Esporte e educação inclusiva: Ginga – Corpo e Cultura

Olá, turma!

Nestes dias de jogos olímpicos parece que o mundo respira esporte, vemos diversos atletas se destacarem na sua modalidade esportiva e que superam suas limitações físicas.

Com tantos ídolos do esporte é inevitável não pensar no(a) nosso(a) professor(a) de educação física, que nos estimula a um estilo de vida mais saudável, que faz bem tanto ao nosso corpo como a mente.

Pensando na atividade física no cotidiano, trazemos mais uma edição do “Ginga – Corpo e Cultura” (programa que já sugerimos aqui), a fim de entendermos a influência da prática esportiva no nosso corpo.

Nessa edição do “Ginga” vocês verão: a educação física e o esporte na escola sob a perspectiva da cultura corporal; proposta curricular da educação física e do esporte oferecido em uma escola especial para estudantes com deficiência e em uma escola regular (que também recebe alunos com deficiência); projetos para a copa de 2014 na Bahia, ressaltando prováveis benefícios para o Estado e para a educação como um todo.

Querem saber mais sobre o Ginga e outros programas da Rede Anísio Teixeira? Acessem aqui e aqui.

Um abraço e ótimos estudos!

Anúncios

Varal Cultural – Museu Eugênio Teixeira Leal

Olá!

Hoje trazemos uma dica imperdível! Localizado em um dos pontos históricos de nossa cidade, o Museu Eugênio Teixeira Leal – Pelourinho/Salvador – BA nos convida para uma excelente programação cultural.

Que tal participar de uma aula expositiva sobre cordel?

Então, anotem aí e divirtam-se!

Conheçam um pouco mais sobre as ações realizadas no museu: INCLUSÃO SÓCIO DIGITAL Projeto desenvolvido desde 2007 que propõe à democratização do acesso as tecnologias da informação com acesso à internet, disponibilizando computadores como ferramenta para pesquisas, estudos e entretenimento dos estudantes e a comunidade geral. A inclusão é acessível de terça a sexta-feira, das 09h às 18h. PONTO DE LEITURA LÚDICO TÉCNICO Um espaço educativo, com acervo especializado para o público infanto-juvenil, com o objetivo de exercitar o hábito da leitura, da pesquisa e a participação da comunidade, contribuindo assim no processo de ensino – aprendizagem. HEMEROTECA A hemeroteca é constituída de documentos históricos por meio de clipagem (recortes) de artigos e noticiários dos principais jornais e revistas de circulação da capital baiana, desde 1983. Esta coleção visa complementar nas pesquisas dos usuários, trazendo como temática história da Bahia, Documentação e Arquivos, Literatura, Museologia, Numismática, Artes, Patrimônio Histórico, Personalidades, Religião entre outros. ARQUIVO HISTÓRICO A Proveniência dos documentos com valor comprobatório, cultural e informacional do Arquivo Histórico é do Banco Econômico. Criado 1984 em comemoração ao sesquicentenário do Banco Econômico é constituído de documentos gerado na Instituição e dos Dirigentes, com o objetivo de preservar a memória do Banco Econômico, através da aquisição, guarda, conservação e divulgação da documentação histórica. Composto pelos documentos como: fotografias; fitas cassetes: vídeo: filme; slide; atas; relatório; correspondências; material de Propaganda; Cartão–postal; livro de registro e documentos contábeis. Possui 66,41m lineares de documentos. Fonte: Setor de Comunicação, Marketing e Dinamização – Museu Eugênio Teixeira Leal

Software Público Brasileiro – Um aliado na inclusão digital!

Olá, pessoal!

Muito se tem discutido sobre o uso dos softwares de licença livre, que surgiram como uma alternativa para garantir o acesso coletivo às tecnologias, sendo uma solução viável para contrapor o domínio das grandes empresas que comercializam, muitas vezes de forma desleal, recursos similares. São também excelentes aliados na produção colaborativa, visto que alguns destes possuem seus códigos abertos para que todos(as) que desejem realizar melhorias tenham a liberdade de fazê-lo.

Aqui no blog indicamos vários desses programas, que podem ser utilizados e compartilhados sem nenhum custo para os(as) seus(as) usuários(as).

Mas não para por aí! Vocês conhecem o Portal do Software Público Brasileiro?

 

Aos(às) que conhecem, é sempre bom conferir as novidades no assunto e, para quem nunca utilizou, temos certeza de que será uma valiosa experiência.

