Exposição Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade fica em cartaz até 30 de setembro

Mestre Camisa fundador do Abadá Capoeira na Urca - Crédito: André Cypriano

Mestre Camisa fundador do Abadá Capoeira na Urca – Crédito: André Cypriano

Interessados em conhecer um pouco mais da história da Capoeira no Brasil, desde seu surgimento no Brasil Colonial até os dias de hoje, terão mais tempo para conferir a exposição itinerante Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade, que encerraria no dia 19 de agosto e foi prorrogada até 30 de setembro. Composta por fotografias de André Cypriano acompanhadas de ilustrações de Debret e Auguste Earle, a exposição retrata centros de capoeira e capoeiristas de Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Nova York, San Francisco, Recife, Brasília, Olinda e Angra dos Reis. A mostra é uma realização da Aori Produções Culturais e tem o apoio da Diretoria de Museus do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia.

Com curadoria de Denise Carvalho, Diretora da Aori Produções Culturais, a mostra apresenta uma expografia que recria um ambiente de sala de capoeira com um assentamento para o Orixá Exu, entidade que deve ser cumprimentada antes de qualquer roda iniciar-se, uma fotografia do grande Mestre Pastinha, remontando um pequeno altar existente em diversos centros de ensino e prática da capoeira, além de instrumentos musicais e uma ambientação sonora típica das rodas.

O potencial educativo da exposição será explorado a partir de três atividades. No dia 23 de agosto, às 16h, uma roda de conversa sobre capoeira movimenta a Galeria Solar Ferrão. O evento conta com a participação de Mestre Dinei, do Grupo da capoeira Gingarte, Mestre Marcos Grito e Mestre Poloca, do Grupo Nzinga de Capoeira Angola, Mestre Molinha, do Grupo de Capoeira Angola Mingolos filhos da Mandinga, e do cineasta Lázaro Farias, autor do filme Roda do Mundo. No dia 11 de setembro, às 15h30, a etnomusicóloga Emília Biancardi, junto com um grupo de alunos, fará uma apresentação de Berimbaus. Já nos dias 13 e 20 de setembro, às 10h e às 14h, acontece o projeto Contação de Histórias, sob coordenação do arte-educador Ubirajara Santos. Com o tema Capoeira, a atividade é voltada para crianças com idade entre 06 e 12 anos e deve ser agendada previamente pelo telefone (71) 3116-6740.

 Serviço:

 O que: Exposição fotográfica Capoeira – luta, dança e jogo da liberdade.

Onde: Galeria Solar Ferrão – Rua Gregório de Mattos, 45 – Pelourinho. Telefone: (71) 3116-6743

Quando: Até 30 de setembro. Visitação de terça a sexta das 12 às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 12h às 17h.

Programação educativa: Dia 23 de agosto, às 16h: Roda de conversa sobre capoeira; Dia 11 de setembro, às 15h30: Apresentação de Berimbaus; Dias 13 e 20 de setembro, às 10h e às 14h: Contação de história sobre a capoeira.

Gratuito

Realização: Aori Produções Culturais

Apoio: DIMUS/IPAC

Fonte: Pelourinho Cultural

Anúncios

TRIBUTO LUIZ GAMA – ANO II

Êa, turma!

Quem é bode, berra!”

Fazendo referência ao poema “Quem sou eu?” – mais conhecido como “Bodarrada”, de 1859 – o público era convidado a participar das atividades do Tributo Luiz Gama que, em seu segundo ano, homenageia o escritor, jornalista e advogado baiano, uma das mais atuantes e combativas personalidades brasileiras engajadas nas lutas contra a escravidão no Brasil, conhecidas como Campanha Abolicionista. Isso porque “bode” era um dos apelidos dispensados aos(às) que, como Gama, eram negros(as), na tentativa de ridicularizá-los(as).

A ação, que aconteceu no último domingo, 26/08, na praça que leva o nome do homenageado – localidade conhecida como Largo do Tanque, no bairro da Liberdade – apresentou um resumo da vida e da obra do autor e ofereceu ainda ao público presente recitais de literatura e intervenções poéticas com diversos(as) autores(as) locais, música ao vivo com bandas e duelos de freestyle, atividades lúdico-esportivas com o equipamento conhecido como slackline, sorteio de brindes, além de um delicioso almoço vegetariano. A organização do evento recebeu também doações de livros durante todo o dia, destinados a recompor a biblioteca comunitária Luiz Gama, destruída em um incêndio em 2011.

