A Aids não acabou

Desde o primeiro caso de Aids identificado no Brasil, em 1980, até hoje, a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, como também é conhecida a doença,  tem crescido de forma vertiginosa no país. De acordo com dados do Ministério da Saúde, até junho de 2012, o Brasil tinha 656.701 casos registrados. A Aids é uma doença que ataca o sistema imunológico e é causada pelo HIV, o vírus da imunodePWAidsficiência adquirida. Um indivíduo pode ser acometido pelo HIV através de relações sexuais desprotegidas, compartilhando agulhas e seringas contaminadas ou na chamada transmissão vertical (da mãe para o bebê durante a gravidez, na hora do parto e na amamentação).

O fato de o país ter uma política eficaz de tratamento da síndrome, com a distribuição gratuita de medicamentos antirretrovirais, que evitam o enfraquecimento do sistema imunológico e aumentam o tempo e a qualidade de vida de quem tem a Doença Sexualmente Tramsmissível (DST), faz com que algumas pessoas, ilusoriamente, achem que a Aids já tenha cura; mas isso não é verdade. Com o tratamento, o tempo de sobrevida das pessoas aumentou, principalmente quando se compara com os pacientes acometidos pela doença no início da epidemia no Brasil, na década de 80; mas a cura ainda é uma busca incessante da ciência.

No vídeo abaixo, do Canal Saúde, emissora de televisão pública sediada na Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, você vai ter mais informações sobre o panorama da Aids no Brasil. No nosso estado, o Grupo de Apoio à Prevenção à Aids da Bahia- GAPA Bahia desenvolve trabalhos de proteção e promoção da saúde, bem como a promoção de direitos dos soropositivos (pessoas contaminadas pelo HIV). Até o nosso próximo encontro!

Anúncios
This entry was posted in Áreas do Conhecimento, Biologia, Ciências, Educação e Saúde, ENEM, RSCJ, Saúde, Sociologia, Temas Transversais and tagged , , , , , , , , , , , , by Raulino Júnior. Bookmark the permalink.

About Raulino Júnior

Raulino Júnior é professor de língua portuguesa da rede estadual de ensino da Bahia, especialista em Estudos Linguísticos (UEFS, 2008), jornalista e produtor cultural. Formou-se em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS, 2006) e em Jornalismo (2014) e Produção em Comunicação e Cultura (2016) pela Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Facom/UFBA). Compõe desde a adolescência e, com a música "Mudanças", ficou em 3º lugar no 1º Festival de Música do Servidor Público, promovido pela Secretaria da Administração do Estado da Bahia (SAEB), em 2013. É autor do "Desde que eu me entendo por gente", blog de experimentações jornalísticas com ênfase em jornalismo cultural, integrante da produtora "Contramão Comunicação e Cultura", idealizador e apresentador do "Monotemático", programa de entrevistas com autores de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs). Desde 2013, integra a equipe de professores da Rede Anísio Teixeira, programa de difusão de mídias e tecnologias educacionais da Secretaria da Educação do Estado da Bahia.

One thought on “A Aids não acabou

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s