No portal, estão disponíveis diversos recursos, que vão desde gerenciadores para empresas, simuladores de acessibilidade de páginas (hum…gostamos disso), aos voltados para uso educacional. É permitido também que aqueles(as) que criaram algum software e querem compartilhar possam enviar para o repositório. Tal meio atende às necessidades daqueles(as) que além de um programa de qualidade, buscam economia (tendo em vista os custos de aquisição nas lojas e limitações na distribuição da licença), e visam disseminar o uso e plena apropriação destas ferramentas, gerando a verdadeira inclusão digital.

Software Público Brasileiro: Clique aqui!

Desejamos que essa dica seja útil e que compartilhem conosco novidades acerca desse assunto, aqui nos comentários ou na página “Dê a ideia”.

Abraços, amigos(as)!

Fonte: http://www.softwarepublico.gov.br/O_que_e_o_SPB

EDUFBA lança o livro “Música e ancestralidade na Quixabeira”, de Sandro Santana, em Salvador (27/07/2012)

Entendendo a importância da memória coletiva, Sandro Santana apresenta o livroMúsica e ancestralidade na Quixabeira, da Editora da Universidade Federal da Bahia (EDUFBA), no dia 27 de julho, sexta-feira, a partir das 20 horas, na Midialouca, Rio Vermelho, em Salvador. Na ocasião, o autor recebe o público para autógrafos e umpocket-show de samba de roda anima a noite.

O acompanhamento de manifestações culturais do autor serviu como ponto de partida para o trabalho de pesquisa que originou esta obra. O objetivo é passar ao leitor uma análise crítica e reflexões sobre as tradições musicais em Lagoa da Camisa, comunidade onde os sambas de roda possuem um papel estratégico na sociabilidade e na transmissão cultural.

Este livro é fruto de projeto homônimo contemplado pela Fundação Nacional de Artes, no edital Bolsa Funarte de Produção Crítica sobre as Interfaces dos Conteúdos Artísticos e Culturas Populares (2009). O autor, Sandro Santana, é produtor, pesquisador e mestre em Cultura e Sociedade pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Serviço
O quê: Lançamento de Música e ancestralidade na Quixabeira, de Sandro Santana
Quando: 27 de julho, sexta-feira, às 20 horas
Onde: Midialouca (Rua Fonte do Boi, 81, Rio Vermelho – Salvador, Bahia)
Preço especial de lançamento do livro: 20,00

Informações adicionais sobre este livro
ISBN: 978-85-232-0869-1
Número de páginas: 134
Formato: 16 x 23 cm
Ano: 2012

 

Fonte: http://www.edufba.ufba.br/2012/07/edufba-lanca-o-livro-musica-e-ancestralidade-na-quixabeira-de-sandro-santana-em-salvador-27072012/

Cosme de Farias – Memórias da educação

Fala, pessoal!

Hoje queremos falar sobre “memórias da educação” através da emblemática figura de Cosme de Farias.

Como jornalista, educador, advogado ou político, mantinha-se fiel ao seu ideal de assistir aos(às) menos favorecidos(as), de iletrados(as) a perseguidos(as) da justiça.

Nascido no subúrbio de salvador em 1875, ele se destacou à frente de projetos tão importantes para a Bahia, apesar de ter apenas o curso primário, num país em transição de império para república e de abolição recente da escravatura. Seu interesse pela educação, nesse contexto, era visível, pois via na escola o caminho para a libertação daquilo que considerava uma segunda escravidão – o analfabetismo. Aos 14 anos, deu início à Campanha do ABC e, em 1915, criou, junto com amigos, a Liga Baiana contra o Analfabetismo. Ficou conhecido como “Advogado dos pobres” por conta da defesa dos(as) que não tinham condições de pagar um profissional da área jurídica. Mesmo sem diploma de Bacharel exercia a profissão como advogado provisionado, por meio de autorização especial da Justiça. Assim, defendeu gratuitamente mais de 30 mil clientes. Entre seus muitos casos bem sucedidos, está o de ter conseguido o habeas-corpus em favor da cangaceira Dadá, a viúva do cangaceiro Corisco, em 1942. Na política iniciou-se em 1910.

Ao longo de sua vida, fundou e ajudou a manter cerca de 200 escolas de alfabetização de jovens e adultos, espalhadas pela capital e interior. Entre os materiais distribuídos gratuitamente, estavam as cartilhas elaboradas por ele mesmo. Antes de morrer, Cosme de Farias deixou um texto em que rogava aos confrades da Liga Baiana contra o Analfabetismo, que não deixassem a instituição desaparecer, porque seria uma tristeza para a Bahia.