A iniciativa é uma realização do Coletivo Libertai, “uma organização não-governamental que atua na Liberdade, São Caetano e outros bairros periféricos de Salvador promovendo intervenções artísticas e contribuindo para o desenvolvimento da consciência crítica dos moradores desses bairros, usando a arte para a cidadania” como explica o músico Vagner Encarnação, 27, membro do Coletivo.

A equipe do Professor Web marcou presença no local e conversou com os(as) jovens organizadores(as) do evento:

PROFESSOR WEB: Essa é a 2ª edição do Tributo Luiz Gama. Qual o objetivo dessa ação?

COLETIVO LIBERTAI: “O Tributo Luiz Gama existe como uma forma de valorização de personalidades da história afro-brasileira, história essa que não tem sido contada ao longo dos anos pelo ensino formal. O nosso principal objetivo é resgatar essas referências que foram invisibilizadas por esse modelo de aprendizado”, revela Diógenes Barbosa, 29, músico.

PROFESSOR WEB: Qual a importância de se promover uma ação como essa num bairro popular e periférico de Salvador, como a Liberdade?

COLETIVO LIBERTAI: “Essa ação é fundamental pela influência que a gente causa dentro do contexto da Liberdade e outros bairros periféricos, onde questões como violência e tráfico de drogas, por exemplo, são delicadas. Além disso há a apropriação do espaço público, que é o que está acontecendo aqui hoje, pra falarmos de Luiz Gama e o fortalecimento da ideia de que nós, sociedade civil, também temos uma parcela de contribuição para o melhoramento da população soteropolitana e baiana como um todo”, explica o músico Val Da Mata, 33.

PROFESSOR WEB: Qual a intenção em escolher Luiz Gama como personalidade a ser homenageada?

COLETIVO LIBERTAI: “Luiz Gama é a base do que a gente vem promovendo aqui hoje: lutar contra a segregação racial, contra o sexismo, o machismo, enfim, contra toda forma de preconceito, e Luiz Gama foi um exemplo disso. Nós não queremos perder uma vida, queremos trazer essa vida pra o nosso lado. Sabemos que não houve reparação depois da dita libertação dos escravos e nós estamos lutando por essa reparação”, informa a escritora e poetisa Luz Marques, 27.

O estudante Darlan Sacramento, 22, que aproveitou o ensolarado dia de atividades na praça, também deixou suas impressões sobre a homenagem:

PROFESSOR WEB: O que você está achando do evento?

DARLAN SACRAMENTO: “O evento é muito importante pra galera do bairro, pois nós que residimos aqui somos muito carentes de música, de cultura, poesia, enfim, de arte, e o Coletivo Libertai está trazendo isso pra nós.”

PROFESSOR WEB: Qual a importância de uma ação como essa num bairro popular e periférico de Salvador, como a Liberdade?

DARLAN SACRAMENTO: O evento traz cultura, a galera aqui carece de leitura, não conhece a poesia e nem a interpreta muito bem. Eu garanto que tem várias pessoas que estão aqui que não sabem nem quem foi Luiz Gama e estão tendo esse primeiro contato agora.

Para saber um pouco mais sobre a vida e a obra de Luiz Gama cliquem aqui!

Confiram algumas fotos do Tributo Luiz Gama – Ano II aqui!

Até a próxima, pessoal!

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos – Fé e resistência

 

Olá, pessoal!                        

Foto: Carol Garcia / SECOM

Feita por negros escravos no período colonial, época em que estes eram proibidos de frequentar os espaços destinados aos brancos, a igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos tem uma enorme relevância para o cenário cultural brasileiro, sendo uma das mais antigas irmandades de negros do país, em que diversos grupos se organizavam para cultuar Nossa Senhora do Rosário e outros santos católicos, também para gerir o auto fortalecimento. Levando cerca de 100 anos para ser concluída, em 1781, pois muitos de seus/suas fiés só podiam contribuir durante a folga, quando dedicavam o tempo livre para ajudar na construção do templo, e mesmo com poucos recursos eles (as) não deixaram de ter fé e determinação naquele que era um propósito maior.

