1ª edição do Prêmio “Curta Histórias” valoriza a Educação das Relações Étnico-Raciais

Atenção, pessoal!

A 1ª edição do Prêmio “Curta Histórias”, que tem como objetivo valorizar a Educação das Relações Étnico-Raciais e a implementação da Lei 10.639/03 (que trata sobre a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Africana e Afro-brasileira na Educação Básica), está com inscrições abertas até o dia 5 de novembro. A promoção é do Ministério da Educação, por meio da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI), da Fundação Vale, da Fundação Telefônica, da Associação Casa da Árvore, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

A inscrição é gratuita e apenas estudantes matriculados na Educação Básica da rede pública de ensino de todo o país, que estejam participando dos programas “Mais Educação” ou “Ensino Médio Inovador”, poderão inscrever vídeos cuja temática seja “Africanidades Brasileiras”. As imagens podem ser produzidas por celulares e câmeras domésticas. De acordo com o regulamento, só será aceito um vídeo por escola, com duração de 1 minuto. A equipe deve ser formada por um professor ou educador responsável e até cinco alunos.

Outra observação importante que o regulamento da premiação traz é a exigência de que os vídeos inscritos estejam amparados no Parecer 03/2004, que fundamenta as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana.

A seleção dos vídeos será feita por um Júri Técnico, um Júri Popular e uma Comissão Julgadora Final. Serão premiados o vídeo mais votado pelo público e outros dois selecionados pela Comissão Julgadora Final. A premiação para as três escolas vencedoras será:

a) alunos: 1 (uma) oficina de formação em cinema e empreendedorismo com duração de 24 horas; 1 (um) tablet, 1 (um) aparelho celular smartphone para cada participante da equipe.

b) professor: 1 (uma) oficina de formação em cinema e empreendedorismo com duração de 24 horas; 1 (um) tablet, 1 (um) aparelho celular smartphone.

c) escola: cinemateca composta de 20 filmes; 1 (um) aparelho data show; 1 (um) aparelho DVD; 1 (uma) filmadora digital e 1 (uma) câmera fotográfica semi-profissional.

Africanidades Brasileiras

Segundo a doutora em Educação Petronilha Silva, “a expressão africanidades brasileiras refere-se às raízes da cultura brasileira que têm origem africana” (p.26, 2003). Ou seja, diz respeito às influências africanas na nossa cultura e no nosso comportamento. Em seu artigo “Africanidades Brasileiras: esclarecendo significados e definindo procedimentos pedagógicos”, publicado na Revista do Professor, no primeiro trimestre de 2003, Petronilha traz uma boa introdução sobre a temática e propõe a aplicação dela em diferentes áreas do conhecimento.

O prêmio é uma ótima oportunidade para discutir e refletir sobre História e Cultura Africana e Afro-brasileira. Desejamos sucesso para todos os inscritos!

Anúncios
This entry was posted in Dicas, Fique Sabendo, História, História e Cultura Africana, Pedagógico, RSCJ and tagged , , , , , , , , by Raulino Júnior. Bookmark the permalink.

About Raulino Júnior

Raulino Júnior é professor de língua portuguesa da rede estadual de ensino da Bahia, especialista em Estudos Linguísticos (UEFS, 2008), jornalista e produtor cultural. Formou-se em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS, 2006) e em Jornalismo (2014) e Produção em Comunicação e Cultura (2016) pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Facom/UFBA). Compõe desde a adolescência e, com a música "Mudanças", ficou em 3º lugar no 1º Festival de Música do Servidor Público, promovido pela Secretaria da Administração do Estado da Bahia (SAEB), em 2013. É autor do "Desde que eu me entendo por gente", blog de experimentações jornalísticas com ênfase em jornalismo cultural, integrante da produtora "Contramão Comunicação e Cultura", idealizador e apresentador do "Monotemático", programa de entrevistas com autores de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs). Desde 2013, integra a equipe de professores da Rede Anísio Teixeira, programa de difusão de mídias e tecnologias educacionais da Secretaria da Educação do Estado da Bahia.

2 thoughts on “1ª edição do Prêmio “Curta Histórias” valoriza a Educação das Relações Étnico-Raciais

  1. Muito importante essa iniciativa, uma certa mobilização em abordar o tema valorizando a educação e um grande incentivo para implementar e/ou aplicar a Lei 10.639/03 ainda desconhecida por muitos. Esse projeto me remente também a importância da presença de assistentes sociais nas escolas: sua participação na elaboração dos conteúdos didáticos que serão abordados em sala,lógico sem invadir o espaço, a função dos profissionais da educação, acompanhando as relações entre alunos, profissionais e suas reações diante das questões étnico-racial(no caso), colaborando e muito em compartilhar e deter conhecimento, visão crítica, política e questionamentos…

    • Certamente, Anne Luzia. Essas iniciativas são importantes para divulgar as leis e valorizar os profissionais da educação. Os assistentes sociais são sempre bem-vindos, principalmente no ambiente escolar, que necessita da presença de uma equipe multidisciplinar. Obrigado por interagir conosco! Continue acompanhando as nossas atividades!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s