Hoje, Cosme de Farias consta entre os nomes dos(as) que dedicaram grande parte de seus esforços pela Educação no Brasil. Seu legado e história de vida constituem patrimônio que deve ser sempre trazido à memória, para o bem da Educação, fonte que é de inspiração para atuais e futuros(as) educadores(as), jornalistas, advogados(as) e políticos(as).

Confiram o episodio especial do programa da TV Anísio Teixeira “Máquina de Democracia”, sobre este importante educador baiano – Clique aqui!

Máquina de democracia, é um programa de jornalismo especializado em Educação para a Rede Pública de Ensino da Bahia. A série tem a missão de fomentar a discussão e a reflexão, ampliando o conteúdo curricular, além de socializar experiências educacionais exitosas.”

Professor Geraldo Seara

Rede Anísio Teixeira

Fonte/imagem: http://ambiente.educacao.ba.gov.br/conteudos-digitais/conteudo/exibir/id/1547

Estudantes apresentam projeto de tecnologia social

Estudantes do Centro Territorial de Educação Profissional da Região Metropolitana de Salvador (CETEP da RMS), localizado em Camaçari, apresentam, em Porto Alegre, durante o 13º Fórum Internacional de Software Livre (FISL13), uma maquete com sistema eólico, capaz de gerar energia com a força do vento, destinado ao abastecimento residencial. O fórum acontece no Centro de Eventos da PUC do Rio Grande do Sul, até sábado (28/7).

O projeto desenvolvido pelos estudantes do curso técnico de nível médio em Eletroeletrônica, Marcelo Soares, 25, e Uelber Mesquita, 23, trata de uma tecnologia social, sustentável, de baixo custo, que beneficia a comunidade.  Os alunos foram orientados por professores do CETEP da RMS. “É uma energia renovável, sustentável e que não degrada o meio ambiente”, disse Marcelo, demonstrando como na Educação Profissional da Bahia este tipo de experiência reflete o trabalho como princípio educativo e a intervenção social como princípio pedagógico.

Para Uelber Mesquita, representar o CETEP em um evento desta magnitude é muito gratificante. “É motivador, incentivador. Quando eu contar essa experiência, eu vou estimular mais jovens a estudarem”, aposta. Os estudantes acreditam que esta é a fonte de energia do futuro.

A experiência – O professor e articulador técnico do CETEP da RMS, José Carlos Calmon, explica que o projeto eólico é uma maquete retangular com base de madeira e uma miniatura de um prédio com apartamentos sendo iluminados pela geração de energia eólica. Para o professor, esta é também uma oportunidade de mostrar que os estudantes da Rede Estadual de Educação Profissional estão bem preparados. “Um projeto deste porte evidencia que a educação é de qualidade e que o estudante realmente aprende”, disse.

Diretora do Cetep, Nancy Bulcão acredita que a participação no FISL13 é muito importante, além de ser uma experiência muito enriquecedora para os estudantes. “Os estudantes vão representar o CETEP em um fórum internacional. É um reconhecimento do nosso esforço, do nosso trabalho. Esperamos que dessa forma possamos contribuir, cada vez mais, para uma educação de qualidade”, afirmou.

O convite para expor no 13º Fórum Internacional de Software Livre surgiu devido à participação do CETEP da RMS no II Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica, que ocorreu em maio deste ano em Florianópolis. Na ocasião, Marcelo apresentou a maquete no estande da Secretaria da Educação do Estado da Bahia. Representantes da Fundação de Software Livre (FSL) se interessaram e fizeram o convite para que a maquete também fosse exposta em Porto Alegre.

Fonte: http://www.educacao.estudantes.ba.gov.br/node/3457

Cine Pw: Bullying

Na busca pelo poder a humanidade perseguiu, intimidou, ameaçou e segregou o seu semelhante, por entender que a diferença étnica, etária, ideológica, de gênero, religiosa e outras fossem uma ameaça para sua dominação sobre o Outro.

Quando citamos essas discriminações imaginamos as grandes perseguições que marcaram a nossa história como a escravidão, o holocausto dos judeus, perseguição a grupos minoritários. No entanto não percebemos que essas posturas persistem até hoje, basta acessar as mídias de comunicação e veremos que infelizmente a intolerância é uma prática cotidiana.