Já erguida, ela possui uma estrutura que envolve vários estilos clássicos como rococó, neoclássico, além de traços indianos. Em 1938 foi tombada pelo Patrimônio Nacional.

Há dois anos atrás passou por uma grande reforma em que foram restauradas tanto a estrutura física como de algumas imagens de santos, tornando-se uma das principais estruturas do Centro Histórico de Salvador.

Os cultos religiosos são uma grande demonstração de luta pela preservação de valores históricos e culturais, celebrados com cânticos em ritmos africanos, ao som de tamborins, atabaques e repiques, que ajudam a manter vivas as raízes dos afrodescendentes com a cultura de matriz africana.

Quem visita o Pelourinho não consegue sair sem conhecer de perto esse importante monumento, que ajuda a preservar a história e memória da Bahia e dos baianos numa prova de devoção e perseverança.

Confiram as fotos da festa de reinauguração da Igreja que ocorreu em abril deste ano – Clique aqui!

Falou, galera. Abraços!

Fonte\Fotos: Carol Garcia / SECOM

Atividades literárias movimentarão bibliotecas e Campo Grande neste fim de semana

A programação literária neste fim de semana está cheia de atividades na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, no Largo do Campo Grande e na Biblioteca Pública Thales de Azevedo. Oficinas, teatro e feira de livros compõem a grade de atrações para o público.

CDs usados, tintas e tesoura são as ferramentas que os aprendizes irão utilizar na oficina de mandalas. A atividade cultural acontecerá amanhã (30), às 10h e 15h, na Biblioteca Thales de Azevedo (Costa Azul). A oficina é direcionada para jovens e adultos e tem como proposta utilizar materiais recicláveis para transformar em objetos criativos.

Em homenagem ao centenário do escritor Jorge Amado, será realizado nesta sexta-feira (31), às 10h, na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, a oficina de arte literária para crianças. A atividade consistirá na contação do livro do escritor A bola e o goleiro, após isso, as crianças desenharão os personagens da história narrada.

A peça infantil baseada na obra do escritor Jorge Amado A Bola Apaixonada, encerra sua temporada neste domingo (2), às 15h, na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato (Nazaré). O enredo da peça narra a história da bola Fura-Redes, a mais disputada por todos os grandes jogadores, e o goleiro Bilô-Bilô, considerado o pior dos goleiros. Após o encontro dos dois, algo inusitado acontece. A bola se apaixona por seu principal inimigo. Baseado no livro A bola e o goleiro de Jorge Amado.

Instalada sempre no 1° domingo de cada mês e com livros a preços acessíveis acontecerá neste dia  (02), das 9h às 17h, a Feira Mensal de Livros, no Largo do Campo Grande. Na ocasião, haverá o lançamento de três publicações, sendo elas, Carta ao Presidente – Brasileiros em busca da cidadania, publicação escrita por 45 autores, Um Marinheiro do Brasil na 2ª Guerra Mundial – Verdades Que a História Ainda Omite, do escritor feirense Antonio Moreira Ferreira, conhecido como Antônio de Lajedinho, e o livro Urbanos, Humanos, Estranhos…, uma obra de contos e livres comentários, da escritora, atriz e produtora artística Maria Prado de Oliveira.

MAIS INFORMAÇÕES:

Oficina de mandalas na Thales
SERVIÇO
Onde: Biblioteca Pública Thales de Azevedo (Costa Azul)
Quando: Quinta-feira, dia 30 de agosto às 10h e às 15h.
Grátis

Arte literária na Monteiro Lobato
SERVIÇO
Onde: Biblioteca Infantil Monteiro Lobato (Nazaré).
Quando: Dia 31 de agosto (Sexta-feira), às 10h.
Grátis

Oficina de mandalas na Thales
SERVIÇO
Onde: Biblioteca Pública Thales de Azevedo (Costa Azul)
Quando: Dia 30 de agosto (Quinta-feira) às 10h e às 15h.
Grátis

