes, contamos com vocês nessa luta em busca de construir uma escola pública de qualidade. Essa é uma das bases para a construção de aprendizagens contextualizadas e pertinentes para a vida de cada um de vocês. Se a gestão das escolas vivencia dificuldades burocráticas para melhorar as condições estruturais, está no poder de toda a comunidade escolar participar dos processos de acompanhamento e intervenção por meio de ações organizativas que podem ser inspiradas em processos de autogestão. Com isso não se propõe a redução dos deveres do Estado, mas a ampliação da autonomia e da participação popular no controle e na gestão de cada instituição pública que interfere diretamente na vida da população. Isso é garantir autonomia para a escola crescer e oferecer as condições adequadas para fortalecer a comunidade em que está inserida.

Comunidade escolar, aproprie-se desse espaço, pois esse pode ser o lugar mais importante de interação social e construção de conhecimentos. A transformação de cada bairro depende de vocês e a união dos esforços da comunidade escolar pode garantir as condições necessárias para a luta por uma escola pública de qualidade. A construção dessa escola deve estar nas mãos daqueles que a vivenciam e são beneficiados ou prejudicados por tudo que acontece neste espaço.

Participem. A participação social é o aspecto mais importante na consolidação de processos democráticos e isso se fortalece ainda mais quando se ampliam as oportunidades de professores e estudantes interagirem não só com pessoas de sua escola, mas contando com a oportunidade de conversar com pessoas de toda a rede.

Só podemos agradecer pela oportunidade de interagir a cada instante nos espaços da tenda digital. É sensacional conhecer autores e autoras que representam as diversas escolas da Bahia. Nossa luta é justamente para que a escola possa adaptar-se às necessidades e potencialidades evidenciadas em cada região ou promovidas por cada professor/a ou estudante. É uma grande satisfação e honra poder participar e contribuir com essa rede que se consolida a cada novo encontro.

Forte abraço,

Professora Online e Professor Web

Tenda Digital: você viu?

Oi, pessoal! Tudo bem?

Na semana passada, durante o 2º Encontro Estudantil Todos pela Escola, o Professor Web (PW) interagiu com professores e estudantes na Tenda Digital, um espaço que unia arte, ciência e tecnologia.

foto-encontro

Na Tenda Digital a interação com os estudantes foi intensa e muito dinâmica, com computadores disponíveis para a equipe da Rede Anísio Teixeira apresentar diversas mídias e tecnologias livres, oficinas de produção audiovisual e o espaço mais agitado da Tenda, o Palco Livre, em que estudantes, professores e artistas das mais diversas áreas se apresentaram cantando suas músicas de preferência, recitando poesias, cordéis e até mesmo improvisando um rap ou beat box. O rap do Professor Web também teve seus momentos no Palco Livre, e até algumas variações com outros ritmos foram feitas pelos visitantes. Veja uma das improvisações:

Um dos estudantes que estiveram conosco, Bruno Stronda, 21 anos, do Colégio Estadual Liberdade, localizado em Itaberaba, elogiou a iniciativa. “Eu achei esse espaço bacana, interativo e cheio de coisas interessantes. Nunca tinha vindo a Salvador e achei que o 2º Encontro Estudantil foi nota dez”. A Tenda Digital reuniu os trabalhos dos três projetos realizados pela Rede Anísio Teixeira, que são desenvolvidos em parceria com professores e estudantes das escolas públicas baianas: Ambiente Educacional Web, Blog do Professor Web e a TV Anísio Teixeira.

Edilson Barreto, 24 anos, estudante da Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Colégio Estadual Centenário, que também fica em Itaberaba, falou com entusiasmo sobre o Palco Livre da Tenda Digital, um local em que os estudantes mostraram vários talentos artísticos: “No Palco Livre, a gente teve a oportunidade de conhecer e interagir com outros músicos e outros artistas, isso é excelente. Foi uma das grandes ideias que a organização do evento teve”, concluiu.

Bianca Almeida

Bianca Almeida e Raulino Júnior, da equipe do PW. Foto: Gabriel Luhan

A estudante Laís Santiago, 17 anos, do Centro Educacional 30 de Junho, que fica em Serrinha, avaliou o 2º Encontro Estudantil e foi taxativa: “Achei muito mais organizado neste ano. Eu participei do AVE e acho que é um ótimo projeto, porque você expõe todas as suas ideias; o que você sente, você pode expressar na arte”. Já Bianca Almeida, 15 anos, do Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira, sediado em Salvador, foi apenas prestigiar o evento, sem ter participação efetiva nos projetos, mas também não deixou de elogiar.  “Eu achei bem interessante, porque você acaba conhecendo outras ideias e tendo novas ideias para futuros projetos. E, na Tenda Digital, você podia se expressar e se divertir. Eu achei muito criativo e bem legal!”. Na nossa galeria no Flickr, vocês poderão ver mais registros do evento, assim como na TV Professor Web, nosso canal no YouTube. Cometem! Compartilhem! Interajam! E você? O que achou da Tenda Digital? Caso tenham filmado ou fotografado esse espaço é só deixar os links aqui nos comentários.

A equipe do PW parabeniza @s estudantes que participaram do 2º Encontro Estudantil! Até 2014, moçada!

Cine PW: Raça Humana

Salve, salve, galera!

Estamos de volta com mais uma indicação de cine para vocês! E mesmo já tendo encerrado nosso Novembro Negro, as discussões continuam a todo vapor. Hoje trazemos o documentário da TV Câmara “Raça Humana”. A obra problematiza os dramas enfrentados no início da aplicação das políticas de cotas, quando, em 2004, um ano depois da sanção da Lei 10.639, a Universidade de Brasília (UnB), adotou o sistema de cotas em seu vestibular, onde reservava vinte por cento das vagas para candidatos que se declaravam afrodescendentes.

A decisão da UnB gerou divergências internas e o caso precisou da intervenção do STF (Supremo Tribunal Regional).

O documentário apresenta diversas opiniões de pessoas envolvidas com a proposta, argumentado a favor e contra à posição adotada pela instituição. Um dos comentadores é o professor e antropólogo José Jorge de Carvalho, que defende o sistema adotado: “Qual é o país que tem dois grupos étnico-raciais, praticamente da mesma proporção (48 ou 46 por cento), que um deles reduziu o outro a menos de um por cento no mundo acadêmico?”. Dessa forma, se contrapõe aos argumentadores que afirmam que a postura adotada pela UnB promovia a racialização , ou seja, fortificava o racismo ao invés da “igualdade” pretendida.

Felizmente, hoje já contamos com a Lei de Cotas, nº 12.177. Essa é a lei que garante 50% das vagas das universidades federais e dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia destinadas a alunos que estudaram durante todo o ensino médio em escola pública. Ela é considerada um avanço nas ações de políticas afirmativas do Brasil.

Agora, que você já esta envolvido nessa discussão sobre a obra e possui uma visão autônoma e crítica, mande-nos sua opinião. Estamos aguardando!

Fonte: Educar Portal