Hoje vemos essa violência presente nas escolas na forma de Bullying. O local que é pra ser um ambiente de respeito à diversidade, torna-se palco de perseguição, discriminação e agressão. Enquanto educadores(as) perguntamo-nos de quem é o problema? A resposta é única: o problema é de todos(as). Da família, escola, sociedade, o mundo que cerca a criança e o(a) adolescente.

Às vezes ignoramos o fato de que crianças e adolescentes são frutos do contexto social que os(as) circundam, por isso os(as) bullies (agressores(as)) e agredidos(as) são vítimas de uma sociedade que não conseguiu conviver com a diversidade.

Para estimular ainda mais essa discussão o Cine PW traz dois filmes sobre a temática.

 Bully

O documentário acompanha a vida de estudantes secundaristas nos estados de Geórgia, Iowa, Texas, Mississippi, Oklahoma durante o ano letivo de 2009 e 2010. O filme é baseado no suicídio dos estudantes Tyler Long e Smalley Ty, que eram vítimas de bullying.

 Bullying: Provocações sem limites

Jordi é um adolescente que perdeu recentemente seu pai e que, junto à sua mãe, decide mudar de cidade para começar uma nova vida. Em princípio tudo parece bem, mas o destino reservado para ele será uma terrível surpresa já que quando Jordi passar pelo portão da nova escola, cruzará sem saber a tenebrosa fronteira de um novo inferno.

Fontes: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying

http://www.safernet.org.br/site/noticias/cyberbullying-um-ter%C3%A7-das-crian%C3%A7-adolescentes-web-j%C3%A1-sofreram-com-problema

V Latinidades – Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha

De 23 a 29 de julho, a quinta edição doLatinidades, com realização da Griô Produções e da Ossos do Ofício, promove ações afirmativas no sentido de dar visibilidade e voz à mulher negra.

Latinidades promove debates, feira, shows, intervenções culturais, lançamentos literários, oficinas, exibição de documentário, seminário e rodas de conversa sobre o tema Juventude Negra, foco desta quinta edição do Festival, que, desde 2008, traz temas como machismo, racismo e a superação de desigualdades, com recorte de gênero e raça, sempre acompanhado de uma programação cultural gratuita.

Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha propõe uma programação rica e diversificada, a cada edição anual, construída a partir da necessidade de reparação do prejuízo histórico vivido pelas mulheres negras. Neste sentido, em 2012, o tema seráJuventude Negra, por ser a principal vítima da violência urbana. “No Brasil, os dados que nos levaram a realização do Latinidades sob esse tema são impactantes. A juventude negra encabeça a lista dos desempregados e dos que têm maior defasagem escolar.” Justifica Jaqueline Fernandes, coordenadora geral.

Nosso país conta com cerca de 11,5 milhões de jovens negros entre 18 e 24 anos de idade, o que representa 6,6% da população. A taxa de analfabetismo é de 5,8%. Em média, os jovens negros têm dois anos a menos de estudo do que os brancos da mesma faixa etária: 7,5 anos e 9,4 anos, respectivamente. A comparação das taxas de escolarização é um indicador de como o sistema educacional brasileiro ainda tem muito o que fazer para combater as desigualdades raciais: a proporção de crianças no ensino fundamental é de 92,7% para negros e de 95% para brancos; no entanto, somente 4,4% dos negros, de 18 a 24 anos, chegam ao ensino superior; entre os brancos, esse percentual é de 16,6%*.

A equação perversa de diversos fatores tais como racismo, pobreza, discriminação institucional e impunidade, contribui para a falência do sistema de segurança e justiça em relação à população negra. Essa relação não é fruto do acaso: distorções como a “presunção de culpabilidade” em relação aos negros resulta em ações que promovem a eliminação pura e simples dos suspeitos, violando os direitos humanos e constitucionais desses jovens. Ações que de tão recorrentes e banalizadas denunciam um processo silencioso de eliminação desse grupo da população.*

*Do artigo Juventude negra e exclusão radical, de Maria Aparecida Bento e Nathalie Beghin.

“Realizar o Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, para nós, significa refletir o lugar da mulher afro-descendente no Brasil e os desafios da luta contra a pobreza e o racismo, aumentando, assim, as possibilidades de dar visibilidade as mulheres negras da América Latina e Caribe.” Comenta Jaqueline.

Ações realizadas durante o Festival:

Continue Lendo “V Latinidades – Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha”

CAPITAL BAIANA SEDIA IMPORTANTES ENCONTROS NA ÁREA DO ENSINO DE QUÍMICA

Olá, turma!