A Bola Apaixonada encerra temporada na Monteiro Lobato
O quê – Espetáculo teatral A Bola Apaixonada,
Quando – Dia 02 de setembro, (Domingo), 15h.
Onde – Teatro da Biblioteca Infantil Monteiro Lobato (Nazaré)
Grátis

Programação de Feira contará com lançamentos
O quê – Feira Mensal de Livros –

Quando – Dia 02 de setembro (Domingo), das 9h às 17h,

Onde. Largo do Campo Grande

Grátis

 

Fonte: http://www.cultura.ba.gov.br/2012/08/29/atividades-literarias-movimentarao-bibliotecas-e-campo-grande-neste-fim-de-semana/

Cine PW: “O crime do Padre Amaro”, “Deus e o Diabo na terra do Sol” e “O Baile Perfumado”

Olá, galera!

O Cine PW hoje indica três filmes confirmados pela UFBA para o vestibular 2013.

Confiram as indicações:

O crime do Padre Amaro

Trata do romance entre o Padre Amaro e a jovem Amélia, que surge num ambiente em que o próprio papel da religião é alvo de grandes discussões e a moralidade de cada um é posta à prova. Enquanto a trágica história de amor se desenvolve, personagens secundários travam instigantes debates sobre o papel da fé.

Eça de Queirós terá aproveitado o fato de ser nomeado administrador do concelho de Leiria para aí durante seis meses, conhecer e estudar aquele que seria o cenário de O Crime do Padre Amaro, uma obra que mais de cem anos depois mantém o interesse de diferentes gerações.

Com a chegada de um novo pároco à cidade, o mesmo passa a frequentar a casa de Amélia. Ambos nutrem uma paixão que não pode ser consumada devido a batina. A solução encontrada foi o encontro às escondidas. Esse caso resulta numa gravidez inesperada, que é a causa da morte de Amélia. Após sua morte, Amaro vai embora da cidade, mas não abandona a batina.

Deus e o Diabo na terra do Sol

O Sertanejo Manoel e sua mulher Rosa levam uma vida sofrida no interior do país, uma terra desolada e marcada pela seca. No entanto, Manoel tem um plano: usar o lucro obtido na partilha do gado com o coronel para comprar um pedaço de terra. Quando leva o gado para a cidade, alguns animais morrem no percurso. Chegado o momento da partilha, o coronel diz que não vai dar nada ao sertanejo, porque o gado que morreu era dele, ao passo que o que chegou vivo era seu. Manoel se irrita, mata o coronel e foge para casa. Ele e sua esposa resolvem ir embora, deixando tudo para trás.

Manoel decide juntar-se a um grupo religioso liderado por um santo (Sebastião) que lutava contra os grandes latifundiários e em busca do paraíso após a morte. Os latifundiários decidem contratar Antônio das Mortes para perseguir e matar o grupo.

O Baile Perfumado

Conta a saga real do libanês Benjamin Abrahão, mascate responsável pelas únicas imagens de Virgulino Ferreira, o Lampião, quando vivia no sertão brasileiro. Amigo íntimo de Padre Cícero, Benjamim mascateava pelo sertão e exercitou seu espírito mercantilista convivendo intimamente com o bando de Lampião. Infiltrou-se no grupo para colher imagens e vender os registros do famoso criminoso pelo mundo afora.

EnCenAção: Cordel do amor sem fim.

Olá Turma!

Hoje falaremos sobre o teatro, essa arte que tem a capacidade de nos transportar para diferentes lugares e experimentar diversas sensações, ou como sugere a sua etimologia que deriva da palavra grega theaomai que significa olhar com atenção, perceber, contemplar no sentido de ter uma experiência intensa, envolvente, meditativa, inquiridora, a fim de descobrir o significado mais profundo; uma cuidadosa e deliberada visão que interpreta seu objeto.

Sobre a origem do teatro existem várias teorias, uma delas é que teria surgido por volta de 80.000 anos a.C. nos rituais religiosos, na reprodução de histórias do cotidiano, ou se desenvolvido a partir da danças e jogos de imitações. Mas a civilização que deu mais notoriedade e aprimorou o teatro foram os gregos, com a criação do drama e da tragédia sendo os seus principais expoentes: Ésquilo, Sófocles e Eurípedes, a comédia com Aristófanes e Menandro, e Tespis que foi o primeiro diretor de coro e desenvolveu o uso das máscaras.