Aconteceram em Salvador, entre os dias 17 e 20 deste mês, dois eventos importantes para o ensino e a educação em química: o XVI Encontro Nacional de Ensino de Química (ENEQ) e o Encontro de Educação Química da Bahia (EDUQUI), este em sua décima edição. Organizados por diversas instituições de Ensino de todo o Brasil, os encontros foram sediados no campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Durante quatro dias cerca de duas mil pessoas, entre docentes, universitári@s e profissionais da educação em química se reuniram para trocar ideias, trabalhos e experiências sobre a área de ensino de química no Brasil e na Bahia, fortalecendo o diálogo entre os diversos grupos e as linhas de pesquisa no tema e contribuindo para a melhoria da formação d@s educador@s.

Para o professor do Instituto de Química da UFBA e coordenador do XVI ENEQ e do X EDUQUI, José Luis Silva “o ensino de química creseu em quantidade de pessoas, em número de trabalhos realizados, em quantidade de cursos de pós-graduação – não só na área de química mas em ciências, como um todo – e a qualidade dos trabalhos também cresceu bastante com o aprimoramento das teorias desenvolvidas no Brasil”. Ainda segundo ele “a Bahia não está entre os maiores centros, que estão no sul e sudeste do país, bem como as universidades mais fortes, mas nós temos aqui um grupo relativamente numeroso, presente nas instituições universitárias de ensino e pesquisa, tanto nas federais quanto nas estaduais”.

O professor salienta também a importancia dos encontros para a Bahia: “Um evento como esse mostra para as pessoas daqui, que não tem podido viajar para participar de outras edições do encontro, o tamanho da comunidade do ensino de química, a diversidade de temas, e isso vai abrindo horizontes, despertando interesses”.

Conversamos também com um dos participantes deste verdadeiro intercâmbio de conhecimentos, o estudante José Elias dos Santos, que cursa licenciatura em química no Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE) e que nos contou com entusiasmo o que achou dos encontros: “O ensino de química avançou, tem havido um bom desempenho na área, que se reflete no melhor aprendizado da disciplina. Participei de um mini-curso sobre química na cozinha onde pudemos aprender que a química não é, como a maioria das pessoas pensa, um bicho-de-sete-cabeças: ela é simples, e é possível demonstrá-la através dos alimentos”. Ainda segundo José Elias “nós estudantes vamos levando para Pernambuco ótimos resultados e o objetivo é de que tenhamos oportunidade de nos reunirmos novamente não só aqui, mas em outros estados que sediem novos encontros de química.”

A equipe do Professor Web marcou presença nos encontros realizando a cobertura das atividades, apresentando os conteúdos digitais educacionais produzidos pel@s educomunicador@s da Rede Anísio Teixeira e fortalecendo ainda mais a interação com a comunidade escolar baiana, nossa permanente inspiração.

Vejam aqui algumas fotos do evento

Abraços e até a próxima, pessoal!

Olimpíada, o evento máximo do esporte.

Olá turma!

Nesta sexta-feira, 27/07, a cidade de Londres irá sediar mais uma Olimpíada. Considerada o evento máximo do esporte por agregar diversos segmentos esportivos, a Olimpíada é uma das maiores conquistas que um esportista pode almejar.

Vocês sabem quando surgiu a Olimpíada?

As Olimpíadas têm suas raízes na Grécia antiga, por volta de 2500 a.C., quando eram realizados jogos em homenagem ao deus Zeus. Mas foi no ano de 776 a.C. que  atletas de várias cidades-estados se reuniram na cidade de Olímpia para disputar diversas competições, como: atletismo, luta, corrida de bigas e pentatlo (luta, corrida, salto em distância, arremesso de dardo e de disco). Os vencedores das modalidades eram condecorados com uma coroa de louros e aclamados como heróis.

Com a conversão do imperador romano Teodósio I ao cristianismo em 392 d.C.  os jogos olímpicos e quaisquer manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidas.

Somente em 1896, os Jogos Olímpicos são retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido como o Barão de Coubertin. Nesta primeira Olimpíada da Era Moderna, participaram 285 atletas de 13 países, disputando provas de atletismo, esgrima, luta greco-romana, ginástica, halterofilismo, ciclismo, natação e tênis. Os vencedores das provas foram premiados com medalhas de ouro e um ramo de oliveira.

De 1896 até hoje foram realizados 26 Olimpíadas:

1896 – Atenas

1900 – Paris

1904 – Saint Louis

Continue Lendo “Olimpíada, o evento máximo do esporte.”