Sobre essa temática trazemos o programa EnCenAção da série Teleteatro, da TV Anísio Teixeira que tem por objetivo divulgar, valorizar e disseminar a arte cênica, bem como os artistas locais, através de peças adaptadas para o audiovisual, estimulando nos educandos da Rede Pública do Estado da Bahia a formação de plateia, a produção de textos teatrais e a arte de interpretar, além de construir produtos audiovisuais com conteúdos de interesse pedagógico, estimulando no professor o uso da teledramaturgia em sala de aula, fomentando assim discussões em torno de temas pouco abordados no dia-a-dia.

Com vocês o espetáculo do dia: Cordel do amor sem fim. 

Neste episódio, podem-se trabalhar os Temas Transversais: Ética e Pluralidade Cultural. Quanto às áreas de Conhecimento, podemos citar:

Geografia:Geografia regional do sertão brasileiro;

Filosofia: Valores morais e éticos;

LiteraturaBrasileira:Literatura de Cordel;

LínguaPortuguesa: Releitura textual; Narrativas; Estilos de Textos;

Arte: Xilogravura; Teatro; Elementos Teatrais;

História: A influência portuguesa do Cordel.

A casa da Bahia – Instituto Geográfico e Histórico da Bahia

Olá, pessoal!

Conhecer os movimentos socioculturais do local em que vivemos nos propicia um novo olhar diante dos fatos que nos cercam, onde, ao inferirmos sobre as questões sociais, políticas e históricas que norteiam o nosso cotidiano, geram uma interação diferenciada na sociedade, fortalecendo as nossas ações e vivências.

Desta forma, hoje a nossa indicação é mais que pertinente!

Querem conhecer de perto e participar da cena cultural da nossa cidade?

Então, visitem o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia.

 Atualmente localizado numa tradicional avenida da capital baiana, a Sete de Setembro, o Instituto que fora fundado no dia 13 de maio de 1894 e teve sua sede em diversos locais, tais como o prédio da Santa Casa, a Praça do Terreiro de Jesus, o Instituto Médico-Legal Nina Rodrigues (provisoriamente), entre outros, arquiva documentos históricos, desde manuscritos, fotografias, autógrafos, partituras, cartas e registros particulares de personalidades como o poeta Castro Alves, Antônio Conselheiro (líder social brasileiro), Joana Angélica (freira, mártir, que morreu defendendo o convento da Lapa), Manoel Ignácio da Cunha Menezes (Barão do Rio Vermelho), o historiador Pedro Calmon, o então presidente Getúlio Vargas, dentre outros(as) notáveis.

Tendo “como finalidade a promoção de estudos, do desenvolvimento e difusão dos conhecimentos de Geografia, de História e Ciências afins, além da defesa e conservação do patrimônio histórico e artístico baiano e brasileiro”, a instituição conta também com um acervo museológico, biblioteca que reúne 12 mil títulos (alguns disponíveis para consulta online), cursos, eventos e outros setores, que são abertos à visitação, onde é possível o envolvimento pleno não apenas com o vasto registro histórico e geográfico de nosso estado, bem como nacional.

Anotem o endereço e horários de visitação deste instituto, que é um dos mais antigos do estado.

Endereço:

Avenida Sete de Setembro, nº 94A, Piedade.

Funcionamento:

Visitação: de segunda a sexta, das 13h às 18h

Biblioteca: de segunda a quinta, das 13h às 18 e sexta, das 13h às 17h

Arquivo: de segunda a sexta, das 13h às 17h

Administrativo: de segunda a sexta, das 13h às 18h

Mas, para quem não está aqui em Salvador, ou não irá resistir até o momento de conhecer pessoalmente o IGHB sugerimos que façam uma visita virtual por meio do site oficial, que contém vídeos, áudios, calendário de eventos, serviços e diversas notícias.

Visita Virtual: cliquem aqui!

 

Nossa história é realmente surpreendente, galera!!

Abraços e até a próxima dica!